Por Daniel Benedetti

Em 1961, com apenas 12 anos de idade, o jovem guitarrista Rick Nielsen começou a tocar localmente, em Rockford, Illinois, nos Estados Unidos, usando uma coleção cada vez maior de guitarras raras e valiosas. Ele formou várias bandas locais com nomes como The Boyz e The Grim Reapers.

Já Brad Carlson, o qual mais tarde ficaria conhecido como Bun E. Carlos, tocou em uma banda rival na mesma cidade de Rockford, chamada The Pagans.

Finalmente, no ano de 1967, Nielsen formou um grupo chamado ‘Fuse’ com o músico Tom Peterson, mais tarde conhecido como Tom Petersson, o qual havia tocado em mais uma banda local chamada The Bo Weevils. O Fuse lançou um álbum autointitulado para a Epic Records, em 1970, mas que foi completamente ignorado. Frustrado por sua falta de sucesso, o Fuse recrutou os dois membros restantes de um conjunto chamado Nazz, em 1970, e acabou tocando em todo o Centro-Oeste norte-americano, durante 6 a 7 meses, sob os dois nomes, Fuse ou Nazz, dependendo de onde eles se apresentavam. Com Bun E. Carlos assumindo a bateria, o Fuse mudou-se para Filadélfia, em 1971. Eles passaram a se chamar ‘Sick Man of Europe’, entre 1972 e 1973. Depois de uma turnê pela Europa em 1973, Nielsen e Petersson retornaram a Rockford e se reuniram novamente com Carlos.

Rick Nielsen

Em 1973 o Cheap Trick foi formado. Randy “Xeno” Hogan (Crossfire) foi o vocalista original do grupo. Ele deixou a banda logo após a sua formação e foi substituído pelo vocalista Robin Zander. O nome foi inspirado pela presença da banda em um show do Slade, onde Petersson comentou que o grupo usava “every cheap trick in the book” (cada truque barato no livro) como parte de seu show.

A banda gravou (com Hogan), uma demo, “Hot Tomato”, em meados de 1974, partes do que se tornaria “I’ll Be with You Tonight”, que foi inicialmente nomeada de “Tonight, Tonight” (e com uma estrutura ligeiramente diferente), e ainda “Takin’ Me Back”. Com Robin Zander, agora nos vocais, o grupo gravou sua primeira demo oficial em 1975 e tocou nos mais diversos locais (como pistas de boliche) ao redor do meio-oeste dos Estados Unidos. O conjunto assinou contrato com a Epic Records no início de 1976. Tom Werman, da A&R, acabou cedendo à insistência do produtor Jack Douglas, que havia visto a performance do grupo em um show em Wisconsin.

Já em 1976, Jack Douglas produziu o primeiro álbum do Cheap Trick, cujo nome seria homônimo ao grupo. Cheap Trick foi lançado em fevereiro de 1977 e, embora seja considerado um dos melhores álbuns do Cheap Trick por seus fãs, o disco de estreia da banda não foi um grande sucesso comercial. Em termos das principais paradas de sucesso, ele passou praticamente em branco, não causando maiores repercussões. Conquanto bem recebido pela crítica, o álbum não foi bem-sucedido em termos de vendas. O single “Oh, Candy” falhou em entrar nas paradas. No entanto, a banda começou a desenvolver uma base de fãs no Japão e “ELO Kiddies” foi um sucesso na Europa.

Ainda em 1977, o Cheap Trick se reuniria no estúdio Kendun Recorders, sob a produção de Tom Werman, para gravar seu segundo álbum: In Color. Robin Zander nos vocais e guitarra base, Rick Nielsen na guitarra solo, Tom Petersson no baixo e Bun E. Carlos na bateria era a formação do grupo.

Ao contrário da estreia autointitulada da banda, In Color apresenta uma produção mais polida, na esperança de causar um impacto comercial. Enquanto o líder da banda, Rick Nielsen, sentiu que o álbum pode ter perdido um pouco do seu poder devido à produção mais estratificada de Tom Werman, o trabalho demonstra o lado mais melódico do conjunto que foi parcialmente perdido na estreia.

Petersson, Carlos, Nielsen e Zander

“Hello There” é uma faixa bem curta, sendo um Rock intenso, baseado em um ótimo riff de Rick Nielsen e vocais bem agressivos de Robin Zander. “Big Eyes” é outra música com um riff marcante e a guitarra afiada de Rick Nielsen é o grande destaque, além de possuir um refrão contagiante. “Downed” é um Rock com uma melodia cativante e, se não soa tão pesada, compensa com ritmo e intensidade.

“I Want You to Want Me” possui um inegável atrativo Pop, trazendo uma sonoridade suave, mas, simultaneamente, repleta de balanço — e com vocais criativos de Zander. “You’re All Talk” se apresenta com mais um criativo riff de Nielsen, que me lembra do ZZ Top, cheia de um groove adorável, sendo uma das melhores canções do álbum. Outro Rock atraente está na suave “Oh Caroline”, a qual tem na bateria de Bun E. Carlos um de seus destaques. “Clock Strikes Ten” bebe na riquíssima fonte do Rock cinquentista, com inspiração em Little Richard, mas com um peso extra.

“Southern Girls” traz novamente um flerte deliberado com musicalidades mais suaves e pop’s, mas com a criatividade do Cheap Trick em alta, constituindo-se uma canção agradável. “Come On, Come On” é outro Rock com pegada clássica, influência sessentista e uma dose adequada de peso. Para encerrar o trabalho, a bela “So Good to See You” continua com a pegada de sua antecedente, contando com o bom trabalho do guitarrista Nielsen. As letras das faixas apresentam uma das ‘marcas registradas’ do grupo: o seu bom humor!

“I Want You to Want Me” e “Southern Girls” foram lançadas como singles, mas não repercutiram nas principais paradas de sucesso (EUA e Reino Unido). No entanto, “I Want You to Want Me” e “Clock Strikes Ten” viraram verdadeiras ‘febres’ no Japão, onde a banda estourou!

In Color atingiu apenas a 73ª posição da principal parada norte-americana de álbuns, a Billboard 200, mas ficou com o 30º lugar da parada japonesa.

Se na época de seu lançamento, In Color não fez muito barulho, hoje a situação é diferente. O posterior sucesso comercial do Cheap Trick trouxe reconhecimento tardio à obra que, em 2001, já superava a casa de 1 milhão de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos. A prova definitiva da qualidade de In Color viria em 2003, quando a revista norte-americana Rolling Stone colocou o disco na 443ª colocação de sua lista 500 greatest albums of all time.

Tracklist:

  1. Hello There
  2. Big Eyes
  3. Downed
  4. I Want You to Want Me
  5. You’re All Talk
  6. Oh Caroline
  7. Clock Strikes Ten
  8. Southern Girls
  9. Come On, Come On
  10. So Good to See You

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.