THE HELLFREAKS, DA HUNGRIA, LANÇA CLIPE SOBRE OTIMISMO

A banda húngara de punk metal THE HELLFREAKS, em alta na música pesada da Europa, acaba de lançar o eletrizante videoclipe de DOLDRUM DYNASTY, o quinto single do recém-lançado álbum GOD ON THE RUN (2020), que saiu via Sunny Bastards Records na Alemanha, Suíça e Áustria. Confira o clipe da música “Doldrum Dynasty” aqui. Gravado antes do segundo lockdown em Bucareste, a histórica capital da Hungria, Doldrum Dynasty possui uma mensagem positiva, tão relevante ao momento de incertezas e medos do mundo frente a pandemia de um vírus ainda a ser aniquilado.

A vocalista Shakey Sue dona de uma voz ríspida, com agudos afinados e contagiantes, conta sobre a escolha desta música para ganhar videoclipe. “Escolhemos Doldrum Dynasty por causa da mensagem, não poderia ser mais relevante. Não perca tempo com dúvidas sobre habilidades e capacidades, siga em frente! Corra atrás de resultados, não pare, seja sua própria tempestade! Não hesite e acabe com a dinastia do marasmo”. Doldrum Dynasty é uma das 10 faixas de God on the Run, o terceiro disco da The Hellfreaks, cuja pré-produção contou com Paul Miner (New Found Glory, Atreyu, Death By Stereo) e teve Evan Rodaniche (Escape The Fate, Powerman 5000, Lacey Sturm) na produção e mixagem. Já a masterização é de Tom Waltz. Com o anúncio de vacinas para imunizar a população do vírus, a The Hellfreaks já planeja realizar turnês e tocar em festivais na Europa em 2021, além de já trabalhar num novo disco.

Para a faixa em WAV (radio) da banda THE HELLFREAKS, clique aqui.



Oitão expõe caos da pandemia na old school Covid 19/Abismo

A banda de hardcore/metal Oitão escancara o caos de 2020 na pesada e caótica nova música, ‘Covid 19/Abismo’, já nas plataformas digitais via Canil Records. Ouça aqui. O petardo old school do Oitão é o primeiro registro da nova formação. Nesta nova fase, o vocalista Henrique Fogaça e o guitarrista Ciero contam com Benê – da formação original – de volta à bateria e Tchelo Martins no baixo. ‘Covid 19/Abismo’ é uma produção do Oitão em parceria com Thiago Bianchi, da banda Noturnall, no Estúdio Fusão.

Nesta terceira música inédita em 2020, após as igualmente pesadas e críticas ‘Proteste’ e ‘Instinto Sujo’, o Oitão faz apontamentos e questionamentos sobre a pandemia que assola e desestabiliza o mundo e sociedades. A sonoridade, não à toa, é ríspida, repleta de riffs e batidas cortantes, que flertam com o thrash metal, e é prenúncio para o que vem aí em 2021, quando a banda lançará um novo EP.

Ficha Técnica
Arte do single: Pink
Produção musical: Oitão e Thiago Bianchi (Estúdio Fusão)
Captação: Estúdio Fusão
Mix/Master: Estúdio Fusão (Thiago Bianchi)
Compositores: Ciero e Henrique Fogaça


SCARS lança novo lyric video!

Aproveitando a boa fase e as excelentes críticas perante seu mais recente trabalho de estúdio, Predatory, os gigantes thrashers paulistanos do SCARS soltaram um novíssimo lyric video, e a faixa escolhida foi a rifferama potente super influenciada pelo Thrash Metal da Bay Area, “Ancient Power”. Confira o lyric video de “Ancient Power“.

