KREATOR anuncia primeiro single para o novo álbum Hate Über Alles

Um dos maiores expoentes do thrash metal alemão, o KREATOR, orgulhosamente anuncia o lançamento do seu 15º álbum de estúdio intitulado Hate Über Alles que será lançado no dia 3 de junho de 2022 pela parceria Shinigami Records/Nuclear Blast Records. Cinco anos depois do lançamento do seu aclamado álbum Gods Of Violence, a banda que define o gênero apresenta este colosso com 11 faixas. A banda, que é considerada uma das maiores referências do gênero thrash metal por exatos 37 anos lidera até hoje uma cruzada do verdadeiro thrash metal alemão e inspira gerações de headbangers e músicos. Foi pensando na colisão dos princípios tradicionais com os contemporâneos do estilo que o vocalista e guitarrista Mille Petrozza pensou em recrutar o visionário produtor Arthur Rizk (Power Trip, Cavalera Conspiracy, Ghostmane e Turnstile) para trabalhar com a banda no lendário Hansa Studio em Berlim. “Hate Über Alles” apresenta uma arte de capa maravilhosamente sombria do renomado artista Eliran Kantor, que já trabalhou com bandas como Testament, Thy Art Is Murder e Helloween e serve como uma declaração ousada contra o ódio e a divisão dentro da sociedade atual.

Mille Petrozza comentou sobre o novo álbum: “Hate Über Alles reflete o tempo em que vivemos. Tudo é muito barulhento e agressivo. A forma como nos comunicamos mudou, graças às mídias sociais. Causa muito desequilíbrio. O mundo está em estado de abandono. A vida não é harmônica atualmente, é desarmônica… era isso que queria mostrar com o título”. (N.T.: Hate Über Alles significa “Ódio Acima de Tudo” em português.) A banda também disponibiliza hoje um emocionante videoclipe para a faixa-título que deve ser visto por todos os fãs de Metal!!! Assista aqui. O álbum será lançado no Brasil pela parceria Shinigami Records/Nuclear Blast Records.

TRACKLIST:
KREATOR – Hate Über Alles
Data de Lançamento: 03 de Junho de 2022

01. Sergio Corbucci Is Dead
02. Hate Über Alles
03. Killer Of Jesus
04. Crush The Tyrants
05. Strongest Of The Strong
06. Become Immortal
07. Conquer And Destroy
08. Midnight Sun
09. Demonic Future
10. Pride Comes Before The Fall
11. Dying Planet

SOBRE KREATOR

Quando o guitarrista e vocalista Miland ‘Mille’ Petrozza fundou o KREATOR e em 1985 lançou o grandioso Endless Pain, o músico nunca imaginou que a excêntrica fusão de elementos do thash e do black metal trariam um som tão diferente. Ao lançar o sucesso Pleasure to Kill a banda se consagrou lançando um álbum que se tornaria referência para todos os álbuns que foram lançados em 1986, marcando seu ponto na história com lançamentos de bandas como Metallica, Slayer e Megadeth. A banda lançou na última década álbuns que marcaram mudanças em seu estilo musical sem retirar a absurda agressividade como no álbum Phantom Antichrist (2012) em que provaram que poderiam abraçar a modernidade das técnicas de produção não deixando aquela vibe do underground de lado. O álbum Gods Of Violence (2017) mostrou a banda alcançar o topo das paradas alemãs pela primeira vez em suas carreiras – uma conquista incrível para uma banda extrema. Este ano a banda retorna com seu décimo quinto álbum Hate Über Alles que também marca o primeiro álbum de estúdio com o baixista Frédéric Leclerq (ex-Dragonforce, Sinsaenum),os guitarristas Mille Petrozza, Sami Yli-Sirniö e o baterista Jürgen ‘Ventor’ Reil. Não temos dúvida de que Hate Über Alles será mais um grande lançamento deste ano.

