JAVALI LANÇA LIFE IS A SONG EM CD

LIFE IS A SONG , novo trabalho da JAVALI, foi disponibilizado mundialmente em formato digital em todas as plataformas do gênero (Spotify, Deezer, YoutubeMusic, i-Tunes, etc) em janeiro deste ano. Agora, a banda anuncia seu lançamento também na forma física (CD) para alegria daqueles que curtem ouvir e colecionar o material neste formato. O CD estará disponível a partir da primeira semana de abril de 2019.

O CD trará como novidade uma faixa bônus. Trata-se da música “READ MY MIND”, lançada como um ‘single’ em 2018, que até agora somente podia ser ouvida em plataformas digitais. “READ MY MIND” foi gravada e produzida no "SOUL MIX ESTUDIO", em Piracicaba, por Roggero Chiarinelli e Gustavo Diehl.

Fazem parte do CD, além da “faixa bônus”, as 6 (seis) composições inéditas que foram gravadas em São Paulo no segundo semestre de 2018, no “STUDIO ATMOSPHERA”, ficando a captação e registro a cargo do produtor Edinho Junior; já a mixagem e masterização contaram com o talento de Thiago Bianchi (Noturnall), e foram feitas no estúdio “FUSÃO”.

A arte da capa foi desenvolvida pelo talentoso e renomado JOÃO DUARTE (JDuarteDesign), que já é parceiro da banda, tendo criado os elogiados trabalhos anteriores, incluindo o site oficial. A “MIRANDA RECORDS” é o “selo” responsável pelo do novo trabalho e a distribuição digital é da “ALTAFONTE”, ambas empresas especializadas com sedes no Brasil e em Portugal, que disponibilizam conteúdo para o mercado audiovisual no mundo todo.

ASSISTA AO CLIPE DE “RUNAWAY”, faixa do novo álbum.

REDES SOCIAIS:
Facebook
Youtube
Instagram

SITE OFICIAL

E-mail 


Detalhes do lançamento de Servus, novo disco do Uganga

Produzido com recursos da fundação alemã “Wacken Foundation” e da “PMIC” Uberlândia, Servus foi lançado no último dia 29 de Março durante evento para jornalistas e convidados no “Espaço Som” em São Paulo. O Uganga é um dos grupos mais expressivos e relevantes do rock pesado brasileiro. Acumula mais de 25 anos de carreira, lançou quatros álbuns de estúdio e um disco ao vivo gravado na Alemanha. Já realizou shows por quase todas as regiões do Brasil, participou dos mais importantes festivais e fez duas turnês europeias que juntas somam 28 shows em 13 países. Boa parte dessas produções do Uganga, sejam projetos de gravação ou circulação (turnês), têm recebido incentivo através de políticas públicas de cultura, comprovando a relevância do trabalho da banda, seja em seu sentido artístico/subjetivo ou sócio-cultural.

Servus, o quinto álbum de estúdio do grupo mineiro, não foge à regra. O disco foi financiado por dois relevantes prêmios, o Wacken Foundation, organização alemã sem fins lucrativos idealizada em 2008 pelos produtores do Wacken Open Air – o maior festival de heavy metal do planeta – e que apoia projetos de hard rock e heavy metal de todas as partes do globo, tendo nomes como o de Alice Cooper entre os doadores, e também pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PMIC) de Uberlândia, Triângulo Mineiro, de onde a banda é originária.

“A parceria com o Wacken Foundation foi mais uma vitória da banda e equipe à custa de muito suor, estrada, planejamento e amor à camisa” – declarou o vocalista Manu Joker. “Trata-se do maior festival do planeta! Por sermos uma banda latino-americana tocando em um país como o Brasil e todas as suas dificuldades, essa ajuda financeira torna-se ainda mais bem-vinda. Mas só de ter o logo do Wacken no trabalho já nos deixou honrados. Se pessoas ligadas ao Wacken se interessaram por nós, então nosso trabalho está valendo a pena.”

Servus definitivamente vale a pena! O quinto disco de estúdio do Uganga foi gravado no estúdio Rock Lab em Goiânia/GO onde a banda registrou seu álbum anterior, o aclamado Opressor. Gustavo Vazquez e o próprio vocalista Manu Joker assinam a produção desse trabalho que significa a coalisão da identidade sonora que o grupo lapidou nos álbuns Vol. 3 e Opressor com o aspecto mais experimental dos dois primeiros trabalhos, Atitude Lótus e Na Trilha do Homem de Bem.

“Se com os dois álbuns anteriores definimos a nossa sonoridade, Servus é um olhar adiante, para o futuro”, afirma Manu. “Mas também consigo ver elementos de todos os nossos outros discos nas novas músicas. Em Servus a banda se arriscou por caminhos onde ainda não foi. Não se trata de estudar o mercado ou seguir tendência. Música é algo muito sagrado para perder tempo com isso. Há mais de duas décadas fazemos peso e groove pois amamos esses dois mundos. Navegar por caminhos aparentemente distintos como o som extremo ou algo diametralmente oposto, nunca nos assustou.”

Servus foi lançado em formato CD-Digipack e também distribuído para todas as principais plataformas digitais. Um evento fechado apenas para imprensa e convidados foi realizado no mesmo dia no “Espaço Som” em São Paulo. Manu Joker, Thiago Soraggi, Christian Franco, Lucas “Carcaça”, Raphael “Ras” Franco e Marco Henriques apresentaram um pocket-show exclusivo com músicas de Servus e outras novidades.

Servus reúne 13 faixas: “Anno Domini” (Intro), “Servus”, “Medo”, “O Abismo”, “Dawn”, “Imerso”, “7 Dedos”, “Couro Cru”, “Hienas”, “Lobotomia”, “Fim de Festa”, “E.L.A.” e “Depois de Hoje…”. O desenho da capa foi desenvolvido pelo artista pernambucano Wendell Araújo que já trabalhou com outras bandas de destaque como Ratos de Porão e Cólera.

Assista o videoclipe da faixa título no Youtube

Mais Informações:
Site oficial
Facebook
Youtube
Twitter
Instagram


Macchina se apresenta no “Stoner Party”, dia 12 de abril, em Santo André-SP

A banda Macchina se apresenta no “Stoner Party”, dia 12 de abril, em Santo André-SP, no 74 Pub, juntamente com o grupo Idade da Pedra. O Fest vem para mostrar a força do conjunto como um dos pilares do estilo no Brasil, apesar de não se limitarem somente no Stoner, tendo um som bem pesado, variado e bem tocado.

O Macchina participa da “Laroie Tour 2019”, juntamente com as bandas Blackning, Atroz e Lord Groselhator. A proposta da união desses grupos surgiu atravéz da amizade entre os músicos, todos já experientes no underground paulistano, com vontade de mostrar seu material de forma séria, profissional, com backline próprio e muita dedicação à música pesada.Temos um pacote completo para todos os gostos de música pesada, com Thrash Metal, Hardocre/Crossover, Grindcore e Death Metal, vindo de alguns dos nomes mais influentes do cenário nacional. Uma ótima pedida para produtores que buscam qualidade e seriedade de segmentos diferentes do som pesado.Para contratar a tour entre em contato pelo email.

Veja aqui o Lyric video para a faixa “Listen To What I Say

Serviços:

Dia: 12/04/19

Hora: 21:00

Local: 74 Pub

Endereço: Rua Itobi, 325, Santo André-SP

Entrada: R$10,00

Acompanhe a banda Macchina em:

Facebook

Twitter

Youtube

Bandcamp


Cherry Ramona: divulgado a primeira parte da agenda de 2019

Cherry Ramona voltou da sua turnê pelo sul do país e mesmo assim, nada de descanso. A banda de Rock ‘n Roll catarinense divulgou recentemente sua agenda para o ano de 2019 e convida os produtores e casas de shows do país inteiro a entrar em contato para levar a Cherry Ramona a lugares novos.

