Por Daniel Benedetti

Perfect Timing é o álbum de estreia da banda McAuley Schenker Group, lançado em 12 de outubro de 1987 pelos selos Capitol/EMI. A produção ficou por conta de Andy Johns.

A McAuley Schenker Group foi uma banda baseada em Los Angeles, nos Estados Unidos, com os membros principais sendo Robin McAuley (vocal) e Michael Schenker (guitarra). O grupo pode ser considerado um sucessor da banda anterior de Schenker, a Michael Schenker Group (MSG). Schenker já era bem conhecido na indústria, é claro, mas a parceria com McAuley (ex-Grand Prix) foi uma combinação curiosa.

O vocalista foi contratado inicialmente para substituir Gary Barden no MSG, no entanto, a forte e instantânea química formada entre McAuley e Schenker levou à mudança do nome de Michael Schenker Group para McAuley Schenker Group, mantendo as mesmas iniciais da banda anterior, MSG.

Neste ponto, o conjunto apresentava uma mistura eclética de músicos em termos de nacionalidades. McAuley é originário da Irlanda, enquanto Schenker e o baterista Bodo Schopf são ambos da Alemanha. O guitarrista americano Mitch Perry (também conhecido como Mitch Brownstein, da banda The Kydz) tocou originalmente na banda do virtuoso baixista Billy Sheehan, Talas (e mais tarde se juntou à versão então renovada da banda Heaven), enquanto o baixista Rocky Newton e o tecladista/guitarrista rítmico convidado Steve Mann eram britânicos e já haviam sido membros da banda Lionheart. Mann se juntaria oficialmente à banda para o próximo álbum do MSG, substituindo Perry.

Perfect Timing seria o quinto álbum de estúdio do Michael Schenker Group se fosse levada em conta as formações anteriores e, de certa maneira, isto é presente no disco. A nova formação ainda não era plenamente consolidada como um novo conjunto e se exemplifica no fato de que as gravações de Perfect Timing oscilaram entre estúdios na Dinamarca, na Alemanha e nos Estados Unidos.

Perfect Timing possui 10 canções e a musicalidade proposta casa-se bem com os anos 1980s. Trata-se de um disco em que Michael Schenker aponta para uma abordagem baseada no chamado Glam Metal e que lembra bastante bandas como o Ratt, o Dokken ou mesmo o álbum autointitulado do Whitesnake (lançado em março daquele ano).

Os vocais de Robin McAuley são ótimos para este tipo de musicalidade. Uma boa amostra desta afirmação estão nas baladas “Follow the Night” e “Time”, ambas com o destaque para o vocalista. Já o talento do virtuoso guitarrista alemão é mais demonstrado nas canções mais vigorosas, como “Gimme Your Love”, o solo de “Here Today—Gone Tomorrow” ou na faixa mais explosiva do trabalho, “Get Out”, de longe a preferida e que conta com o melhor riff de Schenker no disco.

Portanto, quem vier ouvir este álbum com o trabalho de Schenker no UFO, Scorpions e nos primeiros álbuns do MSG em mente, vai se decepcionar bastante. A proposta aqui é outra, um som com aquela pegada do Hard americano oitentista. Em retrospectiva, Perfect Timing é um retrato da época em que foi lançado.

“Gimme Your Love”, “Love Is Not a Game” e “Follow the Night” foram escolhidas como single, mas não fizeram tanto barulho. Já Perfect Timing conseguiu a 95ª posição na Billboard 200. Dois anos depois, Save Yourself foi lançado, dando a esta encarnação do MSG seu maior sucesso com a balada “Anytime”. Um terceiro disco, M.S.G., saiu em 1992 e  o ao vivo “Unplugged” chegaria em 1993.

Em 1993, McAuley e Schenker seguiram caminhos separados, com o primeiro se casando e se aposentando da cena musical por alguns anos, e este último trabalhando em seu primeiro álbum solo e, eventualmente, reformando o Michael Schenker Group a partir de 1996.

Formação

Robin McAuley – Vocais
Michael Schenker – Guitarra solo
Mitch Perry – Guitarra rítmica, Guitarra solo adicional nas faixas 1 e 6, Backing Vocals
Rocky Newton – Baixo, Backing Vocals
Bodo Schopf – Bateria
Steve Mann – Teclados e Guitarras base (creditado como músico adicional)

Faixas

  1. Gimme Your Love
  2. Here Today—Gone Tomorrow
  3. Don’t Stop Me Now
  4. No Time for Losers
  5. Follow the Night
  6. Get Out
  7. Love Is Not a Game
  8. Time
  9. I Don’t Wanna Lose
  10. Rock ‘Til You’re Crazy

cA

2 comentários

  1. Marcello

    Lembro bem da decepção com que esse disco foi recebido; eu, que só conhecia o primeiro disco do Michael Schenker Group (fora, é claro, o trabalho do Schenker no UFO e Scorpions), estava entre os que não gostaram na época. Ouvindo novamente depois de tanto tempo, pela curiosidade que a resenha despertou, vejo que não era tão ruim assim…

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.