Por André Kaminski

Nascido em 1962, o norte americano Michael Vescera faz parte da turma dos incansáveis tal como Jeff Scott Soto. Cantando e tocando teclado em diversas bandas, projetos paralelos, discos solo e produzindo música, Vescera respira música 24 horas por dia. Ele é daqueles caras que está em umas 6 bandas e já cantou em mais umas 15 ou 20. Como ele faz para conciliar a carreira é um mistério para mim. Mas ele está lá, listado como membro oficial em várias como Obsession (banda em que ele ajudou a fundar), Death Keepers, Fatal Force e mais uma porção. Sem contar a participação em três discos dos japoneses do Loudness lá nos longínquos anos 80.

Para apresentá-lo por aqui, fiz uma opção de apresentar alguns discos famosos dos quais Vescera fez parte em conjunto com outros mais desconhecidos onde sua voz aguda e característica pode ser encontrada. Se não o conhece, saiba que o americano foi bastante influenciado por Rob Halford e seus vocais seguem claramente o estilo do britânico. Visite estes discos e comprove!


Yngwie Malmsteen – Magnum Opus [1995]

Não tenho dúvidas: Vescera foi o melhor vocalista que trabalhou com o gordão sueco maluco. E olha que muita gente de peso já cantou para o guitarrista, sendo o mais longevo os 7 anos de Doogie White entre 2001 e 2008. Imprimindo um pouco de sua melodiosa veia hardeira, Magnum Opus é um disco de grande destaque da carreira de Yngwie, com a referência principal na melódica “The Only One”, em que Malmsteen acalma seus rápidos dedos os deixando apenas para o solo. Michael conseguiu dobrar o sueco e graças a isso, temos possivelmente o disco mais variado e mesmo se permitindo a Yngwie fazer algumas canções de uma surpreendente pegada pop. Acho incrível que esse disco seja tão esquecido pelos próprios fãs dele. É de longe o meu preferido de sua carreira e o seu melhor vocalista o deixou ainda mais fantástico.

Lineup: Michael Vescera (vocais), Yngwie Malmsteen (guitarras, cítara), Mats Olausson (teclados, R.I.P.), Barry Sparks (baixo) e Shane Gaalas (bateria).

Tracklist

  1. Vengeance
  2. No Love Lost
  3. Tomorrow’s Gone
  4. The Only One
  5. I’d Die Without You
  6. Overture 1622
  7. Voodoo
  8. Cross the Line
  9. Time Will Tell
  10. Fire in the Sky
  11. Amberdawn
  12. Cantabile – Op.10 No.3 RV428 “Il Gardellino” (Vivaldi cover)

Dr. Sin – Dr. Sin II [2000]

Saudades destes caras. Volta e meia boto o meu Bravo (2007) para tocar. Possivelmente para deixarem um pouco as fronteiras do nosso país, o trio formado pelos irmãos Busic mais Ardanuy chamou Vescera para fazer os vocais desse álbum que nos Estados Unidos se chamou Shadows of the Light. Andria ficou só no baixo e Vescera soltou o vozeirão em grandes faixas daquele hard rock matador que eles faziam tais como “Danger” em que o americano abusa dos agudos e “Miracle” em que faz um vocal dobrado consigo mesmo (ou seria backings do Andria?) que soa maravilhosamente lindo. Infelizmente a parceria durou apenas dois anos e provavelmente pelas baixas vendas, Michael os deixou. Mas até pouco tempo antes do Dr. Sin acabar, ele comentou que adoraria gravar mais um disco com os caras, o que é bem óbvio que não ficaram rusgas da sua curta estadia. Essa banda vai ficar para sempre em minha memória como uma referência em se tratando de hard brasileiro.

Lineup: Michael Vescera (vocais, teclados), Edu Ardanuy (guitarras), Andria Busic (baixo) e Ivan Busic (bateria).

Tracklist

  1. Time After Time
  2. Danger
  3. Fates of Madness
  4. Eternity
  5. Fly Away
  6. Miracles
  7. Same Old Story
  8. What Now
  9. Pain
  10. Devil Inside
  11. Suffocation

Palace of Black – Palace of Black [2002]

Por aqui, o vocalista já pega pelo lado do heavy metal tradicional à la Black Sabbath. Mesmo a produção soa propositalmente abafada típica daquelas de baixo orçamento dos anos 70. É um disco bastante desconhecido e difícil de ser encontrado. Mas é aí que percebemos a versatilidade de Vescera que canta com propriedade canções como as sabbáticas “Burnt Offerings” e “Season of Madness” canções de riffs pesados e ganchudos como os britânicos. Uma pena o baixista ser meio fracote, ou o disco poderia ter ficado melhor. Detalhe que agora ele é o baixista e vocalista do Avian. Imagino que deve ter melhorado com o tempo. Mas curto a guitarra de Paul Marko com riffs bem feitos. É uma curiosidade que vale a pena ser ouvida, embora a produção possa incomodar aqueles que gostam de sonoridades mais limpas.

Lineup: Michael Vescera (vocais), Paul Marko (guitarras), Brian Hollenbeck (baixo), Jim Devito (teclados) e David Stone (bateria).

Tracklist

  1. My Anger
  2. Seasons
  3. Burnt Offerings
  4. This Side of Summer
  5. Season of Madness
  6. Did I Know You
  7. Farewell to All the Kings
  8. You Walk Alone
  9. Under a Midnight Sun (Instrumental)

Safe Haven – Safe Haven [2004]

Já o Safe Haven, um de seus projetos paralelos com apenas este álbum, tem um jeito mais parecido com o conhecido como “white metal”, embora as temáticas das letras não sejam religiosas. Michael demonstra aqui seus dotes cantando algo que eu chamaria um mix de white metal com hard rock e AOR. Ele se destaca em baladas como “Sorry Baby” muito parecidas com aquelas do Journey e canções cheias de teclado aorzento (que não sei quem tocou porque não encontrei nos créditos) como “You’re Movin’ On” e novamente, Vescera se entrega em interpretações cheias de sentimento. Como só esse disco foi feito e pouco foi citado dele com o passar dos anos, infelizmente deve ter passado batido pelo público e mesmo pelos seus fãs.

Lineup: Michael Vescera (vocais), Eric Riordan (guitarras), Don Beatrice (baixo) e Phil Suarez (bateria)

Tracklist

  1. Do You Remember Me
  2. In Your Heart
  3. It Could Happen to You
  4. Sorry Baby
  5. Nothin’ Like This Feeling
  6. Fly Me Away
  7. Have Faith, Believe
  8. Now That You’re Gonne
  9. You’re Movin’ On
  10. Need a Change
  11. I Forget the Words

Vescera – Beyond the Fight [2017]

Em 2015, Vescera resolveu dar uma passada na Itália para o seu novo disco solo junto a mais outros três músicos da região e lançarem no ano passado esse heavy metal tradicional que é Beyond the Fight. Obviamente, a idade passou e Vescera deu uma engrossada na voz, sem conseguir mais aqueles agudos de antigamente. Todavia, a sua voz agora pode soar melhor para aqueles que preferem um vocal não tão agudo em bandas de mais peso. Com riffs carregados junto ao seu característico senso melódico influenciado pelo hard, este álbum apresenta faixas em que lembra bem o estilo de bandas como Metal Church e Anvil. “Vendetta” segue um estilo mais tradicional  e “Never Let You Go” apresenta um refrão pegajoso remetendo as duas bandas já citadas anteriormente. A produção é moderna e embora não seja lá um disco que vai revolucionar o metal, este possui ótimas qualidades dos quais apesar de já bastante trabalhadas em várias outras bandas do estilo, poderá te proporcionar ótimos momentos.

Lineup: Michael Vescera (vocais), Mike Petrone (guitarras), Frank Leone (baixo) e Fabio Alessandrini (bateria).

Tracklist

  1. Blackout in Paradise
  2. In the Night
  3. Stand and Fight
  4. Dynamite
  5. Looking for Trouble
  6. Vendetta
  7. Troubled Man
  8. Never Let You Go
  9. Suite 95

4 comentários

  1. Marcello

    Bela homenagem a um grande vocalista que parece não ter dado muita sorte na carreira – ele merecia mais sucesso do que obteve em seus projetos!

    Responder
    • André Kaminski

      Concordo plenamente, Marcello. Ele rodou bastante por bandas de médio porte e sempre se destacou em várias delas. Aparentemente para se sustentar, ele precisa cantar em várias bandas para se conseguir o que um vocalista conseguiria em apenas uma banda de grande sucesso.

      Responder
    • André Kaminski

      Quando se trata de Malmsteen, fico mesmo com este e The Seventh Sign, os dois que Vescera cantou. Mas concordo que Odyssey é o grande disco dele.

      Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.