Edição de vídeo por: Marcelo Silva e Scars
Fotografia por Dani Matos

“Ancient Power” é o terceiro single extraído do álbum Predatory, sendo que o primeiro foi para a faixa título (que também possui um lyric video e um videoclipe) e o segundo para “Sad Darkness Of The Soul” (com videoclipe), todos disponíveis no canal oficial da banda no YouTube. Todos os músicos do SCARS comentaram sobre “Ancient Power”, curiosidades, letra, influências e processo de composição, bem como todas as faixas de Predatory, com exclusividade para o site Metal Na Lata. Confira esse e os demais comentários.

Desde o retorno oficial das atividades do SCARS, em 2018, a expectativa por material novo era grande não só por parte dos fãs do quinteto paulistano, como também para os próprios músicos que mergulharam de cabeça nessa volta. Essa espera não demorou muito e dois novos singles, “Armageddon” e “Silent Force”, ambos produzidos por Wagner Meirinho (Warrel Dane, Torture Squad) foram lançados em 2019, saciando pelo menos um pouco a ansiedade de todos até um tão esperado sucessor de grandes trabalhos do passado, como The Nether Hell (EP/2005) e Devilgod Alliance (2008). Alguns percalços surgiram na posição de guitarrista solo até a entrada definitiva de Thiago Oliveira (Warrel Dane, Confessori), fazendo com que Régis F. (vocal), Alex Zeraib (guitarra base), Marcelo Mitché (baixo) e João Gobo (bateria) formassem juntos uma grande unidade para o que viria a seguir.

Predatory, mais recente trabalho, vem sendo aclamado pela crítica especializada como um dos melhores lançamentos do ano. Também produzido, mixado e masterizado por Wagner Meirinho, “Predatory” contém 11 faixas, sendo 9 totalmente inéditas e os dois singles de 2019 como extras, que resgatam as principais influências baseadas no tradicional Thrash Metal americano. Riffs marcantes e rasgados, vocais brutais, solos extremamente técnicos, uma cozinha de muito peso, tudo isso somado a temáticas fortes relacionadas a desenfreada matança de animais, violência, depressão, guerra, religião e tudo que destrói nosso mundo contemporâneo em todos os sentidos, mas sem ser classificado como álbum conceitual já que não existe ligação entre as faixas. “Predatory” foi lançado em agosto via Brutal Records (EUA e Canadá), Proper Music (Europa) e Voice Music (Brasil).

Confira o lyric video de Predatory
Confira o vídeo de Predatory

Confira o vídeo de Sad Darkness Of The Soul

“Killing Animals, Burning Forests, Flaming Rivers – The Tears of Gaia.”

Discografia:

Ultimate Encore (Split/1994)
The Nether Hell (EP/2005)
Devilgod Alliance (Álbum/2008)
“Armageddon” (Single Digital/2019)
“Silent Force” (Single Digital/2019)
Armageddon On Tour (Compilação Digital/2019)
The V8 Sessions: Vol.1 (Live) (Digital/2019)
Predatory (Álbum/2020)

Formação: Régis F. – Vocal; Alex Zeraib – Guitarra Base; Thiago Oliveira – Guitarra Solo; Marcelo Mitché – Baixo; João Gobo – Bateria

Ouça Scars em:

Spotify
YouTube
Soundcloud
Bandcamp
Mídias sociais:

Instagram
Facebook


DEATH CONSPIRACY lança EP brutal de estreia!

Foi lançado oficialmente Intolerance, EP de estreia do DEATH CONSPIRACY, banda de Brutal Technical Death Metal do ABC, São Paulo, que vai dar o que falar na cena do metal extremo (e técnico) brasileiro e mundial! São 6 faixas matadoras, pesadas, agressivas, extremamente técnicas e brutais que vão explodir ouvidos mais sensíveis!

Arise From Extintction
Intolerance
Obsession
Where The Demons Resides
Living To Explain
The Thousand Truths

Intolerance está disponível em todas as plataformas de streaming e em algumas cópias físicas. Fique ligado!

Spotify
Deezer
OneRpm

Todas músicas compostas, executadas e gravadas por DEATH CONSPIRACY!

Gravado e editado por Michel Villares (MeH Studio) entre novembro de 2018 e julho de 2020
Mixado e Masterizado por Michel Villares (MeH Studio)
Capa e fotografia por Emerson Soares
Logotipo da banda, verso e artes internas por Caio Garibaldi

Fãs de bandas como Death (fase técnica), Krisiun, Cannibal Corpse, Abysmal Dawn, Hate Eternal, Meshuggah, Decapitated e Fear Factory, mergulharão de cabeça na sonoridade do DEATH CONSPIRACY, que é basicamente uma hecatombe devastadora e, com certeza, se tornará um dos ícones do metal extremo e técnico brasileiro no decorrer dos anos!

Confira o vídeo de “Living To Explain

Confira o single de “Living To Explain

Confira ‘playthrough’ de bateria de “Living To Explain

O DEATH CONSPIRACY era um projeto de Brutal Technical Death Metal, inicialmente formado como um trio no ABC Paulista (região da grande São Paulo), em 2016, por Bruno Toledo (guitarra), Harrison Duarte (guitarra) e Dough D’Magalhães (bateria). Seu objetivo desde a formação era mostrar dentro do Death Metal um trabalho brutal, técnico, fugindo do tradicionalismo simplista consagrado do estilo e abusando de riffs, escalas com mudanças de ritmo abruptas. Com a entrada do vocalista, baixista e conceituado produtor Michel Villares (X-Empire, Silence Tempest e Raiging Evil), também proprietário do M&H Studio, em 2018, a banda realmente se encontrou musicalmente. Guardadas as devidas proporções, seria como se o Death, do saudoso Chuck Schuldiner e uma das maiores influências do grupo, ainda existisse e continuasse se modernizando e incorporando diversas amplitudes sonoras, como por exemplo o Djent e Industrial, em produções brutais e cristalinas. “Living To Explain”, umas das primeiras composições já como quarteto, superou tanto as expectativas dos músicos que o conceito de projeto inicial foi rapidamente abortado, tornando-se em uma banda realmente sólida e prolífica. Em outubro de 2020, “Living To Explain”, extraído do EP de estreia, “Intolerance”, foi lançado como single e vídeo, recebendo muitos elogios e críticas por todo o mundo. Pouco mais de um mês, no dia 3 de dezembro, “Intolerance” (EP) foi lançado em todas as plataformas tradicionais de streaming e conterá, também, com poucas unidades em CD físico. E, mesmo com a pandemia de coronavírus que está assolando o mundo, a máquina DEATH CONSPIRACY não parou e continua se preparando cada vez mais e melhor, ensaiando para iniciar sua maratona de shows e, também, compondo dez novas músicas para o lançamento de seu primeiro álbum completo já intitulado, “Into The Oblivion”. Se prepare, pois DEATH CONSPIRACY, o novo monstro da brutalidade técnica brasileira, vai fazer um “estrago”!

Formação: Michel Villares – Vocal/Baixo; Bruno Toledo – Guitarra; Harrison Duarte – Guitarra; Dough D’Magalhães – Bateria/Backing Vocals

Discografia:

“Living To Explain” (Single/2020)
Intolerance (EP/2020)
Into The Oblivion (Álbum/2021)

Ouça DEATH CONSPIRACY em:

Spotify
Deezer
YouTube

Mídias sociais:

E-mail
Facebook
Instagram


Novo álbum da Neptune foi lançado em novembro

Lançado no dia 06 de novembro, o álbum Northern Steel da banda sueca Neptune vem tendo grande repercussão na mídia especializada e também entre os fãs, com muitos colocando o álbum como um dos grandes lançamentos do ano de 2020, e uma das músicas mais celebradas foi o single “Fallen Nations”. A música, que gerou o videoclipe promocional do álbum com mais views no Youtube, possui uma letra inspirada em médicos, enfermeiros e demais profissionais da área de saúde que durante a pandemia do Covid-19 deram o seu máximo para a humanidade e sua sobrevivência.

Para adicionar mais profundidade e sentimento a música, os músicos (cada um em sua casa) fizeram uma versão acústica do single, também chamada de “Fallen Nations – Corona Version” e que pode ser conferida no link . Escrito como um álbum conceitual onde acompanhamos a procura dos vikings pelo aço indestrutível que irá lhes ajudar em sua batalha final, “Northern Steel” também é um tributo aos guitarristas nórdicos, sendo que nomes como Pontus Norgren (Hamerfall), Euge Valovirta (Cyhra), Stephen Carlson (Brotthogg, Melodic Passion, The Rise, etc) dentre outros participaram do álbum em diversas músicas como convidados nos solos de guitarra que vieram a agregar a sonoridade da New Wave Of Swedish Heavy Metal do Neptune, influenciada por nomes como Madison, 220 Volt, Heavy Load, Europe (primeiras gravações), Silver Mountain e Glory .

O lançamento aconteceu via Melodic Passion Records em cd, vinil e plataformas digitais de streaming com distribuição via Sound Pollution . “Fallen Nations” – versão original feat. Pontus Norgren.

Neptune é: Row Alex – Vocal; Anders Olsson – Guitarra; Tosh Ason – Baixo/Backing vocal; Johan Rosth – Teclados; Jonas Wikström – Bateria


Watch heavy rockers STARIFIED cover Thin Lizzy’s “Cold Sweat”

While they are getting ready to release their third studio album ‘Fat Hits’ this January 15th on Ripple Music, Moscow power rockers STARIFIED deliver a one-shot cover of Thin Lizzy’s rock’n’roll steamroller “Cold Sweat” to delight your ears. Turn on, tune in, drop out now! STARIFIED is a hard-hitting, groovy and heavy rock trio founded in Moscow in 2017 and powered by drummer and vocalist Vadim Ambartsumian, Yuriy Berezovik on guitar and Dmitri Shurpakov on bass. Thin Lizzy’s “Cold Sweat” is one of those songs that knocks you off your feet with its uptempo straightforwardness, lyrics and crazy solo. A true rock’n’roll steamroller, to which STARIFIED do honor through a blazing and masterful cover, shot by Alexey Razorenov and engineered by Artem Shcherbakov.

⚡️Watch Starified cover Thin Lizzy’s “Cold Sweat” HERE ⚡️

STARIFIED discuss Thin Lizzy’s influence on their music: “For all three of us in Starified, classic rock have always been a source of inspiration: Black Sabbath, Led Zeppelin, The Who… But among these giants, Thin Lizzy has always had a special place – they went through several radical changes in sound and style, and left an invaluable heritage for multiple generations of rockers. The unmistakable voice and sound of Phil Lynott are simply iconic, and the least we could do to pay homage to his genius was to record this cover. John Sykes is among the world’s greatest virtuosos and he is one of the reasons our guitarist Yuriy Berezovik actually started to play guitar. Thin Lizzy is one of those bands you can’t copy, they’re not just a band, they’re a whole genre of their own.”

Prior to this one-shot cover, STARIFIED released an epic and fun-laden video for their first single “Don Loco”, which is taken from their upcoming new album ‘Fat Hits’, to be released on January 15th, 2021 through Ripple Music. With its infectious hooks, knockout clean vocals from drummer Vadim Ambartsumian and unabashed nod to the late 90s, ‘Fat Hits’ conjures up an irresistible stadium-ready power, having you hooked all throughout its forty-one minutes of straight-up, energetic rock that harks back to bands as various as Foo Fighters or Orange Goblin.

STARIFIED New album “Fat Hits”
Out January 15th, 2021 on Ripple Music
US preorder // European preorder

Upon its arrival in a great unknowable future, STARIFIED’s new album ‘Fat Hits’ will serve as the follow-up to their 2018 outing through CSBR Records, ‘Feathers’, which found the band restructured from the five-piece they were on their debut to a trio, with just guitarist Yuriy Berezovik and bassist Dmitri Shurpakov carried over from the original lineup on the prior 2017 self-titled debut. The newcomer in this pared down version of the group for ‘Feathers’ was lead vocalist/drummer Vadim Ambartsumian, and he continues to make an impression as Starified strip away excess from their songwriting and refine their material on ‘Fat Hits’.

From the opening bruiser “Scapegoat” through “Don Loco” and the sans-frills structures of “What If” and “Anti-Rebel,” ‘Fat Hits’ is clean and sharp in its production and holds its purpose in the songcraft, but isn’t to be taken lightly in terms of performance. Less “a drummer who sings” than both a drummer and a vocalist, Vadim Ambartsumian casts a significant presence and is forward in the mix, but he, Berezovik and Shurpakov are all pretty clearly on the same page when it comes to knowing what they want their sound to do, and that would seem to be to engage as many ears as possible. (Words by JJ Koczan)

STARIFIED is: Vadim Ambartsumian – vocals, drums; Yuriy Berezovik – guitars; Dmitri Shurpakov – bass guitar

STARIFIED LINKS
Facebook | Bandcamp | Instagram


ZANZAR: 2020 do “Bxxgxx dx Futuro” ao “Amanhã”

Trazendo seu baile distópico e suas “premonições”, 2020 foi o ano em que a ZANZAR chegou no universo da música independente. Misturando samba, swing e rock psicodélico, com influências que vão de Os Mutantes e Tim Maia, até Metá Metá e Nirvana, a ZANZAR tem uma sonoridade quente e singular, produzindo canções ruidosas, românticas e distorcidas, explorando a cultura rítmica e poética das Américas.

A banda iniciou 2020 com o videoclipe “Bxxgxx Dx Futuro”, canção lançada em Janeiro. Assista.

Em Março, a banda lançou “Meu País”, que fez parte da Coletânea Hominis Canidae e foi gravado ao vivo: Assista.

Em Julho, foi a vez de “Estado de Samba”, também gravada ao vivo. Asssita.

E no segundo semestre, a ZANZAR participou do RS MUSIC LAB, evento patrocinado pela Natura Musical, onde gravou o videoclipe de “Amanhã” que foi lançado em Dezembro: Assista

Aqui nesse link tem uma playlist com todas músicas da banda no youtube, incluindo o showcase realizado dentro do RS MUSIC LAB, onde estão registradas “Maria”, “Velhas Cancões” e “Amanhã” gravadas ao vivo na Marquise 51.

Em 2021 a banda promete lançar 5 músicas em cada semestre, nos formatos de singles e EPS. A banda é formada por Sara Nina (voz), Kevin B. (guitarra e voz), Bruno Muck (guitarra), Guilherme Leon (baixo) e Gui Lopes (bateria).

Aqui o link da band no Spotify


FELLOWCRAFT team up with bassist Chris Dale to release a cover from Bruce Dickinson’s ‘Skunkworks’ album

FELLOWCRAFT, indie prog band from Washington DC, has teamed up with former Bruce Dickinson bassist Chris Dale to record a new rendition of “I Will Not Accept The Truth”, originally off his 1996 album, Skunkworks. This new song appears on their upcoming album ‘This Is Where You’ll Find Me’, due out February 26th, 2021.

FELLOWCRAFT’s unique take on the song explores a more progressive styling than the original version, a brooding grunge song about the power of not giving up. Considered by some to be the best Dickinson solo effort, Skunkworks saw the metal singer taking a radical shift in direction. Almost entirely eschewing connections to Iron Maiden and that more traditional approach to rock, this album was very much in the alternative vein of its time, having much more in common with bands like Soundgarden and Alice In Chains. This is precisely why it’s a personal favorite of Fellowcraft’s band members.

🎸Watch Fellowcraft’s new video 🎸
“I Will Not Accept The Truth” (featuring Chris Dale)

“Skunkworks was one of my all-time favorite records growing up”, says lead guitarist Pablo Anton, “and it’s had a lasting influence on my musical taste ever since, which is why we decided to pay homage to it. I also cannot imagine a more adept song to convey the frustration and powerlessness we are all feeling right now during these strange times we are living”. “I Will Not Accept the Truth (featuring Chris Dale)” is the band’s second single working with Mexican rock producer Tonio Ruiz (QBO, Coda, Agora, Jet Jaguar).

FELLOWCRAFT will release their third album ‘This Is Where You’ll Find Me’ on February 26th, with special guest appearances by Nate Bergman (Lionize) and Chris Dale (Bruce Dickinson). They previously released singles for “Coyote and the Desert Rose” and “Make No Sound” (feat. Nate Bergman).

New single “I Will Not Accept The Truth” (w/ Chris Dale)
Available now on all streaming platforms

FELLOWCRAFT is an indie prog band from Washington DC. Jon Ryan MacDonald founded the band in 2014, but it’s only by 2016, after the addition of Brandon Williams (bass), they had quickly become a familiar face in the local DC music scene. After years of playing the local venue circuit, the band underwent a major rebrand, and embraced a whole new sound when Pablo Anton (lead guitar) and Zach Martin (drums) joined in early 2019. Their unique sound, which includes a myriad of rock styles, sets them apart from other bands. FELLOWCRAFT are known for their energetic stage performance and have been very active for the past four years, playing almost everywhere in their native DC, touring the US east coast and also Mexico. They’ve shared the stage with Rainbow Kitten Surprise, Asesino, QBO, Phil Anselmo, Static-X, Amon Amarth, Deep Purple, Powerwolf and Manowar, among many others. In 2019, their single “Hold The Line” won a Wammie (Washington Area Music Award) for Best Rock Song, and in 2020 they were nominated for Best Hard Rock Band for the single “Glimmer of Faith”.

FELLOWCRAFT is: Jon Ryan MacDonald — Guitar and Lead Vocals; Brandon Williams — Bass and Vocals; Pablo Anton-Diaz — Lead Guitar and Vocals; Zach Martin — Drums


Prelúdio X: novo single abordará a obra de Dante Alighieri

Já tendo em seu currículo o EP “Triunfo da Vida” e o single “I Hear The Voice”, ambos com boa aceitação e circulação no mercado nacional e internacional, o grupo pernambucano de Heavy/Power Metal Prelúdio X já prepara o seu próximo registro fonográfico, desta vez revisitando a obra do poeta florentino Dante Alighieri.

Tendo música e letra composta pelos guitarristas Marcello França e Gerson Souza, respectivamente falando, a faixa “The Entrance” tem sua letra baseada no “Purgatório”, segunda parte do poema épico “A Divina Comédia”, e é descrita pela banda como uma “música épica contendo muitos elementos de orquestra e Metal Neoclássico”.

O single teve sua arte de capa feita guitarrista Gerson Souza e será lançada no dia 14 de dezembro como lyric vídeo e também nas plataformas digitais.

Precioso Sangue” – vídeo clipe:

I Hear The Voice” – lyric vídeo:

Ouça a Prelúdio X nas plataformas de streaming:

Spotify
Deezer
Youtube Music
Amazon Music
iTunes

Prelúdio X é: Leandro Silva – Vocal; Gerson Souza – Guitarra; Marcello Franca – Guitarra; Cristiano dos Santos – Baixo; Jorgeano Abreu – Teclados; Tarcílio Soares – Bateria

Contatos:

Facebook: facebook.com/officialpreludiox
E-mail: officialpreludiox@gmail.com
Instagram: @preludioxofficial
Youtube: https://bit.ly/33jNL98


Marina Silva explora o tropical e o feminino em álbum de estreia

Chega a todas as plataformas de streaming o álbum de estreia da cantora Marina Silva. Intitulado “Caótico Jazz Tropical”, o registro tem como espinha dorsal a diversificação de sonoridades e temas, desde questões existencialistas que extrapolam o social até razões políticas, como o feminismo (nas faixas “Fixos e Fluxos”, “O Vento é Mulher” e na cômica “O Que Vem de Macho Não Me Atinge”) e as queimadas que devastam as florestas brasileiras.

Entre a MPB, o jazz, o rock, o soul e a música latina, Marina Silva cria diversas atmosferas e não tem medo de experimentar, como em “Baião de Clavinet”, onde o funk e o baião andam lado a lado. “Caótico Jazz Tropical” é recheado de poesia, assim como também apresenta uma ilustrativa fração totalmente instrumental, composta pelas faixas “Jazz Tropical Caótico”, “Parto-me”, “Rio de Janeiro Anos 70”, “Ventre de Ishtar”, “Batuquêra” e “Trópico”.

OUÇA AQUI

“A ideia era fazer experimentações dentro de vários ritmos, desde o funk americano, o jazz e a música árabe, e colocar um olhar tropical em cima desses ritmos. Ao mesmo tempo, incluir a temática do feminino no centro. Ainda que não esteja em todas as canções, é um tema que atravessa a obra como um todo”, explica Marina.

Marina Silva assina a produção e a execução instrumental enquanto Jedias Hertz é responsável pela mixagem, masterização e pela capa do disco. “A ideia estética da capa era criar uma releitura do quadro de “O Nascimento de Vênus” (Sandro Botticelli) que representasse a fauna brasileira. Então montamos um fundo praiano, com coqueiros, frutas nativas brasileiras, que revelam esse conceito tropical do disco. É um visual que remete ao feminino ao mesmo tempo que traz as nossas brasilidades”, conta Jedias.

Apesar de terem perfis separados nas plataformas de streaming, Jedias Hertz e Marina Silva formam um duo. Hertz faz diversas participações em “Caótico Jazz Tropical” assim como Marina também tem grande influência no álbum do cantor, que será lançado em 2021. Os dois tocam juntos há mais de um ano e, antes da pandemia, costumavam fazer saraus em Rio Claro (SP), cidade onde residem.

“Caótico Jazz Tropical” também tem como característica a união entre melodias criadas em softwares de computador e instrumentos musicais, o que torna o digital e o orgânico uma coisa só.

Sobre Marina Silva

Marina Silva é artista de Rio Claro (SP) e iniciou seus estudos musicais ainda na adolescência, quando aprendeu a tocar bateria. Desde 2018, incentivada por seu parceiro Jedias Hertz, tem atuado profissionalmente na carreira musical. Os dois tocam juntos há mais de um ano e, antes da pandemia, organizavam saraus em Rio Claro.

“Caótico Jazz Tropical” é o álbum debute de Marina e traz diversas influências do jazz, do soul e da MPB, junto com temas que extrapolam o existencial e chegam até esferas críticas e sociais. Livre do fórmulas, Marina se apresenta neste trabalho de forma livre, sem barreiras para misturar diversos estilos que desembocam na atmosfera tropical criada pela artista.

Ficha Técnica

Arranjo, produção, conceito, execução instrumental e voz por Marina Silva

Letra de ‘Fixos e Fluxos’ por Maria Rita de Cássia Leonardo
Letra de ‘Baião de Clavinet’ por Jedias Hertz e Marina Silva
Letra de ‘O Vento é Mulher’ por Jedias Hertz
Letra de ‘O que Vem de Macho Não Me Atinge’ por Marina Silva

Participação de Jedias Hertz com gaita e voz em ‘Baião de Clavinet’, Guitarra Leslie em ‘Rio de Janeiro Anos 70’ e voz em ‘O que Vem de Macho Não Me Atinge’;

Parto-me é composição de Jedias Hertz com arranjo e execução de Jedias Hertz e Marina Silva

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.