Recentemente o grupo também lançou o videoclipe de “Verão do Sul”, que teve uma repercussão maior do que o esperado pelos músicos da banda. Com gravações da Genuíno Films e junto da banda, produzindo o roteiro, o clipe fica marcado como o primeiro da banda e consequentemente, o material que encerra o ciclo do disco Soco na Bixiga lançado em 2015.

As datas anunciadas tem as cidades de Içara, Criciúma, Tubarão e Cocal do Sul no estado de Santa Catarina e também uma data em Capão da Canoa no Rio Grande do Sul.


Grindhouse lança o disco de estreia Built in Obsolescence

A música produzida pelo Grindhouse está longe de ser obsoleta – o conceito do ultrapassado, no entanto, é refletido nas letras do disco de estreia, Built in Obsolescence. O stoner rock executado pelo quarteto paulistano – que fará a abertura para o aguardado show dos suecos do Graveyard dia 18/5 em São Paulo – é visceral, encorpado, com doses de fuzz, riffs empolgantes e atmosferas atemporais. O álbum contém 11 faixas e acaba de ser lançado de forma independente em CD e nas principais plataformas de streaming pela Abraxas. Ouça Built in Obsolescence aqui.

Built in Obsolescence foi gravado no requisitado Estúdio Costela, com produção de Gabriel Zander (Zander, Radical Karma). O Grindhouse está na ativa desde 2009 e, antes deste álbum completo, a banda tinha lançado o 7 polegadas Chosen One pela Monstro Discos. Hoje, a banda é Leandro Carbonato (voz e guitarra), Roger Marx (baixo), Luiz Natel (voz e guitarra) e Bart Silva (bateria).

O conceito do disco gira em torno da obsolescência programada, um termo usado para definir algo que já nasce com prazo de validade, como uma televisão em preto e branco, uma fita VHS, relações interpessoais abusivas e sensações de prazer. As artes gráficas também refletem sobre a obsolência: no encarte, os filhos do vocalista Leandro aparecem vestidos com fantasias que eles mesmos confeccionaram a partir de objetos obsoletos, achados em nichos de reciclagem.

O Grindhouse tem shows memoráveis no currículo: foi eleito o melhor show nacional no Goiânia Noise Festival de 2012, pelo jornal O Globo. Também incendiaram a plateia na abertura para os norte-americanos do Red Fang, que estreou no Brasil em 2012 pela Powerline (produtora de Leandro Carbonato) e reafirmou o poder de fogo junto ao público stoner na abertura para os alemães do Kadavar, em 2018.


Syn TZ: banda de Heavy Metal catarinense assina com a ‘MK Press’

A MK Press e a excelente banda de Heavy Metal, fecharam um acordo de assessoria de imprensa. A Syn TZ foi formada em setembro de 2012, em Balneário Camboriú/SC, com a proposta de entregar ao público seu Heavy Metal e shows dominados por força e energia do início ao fim. Sua sonoridade é caracterizada por riffs marcantes, vocais potentes, bateria e baixo pesados, “as METAL shall be!”

Na formação inicial, dois ex-integrantes da Syndrome: o guitarrista Marco Aurélio Girardi, e o baixista Osvaldo Dauve. A bateria ficou a cargo de Wander Verch, ex-Dracma, e os vocais por conta de Giuliano Schmidt, ex-Still Life Remains. Com essa formação a banda lançou um EP, com três músicas, em setembro de 2013, no estúdio The Magic Place, em Florianópolis, um dos maiores e mais bem equipados de Santa Catarina.

Em julho de 2015, Edu Beeck assumiu o baixo da Syn TZ. Em maio de 2017 a banda lança seu primeiro álbum oficial, Heavy Load, repetindo a parceria de sucesso com o produtor Renato Pimentel, no The Magic Place. O material apresenta 8 músicas inéditas e 3 faixas bônus, disponível em meio físico no formato digipack com capa em alto relevo, e ainda virtualmente em todas as plataformas digitais. Em outubro de 2018, João Vormehlen assume a bateria e a banda inicia a Heavy Load Tour para divulgação de seu material autoral.

Levando sua sonoridade ao alcance do público que aprecia sua proposta, a Syn TZ segue expandindo sua presença no cenário musical, em meio às diversas bandas que compartilham do projeto de manter o Heavy Metal forte e ativo.

Links Relacionados:
Site oficial
Facebook
Instagram
Youtube


O INIMIGO LANÇA VIDEOCLIPE DO PRIMEIRO SINGLE DO ÁLBUM CONTRARIEDADE

A banda O Inimigo divulgou nesta sexta-feira (22), “Sempre Perigosa Sem Piedade (SP)”, a primeira faixa do álbum Contrariedade, com lançamento previsto para 17 de maio pela gravadora paulista Hearts Bleed Blue (HBB) e já em pré-venda em CD, LP e K7 pela HBBStore.com. O single, que fará parte do terceiro disco de estúdio do grupo, ganhou um videoclipe com imagens da cidade de São Paulo captadas por André Calvente e editadas por Fernanda Lira. Segundo o guitarrista Juninho Sangiorgio “Sempre Perigosa Sem Piedade (SP)” é sobre o dia-a-dia de viver em uma cidade “caótica e cruel” e a relação de amor e ódio com o lugar onde vivem os integrantes da banda.

Com a arte de capa desenvolvida por Flávio Bá, Contrariedade tem dez faixas e é o primeiro registro d’O Inimigo com o vocalista Wellington Marcelo, que substituiu Alexandre Fanucchi em 2016. “A mudança do vocalista foi bem impactante”, conta Juninho. “Conseguir seguir em frente e compor um disco com integrantes novos sempre é um peso. Então, com a entrada do Wellington, as composições fluíram um pouco diferente, as letras estão mais diretas. Acho que o momento pediu isso, vamos lidar com muitas coisas difíceis nos próximos anos por aqui. Não temos como deixar passar batido tanta injustiça e coisa ruim acontecendo, é nosso papel se posicionar, expressar pela música, pelas letras, e pelas falas nos shows”, completa o guitarrista, referindo-se à situação política atual do país.

Além de Juninho, que se divide entre O Inimigo e a lendária Ratos de Porão, e Wellington, fazem parte d’O Inimigo atualmente Fernando Sanches (guitarra) – também baixista do CPM22, Alexandre Cacciatore (baixo) e Gian Coppola (bateria).

Assista ao videoclipe de “Sempre Perigosa Sem Piedade (SP)

Garanta a sua cópia de Contrariedade

Ouça o single nas principais plataformas digitais.


Radical Karma lança EP de estreia, Entre o Fim e o Começo

O Radical Karma tem em sua formação membros com larga experiência sobretudo no cenário punk rock/hardcore, mas que nele se aprofundam em outro universo, ainda que as raízes estejam fincadas, inevitavelmente, no underground. Após o lançamento de dois singles, com excelente repercussão, o quarteto enfim lança o EP Entre O Fim E O Começo. Ouça as quatro faixas aqui. Gabriel Zander [voz], Fausto Oi [baixo], Mateus Brandão [guitarra] e Fernando Martins [bateria] se encontraram entre janeiro e dezembro de 2018 e sorrateiramente para ensaios no Estúdio Porto, e sem fazer alarde gravaram um EP com quatro faixas.

A produção é assinada por Philippe Fargnolli [CPM22, Reffer, ex-Dead Fish] e todo o processo foi feito no Estúdio Costella, na capital paulista onde o grupo reside. Assim como o recorte de um diário, o EP Entre O Fim E O Começo, lançado pela Flecha Discos, é repleto de sentimentos que são exteriorizados por meio de causas e efeitos, embalados com um toque melancólico natural e uma melodia espontânea.

A abertura com “Ainda Bem Que Decidiu Ficar”, tem clima pungente, a tensão da letra [e narrativa intensa e envolvente] é refletida na solidez da base e dos riffs. As canções parecem extensões de experiências vividas e que de alguma forma se conectam e formam um momento de superação – de extremos, do [quase] decesso à celebração a vida. “Ambar Báltico” é terapêutica, ela aquece e acalma. A princípio emana angústia, desejo por proteção, mas que ao poucos se transforma em um grito de libertação, do anseio à exteriorização: “e doa a quem doer, não deixe de viver; e doa a quem doer seja sempre você”. Já existem planos para a produção de um clipe que ficará a cargo dos irmãos Luca e Davide Bori, da banda soteropolitana Vivendo do Ócio.

O rock alternativo, aquele à margem entre o indie e o mainstream de nomes como Smashing Pumpkins, Pixies e Seaweed, paira entre as referências. Não há uma cartilha a ser seguida, mas alguns dos ensinamentos marcam presença nas entrelinhas. Assertivas defendidas pela escritora americana Carol J. Adams, autora de “A Política Sexual da Carne” – onde ela denuncia a cultura dominante viril-carnista e toda a opressão arraigada – reverberam em “Referente Ausente”. Na contramão da seriedade do tema, leveza e calmaria na harmonia, um ode pacifista-ativista tal qual a simplicidade de valores do indiano Mahatma Gandhi.

Toda a identidade visual do RK ficou nas mãos da designer e ilustradora Camila Rosa, de Joinville [SC]. Ela vem despontando com sua arte de resistência, onde não poupa cores e mensagens de empoderamento feminino. Sonoramente a banda traz energia acumulada ao longo de décadas de estrada e o desejo de produzir material de qualidade, “Sinto Muito Que Não Sinta Nada” reflete isso e encerra o EP com a rispidez de quem se encontra em estado de aflição diante da apatia de outrem.

Da bagagem anterior, o Radical Karma carrega a vivência do it yourself e a vontade de tocar em todos os cantos possíveis, de clubes pequenos a grandes festivais espalhados pelo Brasil. O material, que futuramente se juntará a um outro EP e formará um disco cheio, já está disponível nas plataformas digitais. Este é só o começo!


THE PILGRIM Walking Into The Forest Out April 26th on Heavy Psych Sounds

Gabriele Fiori (frontman of Black Rainbows and Killer Boogie, Heavy Psych Sounds label owner) was not exactly lacking for things to do. With his solo project Walking Into The Forest, Fiori evokes a sound that is both classic and fresh, melodically rich and creatively constructed. It is a new outlet for Fiori that demands spiritual as well as auditory engagement, and an all-things-permissible sonic context that one can only hope The Pilgrim continues to explore. In completing the arrangements, Fiori turned to Black Rainbows drummer Filippo Ragazzoni.


The Devil and the Almighty Blues Tre Out March 29th on Blues For The Red Sun and Stickman Records

Heavily inspired by Delta blues, and standing at the crossroads of both American and British blues-based rock, The Devil and the Almighty Blues hail about as far from that unmarked place where Robert Robert Johnson sold his soul to the devil as one can be: Oslo, Norway. By infusing all the world’s other sub-genres of rock, from punk to garage rock, and from heavy psych to southern sludge, The Devil and the Almighty Blues sounds heavy without becoming too metal, slow without being doom, slow and raw, fucked up and bluesy without being predictable, or losing the blues’ muddy origins. – Walter Hoeijmakers, Roadburn.

With their third full-length TRE, the Norwegian five-piece conjure up some of their finest bluesy licks and heavy grooves while keeping their trademark mid-tempo songcraft — the very one sound that has held all crowds spellbound and made the band stand out from the underground heavy rock scene. Each one of the songs on TRE is as soulful as it is filled with electricity: from stomp-inducing anthems (‘No Man’s Land’), bewitching female vocals (‘One For Sorrow’) to tenebrous and emotional ballads (‘Heart Of The Mountain’), it arouses such a wide range of emotions that it instantly gets the listener all speechless and fulfilled at once.

TDATAB IS Arnt O. Andersen – Vocals, Kim Skaug – Bass, Petter Svee – Guitar, Torgeir Waldemar Engen – Guitar, Kenneth Simonsen – Drums

TRACK LISTING:
1. Salt The Earth
2. One For Sorrow
3. Lay Down
4. Heart Of The Mountain
5. No Man’s Land
6. Time Ruins Everything

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.