Por André Kaminski

Participações de Alisson Caetano e Mairon Machado

O The Enid foi formado em 1973 por Robert John Godfrey, após este sair do Barclay James Harvest por motivos um tanto nebulosos. Robert é o cabeça do grupo e apesar de funcionar como uma banda, está mais para um projeto solo dele. Sundialer [1995] é em sua maioria instrumental, com algumas pouquíssimas passagens vocais. A ideia nos anos 70 era fazer rock com muita sinfonia, que foi mudando aos poucos com o passar dos anos. Nos anos 90, época desse álbum, Robert inclui até mesmo uma certa batida “dance” de forma a deixar a sonoridade do The Enid um pouco mais palatável ao público. Robert deixou a banda em 2014 devido a um diagnóstico de Alzheimer e esta continuou fazendo shows mesmo sem seu principal líder. Porém, ele voltou no início deste ano depois de mais uma ressonância magnética em que desta vez, nada acusou em relação a doença. Logo, o The Enid continuará com o velho britânico novamente comandando as rédeas da banda. Veja como nossos consultores avaliaram o disco!


01 Sundialer

André: Início fortemente orquestrado, amo esse tipo de introdução.

Mairon: Conheço esse disco há um bom tempo. Barclay James é daquelas bandas que estão no segundo, talvez terceiro escalão das minhas audições. Aprecio bastante os discos do grupo, e alguns de seus galhos musicais também são igualmente admiráveis, como é o caso do The Enid. Em especial, esse álbum traz como diferencial uma sonoridade mais “dance”, o que pode assustar aos fãs da banda, mas tem lá seu charme

Alisson: Essa intro me lembrou os trabalhos do Prince pra trilha sonora. Aliás, não tem a ficha técnica do disco no RYM, quem toca os synths?

André: Quem toca é o próprio Robert, Alisson.

Mairon: O que eu curto mesmo são esses trechos viajantes, meio Vangelis. Adoro!!

Alisson: Você pesou a descrição com sendo Prog Sinfônico mas — tudo bem que não tem tanto tempo de play — mas esse tá sendo longe de ser o definidor do disco. Dance eletrônico, as guitarras indo e vindo, paisagens futuristas e tal, tá ruim não. Beberam da fonte certa (RIP Prince).

André: A orquestra aparece bastante, Alisson, daqui a pouco vai ver muito mais dela.


02 Chaldean Crossing (remix)

Mairon: Aqui o disco realmente”COMEÇA”. Até então, era só uma pequena amostragem. Agora a doideira irá exalar das caixas de som.

Alisson: Eu ia falar da produção antes mas acabei empolgando por lembrar do rei do pop lá atrás.

Mairon: Esse disco >>>>>>>>>>>>>>> abismo >>>> Prince

Alisson: Enfim, parece que não tem abertura pros instrumentos “ressoarem”, saca? O grave é bem definido, quase saturando. Mas tipo, é tudo muito comprimido. Noob demais.

Mairon: As orquestrações surgindo timidamente, junto a um andamento suave, sintetizadores viajantes. Sinto-me no show do Kitaro, mas com dignidade ao menos.

André: Não me incomoda esse grave, por enquanto as melodias mesmo estão ao fundo surgindo aos poucos. Agora o baterista começa a aparecer um pouco mais com as batidas nos bumbos.

Alisson: Instrumentação indo e vindo, apesar de “sutil” fica até previsível de saber quando e como vem os ápices.

Mairon: Para quem conhece a carreira do The Enid, vale ressaltar que nem todos os discos tem essa vibe. Acho que aqui eles aproveitaram a onda New Age e fizeram algo nessa linha. Buddha’s Bar é outra referência que me vem à cabeça ouvindo “Chaldean Crossing (remix)”. Aliás, nunca descobri se existe uma “Chaldean Crossing”.

André: Acho esse instrumental viajante excelente. Há espaço para os outros integrantes aparecerem mesmo que por alguns poucos segundos.

Alisson: Vocês focaram bastante no sinfônico da coisa mas eu só aproveitei mesmo durante os espaços de repetição. Quando o sinfônico surge, fica meio caricato e plástico.


Robert John Godfrey (tecladista e líder do The Enid).

