David Rock Feinstein – Bitten by the Beast [2010]

20 de maio, 2011 | por Eduardo Luppe
Resenha de Álbum
8

Por Eduardo Luppe
Desde 2004 sem dar as caras, voltou à cena David “Rock” Feinstein, mais conhecido como fundador e guitarrista do saudoso Elf, banda que tinha seu primo Ronnie James Dio nos vocais. Feinstein também ganhou notoriedade como vocalista e guitarrista do excelente The Rods, onde teve bons resultados com os álbuns Wild Dogs (1982) e In The Raw (1983). Porém, mesmo com a popularidade em alta, a banda decidiu encerrar as atividades nos mesmos anos 80. Feinsten continuou gravando um álbum solo aqui, outro ali, e agora retorna com tudo através do disco Bitten by the Beast, mais conhecido por ter o último registro da voz magnífica de Ronnie James Dio.
O disco abre de maneira perfeita. “Smoke on the Horizon” traz uma sonoridade totalmente oitentista com guitarras cortantes, nos remetetendo aos álbuns clássicos da década. Diria que, se não fosse pela voz de Feinsten, que não tem nada do primo, este album poderia receber o título de “volta às raízes com louvor”. Na sequência temos “Evil In Me”, que traz um riff galopante na melhor escola heavy metal, com um bom andamento e um refrão pegajoso, Feinstein mostra que é um grande compositor e tem muito a contribuir com o gênero.
“Break Down the Walls” é um típico heavy metal tradicional, de riff forte, refrão poderoso e com aquelas famosas paradinhas que empolgam qualquer headbanger, simplesmente metal. Na sequência, temos a cadenciada e tão aguardada “Metal Will Never Die”, que traz à tona a proeminente voz de Ronnie James Dio em seu último registro antes de nos deixar. Chega a ser emocionante ouvir a levada de baixo que lembra a clássica “Heaven and Hell” (Black Sabbath). Através das letras, Dio distribui toda sua paixão pelo heavy metal, como se fosse sua despedida, simplesmente fantástica. Diria que, só por essa faixa, o disco já vale.
David “Rock” Feinstein
O album continua em um bom andamento através das faixas “Kill the Demon”, “Rocks Boogie” e “Give Me Mercy”, mas é a “Run for Your Life” que surpreende, pois traz um som bem interessante, que nos remete àquelas levadas típicas que o Manowar fazia nos anos 80. Para encerrar, temos a descompromissada “Gambler Gambler” onde Feinstein faz questão de relembrar sua boa fase dos anos 80 ao lado do The Rods.
Em suma, um grande álbum que revela e firma o talento e a competência de Feinstein como compositor e guitarrista. Com relação à voz, creio que seja necessário se acostumar, pois ela pode incomodar um pouco àqueles que preferem vocais cristalinos e limpinhos, mas esses podem ficar satisfeitos somente com a magnífica participação de Ronnie James Dio em “Metal Will Never Die”, um chamariz para esse excelente trabalho.
Track list:
1. Smoke on the Horizon
2. Evil in Me
3. Break Down the Walls
4. Metal Will Never Die
5. Kill the Demon
6. Rocks Boogie
7. Give Me Mercy
8. Run for Your Life
9. Gambler Gambler



8 Comentarios

  1. Edu, esse disco é realmente fantástico.

    Só duas pequenas correções:

    – "Gambler Gambler" é uma regravação do Elf, de uma faixa presente no primeiro disco do grupo, lançado em 1972

    – e, mais importante: "Metal Will Never Die" não é a última faixa com a voz de Dio. Ele também gravou a música "The Code", que está no novo álbum do The Rods, Vengeance, que sairá no Brasil pela Hellion Records nos próximos meses.

    Abraço.

  2. eduardoluppe disse:

    Ok Cadão! obrigado pela correção!
    Com relação a última faixa gravada pelo Dio, pode ser tanto a "The Code" como a "Metal Will Never Die", pois ambas foram gravadas no mesmo período! somente o David Feinsten poderá confirmar esta informação com precisão! rsrsrs

  3. Bah, esse disco parece ser algo. Eu gosto bastante do ELF, e por ter esse últio registro com o DIO, o torna ainda mais apetitoso.

  4. Gambler Gambler ficou muito boa!!!

  5. Bah, realmente esse inicio de Metal Will Never Die é emocionante, lembrando muito Heaven & Hell. Muito bom disco mesmo, valeu os links

  6. O disco é bem legal mesmo, Mairon. E a edição lançada no Brasil é digipak, bem massa. Recomendo!

    Abraço.

  7. eduardoluppe disse:

    Realmente a edição lançada pela Hellion ficou animal! Mairon, o disco vale cada centavo, nota 10!!! abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *