I Wanna Go Back: Rocky IV – Trilha Sonora [1985]

9 de maio, 2012 | por Diogo Bizotto
Diversos
2

Por Diogo Bizotto
Não é a primeira vez que trago, ao invés de um álbum habitual de estúdio de determinado artista, uma trilha sonora que encaixa-se quase à perfeição nos moldes do que a coluna “I Wanna Go Back” se propõe a apresentar. Pouco menos de um ano atrás, apresentei as faixas que fazem parte da trilha sonora original do filme “Over the Top” (1987), conhecido no Brasil como “Falcão, o Campeão dos Campeões”. Hoje é a vez de mais uma daquelas películas que, por mais que constituam um verdadeiro desafio ao bom gosto para muitos aficionados por cinema, marcaram muito minha infância, assim como sua conhecida trilha sonora, recheada de canções que ativam a memória afetiva de muitas pessoas. Afinal, quem não lembra de Rocky Balboa treinando sob a neve ou socando (e apanhando de) Ivan Drago tendo ao fundo o ressoar de uma porção de músicas instigadoras?
Ao contrário das outras trilhas sonoras dos filmes da série “Rocky”, todas estreladas por Sylvester Stallone, neste caso o responsável por dar forma às canções não escritas inteiramente pelos próprios artistas que nela participam, além dos temas instrumentais, não foi Bill Conti, mas Vince DiCola, que executou bem sua tarefa, eternizada especialmente nas marcantes “War/Fanfare For Rocky” e “Training Montage”, duas faixas instrumentais marcadas por conduções simples e altamente calcadas nas melodias que surgem dos teclados de Vince, esbanjando uma variedade de timbres distintos, além da típica dramaticidade que um filme como “Rocky IV” pede. Porém, apesar das qualidades, essas duas ainda não são os verdadeiros destaques presentes no disco.
Single para “Burning Heart”
O primeiro e óbvio motivo para alçar a trilha a uma posição especial é a canção que abre o álbum, composta e executada por uma banda que já havia tido com Sylvester Stallone a parceria definitiva que marcaria sua carreira para sempre. Trata-se de “Burning Heart”, do mesmo Survivor que escreveu “Eye of the Tiger” (estranhamente, também incluída neste caso) para a trilha sonora de “Rocky III” em 1982. Já contando com a presença de Jimi Jamison no vocal, que havia gravado o álbum Vital Signs um ano antes, a música mantém o clima desafiador de sua “irmã” e o mesmo estilo de marcação simples de baixo e bateria que deixam o guitarrista Frank Sullivan livre para extrair riffs hard rockers de sua stratocaster. Apesar de não ter ficado tão associada com a imagem de Rocky tal qual “Eye of the Tiger”, “Burning Heart” é no mínimo tão boa quanto, se não melhor!
Outra para empurrar o nível de adrenalina para as alturas é “Heart’s on Fire”, performance conjunta do vocalista John Cafferty e de Vince DiCola, conduzida pelos teclados deste último, além de contar com uma interessante linha de baixo durante as estrofes. Na sequência, é a vez de uma das figuras mais garantidas em se tratando de trilhas sonoras durante os anos 80: Kenny Loggins, cantor que apareceu para o mundo nos anos 70 ao lado do parceiro Jim Messina, praticando um soft rock com tendências folk, mas que conheceu fama e fortuna através da sólida parceria firmada com os estúdios de cinema hollywoodianos, compondo e/ou interpretando diversas canções que obtiveram destaque. Dessa vez, Kenny aparece acompanhado da cantora soul/rhythm ‘n’ blue Gladys Knight, em “Double or Nothing”, faixa que até pode ser simpática, mas que fica devendo em relação a muitas outras presentes no disco.
Single para “Heart’s on Fire”
O grande hit que consta da trilha de “Rocky IV”, além da já citada “Burning Heart”, é “Living in America”, interpretada por ninguém menos que o padrinho do soul, James Brown, traduzindo bem os exageros que uma produção cinematográfica como essa exibia nas telas e servindo como tema para o carismático personagem Apollo Creed, boxeador que enfrentou Rocky Balboa no filme original e em sua primeira sequência, mas que em seguida tornou-se amigo próximo do “garanhão italiano”.
Sem dúvida alguma, uma de minhas favoritas é “No Easy Way Out”, composta e interpretada por um semidesconhecido, o vocalista Robert Tepper, que teria nessa canção seu único hit. Ao menos o reconhecimento foi merecido, tanto do público quanto do próprio Sylvester Stallone, que enxergou potencial nessa música comandada por um cativante riff de baixo e coroada pelos vocais de Tepper, que injetam testosterona e uma dose avantajada de ânimo e motivação até nos mais pessimistas. Puro lixo/luxo oitentista sem medo algum de soar cafona e convidando a cantar junto e fazer “air bass”!
Single para “Living in America”
As duas faixas que completam o álbum são “One Way Street”, obra da dupla pop inglesa Go West, e “The Sweetest Victory”, dos norte-americanos do Touch. Enquanto a primeira é um tanto fraca e pouco memorável, a segunda deve despertar o interesse dos fãs de um AOR bem safado, calcado em melodias vocais harmonizadas, teclados presentes e uma guitarra solo bastante melódica, além de um refrão de rápida assimilação. Nada mais condizente com a época.
Se em diversos cantos do mundo o filme foi um sucesso (superando a marca dos 300 milhões de dólares arrecadados mundialmente), no Brasil não foi diferente, fazendo a alegria de pessoas das mais diferentes idades e inclusive ajudando a moldar o caráter de muita molecada que não deixava de assisti-lo quando era exibido na “Sessão da Tarde”, da Rede Globo de Televisão. O fato da trilha sonora também ter sido um grande sucesso foi decorrência previsível, vitaminada pela excelente performance de “Burning Heart” (2º lugar na parada de singles da Billboard) e “Living in America” (4º posto), além da mais que respeitável 22ª colocação atingida por “No Easy Way Out”.
Single para “No Easy Way Out”
E aí, você também já se pegou distribuindo socos ao ar, imitando Rocky Balboa, Apollo Creed ou Ivan Drago, ao som de alguns desses clássicos oitentistas? Então deixe a vergonha de lado e confira o disco sem medo de ser feliz, voltando a 1985!
Track list:
1. Burning Heart
2. Heart’s on Fire
3. Double or Nothing
4. Eye of the Tiger
5. War/Fanfare from Rocky
6. Living in America
7. No Easy Way Out
8. One Way Street
9. The Sweetest Victory
10. Training Montage



2 Comentarios

  1. fernandobueno disse:

    Essa última foto é ótima. O filme aind tinha resquícios da Guerra Fria. Drago era russo e era mostrado como um usuário de esteróides. Tudo para ilustrar que a Rússia não usava meios lícitos contra os EUA…ahahaha
    Quando peguei esse fime quando criança fiquei com a certeza que "desta vez o Rocky vai ser dar mal". Pura inocência…

  2. Dos filmes do Rocky o mais legal é o segundo, que ele luta com o Apollo. O primeiro tb é muito legal. Esse da luta com o russo, assim como aquele que ele briga na rua com o gurizao e o outro do gigante, é muito sangue e pouca realidade do que acontece na vida real. Do Sylvester Stallone, Rambo é o melhor de todos. Quanto a trilha, clássico dos clássicos da década de 80. Esse álbum em especial acho que é o ultimo da sequência que tem uma trilha muito boa, quase tão boa quanto a primeira, essa sim, imbativel com a pérola "Gonna Fly Now" e a baladona super cafona e brega (mas legal) "You Take My Heart Away"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *