Discografias Comentadas: Thin Lizzy – Parte I

1 de janeiro, 2012 | por Mairon
Discografias Comentadas
7


Por Mairon Machado
Formado em Dublin, Irlanda, no ano de 1969, o Thin Lizzy teve uma longa trajetória percorrida até alcançar o status de grande banda de rock. Muito disso se deve ao talento incomum do baixista, vocalista e líder Phil Lynott. Filho de uma irlandesa com um marinheiro sul-americano (existem muitos rumores de que ele fosse brasileiro), Lynott deixou na sua carreira uma marca inquestionável de qualidade, seja no instrumento, nas interpretações vocais ou em suas composições. Infelizmente, Lynott faleceu com apenas 36 anos, no dia 4 de janeiro de 1986, ou seja, há 26 anos. 
Como uma justa homenagem, a Consultoria do Rock apresenta um especial Discografias Comentadas com o Thin Lizzy, que será dividido em duas partes: a primeira, feita por mim, a respeito do período no qual o grupo começou como o trio Phil Lynott (baixo, vocais), Eric Bell (guitarras) e Brian Downey (bateria), responsável por três LPs, até o ano de 1976, já como quarteto, tendo as poderosas guitarras de Brian Robertson e Scott Gorham, sendo esse o ano no qual o grupo lançou seus dois principais discos, Jailbreak e Johnny the Fox, constando o último da segunda parte deste especial. 
Cada parte apresentará seis álbuns, abrangendo a discografia de estúdio lançada pelo grupo até 1983, além de citar discos ao vivo, coletâneas e demais materiais relacionados a essa que é uma das mais importantes bandas do rock irlandês, e, sem dúvida, o principal representante da faceta mais pesada do gênero naquele país. Caso você queira conhecer um pouco mais da história do grupo, leia e ouça o Podcast em homenagem ao grupo.
Phil Lynott, Brian Downey e Eric Bell

Thin Lizzy [1971] 
A estreia do Thin Lizzy é difícil de se explicar. O trio Lynott, Bell e Downey faz uma mistura de sons e ideias em um álbum bastante experimental, a começar pela abertura, com “The Friend Ranger at Clonfart Castle”, na qual os resquícios da psicodelia do The Doors surgem através de um poema entoado por Lynott, transformando-se em uma viajante canção, onde o estilo inconfundível de cantar de Lynott surge pela primeira vez. Já o violão de “Honesty is no Excuse”, acompanhado pelo mellotron (participação de Ivor Raymonde), nos manda de volta para os anos 60, em algum álbum do The Moody Blues pós Days of Future Passed (1967), enquanto a longa “Diddy Levine” é uma bela canção folk, sendo este mais um afluente no gigantesco rio de estilos que o Thin Lizzy era no início de sua carreira. Nela que aparece pela primeira vez o riff marcado entre baixo e guitarra que estaria presente em muita canções do grupo. “Ray-Gun” é um funk embriagante, levado pelo wah-wah de Bell, com Lynott lembrando Jimi Hendrix em sua melodia vocal, assim como “Look What the Wind Blew In”, que encerra o lado A em um ritmo envolvente e com uma interessante participação de Downey. “Eire” deixa uma bonita mensagem no início do lado B, com Lynott demonstrando seus dotes vocais, acompanhado pelo lento ritmo da guitarra, baixo e bateria, e “Return of the Farmer’s Son” (cujo início parece ter sido chupinhado pelo Deep Purple em “Highway Star”, lançada um ano depois), tem um riff grudento, com o baixo e a guitarra martelando na sua cabeça enquanto Lynott derrama emoção na letra da canção, além do primeiro solo de destaque feito por Bell. A malemolência inicial da curta “Clifton Grange Hotel” torna sua descrição confusa e inexplicável, em uma espécie de balada rock anos 50 com psicodelia, com destaque para as guitarras sobrepostas de Bell. O Thin Lizzy volta para as baladas folk em “Saga of the Ageing Orphan”, uma triste canção com um bonito arranjo de violões, encerrando Thin Lizzy com “Remembering”, uma faixa bem trabalhada, na qual o wah-wah de Bell destaca-se entre os momentos delicados e agitados que se alternam constantemente com o passar dos seis minutos de duração, onde o solo de Bell, sobrepondo guitarras, e o cavalgante baixo de Lynott, entre seus gritos ensadecidos e guitarras sobrepostas, são os pontos altos do LP, que apesar de ser bem simples, está no mesmo nível de outros discos de grupos de maior expressão dessa época. O primeiro relançamento em CD de Thin Lizzy, em 1990, apresentou mais quatro canções: “Dublin”, “Remembering Pt. 2”, “Old Moon Madness” e “Things Ain’t Workin’ Out Down at the Farm”, enquanto a versão remasterizada de 2010 trouxe nove bônus. Thin Lizzy mostra que os irlandeses ainda tinham uma longa trajetória para percorrer, estando apenas engatinhando lentamente para conquistar seu espaço entre os grandes nomes do rock. 

