Van der Graaf Generator – Live at Metropolis Studios, London [2011]

9 de julho, 2015 | por Mairon
Resenha de Álbum
0

No dia 18 de dezembro de 2010, 120 sortudos presenciaram um momento único na história do rock progressivo, que foi um ensaio nos estúdios Metropolis em Londres feito por Peter Hammill (teclados, voz, guitarras), Hugh Banton (teclados) e Guy Evans (bateria), mais conhecidos como Van der Graaf Generator, com o objetivo de estarem prontos para a turnê de divulgação do álbum A Grounding in Numbers.

Até então, o álbum não havia sido lançado, e algumas faixas dele foram exploradas, assim como outros dos álbuns lançados pelo grupo após o seu retorno nos anos 2000, no caso Present (2005) e Trisector (2008).

VDGG6

Visão geral do Metropolis Studios, completamente lotado

Para quem ficou apaixonado pelo grupo com os clássicos discos lançados nos anos 70, com destaque para a sequência H to He, Who Am the Only One (1970), Pawn Hearts (1971), Godbluff (1975) e Still Life (1976), Live at Metropolis Studios é uma boa oportunidade para jogar o ranço de fora e conferir os bons materiais que a banda fez recentemente, e ainda, ficar espantado como o trio conseguiu apagar as lembranças de um de seus principais instrumentistas, o saxofonista David Jackson, que gravou os discos citados nos anos 70 e participou do retorno em 2005, gravando Present e o ao vivo Real Time (2007), saindo da banda pouco antes da gravação de Trisector, por problemas de relacionamento entre Jackson e os demais.

Então, colocando o CD 1 no som, o show começa com o intrincado riff de piano de “Interference Patterns” (Trisector), com Hammill soltando a voz de sua garganta como se tivesse nos anos 70, seguida pela agonizante e bela “Nutter Alert” (Present), com outra grande interpretação de Hammill.

 VDGG7

VDGG3

Duas visões do palco, com Hammil nos teclados (acima) e na guitarra (abaixo)

O ritmo diminui na suave “Your Time Starts Now” (A Grounding in Numbers), mas não tarda para a loucura voltar às caixas de som com a psicopata e esquizofrênica “Lemmings” (Pawn Hearts), o primeiro grande clássico da carreira do grupo a brilhar para os ouvidos dos fãs, completinha e com vários detalhes a mais, em uma interpretação sensacional, destacando o ritmo alucinante de Evans e principalmente, Hammill assumindo a guitarra. Aqui o show começa realmente para quem curte música, por que a barulheira que o trio faz apenas com guitarra, teclados e bateria, é descomunal. A violência dos gritos de Hammill, as pancadas nas viradas de Evans e todas as diabruras que Banton inventa nos seus teclados, assim como as notas de guitarra que parece soarem desencontradas, dando mais tensão para “Lemmings”, são uma amostra grátis de por que o Van der Graaf Generator ainda hoje surpreende os que admiram o rock progressivo.

“Lifetime” (Trisector) soa como um trem passando sua vida, em um clima bastante depressivo extraído da guitarra e dos teclados, além da dramática voz de Hammill, e mais uma novidade vem para os fãs, “Bunsho” (A Grounding in Numbers), bastante intrincada como convém para a sonoridade esperada nas canções do grupo. O primeiro CD encerra-se com o segundo clássico, “Childlike Faith in Childhood’s End”, uma das obras-primas do grupo registrado no renegado Still Life (1976), daquelas interpretações arrepiantes de Hammill, e com uma assombrosa e emocionante execução de Banton e Evans através de seus mais de . Os mais xiitas vão dizer que o saxofone de David Jackson faz falta, mas honestamente, o que o trio nos apresenta nessa versão é tão belo quanto o que está registrado em Still Life. Dá para sentir a tensão e o apavoramento dos presentes com o que estão vendo no final da apresentação de “Childlike Faith in Childhood’s End”, com aplausos fortes e incansáveis para o trio.

