Por Marcello Zapelini

Nascido Jerome John Garcia em 1/8/1942, Jerry Garcia ficou conhecido como um dos melhores guitarristas da história do rock por dois motivos principais: primeiro, sua capacidade de improvisar por longos períodos e, em segundo lugar, por sua habilidade de tocar diferentes estilos (ele podia tocar folk, bluegrass, country, blues, rock, funk, jazz, com a mesma habilidade). Sua carreira começou no bluegrass – um estilo que ele sempre adorou –, tomou rumo com o rhythm and blues e decolou com a psicodelia.

Naturalmente, Jerry Garcia é mais conhecido por sua longa carreira no Grateful Dead, mas ele contribuiu para muitos outros artistas e fez parcerias com diversos outros, além de ter uma carreira solo. Já em 1967 ele colaborou com o Jefferson Airplane no clássico Surrealistic Pillow, e no início dos anos 70 gravaria com Paul Kantner, Tom Fogerty, Crosby Stills Nash & Young, tendo sido essencial para que Crosby lançasse seu primeiro disco solo, resenhado aqui (colocar link) por Daniel Benedetti. Como seu habitat natural era o palco, Jerry fez centenas de shows solo ao longo dos anos – que alimentam a série Garcia Live, com 19 lançamentos até hoje.

Um dos músicos mais adorados de sua geração, Jerry Garcia se juntou à grande jam session no céu em 9/8/1995, tendo deixado dezenas de discos e milhares de shows – que hoje alimentam a linha de montagem de lançamentos póstumos do Grateful Dead e da série Garcia Live – os dois catálogos já somam quase trezentos lançamentos oficiais. Resumir todo esse trabalho em apenas cinco discos é uma tarefa quase impossível, mas vamos tentar, usando um critério: Jerry precisa ter participado de todas as músicas do disco. Assim, oferecemos aqui cinco sugestões (e um bônus) para quem quer conhecer o grande Jerry, que teria completado 80 anos em 2022.


New Riders of the Purple Sage – New Riders of the Purple Sage [1971]

Cronologicamente, o disco mais antigo desta seleção foi escolhido por mostrar a habilidade de Jerry Garcia na pedal steel guitar – um instrumento que ele começou a aprender por conta de sua paixão pela country music. O New Riders of the Purple Sage era uma banda formada por amigos de Jerry, Marmaduke (autor de todas as composições), David Nelson e Dave Torbert, contando também com Spencer Dryden (ex-Jefferson Airplane), e nos primeiros shows, com Phil Lesh e Mickey Hart do próprio Grateful Dead. O disco respira country music do início ao fim, ganhando um pouco de psicodelia em “Dirty Business”, um dos destaques, junto com “Glendale Train” e “Watcha Gonna Do”. Posteriormente, Dave Torbert tocaria no Kingfish, do qual Bob Weir faria parte, e David Nelson faria parte da Jerry Garcia Acoustic Band nos anos 80.

John “Marmaduke” Dawson: guitarra, vocais; David Nelson: guitarra, bandolim e vocais; Dave Torbert: baixo, guitarra e vocais; Spencer Dryden: bateria, percussão; Jerry Garcia: pedal steel guitar, banjo.

1) I Don’t Know
2) Watcha Gonna Do
3) Portland Woman
4) Henry
5) Dirty Business
6) Glendale Train
7) Garden of Eden
8) All I Ever Wanted
9) Last Lonely Eagle
10) Louisiana Lady


Jerry Garcia – Garcia [1972]

O primeiro disco-solo de Jerry Garcia foi gravado e lançado no período em que a banda esteve afastada dos estúdios (foram três discos ao vivo em sequência!), e conta apenas com Bill Kreutzmann como baterista; Garcia gravou todos os outros instrumentos. Seis das suas dez faixas se tornaram “habituais” nos shows do Grateful Dead, algo que ocorreu também com a maioria das músicas que Bob Weir registrou em seu disco solo do mesmo ano, “Ace”, que contou com quase todo o Dead (apenas Pigpen não estava presente) como banda de apoio. Um fato interessante é que quatro das composições têm coautoria de Bill Kreutzmann. Destaques absolutos: a roqueira “Deal” e as lindas “Bird Song”, “Loser” e “The Wheel”. Algumas das músicas são apenas vinhetas instrumentais cheias de efeitos, como “Eep Hour”, que contribuem pouco mas não comprometem a estreia solo de Jerry Garcia. No mesmo ano de 1972, Jerry também participou de Rolling Thunder, álbum solo do baterista Mickey Hart, que contribuiria com duas músicas para os shows posteriores do Dead: “The Main Ten (Playing in the Band)” e “Pump Song”, que ficaria mais conhecida como “The Greatest Story Ever Told”.

Jerry Garcia: guitarras, baixo, teclados, efeitos eletrônicos, vocais; Bill Kreutzmann: bateria.