Shades of a Blue Orphanage [1972] 
Contando com a participação do músico Clodagh Simmons nos teclados e no mellotron, o trio Lynott, Bell e Downey ampliou o leque de experimentações de seu álbum de estreia no segundo disco, mesclando mais ritmos, como o funk, o blues, o folk irlandês e o hard rock. Shades of a Blue Orphanage abre com a percussão de Downey na longa introdução de “The Rise and Dear Demise of the Funky Nomadic Tribes”, que já vale o álbum. O riff de baixo e guitarra, pesadíssimo, acaba apresentando um delicioso funk, e a entrada da voz de Lynott supreende pela malemolência e suingue de uma ótima canção, que se dá o direito de conter um avassalador solo de bateria em seus minutos finais. A estranha introdução de “Buffalo Gal” reflete-se no riff inicial, mas a canção em si é uma singela balada, onde o principal destaque vai para as passagens de Bell . “I Don’t Want to Forget How to Jive” é uma curta faixa, que parece ter saído de uma jam session inspirada em algum rockabilly de Elvis Presley, enquanto “Sarah ” é uma pequena incursão na música clássica, onde o piano de Simmons e o violão de Bell, acompanhando a magistral interpretação vocal de Lynott, mostram como ele era habilidoso, seja nos vocais, tocando baixo ou como compositor. O lado A encerra-se com “Brought Down”, levada pelo violão de Bell, em outra importante composição de Lynott, alternando entre momentos amenos, inspirados pelo folclore irlandês, e outros mais agitados, com destaque para o solo de Bell, onde o riff da guitarra duela com o baixo, enquanto Bell sobrepõe guitarras em oitavas, dando indícios do que o Thin Lizzy faria anos depois. O lado B abre com a pesadona “Baby Face”, fincando um pé do Thin Lizzy no hard setentista e com o baixo de Lynott batendo de frente na cara do ouvinte, enquanto “Chatting Today” retorna aos violões e ritmos dançantes do folclore irlandês. “Call the Police” é outro grande hard, destacando mais um marcado riff entre baixo e guitarra, mas com muito suingue acompanhando a parte vocal. O LP encerra com a bonita faixa-título, sete minutos de um blues emocionante, tendo a participação destacada do mellotron, alternando as notas simples de um dedilhado de guitarra que acompanha a interpretação chorosa de Lynott, revelando-se cada vez mais um grande cantor. A versão remasterizada de 2010 veio com nove bônus, assim como seu antecessor. Em Shades of a Blue Orphanage, o Thin Lizzy começou a dar os primeiros passos para se tornar gigante entre os grandes do rock. 

Vale a pena também citar que, ainda em 1972, o trio, ao lado do tecladista Dave Lennox e do vocalista Benny White, formou o grupo Funky Junction, o qual registrou um único LP, em homenagem ao Deep Purple, batizado de Funky Junction Play a Tribute to Deep Purple, lançado em 1973, com destaque para as fiéis versões de clássicos como “Fireball“, “Hush”, “Speed King“, entre outras. Mais uma joia a ser buscada pelos fãs do grupo.

Vagabonds of the Western World [1973] 
Finalmente o som do Thin Lizzy começa a tomar forma. A criança agora já caminha com suas próprias pernas, adquirindo sua própria personalidade, sem mesclar tantos estilos. A guitarra ganha mais espaço e o lado folk é abandonado, privilegiando um som mais característico do rock setentista, com peso, riffs grudentos e muita adrenalina exalando de baixo, guitarra e bateria. Isso pode ser comprovado logo na abertura, com a dançante “Mama Nature Said”, na qual o slide de Bell dá um espetáculo à parte, ao lado do órgão do convidado Jan Schelhaas, também presente na embaladíssima “The Hero and the Madman”, que conta com a participação de Kid Jensen fazendo vocalizações no refrão e com um grande solo de Bell. Uma das melhores canções do Thin Lizzy vem na sequência, “Slow Blues”, na qual a guitarra, acompanhando a melodia vocal entre as batidas fortes de bateria, em um ritmo quase marcial, transforma-se em uma suingada canção com o andar da carruagem, deixando para “The Rocker” a tarefa de encerrar o lado A, assumindo também a posição de primeiro clássico do grupo, com um dos riffs mais conhecidos da carreira do grupo, e com outro belíssimo solo de Bell, levado pelas batidas de Downey e pelo acompanhamento avassalador do baixo de Lynott. A faixa-título abre o lado B com mais um riff grudento de baixo e guitarra, que parece ter saído de algum álbum do Black Sabbath, tamanho o peso, enaltecido no fantástico solo de Bell. “Little Girl in Bloom” é o momento calmo do LP, assemelhando-se à “Shades of a Blue Orphanage” ou “Saga of the Ageing Orphan” em determinados momentos, apesar da inovação com os vocais sobrepostos de Lynott cantando o refrão. Nela, você deve estar preparado para o longo sustain de guitarra e para o baixo forte de Lynott batendo em seu ouvido durante outro bom solo de Bell, que timidamente apresenta as guitarras sobrepostas tocando em oitavas no final da canção. O baixo entra demolindo em “Gonna Creep Up on You”, mais uma funkeada faixa criada por Lynott e cia., na qual Bell gasta o wah-wah com um riff pegajoso e dançante. “A Song for While I’m Away”, com um interessante arranjo de cordas feito por Fiachra Trench, mantém a tradição de encerrar os álbuns do Thin Lizzy sempre com uma canção marcante, dessa vez simples mas emotiva, quase como uma valsa, levada pelo baixo e violão e por uma interpretação única de Lynott. O relançamento de 1991 trouxe quatro bônus, entre elas a hoje clássica “Whiskey in the Jar”, que acabou ficando de fora do lançamento original, mas teve um relativo sucesso com o single em que foi lançada em 1972. Em 2010, o álbum recebeu uma versão dupla deluxe, trazendo o álbum na íntegra mais dez bônus no CD 1 e uma apresentação do grupo na BBC na época de lançamento do LP. Com certeza, esse é o primeiro grande álbum dos irlandeses, mas o grupo precisava alcançar a maturidade. Uma mudança deveria ocorrer na formação do grupo.

Scott Gorham, Brian Robertson, Phil Lynott e Brian Downey
Nightlife [1974] 
Eric Bell acabou saindo do Thin Lizzy, sendo substituído pela dupla Scott Gorham e Brian Robertson. Nascia assim uma das principais duplas de guitarra, ao lado de K. K. Downing/Glenn Tipton (Judas Priest) e Andy Powell/Ted Turner (Wishbone Ash), eternizando momentos sagrados para o rock através das famosas guitarras gêmeas. Porém, Nightlife ainda é o ensaio de um grande álbum, misturando elementos da soul music, do funk e algumas pitadas de hard rock, sendo em geral um disco com muita sensualidade, contando com a participação de backing vocals femininos que contribuem bastante para isso, assim como arranjos especiais para cordas, feitos por Jerry Horrowitz, e pelos teclados de Jean Roussell. O suingue de “She Knows” abre o vinil, e nela é possível identificar uma pequena diferença em se tratando das guitarras, com cada músico fazendo seu breve solo. A faixa-título é um blues dinâmico, mantendo o suingue da faixa de abertura, e trazendo novamente as cordas para as canções do grupo. “It’s Only Money” já é mais hardeira, com o riff marcado das guitarras e baixo mostrando o lado pesado que o Thin Lizzy insistia em procurar. Logo após temos uma das melhores canções do grupo, a emocionante “Still in Love With You”, com Lynott dando mais um show de interpretação vocal, dividido com Frankie Miller, e com a participação mais que especial de Gary Moore fazendo o magistral solo de guitarra, como esperado de um dos maiores guitarristas da história do rock. “Frankie Carroll”, outra bela canção, com Lynott cantando acompanhado apenas por um bonito arranjo de cordas e piano, encerra o lado A de forma muito suave, deixando para o início do lado B “Showdown”, na qual o baixão de Lynott, acompanhado pela levada de Downey e do wah-wah da guitarra, constrói mais uma sensual canção para aquela noite de sábado, destacando os vocais femininos. A vinheta instrumental “Banshee” é uma bonita amostra do que as guitarras gêmeas eram capazes de fazer, em uma canção simples mas comovente, enquanto “Philomena” retorna ao som mais cadenciado, com o baixo de Lynott sendo a atração, dividindo o riff principal junto das guitarras gêmeas. A clássica “Sha La La” é o momento no qual as guitarras gêmeas se fazem mais presentes, com uma levada sensacional do baixo acompanhando o riff de tirar o fôlego, além da ótima levada de bateria. Os solos rasgados de Gorham e Robertson são a cereja do bolo dessa excelente faixa, disparado a melhor do disco, que se encerra com “Dear Heart”, outra mais amena, levada pelo órgão de Rousell e pelas cordas, que conclui um álbum mediano na discografia do Thin Lizzy, contrastando com a transição interna que o grupo atravessava. É necessário chamar a atenção também para a linda capa do álbum, uma obra de Jim Fitzpatrick, com uma pantera negra observando um entardecer, sendo essa pantera uma representação de Lynott. Nightlife receberá sua versão deluxe em março desse ano.

