Algumas mudanças são necessárias principalmente quando a direção de onde estamos não é para onde queremos ir. Exatamente senhores, eu sempre fui contra algumas coisas que rolam nas mídias especializadas em música, seja pelo gosto duvidoso, pela cultura do puxa-saquismo, pela completa falta de senso crítico, egos inflados, interesses pessoais e todas as outras merdas que circulam por ai. Tudo é ruim? Claro que não! Tem gente que se salva com méritos!
Mas o que tudo isso tem com a nova coluna? O objetivo dessa coluna é tirarmos aquele famoso “SARRO” do que rola nos meios profissionais e os chavões primários que alguns se apóiam para escrever. Afinal de contas, a graça toda é não ter comprometimento e vínculo com ninguém, isso se traduzirá em credibilidade, que já temos e não vamos nos vender.

Por que “os previsíveis”? Porque tudo o que está rolando é cópia de alguma coisa. E pior, as próprias resenhas são cópias delas mesmas! Então, vamos ajudar e desafiar a todos esses meios sérios e profissionais. Vamos apontar o que é tão previsível e forçá-los a mudar ou cair no ridículo. Assim que publicarem algo tão óbvio, vamos PREVISIVELMENTE criticá-los. E o mais divertido é que duvido que algum “top-critico-resenhista-profissional” irá ler isso aqui, ou seja, vamos rir muito!


Para começar tenho que lembrar os famosos temas usados em várias resenhas feitas que são os adjetivos “pesadíssimo”, “cantando em uníssono”, “cantarolando de imediato”, “banda afiadíssima”, “solos intricados”, “bases cadenciadas”, “riff matador”, “fortemente influenciado”, “empolgantes“, “matador”, “surpreendente”, “pancadaria come solta”, “poder de fogo”, “memorável”, dentre outros, podem reparar como esses textos são repetitivos. E temos os piores de todos: “é impossível ouvir sentado”, “tirar os móveis da sala” e outras asneiras que seguem esse padrão.

 

Não podemos esquecer do famoso “é excelente, mas não gosto de…” que é aquela fórmula batida de falar bem e manter a pose de intelectual de achar algo que não lhe agrada, ou o inverso que é falar mal, mas para manter a pose elogiar uma coisa ou outra. Típico de pessoas “cool”.


Tudo o que sair como “Os Previsíveis” é pura piada que não deve ser levada a sério. Estou pensando até em resenhar para a coluna disco que nunca ouvi, antes do lançamento, só para provar a “teoria do óbvio”!

Em breve mais em ‘os previsíveis”, inclusive o famoso “RESENHATOR”.

12 comentários

  1. diogobizotto

    A repetição de clichês é uma marca registrada de muita gente que trabalha com jornalismo musical, até porque muitas vezes trata-se de gente que tem como único "embasamento" ser um fã de música ou de determinados gêneros, mas que não têm conhecimento sobre crítica cultural, e não apenas isso: pouca leitura daquilo que não seja do meio, como as famosas biografias e as diversas obras enciclopédicas que, apesar de prestarem um bom serviço, acabam enquadrando a percepção que muitos têm da música que ouvem, eliminando muito da liberdade de pensamento.

    Responder
  2. danielsicchierolli

    Diogo, concordo…..

    O único porém é que uma opinião de um fã de um determinado estilo pode lhe indicar coisas boas. Acontece isso entre nós mesmos…. eu, voce, Eduardo e Fernando sempre indicamos coisas para os outros.

    Agora o bicho pega quando um fã exagera nos elogios para colocar umas bandas meia-boca como estrelas da musica.

    Dar nota 10 ou 9…. para qq banda é foda. Não leio mais essas midias que criam idolos!!!

    E tá cheio de gente assim… que elogia para parecer fodão… e vai na cola dos outros porque não tem opinião própria. E como são COOL chamam isso de ecletismo!

    Ecletismo é o que nosso amigo Tiago Rolim faz. Ele gosta de tudo e tem um amplo acervo musical!

