album_pic2
Por Davi Pascale
É capaz que a nova geração não saiba que o Kiss chegou a gravar e se apresentar sem suas famosas máscaras durante 12 anos, mas aconteceu. Depois de muita especulação, finalmente o quarteto mostrava seus rostos publicamente. Uma nova etapa iniciava-se.
Depois de uma turnê na América do Sul (incluindo o Brasil), o quarteto voltava para os estúdios de Nova York para o registro de mais um LP. Paul Stanley, que já tinha dado a idéia na época das gravações de Creatures of The Night, voltou com o assunto durante as gravações do novo disco. Ele queria abandonar as máscaras. Stanley disse ao seu colega Gene Simmons que achava essa a decisão mais acertada, uma vez que as vendas estavam caindo e os fãs não estavam aceitando bem o personagem de Vinnie Vincent, The Ankh Warrior. Era o momento de mudar. Simmons inicialmente era contra, mas depois de um tempo acabou concordando. Vinnie e Eric Carr ouviam a discussão sem se manifestar.
O baixista depois esclareceu em sua auto-biografia, Kiss And The Makeup, que teve mais um motivo que o levou a abandonar os personagens: a chegada da MTV. Exatamente! O linguarudo comentava que a situação era irônica porque a MTV unia, pela primeira vez, musica e imagem em proporções iguais, que era o seu ideal de show, mas o visual do Kiss, por alguma razão, não se encaixava com aquilo que os fãs de rock procuravam naquele momento.
Podemos perceber que a escolha para aparecerem pela primeira vez sem as famosas máscaras em uma transmissão da Music Television não foi por acaso. A jogada deu certo… O álbum Creatures of The Night, cultuado nos dias de hoje, teve uma receptividade morna na época. Lick It Up, por outro lado, trouxe o Kiss de volta à mídia. A banda recebeu disco de ouro pela vendagem. Algo que não ocorria há algum tempo.
Mas nem tudo foi um mar-de-rosas nesse período. Se por um lado, o quarteto demonstrava força para vir com algo novo e conquistar um novo público. Por outro, as crises internas recomeçaram. E a briga era justamente com o mais novo integrante, Vincent John Cusano. Ou seja, o Vinnie Vincent. As gravações ocorreram bem. Mais uma vez, a banda demonstrou interesse pelo lado compositor do músico que acabou entrando como co-autor de 8 das 10 faixas do disco. Mas, no lado dos negócios, a situação era diferente.kiss-lick-it-up-20120929023412
O disco foi registrado em diversos estúdios. Entre eles: Right Track Studios, Atlantic Studios, Hit Factory e Record Plant. De músicos convidados, dessa vez, somente Rick Derringer no solo de “Exciter”. Durante muito anos acreditava-se que isso fosse um boato. Mas, depois de um tempo, tanto Vinnie, quanto Derringer reconheceram a história. O guitarrista diz que acredita que tenham feito isso por não terem gostado do solo que criou.
Curiosamente, a faixa-titulo (talvez a mais conhecida do álbum) por pouco não ficou de fora do LP. Vinnie mostrou a melodia para Paul Stanley que mostrou desinteresse. Só depois que Gene pediu para que ouvisse novamente é que o cantor mudou de idéia e topou trabalhar na canção. Uma que foi registrada em demo, mas ficou de fora foi “So Many Girls, So Little Time”, depois gravada pela banda Keel no álbum, produzido por Gene Simmons, The Right to Rock.
A outra canção a ser trabalhada nas rádios foi “All Hell´s Breakin´ Loose”, composta pelo baterista Eric Carr. O músico ficou sem reação quando viu sua musica ser aceita, mas ficou incomodado com a idéia de Paul querer incluir um rap na composição. Carr dizia que imaginava a musica em uma pegada totalmente distinta, um jeito meio Led Zeppelin.
A sonoridade do álbum é meio que uma continuação de Creatures of the Night. Aquele heavy/rock direto com guitarras no talo, bateria forte e vocal cantado aos plenos pulmões. Apesar do importante envolvimento de Vinnie, os grandes destaques, para mim, ficam por conta do trabalho vocal de Paul Stanley e da bateria de Eric Carr.
A dupla Stanley/Simmons chegou a afirmar em algumas entrevistas que apesar de Vincent aparecer na capa e ter seu nome creditado no disco, nunca foi um membro oficial. O rapaz não chegou a assinar o contrato com a banda por não concordar com o valor e as exigências da dupla. Para piorar, Vinnie se sentia responsável por colocar o Kiss de volta à mídia e pedia participação nos lucros de tudo em que envolvia o nome do grupo. Por conta disso, os músicos começaram a procura de um novo substituto.
As coisas foram piorando durante a turnê. Vinnie reclamava de não ter muita visibilidade nos concertos e começou a provocar seus colegas fazendo números solos cada vez mais longos. Reza a lenda que depois do show realizado em Los Angeles, em Janeiro de 1984, o músico se desentendeu com Paul Stanley a ponto de Gene, Eric e alguns roadies terem que segurá-los para não saírem no braço. Não sabemos até onde a historia é real e até onde é ficção, mas é fato que Paul guarda rancor dessa época. No DVD Kissology 2, o cantor afirma que considera Creatures of the Night um álbum muito melhor do que Lick It Up e vai além: “A única razão que enxergo para que mais pessoas comprem oLick it Up do que o Creatures of the Night é o fato de estarmos sem maquiagem na capa. Essa é a única razão”. É, o cara não morre de amores pelo disco…
A saída do musico é um mistério. Há quem diga que saiu por conta própria, há quem diga que foi expulso da banda. Simmons no documentário X-Treme Close Up dá a entender que o guitarrista foi expulso ao declarar “deixe-me mostrar as botas que o chutaram para fora”. Outro mistério que se permanece. Por que se não havia contrato assinado, chutá-lo de onde?
download
Na turnê, musicas como “Exciter”, “Gimme More” e “Fits Like a Glove” estavam sempre presentes. Essa última, por sinal, manteve-se durante muitos anos nos shows do grupo. As apresentações deixavam Gene inseguro. “Pela primeira vez, não sabia o que fazer em cima de um palco”. A banda sabia que não tinha como manter os mesmos números, mas não queria deixar de fazer um mega espetáculo. Algumas coisas foram mantidas, como o número em que o baixista cospe fogo e as explosões de fogos, mas grande parte teve que ser reinventada.