Fighting [1975] 
Finalmente o som do Thin Lizzy ganha forma. Em Fighting, Lynott, Gorham, Robertson e Downey definem o estilo que então consagraria o grupo como o mais importante do rock irlandês e um dos maiores no cenário mundial. Cada canção é uma pequena obra-prima do hard setentista, a começar pela clássica “Rosalie”, com seu riff grudento, tendo a participação especial de Roger Chapman (do grupo Family) nos backing vocals, em uma das canções mais Kiss que o Kiss nunca gravou. “For Those Who Love to Live” e seu ótimo trabalho elaborado pelas guitarras gêmeas amplia o horizonte de canções suingadas mas com o peso que não aparecia nos álbuns anteriores, destacando também as vocalizações de Lynott. O grupo resgata “Suicide”, a qual era apresentada nos shows quando ainda eram um trio, e que aqui recebeu o tratamento necessário para torná-la um dos grandes sons do grupo, onde as guitarras de Gorham e Robertson fazem a cadência perfeita para o baixo e para a voz de Lynott, acompanhados pela bateria sempre relevante de Downey, com a ponte central, onde todos executam um riff marcado, sendo um dos principais momentos do álbum, sendo copiado indecentemente por bandas como Iron Maiden, Def Leppard, Tygers of Pan Tang e outros da NWOBHM, além de um dos melhores solos feito pela dupla. A balada “Wild One” também possui outros momentos marcantes das guitarras gêmeas, principalmente no solo, mas acaba soando perdida entre os petardos iniciais do LP, que tem o lado A encerrado com outro clássico, “Fighting My Way Back”, com muitas variações em seu andamento. “King’s Vengeance” abre o lado B com um estranho riff, inspirado em Led Zeppelin, mas mantendo o pique que havia encerrado o lado A. Os timbres alucinantes de “Spirit Slips Away” compõem uma viajante canção, na qual as variações no botão de volume na guitarra de Robertson criam uma atmosfera inédita para os irlandeses. O tecladista do Faces, Ian McLagan, participa de “Silver Dollar”, a qual é uma representação fiel do som objetivado por Lynott para seu grupo, ou seja, uma mescla de suingue, peso e partes de guitarra bem trabalhadas, assim como “Freedom Song”, outra boa amostra do que era o som feito pelo Thin Lizzy a partir de Fighting, com as guitarras gêmeas duelando com o baixo. O álbum se encerra com “Ballad of a Hard Man”, que de balada só tem o nome, já que as guitarras de Gorham e Robertson despejam um hard fenomenal, comandado por uma cozinha impecável, empregando o suingue de Nightlife com muito peso, sendo esse o diferencial nos álbuns do grupo a partir de então. É impossível não destacar o belo solo com wah-wah feito por Robertson. Certamente, muito da influência que o Thin Lizzy deixou para a posteridade vem dos petardos impressos nos sulcos de Fighting, que saiu nos Estados Unidos com uma capa diferente da versão europeia, tornando-se mais um item de coleção para os fãs. Assim como Nightlife, Fighting também receberá sua versão deluxe em março deste ano.