1) Deal
2) Bird Song
3) Sugaree
4) Loser
5) Late for Supper
6) Spidergawd
7) Eep Hour
8) To Lay me Down
9) An Odd Little Place
10) The Wheel


Merl Saunders, Jerry Garcia, John Kahn & Bill Vitt – Live at the Keystone [1973)]

Álbum duplo ao vivo gravado ao longo de shows feitos por Garcia e alguns colegas no clube Keystone, em Berkeley, California, em julho de 1973; uma prova da versatilidade do guitarrista no palco, o disco mescla jazz, blues, rock e até reggae. Ao longo dos anos, o álbum original foi acompanhado de sobras de gravação no lançamento The Keystone Encores, e hoje está disponível em uma box com quatro CDs que traz todo o material lançado anteriormente e mais algumas bônus (“Keystone Companions: The Complete Fantasy Recordings”). Os quatro músicos tinham acompanhado Tom Fogerty no seu disco Excalibur, lançado em 1972. Como destaques, as músicas de Bob Dylan, a bela versão instrumental de “My Funny Valentine”, “The Harder They Come”, de Jimmy Cliff, e o blues “Someday Baby”, de Lightning Hopkins. Entre 1974 e 75, Garcia, Saunders e Kahn formaram a banda Legion of Mary, com Martin Fierro no sax e Ron Tutt na bateria, que se apresentou ao vivo no período em que o Dead se afastou temporariamente dos palcos. Saunders e Kahn se tornaram dois dos melhores amigos de Jerry Garcia, com o baixista colaborando em vários projetos, e o organista ajudando Jerry a reaprender a tocar guitarra após seu coma diabético em 1986. Infelizmente, todos os quatro músicos já faleceram.

Jerry Garcia: guitarra, vocal; Merl Saunders: órgão; John Kahn: baixo; Bill Vitt: bateria.

1) Keepers
2) Positively 4th. Street
3) The Harder They Come
4) It Takes a Lot to Laugh, It Takes a Train to Cry
5) Space
6) It’s No Use
7) That’s All Right, Mama
8) My Funny Valentine
9) Someday Baby
10) Like a Road Leading Home


Grateful Dead – Cornell 5/8/1977 [2017]

Para muitos Deadheads, o melhor show dentre os mais de 2000 que o Grateful Dead fez em seus 30 anos de carreira. Se não é o melhor da história da banda, chega muito perto. O grupo fez uma turnê em abril-maio de 1977 que se destacou pela consistência: todos os músicos estavam no auge, o repertório era de excelente qualidade, e os shows eram fantásticos do início ao fim (todos foram lançados postumamente, aliás). Este show, em que são apresentadas músicas de todos os momentos da carreira do grupo, foi lançado na box set May 1977: Get Shown the Light e selecionado para lançamento individual devido a seu status quase mítico entre os Deadheads. Estamos falando de um show que simplesmente não teve o dueto dos bateristas, para começar; a banda simplesmente não queria parar. É quase impossível destacar músicas individualmente, pois já em “New Minglewood Blues” a banda está a mil, mas a sequência que forma o CD2 (de “Dancing in the Street” a “Estimated Prophet”) é simplesmente fantástica. Até quando erra, como no início do solo de “They Love Each Other”, Garcia emociona. E a emotiva “Morning Dew” traz a melhor performance vocal e instrumental de Jerry em todo o show! Este show (e o ano de 1977) é descrito no livro Cornell ‘77, de Peter Conners, que acompanha a referida box – posteriormente disponibilizado nas melhores casas do ramo.

Jerry Garcia: guitarra, vocal; Bob Weir: guitarra, vocal; Phil Lesh: baixo, vocal; Bill Kreutzmann: bateria, percussão; Mickey Hart: bateria, percussão; Keith Godchaux: piano; Donna Jean Godchaux: vocal.

1) New Minglewood Blues
2) Loser
3) El Paso
4) They Love Each Other
5) Jack Straw
6) Deal
7) Lazy Lightning
8) Supplication
9) Brown-Eyed Women
10) Mama Tried
11) Row Jimmy
12) Dancing in the Street
13) Scarlet Begonias
14) Fire on the Mountain
15) Estimated Prophet
16) St. Stephen
17) Not Fade Away
18) St. Stephen
19) Morning Dew
20) One More Saturday Night


Grateful Dead – Wake up to Find Out 3/26/1990 [2014]

Na primavera de 1990 o Grateful Dead fez sua última grande turnê. Este show, lançado individualmente e como parte da box Spring 1990: The Other One, merece destaque por causa da presença de Branford Marsalis no saxofone é um ponto alto de Jerry nos seus últimos anos; especialmente após a morte de Brent Mydland, seu desempenho foi bastante irregular, mas aqui ele está com a corda toda. A conexão entre Jerry e Brent fica nítida em “Bertha”, em que o órgão se entrelaça com o som da guitarra. “Eyes of the World” já tinha sido lançada previamente no ao vivo “Without a Net”; é impressionante como Branford Marsalis se integra perfeitamente ao som do Dead, mesmo sem conhecer direito o repertório do grupo. Ele entra em “Bird Song”, pouco antes do final do primeiro set, e a convite da banda, volta para todo o segundo – e não sabia do que falavam quando lhe informaram que a banda tocaria “Dark Star”! O show é relativamente curto (152 minutos), mas é bom do início ao fim, tanto que este faz parte da lista dos 20 melhores concertos do Dead de acordo com a Rolling Stone. Marsalis ainda tocaria mais quatro vezes com o grupo antes de seu fim.