VDGG4

Guy Evans e seus ritmos impensáveis

O segundo CD surge com as linhas jazzísticas de “Mr. Sands”, terceira de A Grounding in Numbers, seguida pela leve viagem dos mais de doze minutos de “Over the Hill” (Trisector), com suas várias sessões intrincadas, em duelos elaborados por bateria e teclados, além de outra performance vocal arrepiante por Hammill. O riffzão enigmático de “(We Are) Not Here” (Trisector) traz uma das melhores canções registrada pelos britânicos nos últimos anos, e o show conclui-se com outro grande clássico, a linda “Man-Erg” (Pawn Hearts), mais uma obra-prima que o Van der Graaf Generator deixou ao mundo nos anos 70. O que impressiona é como a voz de Hammill permanece intacta, e novamente, mesmo os xiitas reclamando da ausência do saxofone de Jackson, não dá para não ficar de queixo caído com a poderosa interpretação do trio, principalmente no grandioso trecho central no qual os instrumentos travam uma batalha musical alucinante, e mais uma vez, o encerramento é arrepiante, com todo mundo urrando muito.

Depois de ficar em êxtase com o orgasmático show de pouco menos de uma hora e meia, é hora das reflexões sobre o mesmo. Durante toda a audição dos CDs, percebemos que o trio está mandando ver, mas aos que não conhecem a carreira do Van der Graaf Generator, fica difícil saber quem destacar entre os instrumentos. Claro que a interpretação vocal de Hammill é incrível, mas será que a dupla de teclados que está fazendo a sonzeira?

VDGG8

Hugh Banton se virando em dedos e pernas

Para solucionar essa dúvida é que temos o DVD, e nele, o excepcional Banton mostra por que é um dos maiores (e na minha opinião o maior) tecladista da história do rock progressivo.

Com uma agilidade exclusiva, o baixinho monta nos seus teclados, fazendo misérias com os pés através das grandes teclas situadas em frente ao seu banco, enquanto desliza freneticamente seus dedos nos dois teclados que estão ao seu redor. Logo na primeira canção, ele já mostra do que é capaz, conduzindo seus teclados concentradíssimo, sendo maravilhoso ver sua agilidade utilizando os quatro membro de seu corpo perfeitamente. Ver o que ele faz na introdução de “Lemmings”, ou durante toda essa mesma faixa, em uma barulheira infernal criada apenas por ele, com uma capacidade incrível de tocar dois teclados ao mesmo tempo com uma única mão, é de se pedir uma benção, por que o rapaz está endiabrado. Outra que impressiona é “Childlike Faith in Childhood’s End”, já que ele é praticamente quem conduz toda a canção, apenas com Evans fazendo a base e Hammill cantando absurdamente, com as veias saltando de sua garganta em imagens fantásticas. Resumindo, Banton não é desse planeta!

VDGG5

Peter Hammill utiliza um pedestal para ler as letras

Apesar de algumas canções Hammill utilizar de um pedestal com as letras, isso não estraga também suas grandes performances vocais, ainda mais sabendo que a maioria dos velhos artistas hoje em dia adotam tele-prompters em suas apresentações com muita naturalidade. Por fim, Evans é um animal no seu kit. Um dos bateristas mais injustiçados, a idade mostra que pegou somente no seu corpo, bem mais gordinho do que o menino franzino que está no fantástico DVD Godbluff Live, só que no resto, o cara solta o braço e as pernas, sempre com aquele olhar preocupado mas sereno que tanto marcou sua carreira.

Nos extras do DVD, temos uma série de entrevistas individuais com o trio, falando sobre o retorno do grupo em 2005, a decisão de seguir somente como um trio após a saída de David Jackson, comentários sobre A Grounding in Numbers, o futuro da banda e uma boa – e merecida – babada de ovo de cada integrante para os demais, já que afinal, como bem dito nas entrevistas (em inglês e sem legendas), Hammill é um gênio, Banton é um monstro dos teclados e Evans é o único capaz de criar ritmos impensáveis para acompanhar as letras e a música de Hammill.

VDGG9

Peter Hammill nas entrevistas dos extras

Ainda acompanha o pacote um encarte com diversas fotos (todas em preto e branco) e um breve resumo da história da banda.

Se existe algum pecado nesse álbum, é que Hammill tocando guitarra está um pouco fora de forma, já que este também nunca foi seu instrumento principal, mas é um detalhe ínfimo perto da majestosa apresentação do grupo.

VDGG1

A disposição dos CDs e DVD em Metropolis

Track List

CD 1

1. Interference Patterns

2. Nutter Alert

3. Your Time Starts Now

4. Lemmings

5. Lifetime

6. Bunsho

7. Childlike Faith in Childhood’s End

CD 2

1. Mr. Sands

2. Ovetr the Hill

3. We Are Not Here

4. Man-Erg

DVD

Todas as canções do CD 1 e do CD 2, na mesma ordem



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *