Melhores de Todos os Tempos: 1994

26 de setembro, 2015 | por Diogo Bizotto
Melhores de Todos Os Tempos
117
Dream Theater em 1994: John Petrucci, John Myung, Kevin Moore, Mike Portnoy e James LaBrie

Dream Theater em 1994: John Petrucci, John Myung, Kevin Moore, Mike Portnoy e James LaBrie

Por Diogo Bizotto

Com Alissön Caetano Neves, André Kaminski, Bernardo Brum, Bruno Marise, Davi Pascale, Eudes Baima, Fernando Bueno, Leonardo Castro, Mairon Machado e Ulisses Macedo

Participação especial de Flavio Pontes, redator do site Minuto HM

Entre trocas de vocalistas, álbuns ecléticos e heavy metal oitentista feito nos anos 1990, quem ocupou a posição mais alta nesta edição foi o Dream Theater, amado por uns e odiado por outros. Duvida? Leia os comentários a respeito de Awake e comprove. Lembrando que a elaboração de nosso top 10, baseado nas listas individuais localizadas no final da publicação, segue o sistema de pontuação do Campeonato Mundial de Fórmula 1. Ficamos no aguardo de seus comentários, seja positivos ou negativos.


01 Awake

Dream Theater – Awake (92 pontos)

Alissön: Não é birra com o Dream Theater, só acho que a exuberância técnica e demonstrações individuais de virtuosismo instrumental (algo que chamo de punhetação, tal qual Iggy Pop) não significam absolutamente nada para mim além de notas jogadas ao vento.

André: Sempre que um disco me traz memórias, sejam boas ou ruins, costumo tê-lo em alta conta. E este é o exemplo perfeito. Já começa com “6:00”, que me lembra meus tempos de universitário. Estávamos estudando James Joyce e a professora pediu para pesquisarmos sobre a influência literária dele em várias canções diferentes. Vi Dream Theater entre as opções, porém, alguém a pegou antes de mim e tive que me contentar com “Rejoyce” do Jefferson Airplane. Mas é justamente essa a canção que mais me marcou no álbum, visto que li “Os Mortos”, do autor, e aí fui descobrir, graças a este trabalho, que Kevin Moore havia escrito a canção, relacionando a prisão de Gabriel (personagem do livro) naquela situação descrita no livro com a sua própria no Dream Theater. No mais, é um disco interessantíssimo porque é o último trabalho do tecladista na banda e estes nunca mais lançariam um álbum tal como este. Há a pesada “The Mirror”, cujo riff de guitarra foi chupinhado por Bento Hinoto, no Mamonas Assassinas, e “Space-Dye Vest”, incluída no disco por Portnoy apenas para agradar o insatisfeito tecladista. Foi o primeiro disco da banda que ouvi em uma época em que eu estava descobrindo o heavy metal junto a um amigo, quando estávamos ali entre os 15 e 18 anos.

Bernardo: Ainda que este seja o terceiro disco, foi o tal “batismo de fogo” do Dream Theater. Apesar de, no geral, não me chamar a atenção, destaco “Caught in a Web” e “Space-Dye Vest”.

Bruno: Chato, insípido, insosso, prepotente, cansativo, maçante, irritante, sonolento.

Davi: Discaço! O CD já abre com o genial Mike Portnoy debulhando em “6:00” e logo de cara temos a resposta do que se trata o disco. Continuam explorando sua cultuada técnica, trazem um pouco mais de peso do que o anterior (o antológico Images and Words, de 1992), mas não deixam a musicalidade morrer. Canções como “The Mirror”, “Lie”, “Innocence Faded” e “Caught in a Web” são consideradas clássicos do grupo. Álbum praticamente perfeito!

Diogo: Se existe um disco do Dream Theater que merece dar as caras nesta série é Awake. A primeira posição é um tanto exagerada, mas mesmo assim não tiro os méritos de Mike Portnoy e cia., pois conseguiram criar um álbum aliando peso em profusão, técnica bem aplicada, variedade e, principalmente, boas composições. Ao contrário de outros discos da banda ricos em canções entediantes, que não conseguem cativar, Awake tem uma caçamba cheia delas, a começar por “6:00” e sua marcante introdução de bateria, além de “Caught in a Web” e da balada “Innocence Faded”, formando uma memorável trinca inicial. A produção de John Purdell e Duane Baron deixou o disco mais encorpado que seu antecessor, Images and Words, privilegiando o lado mais pesado do quinteto, que infelizmente perderia o tecladista Kevin Moore após a gravação do disco, responsável pela depressiva “Space-Dye Vest”, que encerra o tracklist em um tom completamente diferente e pessoal, mas muito belo. A verdade é que, apesar de eu ter várias críticas à banda, rendo-me à qualidade de Awake, pois nenhuma faixa me desagrada. Destaco ainda a instrumental “Erotomania” e a dupla – praticamente emendada – “The Mirror” e “Lie”, enfatizando ainda mais o lado puramente heavy metal do grupo, incluindo até uma pegada mais thrash.

Eudes: Discos conceituais e técnica extrema foram meus fetiches na adolescência. Mas nos anos 1990, e com mais de 30 anos, essas coisas não me impressionavam mais, salvo se realmente estivessem a serviço da criatividade. Não é o caso aqui, nesta coleção de 11 faixas de indubitável competência executória, mas tão maçante quanto a leitura de um processo judicial. De bom, a certeza de que o sempre bem vindo teen spirit dos consultores não morreu!

Fernando: Este álbum divide a preferência dos fãs com Images and Words, que é o meu preferido.  Nessa época, o Dream Theater fazia músicas memoráveis. Praticamente todas tinham pelo menos uma passagem que nos fazia querer ouvir todas elas. Pode ser que “The Mirror” seja a mais famosa deste disco, mas não posso deixar de citar a lindeza que é a suíte “A Mind Beside Itself”, muito mais conhecida pelas três faixas que a compõem (“Erotomania”, “Voices” e “The Silent Man”). Diferentemente do que acontece normalmente, as três partes da música são divididas no CD, fazendo com que muitos não saibam que, na verdade, é uma coisa só. A sequência inicial de “6:00” nos ensinou sobre os tempos quebrados e que praticamente todas as musicas que gostávamos era em quatro por quatro. Por isso a estranheza que causavam aquelas batidas de bateria que pareciam fora de ritmo.

Flavio: Awake, o vencedor desta pesquisa e também meu vencedor, é, de longe, o melhor disco de 1994. Acredito que nele está o equilíbrio entre o progressivo e o heavy metal – do virtuosismo/singeleza do progressivo ao “punch” do heavy metal. Lembro perfeitamente que quando conheci a banda, em 1995, dei de cara com Awake. Na época, copiei para uma fita cassete, ouvi algumas vezes e não entendi nada, mas vi que havia algo de diferente, desafiador, promissor e, principalmente, genial. O Dream Theater traz em Awake o seu ápice. As composições são ousadas o suficiente, sem serem enfadonhas, sem excesso de firulas musicais. A banda está em ótima forma, com participações definitivas de Petrucci, Myung e Portnoy e grandes performances vocais de Labrie. Não há faixa fraca no disco; talvez entenda que a balada “The Silent Man” (que compõe com “Erotomania” e “Voices” a trinca da suíte chamada “A Mind Beside Itself”) é a pitada mais normal do disco, sem deixar de ser muito bonita. No mais, é petardo atrás de petardo, desde as menos preferidas “6:00”, “Caught in a Web” e “Erotomania” às mais preferidas “Innocence Faded”, “Voices”, “The Mirror”, “Lie” e “Scarred”, à suavidade de “Lifting Shadows Off a Dream”, e a magistral composição de despedida do tecladista que até hoje prefiro na banda, Kevin Moore, a lindíssima “Space-Dye Vest”. Awake traz as minhas musicas preferidas da banda até hoje e o considero o ponto alto e definitivo consagrador, como uma referência no estilo, sendo por muito tempo minha banda preferida de rock e talvez o último grande grupo que conheci. Enfim um clássico da banda, uma obra-prima.

Leonardo: Gosto mais do disco anterior, mas Awake não deixa de ser um belo trabalho do Dream Theater, talvez o ultimo que eu consigo ouvir do inicio ao fim, sem pular nenhuma faixa. Mais pesado e menos progressivo que a maioria dos álbuns da banda, Awake apresenta canções memoráveis, sem deixar de apresentar o virtuosismo que a banda sempre teve. Recomendado.

Mairon: Lembro que, quando escrevi o Podcast sobre essa banda, ouvi toda sua discografia, e Awake foi daqueles álbuns que não consegui gostar. A voz irritante de James LaBrie e a pomposidade egocêntrica das canções não me conquistaram daquela vez, e ouvindo novamente para a piada à la Zorra Total que foi esta lista, achei a coisa pior ainda. Prometo que não vou comentar sobre nenhum disco que deveria estar nesta lista, pois acredito que os colegas consultores perderam a noção da realidade há algum tempo – inclusive nem sei mais por que continuo participando disso – mas ressalto que a predominância metálica é cada vez mais vergonhosa, mesmo com a inclusão de Chico Science e Jeff Buckley, assim como um disco tendenciosamente entrando na lista final (alguém aqui sinceramente acha que um álbum solo de Ritchie Kotzen deve estar entre os dez mais de um ano como 1994?). Quase dormi…

Ulisses: Lembro que, quando conheci o Dream Theater, Awake logo se tornou meu disco favorito, mas eu só ouvia as três primeiras canções, em loop. Demorou algum tempo até que eu me acostumasse ao prog metal das canções seguintes e, por fim, da banda inteira. De fato, “6:00”, “Caught in a Web” e “Innocence Faded” formam uma das melhores tríades de abertura que já ouvi, apresentando um clima mais obscuro que o de Images and Words, mas mantendo os elementos progressivos e a técnica, fundamentais desde a concepção da banda. Apesar do notável peso de canções como “The Mirror” e “Lie”, as baladas do disco estão entre as melhores já criada pelo grupo: a acústica “The Silent Man” e “Space-Dye Vest”, composta inteiramente pelo tecladista Kevin Moore, que encerra o disco com uma ambientação tristemente emotiva, mas não menos magistral.


02 Motley Crue

Mötley Crüe – Mötley Crüe (58 pontos)

Alissön: Deixa eu ver se entendi direito: vocês pegam no pé do Nirvana e similares, mas elegem o disco pseudogrunge ruim do Mötley Crüe? Ok, “Misunderstood” é legal e tudo mais, mas ainda assim não faz o menor sentido. Me expliquem isso, por favor…

André: Pelo jeito é o ano de estreia dos novos vocalistas em bandas famosas, visto que John Corabi entrou no lugar de Vince Neil por aqui. Diferentemente dos fãs do Helloween, que receberam Andi Deris um pouco melhor na época (embora as kiskezetes fossem muito escandalosas naqueles tempos), o fato é que Corabi penou muito em seus poucos anos de Crüe, se encaixando no rótulo de “injustiçado”. Não acho que este disco seja excelente e nem que merecesse estar na lista, mas o vocalista é o que menos tem culpa do resultado e da queda comercial que a banda teve após o sucesso de Dr. Feelgood (1989). Este trabalho tem altos e baixos, sendo “Smoke the Sky” e “Droppin’ Like Flies” dois pontos que considero fortes e “Power to the Music” e “Til Death Do Us Part” dois que considero fracos. É interessante que a banda quis pegar carona no grunge noventista e até fez um trabalho razoável se comparado com muitas outras que tentaram o mesmo naquele período. Porém, por mais que tenham adotado a aparência de uma banda suja do thrash, o Mötley Crüe é e sempre será a banda dos cabelos cheios, biquinhos sensuais e calças de oncinha.

Bernardo: Álbum surpreendente, ainda que no disco seguinte o esquema de sempre tenha voltado. Mais pesado, sujo e cadenciado, o único disco com o vocalista John Corabi deve ter sido o último suspiro criativo da banda. Destaque para a abertura, “Power to the Music”.

Bruno: Disco mais pesado e cru, feito para agradar o público que se ligava no rock de Seattle, com a bateria de Tommy Lee à frente e os vocais secos de John Corabi. Um álbum interessante, mas bastante cansativo no geral.

Davi: Puta disco e, infelizmente, extremamente subestimado. Realmente, o Mötley Crüe foi para outro caminho e isso deve ter assustado seus fãs na época. John Corabi é um excelente cantor, mas ia para outro lado. Cantava com uma voz mais rasgada. O Mötley perdeu um pouco aquele lado festeiro, alegre, que seus fãs tanto curtem. Contudo, o nível do disco é alto. Pesado, com canções bem trabalhadas e marcantes. Tommy Lee estava arrebentando na bateria e Corabi demonstrava ser um cantor de enorme personalidade. “Power to the Music” ainda é um dos meus sons favoritos do Mötley.

Diogo: Apesar de estar associada ao pop metal e ter feito jus a isso (com competência), o Mötley Crüe, em sua origem, é uma banda que soube soar agressiva e excitante à sua maneira, como comprovam os ótimos Too Fast for Love (1981) e Shout at the Devil (1983), unindo glam rock, heavy metal e punk rock a uma atitude única. Desprovidos de Vince Neil, os remanescentes Nikki Sixx, Tommy Lee e Mick Mars convocaram John Corabi e se adaptaram aos anos 1990 renovando aquela agressividade dos primórdios da carreira, de quem ainda parecia querer provar algo, e soltou um álbum praticamente tão excitante quanto os citados. Para ajudar a dar vida a grandes canções como “Uncle Jack”, “Hooligan’s Holiday” e a pesadíssima “Smoke the Sky”, o quarteto contou com o auxílio do produtor Bob Rock, que fez um trabalho estupendo. Destaque especial para o som de bateria, que concorre com aquele extraído pelo Metallica em seu disco autointitulado (1991) como o melhor que já ouvi, ao menos em se tratando de bandas de rock. Ouvir Tommy Lee marretando a caixa na introdução de “Power to the Music”, que abre o álbum, é ter a certeza de que o baterista não está de brincadeira, soando como uma patrola desgovernada. Toda a banda merece ser exaltada, mas é nítido quão feliz, ao menos musicalmente, foi a união com Corabi, um vocalista muitíssimo superior a Vince. Pena que o sucesso comercial foi insatisfatório, sentenciando a saída de Corabi, mas hoje em dia é normal ver este álbum tido em alta conta não apenas entre os fãs do grupo, mas entre pessoas que sequer gostam do Mötley Crüe “normal”.

Eudes: A banda tinha de fazer um disco para vender. Afinal, a Elektra tinha pago 25 milhas de doletas pelo passe dos atletas. E tocar um hard pop e cativante, para fazer a caminhoneirada e hordas de adolescentes baterem o pé e a cabeça enquanto enchem a cara já era a especialidade da banda. Coisas como “Power to the Music” e “Hammered” fazem o serviço e, vamos combinar, é uma das coisas mais eficazes em festas de roqueiros. Vou nem reclamar.

Fernando: Em 1994, eu havia acabado de descobrir o Mötley Crüe. Conheci um cara lá em Itapetininga (SP) que tinha todos os discos até então. Em duas semanas fui à casa dele e gravei em fita cassete todos esses álbuns. Quando soube que eles estavam lançando um disco novo com um novo vocalista, não me preocupei, já que várias bandas estavam trocando de membros nessa época, em especial Iron Maiden e Judas Priest. Mötley Crüe é hoje em dia muito exaltado, até por muitos que nem gostam tanto da banda. Curto o álbum e acho que John Corabi fez um bom trabalho. Nunca o ouvi cantando as músicas antigas e acredito que a grande maioria das pessoas também não ouviu. Isso talvez explique a baixa rejeição que o disco tenha com essas pessoas. Afinal, um disco de estúdio é uma coisa, os shows com músicas antigas que ficaram eternizadas na voz de outro vocalista é outra.

Flavio: Aqui temos um disco surpreendente para o grupo. Se a saída do vocalista Vince Neil em 1992 havia sido uma surpresa, a entrada de John Corabi trouxe de forma inquestionável um novo som para a banda. Simplesmente chamado Mötley Crüe, como em um renascimento musical, o álbum traz um estilo longe do hard/glam/poser metal característico da banda até então. Flertando com o movimento Grunge, em alta na época, as composições de Corabi e Nikki Sixx são bem fortes e pesadas, sem deixar de serem criativas e usar elementos enriquecedores, como o uso de slides, violões e afinações baixas. O novo vocalista não decepciona, cantando muito bem em todo o disco. Posso destacar a faixa de abertura, “Power to the Music”, além de “Hooligan’s Holiday”, “Droppin’ Like Flies” e até a balada de trabalho, “Misunderstood”. Se você é fã da do estilo da fase clássica da banda, esqueça este disco, se você não se importa com o estilo e procura um bom disco de rock, Mötley Crüe é altamente recomendável.

Leonardo: Um dos discos mais injustiçados da história do rock. Após demitir o vocalista Vince Neil, o Mötley Crüe recrutou John Corabi para a banda e gravou um disco totalmente diferente do que havia feito até então. Denso, pesado e muito mais “sério” do que seus trabalhos anteriores, o autointitulado álbum de 1994 ainda nos presenteava com riffs espetaculares, os vocais graves do novo cantor, a bateria sólida de Tommy Lee e uma das melhores produções já ouvidas em um disco de hard rock. Entretanto, mesmo com tantos predicados, o álbum foi um fracasso total. Os fãs antigos se decepcionaram com a nova sonoridade da banda, e a garotada estava mais interessada na simplicidade do Nirvana do que em conferir o disco “daquela banda colorida dos anos 1980”. Felizmente, o álbum foi sendo redescoberto ao longo do tempo, e hoje é visto como um dos melhores trabalhos da banda.

Mairon: Outra surpresa nesta lista. Tantos discos bons do Mötley Crüe ficaram de fora, e jamais imaginaria que a estreia de John Corabi iria figurar dentre os dez de 1994. O Mötley ficou mais pesado, perdeu a purpurina e virou uma bela banda, talvez não tão boa quanto nos tempos de Vince Neil, mas capaz de arrancar um bom sorriso com “Hammered, “Poison Apples” e “Welcome to the Numb”. Até o embalo acústico de “Loveshine” e da baladinha “Driftaway” surpreende, fazendo nos perguntar se essa é a mesma banda que gravou Dr. Feelgood ou Too Fast for Love (1981). Não é não. É uma banda mais madura, com um ótimo vocalista, e que soube lidar muito bem com a pressão da perda de uma imagem marcante como a que foi a quantidade de maquiagem dos anos 1980. Claro, a presença ilustre de Glenn Hughes (o maior injustiçado desta lista) na lindinha “Misunderstood” dá um ar nostálgico diferencial para um disco do Crüe, com a adição de cordas, bandolim e efeitos de sintetizadores, além de uma guinada de 180º no seu andamento, que a tornam fácil a melhor música do disco. Não entrou por pouco na minha lista, mas fico feliz de ver esse álbum entre os dez mais. Dentre os que estão aqui, para mim é top 3 fácil, atrás apenas de Jeff Buckley.

Ulisses: Apesar de não acompanhar a banda, sei que o Mötley Crüe é da turma dos farofeiros, mas a coisa está um pouco diferente neste disco. Som recheado, com boa base de rock e metal tradicional – “Droppin’ Like Flies” é um ótimo exemplo dessa sonoridade. Faixas como “Misunderstood”, “Poison Apples” e “Welcome to the Numb” são boas mesmo, não dá pra negar, justificando a presença do álbum aqui na série.


03 Youthanasia

Megadeth – Youthanasia (54 pontos)

Alissön: O Megadeth já não provoca em mim a mesma comoção de anos antes, quando ainda estava desvendando os meandros extremos da música. Ouvir Youthanasia hoje em dia me traz boas recordações, como os belos riffs de “Train of Consequences” e o ritmo hipnótico de “Reckoning Day”, músicas que compensavam a queda de qualidade da segunda parte do disco, da qual não me lembro de nada.