Mais informações:
Site oficial
Facebook
Twitter
Instagram


Indicada ao Rock & Roll Hall of Fame, Duran Duran lança edição de luxo de FUTURE PAST

A banda inglesa Duran Duran celebra seus quarenta anos de música em plena forma com uma edição deluxe de seu novo e elogiado álbum, FUTURE PAST. Mostrando sua sintonia com os tempos atuais sem perder de vista a própria história, o grupo olha para o futuro ao lançar sua primeira NFT voltada para a preservação ambiental. Além disso, Duran Duran acaba ser indicada pela primeira vez a uma das disputadas vagas do Hall da Fama do Rock. A nova edição do disco oferece uma oportunidade de conhecer a fundo a fase prolífica do quarteto. Ouça FUTURE PAST (Deluxe). A indicação ao Rock & Roll Hall of Fame veio para coroar o ano incrível que Duran Duran teve. Depois de lançar o primeiro clipe feito inteiramente por uma inteligência artificial, parcerias com nomes como Chai, Mark Ronson, Graham Coxon (Blur), Giorgio Moroder e Tove Lo e ter se apresentado em algumas das principais premiações da indústria da música, a banda entrou finalmente para a lista de indicados à cerimônia do Hall da Fama este ano, graças a uma longeva carreira com hits inegáveis e sucesso no mundo todo.

“Só de estar entre os indicados é uma honra que eu nunca imaginava receber… Mas com certeza, essa distinção se deve em grande parte ao fato de que temos um exército de fãs pelo mundo que nos apoiaram sem pestanejar ao pelas quatro últimas décadas. Estamos extremamente gratos a todos vocês por fazerem isso acontecer”, agradeceu o vocalista Simon Le Bon. E, completando essa série de novidades do grupo, a primeira NFT de Duran Duran faz parte de uma iniciativa de começar micro florestas pelo mundo todo, tornando as árvores rastreáveis por blockchain. O projeto será um presente para as 100 pessoas que adquiriram os exclusivos NFTs do grupo, chamados “INVISIBLE” e lançados durante a campanha do álbum FUTURE PAST. Eles receberão uma novíssima NFT ecologicamente responsável, com uma arte criada por Huxley, a inteligência artificial responsável pelo clipe de “INVISIBLE”. Junto do token não fungível, uma árvore será plantada no Jardine Park, em Queenstown, na Nova Zelândia, no nome de cada pessoa. As árvores serão rastreáveis no blockchain.

Estes NFTs serão os primeiros em uma nova coleção para a conservação chamada Digital Native. Cada um representará uma árvore viva. Os parceiros neste projeto – Duran Duran, Huxley e Cube – estão doando 100% de seus lucros das vendas seguintes para a criação de mais micro florestas. E os donos atuais que escolherem doar 50% ou mais do valor de suas vendas para a causa receberão uma chave especial para a floresta, que desbloqueará novos benefícios, incluindo novos NFTs. “Assim como a natureza, a tecnologia encontra um caminho para evoluir e quando ideias inovadoras podem ser usadas para ajudar nosso planeta de forma positiva, devemos aproveitar essas oportunidades. Conectar árvores físicas com o blockchain é uma forma nova de criar consciência através da arte e, ao mesmo tempo, envolver comunidades locais para plantar mais árvores, para beneficiar o meio ambiente. Estamos animados por continuar nosso relacionamento com Huxley, a IA, nesse esforço e nossa esperança é que muitos outros virão para continuar o processo de plantio das árvores. Estamos ansiosos para ver onde essa colaboração nos levará no futuro”, avalia o co-fundador do Duran Duran e tecladista Nick Rhodes.

A floresta na Nova Zelândia, que será chamada de FUTURE PAST, é composta de três espécies nativas da região que estão sendo plantadas por crianças das escolas locais. Micro florestas são áreas pequenas, com plantação densa e que contém muitas espécies de plantas cultivadas no mundo todo para melhorar a biodiversidade e contribuir com a luta contra a crise climática. Elas crescem 10 vezes mais rápido, se tornam 30 vezes mais densas e são 100 vezes mais biodiversas que as florestas plantadas usando métodos convencionais. Isso significa que as micro florestas absorvem 30 vezes mais carbono que os gramados e que podem se desenvolver em áreas tão pequenas quanto uma quadra de tênis. Essa tecnologia teve como pioneiro o botânico japonês Dr. Akira Miyawaki e foi bem sucedida em diversos climas pelo mundo. A edição de luxo do álbum FUTURE PAST é a cereja do bolo de uma banda que segue se reinventando a cada trabalho. O lançamento está disponível via BMG nas principais plataformas de música. Siga Duran Duran.


