Por Mairon Machado

Eu sou um colecionador de discos apaixonado por vinis, e tendo como segunda paixão os box sets. Apesar dos últimos serem bem mais caros que um simples LP, as vezes encontramos algum por um preço acessível, e assim, a oportunidade de trazer o mesmo para a prateleira se torna real. Foi o que me aconteceu com The Aerosol Grey Machine 50th Anniversary Limited Edition, lançado em maio de 2019 em comemoração aos 50 anos do álbum de estreia da Van der Graaf Generator (VDGG).

A capa original para o debut

Esse álbum é emblemático na carreira do grupo. Além de debutar os britânicos, ele provou que a VDGG podia sim ser uma banda de sucesso. Proposto inicialmente como um projeto solo de Peter Hammill (voz, teclados, guitarras e faz tudo na banda), após o fim precoce da primeira formação do grupo, The Aerosol Grey Machine apresenta uma distinção de faixas que revelam como a VDGG estava começando a se moldar musicalmente, para se consagrar dois anos depois com o aclamadíssimo e essencial Pawn Hearts. Faixas como “Running Back” (com o enigmático flautista Jeff), “Aquarian” e “Necromancer” trazem toda a dramaticidade que tornou-se conhecida das canções do grupo, graças também as performances irretocáveis de Guy Evans (bateria) e Hugh Banton (teclados). Porém, nesse álbum em especial, temos um baixista, Keith Ellis, que faz uma presença marcante, permitindo a Banton explorar ainda mais seus dotes nos teclados, e destacando-se com uma condução bastante fora do que acostumamos a conhecer nos demais álbuns do VDGG. É um álbum essencial para quem é fã de rock progressivo, mas não o mais indicado para se conhecer a grandeza dos britânicos.

Réplica do compacto

De qualquer forma, merece uma edição especial, e digo mais, merecia uma edição especial bem melhor que essa aqui. O box é constituído por um LP 180 gramas, trazendo exatamente o mesmo repertório do vinil original, e com um belíssimo estéreo (o solo de piano em “Afterwards”, quando surge no canal direito, ou as marcações de “Into A Game”, são chocantes, e toda a gravação de “Aquarian” é um deleite para os ouvidos). Adicionado, temos um compacto com as duas primeiras canções registradas pelo grupo (“People You Were Going To” e “Firebrand”), imitando a arte original da bolachinha lançada pelo selo Esoteric em 1969, e em 45 rotações. Vale ressaltar que os vocais de “Firebrand” são de Chris Judge Smith, primeiro baterista do grupo. O box também tem dois CDs. O primeiro com The Aerosol Grey Machine na íntegra, mais as faixas “Ferret And Featherbird” e “Giant Squid”, presentes nos relançamentos a partir de 1997. O segundo, tem as inéditas “Firebrand” e “Sunshine”, ambas de uma demo de 1967, quatro faixas de uma apresentação na BBC Radio One Top Gear Session de 18 de novembro de 1968 (“People Were Going To”, “Aterwards”, “Necromancer” e “Octopus”), e as duas canções da bolachinha citada acima.

O problema é que essas duas faixas inéditas encontram-se disponíveis para download no site, enquanto as demais do CD 2 já haviam aparecido antes, as quatro da BBC algumas compilações, como a caixa The Box, e as do compacto em outros relançamentos de The Aerosol Grey Machine. Além disso, o tempo total do segundo CD é pouco mais de 30 minutos. Ou seja, daria para ter caprichado mais do ponto de vista musical, e entregado ao fã mais música.

Sistema de acondicionamento dos CDs

Esteticamente, a caixa é linda. Os CDs estão inseridos em uma capa gatefold que traz também um pôster exclusivo e o compacto. Já o LP vem com a arte pensada originalmente para lançamento mundial, mas que só foi lançada em uma versão de teste, e que, ao que se sabe, só existe uma cópia no mundo inteiro hoje. Há ainda um livreto com 40 páginas trazendo a história do VDGG desde sua formação até a criação do disco, e muitas imagens raras / inéditas. É o lado positivo para um lançamento que podia ser bem melhor.

Contra-capa do box

Track list

LP – The Aerosol Grey Machine
1. Afterwards
2. Orthenthian Street
3. Running Back
4. Into A Game
5. Aerosol Grey Machine
6. Black Smoke Yen
7. Aquarian
8. Necromancer
9. Octopus

Pôster que acompanha o box

CD 1 – The Aerosol Grey Machine
1. Afterwards
2. Orthenthian Street (Parts 1 & 2 )
3. Running Back
4. Into A Game
5. Ferret And Featherbird
6. Aerosol Grey Machine
7. Black Smoke Yen
8. Aquarian
9. Giant Squid
10. Octopus
11. Necromancer

CD 2
1967 Demos Previously Unreleased
1. Firebrand
2. Sunshine

BBC Radio Top Gear Session 18th November 1068
3. People You Were Going To
4. Afterwards
CD2-5 Necromancer
CD2-6 Octopus
A & B Side Of Single Released In January 1969
CD2-7 People You Were Going To
CD2-8 Firebrand

7″ Single
45-A People You Were Going To
45-B Firebrand

4 comentários

    • Mairon

      AHuahauhuau. Como box de relíquias, sim. Como box em termos de música, não

      Responder
  1. Marcello

    Um disco fantástico, meio deixado de lado por muitos fãs do Van Der Graaf Generator, que realmente soa um pouco primitivo – e David Jackson faz muita falta no som da banda, mas que eu adoro! “Afterwards” e “Running Back” estão à altura de tudo o que a banda fez de melhor. Uma vez li que esse disco era para ter sido o primeiro LP solo de Peter Hammill – alguma menção nessa edição de aniversário a isso?
    Tinha a primeira edição nacional em vinil, e posteriormente comprei uma reedição em CD. Embora eu adore o Van Der Graaf, acho que não vou atrás dessa reedição, especialmente se o preço estiver mais nas alturas do que o Syd Barrett na época do lançamento desse disco…

    Responder
  2. Mairon

    Sim Marcello, o texto no livreto menciona que era para ter sido um álbum solo de Peter, já que a formação inicial da banda havia sido demolida. Acabou saindo como Van der Graaf muito por conta de que o nome Van der Graaf estava já “consolidado” e era mais relevante do que apenas Peter Hammill. Abração

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.