André: Vou ser bem sincero: esqueci completamente do Megadeth desse ano. Eu o colocaria ali pela quarta posição na minha lista, o que faria sua posição subir mais um pouco. Sorte que meus amigos consultores lembraram dele. Esquecer clássicos como “Reckoning Day”, “Train of Consequences”, “A Tout Le Monde” e “I Thought I Knew It All” fizeram eu me sentir mal. Neste disco a banda praticamente abandona quase tudo daquele thrash metal mais ríspido de antes para investir em um estilo mais tradicional e melódico. O grupo refina seu som, que passa a soar até mais classudo, algo que ninguém esperaria de uma banda que tenha Dave Mustaine como líder. Os riffs são grudentos e a cozinha de baixo e bateria de Ellefson e Menza é uma das melhores de todo o heavy metal (no mínimo, eram a melhor dupla nessa primeira metade dos anos 1990).

Bernardo: Um caminho natural a ser seguido depois de Countdown to Extinction (1992). “A Tout Le Monde” é incrível em sua força cadenciada.

Bruno: Me soa como um Countdown to Extinction Pt. 2 sem a mesma pegada. Um tanto longo e cansativo. Presença exagerada na lista.

Davi: Excelente álbum do Megadeth. Assim como seus rivais do Metallica, o grupo de Dave Mustaine estava sendo visto como uma grande banda de metal, e não mais como uma grande banda de thrash metal. A balada “A Tout Le Monde” era uma prova de que queriam adentrar as rádios, que queriam ser mainstream. O álbum, contudo, conta com alguns petardos como “Reckoning Day”, “Elysian Fields” e até mesmo “Train of Consequences”. A banda estava indo para um caminho mais elaborado, buscando diversas referências e isso os fez crescer como músicos.

Diogo: Youthanasia é daqueles que não entraram por bem pouco em minha lista pessoal, então obviamente julgo sua presença aqui digníssima. Se sua segunda metade fosse tão boa quanto a primeira, certamente teria galgado alguns degraus, pois a sequência de faixas iniciais faz bonito mesmo frente a Rust in Peace (1990) e Countdown to Extinction. Ou vai dizer que a avassaladora “Reckoning Day”, “Train of Consequences”, “Addicted to Chaos” e a marcante balada “A Tout Le Monde” não são belas canções? Apesar de alguns lapsos mais próximos do thrash metal, a vasta maioria do material apresentado em Youthanasia trabalha em uma área mais convencional, se é que posso assim chamar, mostrando que Dave Mustaine e seus asseclas tinham o domínio das duas linguagens e sabiam construir ótimas composições exercendo esse equilíbrio, algo que funcionaria pelo menos até o disco seguinte, Cryptic Writings (1997), apesar de não tão bem quanto no lançamento de 1994. Ah, e vale frisar: podem criticar o vocal de Mustaine o quanto quiserem, mas sua evolução e a capacidade de trabalhar bem dentro de suas limitações é outro elemento essencial que faz de Youthanasia um bom álbum.

Eudes: Nunca havia ouvido este disco, até agora. Incrível como a obra da banda é indistinguível. Não dá pra dizer que não gostei, mas, com pouco dinheiro, em 1994, não estaria nas minhas compras do mês.

Fernando: Depois de dois ótimos discos, era natural que a banda desse uma caída. Mas apesar de Youthanasia ser inferior as dois antecessores, ainda é um excelente álbum. Estranhei um pouco a produção na época. Parecia-me um pouco mais sujo que os outros discos, especialmente se comparado a Countdown to Extinction. Varios destaques e faixas que podem entrar em um setlist de show até hoje, principalmente as quatro primeiras. “Victory” é bastante divertida, com sua letra fazendo referências à várias músicas do passado do quarteto. Apesar do Megadeth ter apenas dez anos na época, já o considerávamos um grupo experiente, com seus seis álbuns até então.

Flavio: O sexto disco do Megadeth traz basicamente uma manutenção de estilo em relação ao anterior – o excelente Countdown to Extinction. Youthanasia, porém é um pouco menos pesado/rápido e mais calcado no heavy metal tradicional, com também excelentes composições. A banda, que foi mantida em seus integrantes desde Rust in Peace (1990), estando em seu auge, traz o fenomenal guitarrista Marty Friedman, um destaque no disco. Podemos também destacar várias faixas, como a de abertura, “Reckoning Day”, “Train of Consequences”, “Addicted to Chaos” e “Bloody of Heroes”. O single “A Tout Le Monde” também é uma ótima musica. Pelo seu sucesso, foi até regravada em dueto com a vocalista Cristina Scabbia, em 2007. Apesar de gostar mais do anterior, Youthanasia é um ótimo álbum, que recomendo para todos os adeptos do estilo ou aos que desejam ouvir um disco coeso, com ótimas passagens e riffs inspirados.