Jerry Garcia: guitarra, vocal; Bob Weir: guitarra, vocal; Phil Lesh: baixo, vocal; Bill Kreutzmann: bateria, percussão; Mickey Hart: bateria, percussão; Brent Mydland: teclados, vocal + Branford Marsalis: saxofone.

1) Jack Straw
2) Bertha
3) We Can Run
4) Ramble on Rose
5) When I Paint My Masterpiece
6) Bird Song
7) Promised Land
8) Eyes of the World
9) Estimated Prophet
10) Dark Star
11) Drums
12) Space
13) Dark Star
14) The Wheel
15) Throwing Stones
16) Turn On Your Lovelight
17) Knockin’ On Heaven’s Door


Bônus Fillmore West Closing Week Night 3

Como um bônus especial para esta lista, um bootleg. Essa box de cinco CDs apresenta o show do Grateful Dead no Fillmore West em 2 de julho de 1971, na semana de encerramento do local, bem como os dois shows de abertura, com The Rowan Brothers e o New Riders of the Purple Sage; decidi destacá-la porque Jerry tocou em todos eles! Ele começa a brilhar já em “Better Off Dead”, com o Rowan Brothers, e está simplesmente fantástico durante todo a apresentação do New Riders. Na performance do Grateful Dead, “Sing Me Back Home” faz uma pedra chorar, “Deal” está eletrizante como sempre, e é incrível ver a energia ainda intacta durante “Johnny B. Goode”, fechando mais de cinco horas com o nosso herói. A box é relativamente fácil de achar e não custa muito (para um pirata, é claro); os shows nunca foram lançados oficialmente na íntegra, mas três músicas do New Riders aparecem na reedição em CD do 1º LP da banda e duas do Dead foram lançadas no álbum triplo “Fillmore: The Last Days”, que saiu pela CBS em 1972.

Jerry Garcia: guitarra, vocais; Bob Weir: guitarra, vocais; Pigpen: órgão, percussão, harmônica, vocais; Phil Lesh: baixo, vocais; Bill Kreutzmann: bateria.

1) Bertha
2) Me And Bobby McGee
3) Next Time You See Me
4) China Cat Sunflower
5) I Know You Rider
6) Playin’ in the Band
7) Loser
8) The Rub
9) Me And My Uncle
10) Big Railroad Blues
11) Hard to Handle
12) Deal
13) Promised Land
14) Good Lovin’
15) Sugar Magnolia
16) Sing Me Back Home
17) Mama Tried
18) Beat It On Down the Line
19) Cryptical Envelopment
20) The Other One
21) Big Boss Man
22) Casey Jones
23) Not Fade Away
24) Goin’ Down the Road Feelin’ Bad
25) Not Fade Away
26) Johnny B. Goode

John “Marmaduke” Dawson: guitarra, vocais; David Nelson: guitarra, bandolim e vocais; Dave Torbert: baixo, guitarra e vocais; Spencer Dryden: bateria, percussão; Jerry Garcia: pedal steel guitar.

1) Workin’ Man Blues
2) Superman
3) I Don’t Know
4) Down in the Boondocks
5) Dirty Business
6) Glendale Train
7) Portland Women
8) Henry
9) Sailin’
10) Last Lonely Eagle
11) Louisiana Lady
12) Honky Tonk Women
13) The Weight

Chris Rowan: guitarra, piano e vocal; Lorin Rowan: guitarra, bandolim e vocais; Jerry Garcia: pedal steel guitar; David Grisman: bandolim e piano; Bill Wolf: baixo; Bill Kreutzmann: bateria.

1) Hickory Day
2) Heavens to Betsy
3) Outside Clover
4) Don’t You Worry About a Thing
5) Better Off Dead
6) Peace and Happiness
7) Mama Don’t You Cry
8) Livin’ the Life on the Farm
9) Move on Down

2 comentários

  1. Mairon

    Belas recomendações. Eu tiraria o diso da tour de 1990 e colocaria o Surrealistic Pillow ou o Blows Against the Empire, mas para uma discografia tão vasta, escolher cinco é pouco. Valeu Marcello

    Responder
    • Marcello

      Obrigado, Mairon!! De fato, é complicado escolher, porque o homem gravou muita coisa. Surrealistic Pillow rondou a lista, mas fiquei com a pulga atrás da orelha porque nunca se definiu com precisão a participação do Jerry Garcia. Acabei escolhendo o Wake Up To Find Out porque a sintonia do Marsalis com a banda é notável. Mas sem dúvida a gente tem mais esses dois discos que você lembrou para recomendar!

      Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.