Por Ronaldo Rodrigues

Os protagonistas da nossa seção de tralhas sonoras vem do Texas, mais especificamente da cidade de San Antonio, uma cidade grande e importante na região. Ali, dois adolescentes – Rod Prince (guitarra e vocal) e Roy Cox (baixo) – formaram o embrião do que seria o Bubble Puppy em 1966. Os dois eram bastante talentosos assim como seus demais companheiros – Todd Porter (guitarra), Clayton Pulley (bateria) e Danny Segovia (vocal) – que se esforçavam bastante para posicionar bem a banda na concorrida cena de rock do Texas na época. Em 1968, o Bubble Puppy abriu um show do The Who na área, o que era um feito e tanto.

Pouco tempo depois desse show, o Bubble Puppy foi reformulado, com a entrada de um novo baterista e a saída do vocalista Danny Segovia. Para a bateria, um outro amigo de Rod Prince foi convidado – David Fore. A banda estava baseada em Austin e, agora convertida em quarteto estava pronta para um novo vôo. A rotina da banda envolvia curtição durante o dia e ensaios que varavam a madrugada inteira. Poucos meses depois do ingresso de David Fore, e por intermédio do cunhado deste, a banda conseguiu um contrato com um selo local chamado International Artists Records. Todos ficaram bastante empolgados e tudo acontecia muito rápido. Um show de abertura para os Chambers Brothers foi a primeira experiência do Bubble Puppy em um palco grande para uma grande audiência. Com sorte, essa ocasião não foi a única e outros bons momentos em shows grandes aconteciam.

A banda então foi para um estúdio para gravar o material que vinha tocando nos palcos. Sob a batuta de Ray Rush (que havia trabalhado com Roy Orbison), o material foi registrado no estúdio Gold Star, tendo a banda um bom grau de liberdade na escolha do repertório e dos arranjos. Esse processo aconteceu entre o fim de 1968 e início de 1969. O primeiro compacto da banda, tendo as canções “Lonely”/“Hot Smoke and Sasafrass” foi lançado ainda no fim de 68 e o lado B chegou nas paradas locais em vários estados, alcançado o número 14 da parada da Billboard. Tudo isso animou ainda mais a banda, que tinha ficado satisfeita com o resultado obtido em estúdio. “Hot Smoke” era um sucesso autenticamente rockeiro, uma música rápida e direto ao ponto.

O disco chegou ao mercado em maio de 1969, intitulado como A Gathering of Promises e estima-se que cerca de 500.000 cópias. O disco tinha o DNA da época – guitarras ardidas, harmonias vocais e aquela empolgação adolescente contagiante. A maturidade instrumental do grupo ficava bastante clara em faixas como “Todd’s Tune”, “I’ve Got to Reach You” e “Road to St. Stephens”; havia uma clara preferência por uma musicalidade mais sofisticada do que pela catarse aleatória das guitarras fuzz.

A banda abriu shows para o Steppenwolf, Spirit, The Grass Roots e Canned Heat. Apesar de todo o resultado positivo e dos esforços da gravadora, a banda tinha impressão de que a International Artists não sabia muito o que fazer para de fato capitalizar os bons resultados que a banda vinha obtendo. Especial incômodo havia com relação a contabilidade de discos e compactos vendidos. E esse foi um dos motivos do Bubble Puppy romper com a International Artists. Outras duas coisas contribuíram para essa decisão – o baixista do Steppenwolf, Nick St. Nicholas, se ofereceu para ser o manager da banda e sugeriu para a banda se mudar para a California.

Nessa época, mantendo a mesma formação de quarteto, o grupo se renomeou como Demian e ali passaram a tocar em alguns dos clubes mais descolados de Los Angeles. Não tardou para que o Demian conseguisse um novo contrato, dessa vez com a ABC Dunhill Records, que produzia tanto apostas do rock psicodélico, quanto nomes bem consolidados do rock e do blues da época. O primeiro single do Demian foi “Face in the Crowd”/”Love People”, lançado em 1970 e o lado A – um rock n’ roll empolgante e bem tocado – foi um pequeno sucesso local, mas que não chegou a arranhar as paradas oficiais.

O álbum completo seria gravado nos meses seguintes, e para tal a banda entraria no prestigiado Record Plant em LA e produzido por Bill Szymczyk (produtor do James Gang, Eagles, etc.), em sessões de madrugada. O álbum intitulado é um pequeno tesouro a ser descoberto – rock clássico na melhor acepção do termo, com guitarras cativantes, acompanhamento preciso, bons vocais e composições marcantes. O instrumental estava ainda mais azeitado do que na época do Bubble Puppy. “Windy City” tem um groove irresistível; em “Coming” as guitarras fervem pra valer; “Todd’s Tune” dá as caras novamente em uma versão melhorada e “No More Tendernesse” tem uma pegada meio parecido com esta última. “Only a Loner” encerra o álbum a mil por hora.

A coisa seguia mais ou menos na mesma toada, mas com uma escala de sucesso e reconhecimento um pouco menor do que no Texas. Na California, a concorrência de bandas era bem maior do que no Texas e também os investimentos das gravadoras eram vultuosos para manter as bandas em evidência. Na tentativa de melhorar o quadro, a ABC tentou interferir no processo de concepção do segundo álbum do Demian, mas isso acabou gerando a implosão do Demian – Todd Porter e Roy Cox se estressaram com a situação toda, dizendo que a banda não precisava de um selo e voltaram para o Texas. Rod Prince e David Fore ficaram na California tentando manter o Demian ativo (e a banda continua ativa), mas o grupo perdeu a oportunidade de atingir um público mais significativo, recolhendo-se ao underground. Em 1986, lançaram um novo disco e tiveram diversas formações capitaneadas pelos dois membros originais, tocando eventualmente até os dias de hoje.

3 comentários

  1. Renato Milani

    Gosto muito do Damien! Junto com o Marcus e o Bedlam, é uma das bandas de hard e heavy que mais gosto dos anos 1970
    Mas eu procurei em diversos sites o nome e informações desse disco lançado em 1986, e não encontrei nada. Você tem mais informações? Quero ir atrás de ouvir isso.

    Responder
    • Ronaldo

      Legal, Renato! então, eu vi essa informação em uma entrevista dada pelo baterista e no Rateyourmusic.com também consta, mas como um trabalho do Bubble Puppy, não como Demian. O nome do álbum é Wheels Go Round.

      Responder
      • Renato Milani

        Show! Esse eu tinha encontrado. Tem o “Full Album” no YouTube.
        Depois vou ouvir com calma… o pouco que ouvi me parece aquele rock trilha sonora, típico dos anos 80. Me lembrou Huey Lewis rs.
        Grande Abraço!

Deixar comentário para Renato Milani Cancelar resposta

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.