03 Dark Hydraulic (remix)

Mairon: Mas não considero sinfônico. Não esse disco.

André: Essa é a minha música favorita da banda.

Mairon: A melhor faixa de Sundialer surge.

André: O baixo que virá é maravilhoso. O The Enid em sua maioria faz composições de início calmo que vai crescendo aos poucos em nossos ouvidos.

Alisson: Tem algo parecido em alguma OST de algum jogo antigo…

Mairon: Essa retorna ao clima Vangelis, com um adendo das trompas e metais, mas principalmente, um baixo fudidamente chocante. Sonzeira.

Alisson: Não comprei esse timbre de teclado não.

Mairon: Imagina a galera que em 1995 ouvia É O Tchan e Mamonas, chegando numa loja de discos de um roots prog que estivesse ouvindo esse “lançamento”, o pânico da criatura, ahuahuaha.

Alisson: O que uma coisa tem a ver com a outra, bicho? o.O

Mairon: As passagens de guitarra, o ritmo da bateria, orquestração, teclados, tudo encaixando perfeitamente.

André: Bastante reverb nessa guitarra. Aliás, eu adoro o efeito reverb.

Alisson: Esses “sopros” também, viu… tá difícil.

André: Orra, acho que dá de chamar essa faixa de sinfônica não é mesmo?

Alisson: Continuo achando o lance bem mais pra um Prog Eletrônico mesmo, bicho.

Mairon: Acho que não André. É experimental. Concordo com o Alisson.

Alisson: Aliás, alguém botou tag no RYM como Alternative Rock…

Mairon: O que não impede de ser uma boa audição. Virada sensacional!!! Sonzeira do cão.

André: Ah, vocês estão considerando pelos rótulos, eu considero pelo uso das orquestrações em grande parte das canções.

Alisson: Se pegar e ver que os synths e teclados são centrais e dão até a estética retrô do disco, puxa bem mais pro Eletronico/prog.

André: Sim, o disco está mesmo muito mais para prog eletrônico, mas independente disso, acho melhor não ficarmos restritos a classificações. Vão nos considerar uns malas nos comentários hahahahahahahaha.

Alisson: E tá errado?

Mairon: Alisson, tira os teclados e vai dizer que essa guitarra não lembra o Belew em seus melhores dias???

Alisson: Quem é Belew?

Mairon: Adrian Belew.

Alisson: Ah…. nope. Agora que associei o nome.

Mairon: Lembra né?

Alisson: Eu lembro mais dele no Discipline e tipo: “TALKING HEADS”. Mas sério, nem é forçando a barra nem nada, mas o estilo de guitarra lá na primeira faixa eu fiquei “caramba, o cara toca bem parecido com o Prince”.

Mairon: Pior que não achei. Final de faixa para cair o cu da bunda.

André: Conheço pouquíssimo do Prince, logo, não vou opinar para não falar bobagem.


04 Ultraviolet Cat

Alisson: Kraftwerk na área.

André: Uma canção de início mais espacial, misturada a algo levemente industrial.

Alisson: Poxa, tava tão bom quando era só uma vibe Trans Europe Express… agora entrou esse clima meio lounge.

Mairon: Voltamos a um som mais pop. Lounge é uma bela definição. Parabéns Alisson.

Alisson: Foi pejorativamente.

Mairon: Eu curto esse tipo de som, ainda mais em um dia chuvoso como hoje aqui em São Borja. Dá um clima legal.

Alisson: Lounge só funciona ironicamente pra vaporwave.

Mairon: Acho que to chapado de mais.

Alisson: Peste dum zé droguinha…

André: Dorgas.

Mairon: Ando assistindo muito programa partidário

André: Que riff de guitarra! Simples mas eficiente!

Mairon: Cara, som muito bom. Vocais bem encaixados, guitarra com timbres legais. Gosto bastante.

Alisson: Nem to considerando as passagens com voz porque eles surgem esporadicamente e meio que não me acrescentaram nada. E essa vibe de música africana?

Mairon: Mas se encaixam legal.

Alisson: Destaque da faixa: didjeridu ao fundo, pena que dura pouco.

André: Para ir de Kraftwerk até a África, é uma viagem meuito louca, não Alisson?

Alisson: Fala isso pro cara que compôs a música kkkk.