Jailbreak [1976] 
Entrosados, o quarteto passou a compor uma canção melhor que a outra, atingindo em Jailbreak sua melhor forma. O álbum começa com a excepcional faixa-título, com um grudento refrão e com uma levada tipicamente Thin Lizzy. As guitarras são um espetáculo à parte em “Angel from the Coast”, uma canção veloz, na qual o baixo galopante de Lynott dá as caras, e claro, dê-lhe guitarras gêmeas. Tim Hinkley participa tocando órgão em “Running Back”, que também possui a participação de um saxofonista e de outros músicos de estúdio, em uma canção muito amena em comparação às duas iniciais, uma tentativa mal sucedida do grupo em gerar um hit nos Estados Unidos. Indignado com essa situação, o guitarrista Brian Robertson recusou-se a participar da mesma. O trem volta aos trilhos em “Romeo and the Lonely Girl”, mais uma tipicamente Thin Lizzy, com o baixo e as guitarras suingadas sendo os maiores destaques. “Warriors” conclui o lado A apresentando com mais destaque o baixo galopante de Lynott, tendo outro riff grudento das guitarras gêmeas, e com o vocal recheado de efeitos. O lado B abre com aquele que talvez seja o maior clássico na carreira do grupo, “The Boys are Back in Town”, que desde sua concepção, nasceu para isso. O riff simples (teria Tony Iommi o copiado em “Never Say Die”?), a melodia grudenta, a interpretação fenomenal de Lynott, as guitarras gêmeas na ponte central e o refrão mais que acessível, alavancaram as vendas de Fighting, tornando o Thin Lizzy mundialmente conhecido. “Fight or Fall” diminui o ritmo, com um bonito arranjo das guitarras e com Lynott consolidando-se como um dos principais baixistas e compositores de sua geração. Não dançar ao som de “Cowboy Song” é para surdos, ou nem isso, já que o ritmo da canção por si só pode embalar as pernas e os braços do ouvinte. “Emerald” encerra um álbum essencial com seu riff pesadíssimo, naquela que considero a melhor canção do grupo, na qual o riff das guitarras e do baixo na ponte central da canção, além de uma distorção precisamente suja e com efeitos, hipnotizam e conquistam qualquer admirador do hard setentista, levando o mesmo ao êxtase no sensacional duelo de guitarras durante o solo que conclui a canção. Fantástica e absolutamente perfeita! Em 2011, Jailbreak recebeu uma edição deluxe, trazendo um CD bônus com mixagens alternativas e versões ao vivo para a rede de televisão BBC, de 1976. Sem dúvida, Jailbreak é O DISCO para se iniciar no mundo do Thin Lizzy, mas não o único, já que ainda em 1976 os irlandeses gerariam outro grande álbum, como veremos na segunda parte, que será realizada pelo colega Diogo Bizotto.



7 Comentarios

  1. E ai gurizada. Primeiramente um feliz 2012 à todos.

    Sobre essa discografia, eu gostaria de comentar algo que eu posso estar errado, mas enfim, o riff da parte central de The Boys areBack in Town foi praticamente plagiado pelo The Cure para construir o riff de Boys don't Cry. As noas são as mesmas, a métrica é a mesma e só a velocidade é a mesma.

    Paravocês conferirem, vou passar o link

    http://www.youtube.com/watch?v=9GkVhgIeGJQ&ob=av2e

    Thin Lizzy é uma grande banda, e uma pena Lynott ter falecido tão cedo

  2. micaelmachado disse:

    Feliz 2012 a todos!

    Não conheço muito do Thin Lizzy, não sei porque nunca me animei com essa banda do modo apaixonado que tantos por aí, mas é claro que reconheço seu valor e importância!

    E, quanto ao plágio do Cure, acho que é só impressão, embora "Boys" seja das mais conhecidas do Lizzy, claro!

  3. Uma das favoritas da casa… Mas os meus favoritos estarão na segunda parte!

  4. diogobizotto disse:

    Devo confessar que não sou tão bom conhecedor da primeira fase do Thin Lizzy, como trio, mas, em especial, de "Fighting" até "Black Rose", a banda fez uma das sequências de álbuns mais perfeitamente aniquiladoras da história do rock. Simplesmente não consigo eleger um favorito entre todas essas maravilhas, é algo que pode mudar diariamente. Podem ter certeza que a influência exercida e o respeito para com o Thin Lizzy é infinitamente superior ao sucesso comercial obtido.

  5. O tempo passa e eu continuo sendo um desconhecedor da discografia do Thin Lizzy! Só conheço o Shades of a Blue Orphanage e peguei mais dois pra ouvir, mas tô achando que é o caso realmente de ouvir TUDO! Sou muito curioso dessa stória..

  6. Fábio Coser disse:

    Sinceramente a melhor, pra mim a melhor banda que já existiu, desde a primeira vez que ouvi me apaixonei, excelente matéria, alguns detalhes eu mesmo não sabia.

  7. Renato Lira disse:

    Simplesmente Adoro todas as fases do Thin Lizzy. Os primeiros álbuns apesar de não ter uma identidade definida são excelentes belas canções para deixar qualquer fã de música folk como eu apaixonado… Mas com certeza a fase das guitarras gêmeas é a melhor, sensacional. Ouvindo faixa por faixa desta primeira parte não consigo apontar uma música ruim sequer, o difícil é querer parar de ouvir agora. Entre minhas bandas preferidas de todas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *