Por Mairon Machado

As duas da manhã do dia 30 de agosto de 1970, um domingo como hoje, há exatos 50 anos, uma das maiores bandas britânicas da história da música realizou aquele que é considerado o maior show de sua carreira. Trata-se do The Who, e sua inesquecível apresentação no Festival da Ilha de Wight. Para os perdidos, o Isle of Wight Festival de 1970 foi realizado entre os dias 26 e 31 de agosto de 1970, sendo considerado por muitos como o Woodstock britânico. O festival apresentou nomes como Jimi Hendrix, The Doors (já em despedida), Jethro Tull, Taste, Chicago, Procol Harum, Miles Davis, os novatos Supertramp e Emerson Lake & Palmer, muitos outros e claro, o The Who. Esta incrível apresentação de Roger Daltrey (vocais, harmônica), John Entwistle (baixo, vocais), Pete Townshend (guitarra, vocais) e Keith Moon (bateria, vocais) chegou ao mercado pela primeira vez no mesmo pacote, com o show na íntegra em CD, e as filmagens quase completas da apresentação em um DVD que acompanha o fantástico Live at the Isle of Wight Festival 1970, lançado pelo selo Salvo em 2013.

O selo tem sido notável em lançamentos desse tipo, tais como as apresentações de Van der Graaf Generator, Zombies e Caravan no Metropolis Studios de Londres, ou o Jethro Tull no mesmo Festival da Ilha de Wight de 1970, com as apresentações em vídeo e áudio sendo um deleite para os fãs e colecionadores de música em geral, e fez um serviço inquestionável para quem curte rock ao lançar esse pacote. A versão aqui apresentada foi lançada em um formato Digipack, com 4 painéis que armazenam os dois CDs, o DVD e um belo encarte de 12 páginas, com texto de Patrick Humphries lembrando sobre o show do The Who e muitas fotos daquela noite.

Mas é musicalmente que os caras do The Who estraçalham. Seguindo o lançamento do aclamado Tommy, essa apresentação no Isle of Wight é poderosa do início ao fim, e marca o encerramento das grandiosas apresentações que os britânicos fizeram entre 1967, quando surgiram ao mundo no Monterey Pop Festival, e passa pela inesquecível apresentação no Woodstock de 1969. É um show incendiário, cuja abertura com “Heaven and Hell” já traz toda a energia que a banda exalava, seguida de uma impecável “I Can’t Explain”, clássico absoluto da banda, uma ótima revisitada para “Young Man Blues” e as audaciosas apresentações para as então inéditas “I don’t Know Myself” e “Water”, as duas últimas partes da ópera-rock abortada pós-Tommy, Lifehouse. O CD não segue a ordem original do show, mas traz também “Naked Eye”, outra de Lifehouse, e que foi apresentada antes do grupo chegar na apresentação quase que na íntegra de Tommy.

A ópera-rock mais famosa do mundo já estava sendo apresentada ao vivo há mais de um ano, então, o grupo estava afiadinho, mesmo diante de 600 mil pessoas que aguardavam ansiosos para ver uma noite que ficou para a história. Ouvi-la quase que na totalidade, ainda com as inspirações de Townshend aflorando pelos poros, e um endiabrado Moon fazendo misérias em seu kit, além de Daltrey mostrando por que é uma das vozes mais potentes do rock, e toda a elegância de John Entwistle, empunhando seu baixo como se fosse uma guitarra, é um deleite.

“Overture”, “Sparks”, “Eyesight to the Blind (The Hawker)” são os grandes momentos na primeira parte de Tommy, a qual está presente no CD 1. O CD 2 começa com “Acid Queen”, e perpassa por mais onze partes de Tommy, com as clássicas “Pinbal Wizard”, “Smash The Mirror”, “I’m Free” e destaque especial para o mágico encerramento com “We’re Not Gonna Take It”. Uma performance magistral, que por si só já vale a aquisição do CD, mas ainda há mais. O grupo resgata aqui “Summertime Blues”, o Medley de clássicos do blues (“Shakin’ All Over, Spoonful e Twist & Shout”, e fecha com uma sequência de tirar o fôlego para qualquer fã do The Who, com “Substitute”, “My Generation”, essa com muitos improvisos, e “Magic Bus”, além da já citada “Naked Eye”. Ou seja, é uma coletânea perfeita, mas caught in the act, das melhores canções que os britânicos gravaram.

O DVD é uma atração a parte. A filmagem eterniza as roupas que praticamente fizeram a imagem do The Who, com a fantasia de esqueleto de John Entwistle, o macacão branco de Pete Townshend, as longas franjas e o cabelo comprido e encaracolado de Roger Daltrey, com seu peito aberto, encarnando Tommy, e as viradas inconfundíveis e únicas de um Keith Moon vestindo apenas uma camisa branca e jeans, mas sempre com um sorriso afável e debochado no rosto. O DVD está na ordem correta do show, e ainda traz como bônus as versões de “Substitute” e “Naked “Eye”.

Para quem conhece e gosta de Live at Leeds, aquele repertório talvez seja melhor. Porém, ver o The Who ao vivo é o principal diferencial nesse lançamento de Isle of Wight. Difícil imaginar que 50 anos depois, um show ainda estaria sendo tão visto, aplaudido, curtido e celebrado quanto esse de um dos quartetos mais impressionantes e potentes que os palcos do mundo já ouviram e viram.

Track list CD

CD 1
1. Heaven and Hell
2. I Can’t Explain
3. Young Man Blues
4. I Don’t Even Know Myself
5. Water
6. Overture
7. It’s A Boy
8. 1921
9. Amazing Journey
10. Sparks
11. Eyesight to the Blind (The Hawker)
12. Christmas

CD 2
1. The Acid Queen
2. Pinball Wizard
3. Do You Thing It’s Alright?
4. Fiddle About
5. Tommy Can You Hear Me?
6. There’s A Doctor
7. Go to the Mirror!
8. Smash the Mirror
9. Miracle Cure
10. I’m Free
11. Tommy’s Holiday Camp
12. We’re Not Gonna Take It
13. Summertime Blues
14. Shakin’ All Over / Spoonful / Twist & Shout
15. Substitute
16. My Generation
17. Naked Eye
18. Magic Bus

Track list DVD

1. Heaven and Hell
2. I Can’t Explain
3. Young Man Blues
4. I Don’t Even Know Myself
5. Water
6. Shakin’ All Over / Spoonful / Twist & Shout
7. Summertime Blues
8. My Generation
9. Magic Bus
10. Overture
11. It’s A Boy
12. Eyesight to the Blind (The Hawker)
13. Christmas
14. The Acid Queen
15. Pinball Wizard
16. Do You Thing It’s Alright?
17. Fiddle About
18. Go to the Mirror!
19. Miracle Cure
20. I’m Free
21. We’re Not Gonna Take It
22. See Me Feel Me / Listening To You
23. Tommy Can You Hear Me?

Bonus Tracks
24. Substitute
25. Naked Eye

2 comentários

  1. Ronaldo Rodrigues

    Esse show foi da pesada mesmo! mais legal que o Live at Leeds. Aliás, esse festival todo foi muito foda!

    Responder
    • Mairon

      Festival muito bom. Acho que foi a melhor edição dele. O repertório do Leeds acho mais completo (quando saiu a versão completa), mas a Tommy daqui é fantastica. Vlw

      Responder

Deixar comentário para Ronaldo Rodrigues Cancelar resposta

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.