Uma curiosidade legal é que em vários shows desta turnê, o Kiss executou o cover de “Whole Lotta Love” do Led Zeppelin (versão que pode ser escutada no bootleg Simmon’s Meteor). Era a primeira vez que incluíam um cover no setlist em mais de 10 anos.

Outra curiosidade que vale citar é justamente a guitarra de Vinnie, criada por Grover Jackson. O musico queria um modelo que chamasse a atenção. “Ele disse que tinha algo para mim e mostrou o corpo de guitarra do Randy Rhoads. Ele não me disse isso naquele momento porque, infelizmente, Randy havia morrido e não tinha tido a oportunidade de utilizá-la em um show de grandes proporções. Ele me pediu para que mostrasse à Paul e Gene para ver a reação deles. Eles adoraram”. Reza a lenda que o modelo utilizado por Vincent é limitadíssimo, tendo apenas 40 unidades no mundo. (Esse instrumento pode ser visto com clareza no vídeo-aula Metal Tech).

Houve uma tentativa de se livrar de Vinnie Vincent no final da turnê européia. Paul Stanley chegou inclusive a entrar em contato com o baixista Dana Strum (Slaughter), por intermédio do Ozzy Osbourne, pedindo indicação de guitarrista. Como não conseguiram encontrar um substituto rápido, tiveram que aguentar o rapaz por mais um tempo. A idéia era terminar de cumprir os compromissos que já haviam sido agendados.

Independente de como tenha sido sua saída definitiva, ela aconteceu. E em Abril de 1984, Vincent Cusano começou a trabalhar no que viria a ser o Vinnie Vincent Invasion. Finalmente, realizaria seu grande sonho de ser o centro das atenções, o principal compositor, único guitarrista e seu próprio chefe. Sua manobra não deu certo. A banda encerrou após 2 discos gravados. O Kiss, contudo, não demoraria muito para encontrar um novo substituto, o talentoso Mark St John, mas essa fica para a próxima…

LickItUp-outtake-1

7 comentários

  1. Anônimo antigo

    Fits Like a Glove possui talvez na minha opinião o melhor vocal do Gene Simmons de toda a carreira do Kiss. A agressividade e a energia vocal são impressionantes, o cara tava inspirado quando gravou os vocais dessa música.

    Responder
    • davipascale

      Show! “Fits Like a Glove” é sonzaço mesmo! Gosto do Gene Simmons…

      Responder
  2. Anônimo

    Entre Lick It Up e Animalize o seu sucessor , eu fico com o segundo. O Animalize é melhor, sobretudo nos solos de guitarra que eram mais virtuosos e trabalhados. Tem sujeito que torce o nariz pra fase “farofa” do Kiss mas eu curto muito. E falando em Animalize, realmente é fato que o álbum é como se fosse um trabalho solo do Paul Stanley já que o estilo foge bastante da sonoridade tradicional do Kiss e é bem diferente do Creatures of the Night e do Lick It Up.

    Responder
    • Davi Pascale

      Sim, foi um trabalho em que o Paul tomou a dianteira. O Gene estava dando mais atenção para as atividades externas ao Kiss. A relação entre os dois estava estremecida. O próprio Mark St John chegou a comentar que foi um pesadelo gravar aquele disco. Talvez escreva sobre ele mais pra frente. Também gosto do Animalize.

      Responder
      • Anônimo

        Escreva mesmo porque curto as postagens dessa página. E ainda mais uma banda como o Kiss é uma satisfação ler um artigo sobre eles.

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.