Tuatha de Danann comemora 25 anos com show especial em São Paulo

A clássica banda mineira de folk metal Tuatha de Danann confirma mais um show em São Paulo capital para celebrar os vitoriosos — não raramente loucos — 25 anos de carreira. Com produção da Agência Sobcontrole, o sexteto se apresenta dia 16 de abril (um sábado) no Jai Club, na Vila Mariana. Para este show, o Tuatha de Danann terá um repertório somente de clássicos, baseado no tracklist da recém-lançada coletânea … of Trovas and Spells, mais algumas músicas do último disco de estúdio, In Nomine Éireann (2020). Os ingressos para a apresentação especial já estão à venda on-line na tiqueteria Bilheto.

Bruno Maia, o vocalista e guitarrista do Tuatha, comenta sobre este compromisso na capital paulista no próximo mês de abril: “Vamos fazer um show com muita energia, tocando um apanhado de músicas de todas as fases da banda, que mostram todos os aspectos da nossa história”. O frontman também comenta sobre … of Trovas and Spells, que será o norte deste show no Jai Club. “É um compilado de 17 músicas que escolhemos com cuidado e são músicas que soam muito bem ao vivo. Tem músicas novas, antigas, acústicas, com vocal feminino, aquelas mais pesadas e outras mais folk/celta”.

A volta aos palcos, revela Maia, também vai celebrar o relançamento em CD do segundo disco da banda, Tingaralatingadum, que estava fora de catálogo. “Ganhou uma edição super legal, com bônus tracks, novo encarte e com áudio remasterizado”. E tem mais: o Tuatha de Danann terá participações especiais neste show, mas isso será relevado mais próximo ao evento!

Serviço
Tuatha de Danann: 25 anos no Jai Club (SP)
Data: 16 de abril de 2022 (sábado)
Horário: 18h (abertura da casa), 20h30 (showtime)
Local: Jai Club
Endereço: rua Vergueiro, 2676, Vila Mariana (São Paulo/SP)
Classificação etária: 16 anos
Ingressos on-line
Valores: R$ 60 (1º lote, meia entrada), R$ 120 (1º lote, inteira), R$ 80 (2º lote, meia entrada)


Carnaval de Ouro Preto (MG) inspira novo videoclipe da banda Seu Juvenal: “Cariá”

“Para celebrar a vida, é preciso espantar tudo que há de ruim”. Esse é o espírito do novo videoclipe da banda Seu Juvenal: “Cariá”. A obra retrata uma fração do carnaval de Ouro Preto (MG) enquanto homenageia o bloco “Zé Pereira dos Lacaios”, tido como o mais antigo do Brasil. O videoclipe será disponibilizado no dia 11 de março. No entanto, é possível assisti-lo com exclusividade via Youtube. Isso porque o título da canção é homônimo ao personagem abre-alas do bloco. Cariá é uma figura que representa uma espécie de demônio, que espanta tudo o que há de negativo em prol da festividade, do amor e da alegria. Não à toa, a banda contracena com o personagem ao decorrer de todo o vídeo.

O videoclipe é uma realização da produtora Goblin Filmes e tem direção de Lucas Hell e Pedro Vasseur. No audiovisual, Cariá é vivido pelo percussionista Kastora dos Anjos. O guitarrista Edson Zacca destaca o teor paradoxal do Cariá e traça um paralelo com o atual momento político brasileiro. “Ouro Preto é uma cidade cristã e tradicional. Apesar disso, o Cariá, que é um demônio, é um símbolo local em relação ao amor e à alegria. Esse personagem fica ainda mais relevante – e filosoficamente instigante – tendo em vista que o nosso país atualmente é dominado por falsos bons exemplos. São homens engravatados que se vendem como bons religiosos enquanto fazem maldades por debaixo dos panos”, frisou.

