por Ulisses Macedo

Já fazem quase vinte e seis anos desde que o Wolf surgiu na cena underground sueca, trilhando os caminhos da NWOTHM enquanto ia, pouco a pouco, moldando a sonoridade para algo um pouco mais distinto de suas claras influências, algo como “o todo é maior que a soma das partes”. Vê-se isso claramente quando o quarteto criou o soberbo Evil Star (2004), mas depois transmutou-se novamente em algo inesperado, como nos vocais rasgados de Legions of Bastards (2011) ou nas canções perfeitamente calibradas entre o pesado e o radiofônico de Ravenous (2009). Desta vez o quarteto liderado por Niklas Stålvind (e que agora conta com Simon Johansson na guitarra solo e Richard Holmgren na bateria, além de Anders Modd no baixo desde Ravenous) segue o molde básico (mas não a mera cópia idêntica) dos três discos anteriores, adicionou um pouco da atmosfera obscura de Evil Star e voilà: do velho criou-se o novo, chamado Devil Seed.

Wolf

“My Demon” e “Shark Attack” foram mostradas antes do lançamento do álbum, recebendo, respectivamente, um lyrics video e um videoclipe. Aquela é mais cadenciada, focando-se em bons riffs e na voz de Niklas despejando atrocidades diabólicas. Já “Shark Attack”, precedida no álbum pela curta instrumental “Overture in C Shark”, é uma típica canção de abertura: rápida, com refrão e estrutura simples. A maior parte do disco segue mais ou menos nessa linha, fluída, mas com temperos interessantes aqui e ali, como a segunda metade de “I Am Pain”. Melodias intricadas aparecem na ótima “Back From the Grave”

O destaque fica para a pitoresca “The Dark Passenger”, cuja atmosfera sombria traga o ouvinte por completo em um miasma negro de agonia. “Skeleton Woman”, minha preferida, é outra que chama a atenção ao iniciar como um petardo que, depois do solo, tem uma passagem acústica aonde Niklas despeja sua costumeira voz angustiante, fechando com a volta do peso e o encerramento repentino. “Frozen” traz ótimas partes de guitarra, e felizmente nada tem a ver com a animação da Disney de mesmo nome. Apesar do nome, é uma faixa bem quente e animada, e desliza bem para “Killing Floor”, que encerra o disco com dedilhados que lembram “Blood Angel”, a última de Ravenous.

R-6036134-1409416417-3319.jpeg

R-6036134-1409416416-6947.jpeg

Detalhes do selo da versão limitada em vinil

No mais, Devil Seed satisfaz quem já é fã da banda ao manter a querida sonoridade e trazer alguns poucos elementos novos, mas sempre fico com aquela sensação de que a banda consegue fazer melhor. Considerando, entretanto, que ele trouxe a dinamicidade adequada a que já estamos acostumados, certamente é mais adição valorosa ao catálogo dos suecos.

And so the night begins to close your eyes / And your reality will dematerialise / Just wait, hold your breath / Sharpen every sense

Track list

1. Overture in C Shark
2. Shark Attack
3. Skeleton Woman
4. Surgeons of Lobotomy
5. My Demon
6. I Am Pain
7. Back from the Grave
8. The Dark Passenger
9. River Everlost
10. Frozen
11. Killing Floor

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.