    Responder
  3. leonardocastro

    Post muito previsivel, hahahhaa…

    Acho que essa é uma das colunas que mais posts vai render… O que também é previsivel…

    Concordo com o Daniel, um disco pode ser muito bom e levar um 8 ou 8,5. Novo deveria ser usado para coisas excepcionais, e 10 para coisas como Master Of Puppets, Piece Of Mind ou Heaven And Hell…

    Responder
  4. Rafael

    Não sei muito o que comentar , pois eu sou um dos maiores cornetas das bandas mainstream .
    O que posso dizer é que os filhos da puta que usam essas expressões batidas , são os que não sabem do que estão falando , é como o Pedro Bial apresentando o Rock in Rio , tenta fingir que está por dentro mais não sabe a diferença entre emos e hards , ou bangers , dae , tentam soar atrativos . Pegue uma critica feita por e para musicos , que vc nunca vai encontrar porrice nelas.

    Responder
  5. Rafael

    Quer um bom exemplo ?
    Eu passo o ano todo postando tudo que a midia não deixa o pessoal conhecer , hard de primeira , e nunca ninguém comenta nada , dae , chega o final do ano , crio mais um topico sobre os melhores de 201o , em uma comu de hard rock , e o que acontece? 3 respostas …..
    Isso se deve a que mesmo? Ao fato de que 99% do povo dessas comus tão fodendo pro hard rock , estão ali pq gostam do Axl N Roses e do Bon Jovi , talvez um Aerosmith ou Scorpions , e nada mais , ninguém quer conhecer porra nenhuma nova .

    Responder
  6. danielsicchierolli

    Eu acho que o objetivo de uma resenha é tentar dividir com o leitor uma experiencia. Por exemplo de um show.

    Quando falo de musica com as pessoas, o que é curioso é que existem tantas visoes diferentes do mesmo assunto que muitas vezes me fazem ouvir o disco novamente, com outra idéia.

    A resenha pode criar a curiosidade de QUERER ouvir algo.

    Hoje o que eu vejo é uma banda de caras querendo "criar" uma nova grande banda ou posar de eclético e elogia vários estilos para parecer inteligente.

    E o mais curioso disso é que muito desses mesmos caras criticam as bandas já consagradas, afinal são FODOES e não podem só elogiar.

    Chutar cachorro morto também é uma boa… Criticar a merda que é visivel, qualquer um faz.

    Rafael, concordo com seu comentário sobre o HARD, agora acho que tá explicado porque fiz questão de convidá-lo. Por favor, traga o tema com frenquencia, nos indique discos, etc… Se bem que depois do que vc falou do Maiden, no meio dos torcedores daqui, nao sei se vc vai sobreviver…. HAHAHAHAHAHAHA

    Leo, o que vc falou da nota é verdade… é por isso que sou contra colocar nota nas resenhas.

    Ou faz assim: Accept – Blood of the Nations – Nota 9 (porra a nota já é auto-explicativa HAHAHAHA)

    The number of the beast – 10 (precisa dizer algo mais?)

    Responder
  7. Rafael

    Pois é cara , mais mesmo que eu não gostasse deles , não conseguiria criticar , por outro lado , o maior merito do Maiden é o mesmo do Ac/DC , não se venderam as facilidades do mundo da musica.

    Quanto ao seu comentario acima , eu me enquadro um pouco no que vc disse , pq eu não gosto muito de algumas bandas ultrafamosas como Guns e Bon Jovi , mais ja vou logo expliccando que no caso do Guns , eu tenho argumentos pra criticar , e no caso do Bon Jovi , é apenas gosto pessoal mesmo , mais eu gosto de alugar essas bandas por causa das fãzetes que vccs conhecem bem , que só conhecem Sweet chá , Bed of Roses , no caso do Maiden , ouvem Wasting Love e ja se acham os metaleiros , pra eles o mundo se resume a isso , dae eu zoo mesmo.
    Assim como o DAniel gosta do Maiden , eu gosto do DOkken , amo a banda , tenho tudo deles , conheço oa parte de sua historia , e isso me credencia como fã , não apenas o fato de eu conhecer Breaking the Chains kkkkk

    Responder
  8. diogobizotto

    Tem gente que nunca ouviu o Shadowlife e já o acha ruim, só de tanto repetirem a mesma ladainha. Não que o disco seja bom, não é grandes bosta mesmo. O que quero dizer é que é normal que muitos engulam qualquer coisa que os críticos pofricionais escrevem e repetem sem ao menos dar chance.