Arte da capa por Ana Cristina Vilela e Germano Neto

O lançamento em questão antecipa o quinto disco de estúdio da Seu Juvenal, também intitulado Cariá. Anteriormente, a banda lançou os álbuns Guitarra de Pau Seco (2004), Caixa Preta (2008), Rock Errado (2015) e Brincando Com Ódio (2020), todos construídos ao redor de uma espécie de experimentalismo que vislumbra o pop, mas faz questão de atravessar o punk e o rock alternativo. Ainda de acordo com o guitarrista, o single Cariá imprime a mesma característica. É um trabalho mais maduro. “Com o tempo, aprendemos a lidar com a estranheza inicial do público. Vejo que essa música, assim como o seu próprio videoclipe, realça a nossa sonoridade e experimenta com determinada consciência pop”.

A banda Seu Juvenal está em atividade desde 1997, sendo oriunda de Uberaba, Minas Gerais. Desde 2007, no entanto, é radicada no município de Ouro Preto, localizado no mesmo estado. Além de Edson Zacca, o grupo é constituído pelos músicos Renato Zaca (bateria), Fabino Minimim (baixo) e Bruno Bastos (voz).


Torture Squad: canal internacional faz react sobre clipe da banda

Não é segredo que a Torture Squad se encontra fazendo os últimos ajustes em seu próximo álbum de estúdio, programado para esse ano e que promete ser o seu melhor trabalho até o momento. Enquanto o novo material não tem sua data de lançamento definida, a banda vai apresentando novidades aos seus fãs. A mais recente delas é que o clipe da música “Generation Dead” recebeu um react do canal internacional “THE NOBODIES REACTS”, sendo bem elogiada pelos apresentadores. Você pode conferir o react no vídeo.

“Generation Dead” foi originalmente lançada no álbum Æquilibrium (2010), tendo recebido em 2020 uma nova versão, em comemoração aos 10 anos de lançamento. Você pode conferir o vídeo no link. A Torture Squad promete muitas novidades para esse ano de 2022 e para não perder nada, se mantenha conectado nas redes sociais da banda.

Torture Squad: May “Undead” Puertas – vocal; Rene Simionato – guitarra; Castor – baixo; Amilcar Christófaro – bateria

Mais informações:

Site Oficial

Facebook

Instagram

YouTube

Spotify


SONGS OF OBLIVION apresenta novo single “Ozymandias’ Voices of Sand”

Exatamente após um ano sem lançar material inédito, a banda de Post Black Metal / Shoegaze, Songs of Oblivion, chega com seu mais novo single “Ozymandias’ Voices of Sand”. A música já está disponível nas principais plataformas digitais e encerra um silêncio que vinha desde janeiro de 2021, quando o quarteto formado por Rodrigo Duarte (vocal/guitarra), Bruno Cassoni (guitarra), Douglas Ribeiro (baixo/backing vocals) e Fernando Turi (bateria), lançou o single “Last Chance Before Downfall”. Em seu novo trabalho, a Songs of Oblivion canta sobre as “vozes de areia, que se vão sem cantar”, ou seja, existências que saem do mundo sem se esforçar em deixar uma obra, em qualquer área da vida que seja, fazendo com que a vida e a morte não mostrem diferença aparente, ‘feito gêmeas’, como dizem os versos.

Seguindo as linhas da letra, a verdade errada ou toda verdade que não corresponde a nossos sonhos, acaba por matá-los, quando os fins visam somente as vitórias válidas aos sensos comuns dos meios do qual participamos. O instrumental segue uma linha mais progressiva, mais ágil, porém, sem perder a melodia e os backing vocals, uma das marcas adquiridas pela estética sonora da banda após o lançamento do mais recente e segundo álbum, Essência Obscura (2018). Ouça a nova música nos seguintes links:

Youtube

Spotify

Formada em 2014 em Araraquara, interior de São Paulo, a banda Songs Of Oblivion transita entra o Post Black Metal e o Shoegaze, sempre evoluindo sua sonoridade sem perder as características. É um dos principais representantes do estilo no Brasil. Além dos já mencionados, o álbum Essência Obscura e o single “Last Chance Before Downfall”, o grupo também lançou o debut Nihilism (2015) e outro single chamado “Fading Into The Light” (2017). “Ozymandias’ Voices of Sand” sai também como uma prévia de um novo trabalho completo da Songs of Oblivion. O novo disco ainda não tem nome e nem data de lançamento, mas a pretensão é ser lançado até o final de 2022. Fique atento nas redes sociais da banda.