Mairon: kkkkkkkkk.

André: Mais louco sou eu que vou ficar tendo que fazer essa postagem daqui a pouco para entrar amanhã.


05 Salome 95

Mairon: Essa é uma nova versão para a faixa de 86, do álbum homônimo. Foi mantida a linha de piano e algumas passagens aqui e acolá. É a mais fraca do álbum, em minha humilde opinião.

Alisson: Se é a mais fraca, nossa senhora…

André: A primeira versão é melhor, mas eu gosto desta também. O que eu gosto dela são as constantes trocas de notas do baixo.

Mairon: Eu acho que exageraram aqui. Não me soa no mesmo nível que as demais do álbum. Mas longe de ser ruim.

André: Por outro lado, os vocais líricos femininos não ficaram bons nessa canção, apesar de que imagino que o Robert quis trazer a “Salomé” para o disco.

Alisson: Harmonizar os vocais na faixa não ajudou em nada, pra ser sincero. O ritmo hipnótico de fundo funciona, mas quando entra o protagonismo dos teclados, não fica legal.

Mairon: Concordo fortemente.

Alisson: Tem horas que soa brega e piegas. Estendo isso para todas as faixas.

Mairon: Daí eu discordo.

André: Aí eu já penso diferente porque tirar o teclado da sonoridade descaracterizaria toda a banda.


Considerações Finais

Mairon: Bom, jamais esperaria que o André indicasse esse disco. Aprecio a Barclay James Harvest, e os discos do The Enid são misturas de engodos, enganações, obras primas e bras muito boa de serem audíveis. Sundialer se encaixa nessa última. Não ouço com tanta frequência, mas sempre que o ouço, curto a sensação. Passa rápido nas caixas de som.

Alisson: Prog eletrônico/sinfônico bem do operante. Apesar de ter sido lançado nos anos 90, faria bem mais sentido ter sido lançado nos anos 70. A influência de Vangelis é óbvia, mas não sei se por falta de criatividade ou coisa do tipo, mas as composições não encaixam. Seja por evolução batida e previsível, ou seja até pela produção saturada. Se você curte muito o estilo e quer continuar garimpando os “perdidos”, vai fundo.

Mairon: Da banda, recomendo também In The Region Of The Summer Stars (1976), Aerie Faerie Nonsense (1977) e Six Pieces (1979).

André: Eu sempre gostei muito do The Enid e mesmo eu estando já há 4 anos escrevendo para a Consultoria do Rock, eu vi que andei adiando demais em trazer uma matéria que enfatizasse a banda. Recomendei este Sundialer porque vejo a banda soando muito diferenciada em misturar as batidas eletrônicas, quase dance, junto a orquestrações e elementos do rock e do prog. O disco me agrada muito e sinto que o The Enid precisa ser mais conhecido.

Mairon: Entra amanhã, André?

André: Sim, vou editar daqui a pouco, Mairon.

Mairon: Senhores, necessito deslocar-me do meu recinto, mas foi uma alegria inquestionável a audição desse álbum com vossas presenças. Grato de ❤.

Alisson: Valeu galera, abraços ae.

André: Até mais, e obrigado pelos comentários.

 

Créditos da imagem: Paul Michael Hughes Photography

2 comentários

  1. Marcello

    Boa iniciativa, trazendo uma banda difícil de se encontrar no Brasil. Até hoje só consegui um CD deles, “Touch Me”, lançado em 1979. Não sabia que o Godfrey tinha se afastado da banda – aliás, não imaginava que ainda estavam na ativa.

    Responder
    • André Kaminski

      Marcello, segundo uma das últimas postagens da banda, o Robert retornou à banda porque viu que o direcionamento dela não estava de acordo com o esperado. A ideia dele é, digamos, botar novamente a banda nos eixos e depois passar o bastão para o guitarrista Jason Ducker que seguirá com ela mesmo sem a sua presença.

      E o The Enid esteve ativo todos esses anos (apenas um hiato entre 2000 e 2006). Inclusive, lançaram três discos nos últimos cinco anos. Todavia, boa parte das músicas são remixagens ou novas versões de canções antigas. Infelizmente não com a mesma qualidade das originais. Último disco que eu gostei deles foi Arise and Shine de 2009.

      Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.