Por Davi Pascale

É muito comum vermos filhos de artistas querendo seguir na profissão sem terem herdado o talento de seus pais. Não vou citar nomes, mas a história é bem comum. O mesmo não podemos dizer de Julian Lennon que sempre foi um cantor afinado e possui discos lindíssimos em sua trajetória. Para quem ainda não ligou o nome à pessoa, Julian é filho de John Lennon (Beatles).

Embora esteja na música há um bom tempo, o garoto gravou poucos discos. Esse compacto, que passou batido aqui no Brasil, remete à uma canção gravada originalmente em Help Yourself, seu álbum de 1991. “Saltwater” é uma balada bem beatle. Não é por acaso que Bob Ezrin (produtor do CD) pretendia usar George Harrison no solo dessa música. George negou porque foi justamente no período em que seu amigo Eric Clapton havia perdido seu filho. E ele não queria abandonar o rapaz.

A canção foi um sucesso local. Embora não tenha tido o mesmo êxito em outros países, na Inglaterra, atingiu o sexto lugar das paradas. A letra fala sobre os problemas ambientais e a pobreza encontrada no mundo. “Time is not a friend, ´cause friends we´re out of time”. Em português: “O tempo não é nosso amigo. Amigos, estamos ficando sem tempo” é um dos versos da canção. Agora, vocês já devem estar entendendo a relação de amizade construída entre ele e Bono (U2), né? Os dois têm a mesma visão de mundo…

Talvez seja essa a razão de tê-la regravado 25 anos depois. Os problemas ambientais e sociais permanecem. Em seu website, o musico diz que acredita que dentro desses aspectos, o mundo piorou. “Parece que o mundo está 25 vezes pior do que estava 25 anos atrás, na questão humanitária e ambiental. Espero que em  algumas mentes possam haver grandes transformações, para o bem de todos nós”.

 

A linha vocal permanece a mesma. O arranjo deu uma mudada. Um pouco mais deprê. Agora a música não inicia mais com o teclado fazendo uma orquestração. A bateria que só entrava na segunda metade da canção, abre a versão atual com uma levada bem arrastada. Embora sejam estilos diferentes de música, o som da bateria me remeteu ao álbum Listen Without Prejudice de George Michael.

Julian Lennon continua remetendo bastante ao seu pai na maneira de cantar. Tanto seu timbre de voz quanto o modo de postar a voz lembram bastante John. O garoto consegue soar mais beatle do que Oasis e Ocean Colour Scene juntos, sem fazer força para isso.

No lado B, temos uma versão alternativa da nova “Saltwater”. Intitulada de “Creo Que Voy a Llorar” trata-se da mesma versão presente no lado A, porém com o músico cantando a frase em espanhol no lugar de “saltwater wells in my eyes”, frase que fecha cada verso da canção.

A balada é lindíssima, assim como o disquinho. Julian prensou o disco em vinil transparente. O preço para nós brasileiros é um pouco salgado – em seu site oficial, é possível encomendar o disco por 25 libras, sem frete – mas para quem é muito fã, compensa o investimento. Além do produto ser muito bonito, ele deve se tornar um item de colecionador daqui há alguns anos. Trata-se de uma prensagem independente. Não deve ter sido prensado muitos discos desse. Fica a dica mais do que especial para nossos amigos colecionadores que frequentam essa página.

Faixas:

  •      Saltwater 25
  •      Creo Que Voy a Llorar

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.