    Responder
  9. leonardocastro

    Diogo,

    Nao só já ouvi o Shadowlife diversas vezes como o tenho na minha colecao. E, na boa, acho que é um dos PIORES discos que eu tenho.

    Confio nas avaliacoes de alguns criticos, e ignoro completamente as de outros. Mas, hoje em dia, com o advento da internet, é extremamente facil conferir se voce gosta de um disco ou nao, independente da critica.

    Algumas bandas lancaram discos ruins, mas que tem uma ou outra faixa que se salvam. Infelizmente, não é o caso aqui. O estilo é totalmente diferente dos lancamentos anteriores da banda e o trabalho de guitarras do George Lynch é irreconhecivel. Muita bandas conseguem mudar seu estilo e manter a qualidade, como o Sentenced e até o Motley Crue. O Carnival of Souls, do KISS, está longe de ser meu disco favorito, mas tem I Will Be There, Jungle, Rain, Childhood's End… Todas músicas legais.

    Mas, infelizmente, no Shadowlife isso não deu certo…

    Responder
  10. danielsicchierolli

    Shadowlife do Dokken? PELAMORDEDEUS…. isso é horrivel. eu tenho para preencher o espaço… e olha que ainda nao tenho todos, falta 01 que nao me lembro o nome agora….

    Voltando ao tópico… O Leo falou um ponto importante… se vc tem acesso facil hoje en dia, porque ler uma critica? a questão é o inverso… vc ler uma crita e isso influenciar a sua opinião….

    Não aqui, temos opinioes e gostos diversos… mas e a molecada?? A gente quando começou a ouvir, foi guiado por alguem ou não?? Eu acho que sim… e isso que acho importante discutir…

    Tem cara falando que o Death Angel é uma megabanda, impostantissima, pesadissima… opa, perai… a banda por ter o melhor disco do mundo, ter garra e tudo mais… mas descreve-los como MEGAGABANDA, superfamosos e humildes…. é exagero de fã apaixonado metido a critico.

    Para nao achar que é perseguição… eu falei que o The Final Frontier não é um grande disco eo coloquei em primeiro na minha lista…. Ué, sou fã e é minha banda preferida. é normal que eu ache o disco o melhor do ano…. apesar de nao achar o melhor da banda…

    E outra… eu não fico necessariamente atras só de lançamento… do que eu comprei esse ano, aposto que a grande maioria foi lançado em outros anos em nao em 2010….

    Quando as pessoas assumem a posição de "resenhador profissional" pode ver que tentam e tentam criar os BONS, OS MELHORES e FODIDOS do estilo… é e sempre foi assim…. Imagina vc resenhar uma banda que estoura e vc foi o primeiro a elogiar???

    Se critica levasse á algum lugar os beatles nao existiriam… e mais um milhao de bandas….

    em breve o "RESENHATOR" estará on line….

    Responder
  11. Rafael

    Eu tenho todos os discos do Dokken

    E realmente ,acho q nunca encontrei alguém pra achar bom o Shadowlife , mais naão é só ele não , tem também o ridiculo Dysfunctional , q é pior ainda.

    Eu sei reconhecer isso , que a minha banda favorita tem momentos ridiculos , eu não ouço essas merdas nem a pau , assim como o mais que ridiculo lixo Smoke This , do genio George Lynch , q consegue ter nota 0 , nada se aproveita nele , nada msm.

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.