Informações:

Facebook

Instagram


Hate Spectrum disponibiliza single “Black Screen, White Noise”

Seguindo o retorno gerado pelos dois singles anteriores, o Hate Spectrum, banda do vocalista Eder Santana, disponibilizou uma música inédita, a poderosa “Black Screen, White Noise” em todas as plataformas digitais. Confira o single “Black Screen, White Noise”. A letra, baseada em um artigo do portal Crime Traveller, aborda homicídios praticados por sonâmbulos, em um cenário no qual o protagonista não se recorda de ter cometido os assassinatos. “O termo ‘black screen, white noise’ é uma técnica utilizada para tratamento do sono”, explica Eder Santana, que complementa explicando a importância da narrativa mesclada ao contexto musical: “Me interesso bastante por esses assuntos e tento trazer em minhas composições temas que não são popularmente abordados”.

O vocalista Eder Santana se dedica há anos na criação de música pesada. O artista carioca leva isto a um novo patamar com a banda Hate Spectrum. A música é brutal, colocando a agressividade em primeiro plano. A pegada da nova banda de Eder (ex-Gangrena Gasosa) é fazer música ao lado de músicos convidados, como mostrou nos aclamados singles “Ask for Help” e “Take Off the Blindfolds”. Ouça nas plataformas digitais:

Deezer

Spotify

iTunes

Siga a banda nas redes sociais para acompanhar as novidades:

Instagram
Facebook
YouTube


Manttra lança novo vídeo para a música “Dia de Festa”

A música escolhida foi “Dia de Festa” que irá fazer parte do álbum A Viagem de Ulisses, primeiro álbum do grupo e que será lançado no próximo ano. Essa nova música estará disponível em todas as plataformas de streaming. Conforme a banda: “Esse novo som possui uma sonoridade forte e indica aos ouvintes que o grunge e o garage rock ainda vivem”. Esse single foi gravado e mixado no Estúdio Formiguero, em Brasília – DF, pelo produtor Bruno Formiga.

Outros singles da banda já fizeram parte da programação de rádios dos Estados Unidos, França e Reino Unido, além do som ter sido incluído nas rádios e web rádios diversas ao redor da América Latina. Em 2020, a Manttra entrou na lista da Top 10 da Radio Indie Alliance (EUA). Veja o vídeo.

A Manttra (Brasília – DF) iniciou suas atividades em 2018 e, bebendo direto do DNA do rock brasiliense, busca aliar
lirismo e liberdade para criar uma atmosfera sonora aberta a representação do mundo contemporâneo. O discurso e som se unem como uma viagem complexa alimentada pelas referências musicais dos 3 integrantes, todos trintões e órfãos do caldo cultural dos anos 1990. A produção da banda é recente e conta com 4 singles, todos produzidos e lançados de forma independente: Cachorro do Mato (2019); Adeus Brasília (2020); Noites dos Sonhos (2020) e Um Lugar no Cerrado (2021).

Leonardo Neves – Vocal e Guitarra; Luiz Gusmão – Baixo; Cau Delvechio – Bateria; Ary Augustos – Guitarra solo

Facebook
Instagram
Youtube


Ouça o EP de estréia da banda piauiense Navegantes e as águas de Ynaê.

Depois do lançamento do ótimo primeiro single “Mangata”, que ganhou destaque em algumas playlists bem legais de sites de cultura do Brasil, chegou a hora de conhecer o primeiro EP homônimo do grupo piauiense Navegantes e as águas de Ynaê. O grupo formado em 2018 na cidade de Teresina, mescla jovens artistas com nomes mais experientes da cena local, criando uma sonoridade rica que mistura elementos regionais, da MPB, sonoridades africanas, pop, rock e psicodelia, que podem ser conferidos nas 4 faixas deste EP. O trabalho começou a ser gravado em 2019 no Estúdio A Casa, em Teresina. Devido a pandemia, houve uma pausa de quase um ano nas gravações, que só foram finalizadas no segundo semestre de 2021. A produção é do músico paraibano Nildo Gonzalez. Este é o primeiro de uma série de EPs a ser lançados pela banda piauiense, que já tem mais de 30 composições autorais.

