Recentemente, foi publicada uma resenha que destacava um relançamento feito pela Extreme Sound Records, referente ao disco The Great Execution, originalmente lançado pelo Krisiun em 2011. Foi destacado também o momento de transição que o grupo formado por Alex Camargo (baixo e vocal), Moyses Koslene (guitarra) e Max Koslene (bateria) vivia. E dentre os discos de maior destaque e que representa até hoje o grande momento que o Krisiun vive podemos citar o lançamento do álbum Southern Storm, em 2008. O disco foi relançado também via Extreme Sound Records, com direito a um belo pôster e slipcase.

Southern Storm foi gravado no Stage One Studios, na Alemanha, com o produtor Andy Classen (conhecido por inúmeros trabalhos com bandas como Tankard, Rotting Christ, Legion of the Damned, Belphegor, dentre outros), repetindo o sucesso já iniciado em Conquerors of Armaggedon e em Assassination. Começamos com a faixa “Slaying Steel”, que é uma das mais marcantes faixas de abertura, não só do Krisiun, mas do death metal em geral. Riffs poderosos, pesados e ao mesmo tempo criativos comandam o ataque sonoro, que tem uma participação marcante da bateria de Max Koslene. As notas graves também são grande destaque na proposta apresentada em Southern Storm e em “Slaying Steel” não é diferente.

Max Koslene, Alex Camargo e Moyses Koslene

“Sentenced Morning” começa de maneira bem diferente, porém funcionando perfeitamente a junção do peso característico da banda com riffs bem criativos. Os vocais de Alex Camargo estão cada vez melhores e mais certeiros, sendo esse processo de melhoria já presente em Assassination (2006). A alternância de riffs também se caracteriza como um dos destaques do disco, deixando as faixas ainda mais interessantes. Em “Sentenced Morning” podemos destacar ao menos três riffs de muito bom gosto, que trazem uma dinâmica interessante ao som. “Twisting Sights” e “Minotaur” que seguem o padrão de peso, com ênfase nas linhas de bateria de Max Koslene, um dos maiores expoentes do mundo neste tipo de som praticado pelo Krisiun. Em alguns momentos de “Twisting Sights” existe a impressão de que estamos em um campo de guerra e os bumbos de Max são verdadeiras metralhadoras. Tudo isso com riffs muito bem colocados, além de um excelente solo de guitarra, cortesia de Moyses Koslene. “Minotaur” apresenta os mesmos ingredientes que a faixa anterior, podendo ser perfeitamente uma dobradinha para um show, com a garantia de ótima recepção por parte do público.

“Combustion Inferno” é um dos grandes clássicos do Krisiun, peso ao extremo, bateria na velocidade da luz, riffs criativos e potentes, vocais seguindo à risca a parte instrumental, ou seja, com muito peso e agressividade, além de possuir um dos melhores solos de guitarra de Moyses Koslene e para completar um vídeo clipe de muito bom gosto. “Combustion Inferno” é uma das faixas com presença praticamente obrigatória nos set lists da banda. “Massacre Under the Sun” começa de forma um pouco diferente, porém não menos brutal. Apenas baixo e bateria esbanjam entrosamento, peso e criatividade. A guitarra entra e também segue a “cozinha”, porém segundos depois aparecem riffs de extremo bom gosto e agressividade. O entrosamento do Krisiun como banda já digno de nota, mas em “Massacre Under the Sun” podemos conferir muito do que o trio é capaz de fazer.

“Bleeding Offers”, Origin of Terror” e “Contradictions of Decay” mantém o alto nível, com músicas orientadas basicamente para a velocidade e é claro, a bateria na velocidade da luz e riffs de guitarra se juntando ao caos sonoro. Destaque para a sonoridade diferente na introdução de “Contradictions of Decay”, se apresentando como um bom exemplo da evolução do Krisiun nas composições. Podemos conferir riffs bem trabalhados, até certo ponto cadenciados e que acrescentam um certo enigma para a música. Em seguida aparecem os vocais e o ritmo começa a ficar mais acelerado, conferindo uma interessante variação ao som da banda.

Krisiun em 2008

O álbum é concluído com sucesso com as faixas “Sons of Pest”, “Black Wind” e “Whore of the Unlight”, encerrando em grande estilo, dando continuidade a tudo que foi construído anteriormente, à base de velocidade, precisão e agressividade. Destaca-se ainda o excelente cover para “Refuse/Resist” do Sepultura, que já era pesada e o Krisiun conseguiu homenagear o clássico do conjunto mineiro e colocar a sua marca registrada.

Southern Storm apresenta tudo que um disco de death metal deve mostrar em sua mais alta excelência, desde a produção, em que podemos ouvir cada nota, os graves, a bateria em destaque, os vocais etc, até a composições marcantes, sem precisar abrir mão do peso e agressividade que o conjunto é capaz de fazer. A partir de Southern Storm todos os lançamentos do Krisiun apresentam evoluções latentes, fazendo com que a banda se consolide cada vez mais no cenário mundial do metal extremo. Para os que não conhecem Krisiun, Southern Storm pode ser uma excelente porta de entrada para o death metal de grande qualidade do trio gaúcho.

Contra capa do relançamento de 2022

Track list

  1. Slaying Steel
  2. Sentenced Morning
  3. Twisting Sights
  4. Minotaur
  5. Combustion Inferno
  6. Massacre Under The Sun
  7. Bleeding Offers
  8. Refuse/Resist
  9. Origin Of Terror
  10. Contradictions Of Decay
  11. Sons Of Pest
  12. Black Wind
  13. Whore Of The Unlight

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.