O EP homônimo começa com “Mangata”, canção já divulgada como single, uma poderosa composição pop, com um instrumental que tem elementos que vão da tropicália ao soul, de refrão pegajoso e que homenageia o dia de Iemanjá. “A expressão que deu nome a nossa canção significa o reflexo da lua na água do mar, retrato esse vislumbrado pela letra da canção, que oferece ao orixá do mar, Iemanjá”, explica Dayse Bezerra, co-autora da canção e guitarrista do grupo. “Janaina” traz uma ambientação densa, com um funkeado de notas graves e longas nos metais e baixo. “A canção retrata a relação das pessoas com seus orixás, neste caso Iemanjá, das graças e milagres recebidos e os rituais de agradecimento”, comenta Esaú Barros, vocalista da banda.

“Iara” tem uma mistura sonora que vai do carimbó e baião – com a presença de diversos arranjos de percussão com zabumba, pandeiro e agogô – até o rock na guitarra raivosa que surge ao fundo. “Iara é a mãe das águas doces. Essa música traz o ritmo pulsante regional do norte e nordeste brasileiro. Sua letra retrata a vida, as festas e as crenças vindas da cultura popular. A religiosidade e a fantasia. A guitarra faz referência a Tony Iommi do Black Sabbath. Foi carinhosamente apelidada de “carimbó sabbathico””, comenta o guitarrista Eduardo Speeden. Imersa no hibridismo rítmico, a música “Pura Poesia” fecha o EP e traz uma pegada dançante e alegre. Sua letra fala de transformação, paixão e admiração romântica. “Pode-se perceber um hibridismo rítmico que bebe nas fontes do afrobeat e funk, contudo de uma forma muito pessoal da banda sempre primando a presença dos arranjos de metais”, explica o Esaú novamente. CLIQUE AQUI E OUÇA O EP

Navegantes e as águas de Ynaê é: Esaú Barros (Voz, Bandolim); Filipi Souza (Bateria); Kenilson Marques (Baixo); Rafael Fortes (Saxofone); Raimundo Rodrigues (Trombone); Marcos Victor (Trompete); Dayse Bezerra (Guitarra); Eduardo Speeden (Guitarra); Arnaldo Oliveira (Percussões)

Acompanhe a banda no instagram.


Caixa Preta Lança Recomeçar

“Recomeçar” é o primeiro single autoral da banda Caixa Preta que lançou a música em Janeiro de 2020 ainda com a formação: Roberson Silva (guitarra), Rafael Moreno (guitarra e vocal), Heitor Tolezzi (bateria) e Raphael Caleb (baixo e backing vocals).

Release da banda:
A banda Caixa Preta, da cidade de Atibaia – SP, mescla diversos estilos em um só, por isso é mais fácil caracterizá-la como uma banda de Rock. As influências mais presentes nas recentes realizações são: Capital Inicial, Bon Jovi, Malta, Charlie Brown Jr, Mr. Big, mas claro, não deixando de lado algumas referências de outros gêneros, tais como: Angra, Helloween, Motley Crue, entre outras. A formação da banda conta com Rafael Moreno na Guitarra e Vocal, Roberson Silva na Guitarra, Rodrigo Félix no Baixo e Heitor Tolezzi na Bateria. Roberson deu início ao projeto em 2010, ainda com o nome de Banda Halley, época em que lançaram seu primeiro disco e participaram do João Rock.

Em sua proposta, a banda retoma o rock de anos atrás, quando esse era consumido de forma popular, e não um gênero destinado à uma minoria. As letras flutuam entre assuntos íntimos, e a exaltação da positividade, transmitindo uma mensagem de força, incentivo e esperança, como é o caso do recente single “Recomeçar”.

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.