Leonardo: Em Youthanasia, o Megadeth manteve o estilo adotado em Countdown to Extinction, mas ainda mais polido e menos agressivo. Apesar de ter algumas excelentes composições, como a balada “A Tout Le Monde” e “Reckoning Day”, o disco não mantém o alto nível em todas as faixas, e algumas canções passam despercebidas. Mas os solos de Marty Friedman continuavam impecáveis, e o final com a estupenda “Victory” é sensacional.

Mairon: Dos poucos discos que gosto desta lista, entre os que eu conhecia, claro (70%). Seguindo a linha de Countdown to Extinction, Mustaine e cia. trouxeram um álbum forte, com músicas mais hard do que thrash. Exemplo claro para mim é “Train of Consequences”, que poderia fácil estar em algum disco do Skid Row, por exemplo. Outras faixas acessíveis são “Elysian Fields”, “I Thought I Knew It All” e “Family Tree”, que me lembram um pouco do Metallica do Black Album (1991), não sei por quê.  Os melhores momentos vão para o peso de “Black Curtains” e “Reckoning Day”, a introdução de “The Killing Road”, o ritmo acelerado de “Victory” e a superclássica “A Tour le Monde”. Mas também temos algo um pouco inferior em “Addicted to Chaos” e “Blood of Heroes”, apesar de não serem faixas nem sequer perto de serem chamadas de ruins. A própria faixa-título figura no limbo de canções que não empolgam, mas também não são desprezíveis. Enfim, não entrou na minha lista final, mesmo tendo figurado por algumas vezes, e, portanto sua presença aqui não é nenhum absurdo. Só me surpreende que o Megadeth tenha tantos fãs entre os consultores.

Ulisses: Composições cativantes, riffs memoráveis, melodias facilmente assimiláveis e a sempre presente técnica da mais aclamada formação do Megadeth – Mustaine, Menza, Ellefson e Friedman – compõem o sexto disco de estúdio de um dos gigantes do thrash metal mundial, sucessor do super bem recebido Countdown to Extinction. Aqui, o quarteto se distancia ainda mais da sonoridade pesada e intrincada de álbuns consagrados, como Peace Sells… But Who’s Buying? (1986) e Rust in Peace (1990), decepcionando vários fãs e ganhando muitos outros. A primeira metade do disco é absurdamente boa, com os empolgantes hits “Reckoning Day” e “Train of Consequences” apresentando um Megadeth cadenciado, direto, com riffs e refrãos memoráveis e radiofônicos. “Addicted to Chaos” é mais arrastada, enquanto a balada “A Tout le Monde” foi o maior sucesso de Youthanasia, com seu famoso refrão cantado em francês e tema polêmico – o clipe foi banido da MTV. Outros destaques incluem “The Killing Road”, “Family Tree” e o encerramento com “Victory”, cuja letra é composta de títulos de canções e álbuns da banda.


04 Da Lama ao Caos

Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos (46 pontos)

Alissön: Imagino o quanto deve ter sido refrescante ouvir Da Lama ao Caos no ano de seu lançamento. Uma mistura maluca de rimos nordestinos, maracatu e rock turbinadíssimo: não existia absolutamente NADA parecido com aquilo até a data, e em lugar nenhum do MUNDO. Felizmente, essa maluquice genial não se limita aos arranjos. O disco é um verdadeiro retrato surrealista da vida do cidadão morador das periferias dos Estados do Nordeste, jogando de forma ácida na cara do cidadão da classe média o que realmente era a vida dos guetos das cidades. Não o mencionei pelo motivo de: esqueci (sim, esqueci mesmo, minha memória nunca foi muito boa). Clássico, e com força.

André: Nunca gostei de música regional nordestina. Nas referências psicodélicas, sou mais ligado à Tropicália, tal como o Mutantes. Também nunca fui chegado ao samba rock e não gosto mesmo das influências hip hop. Mas eu seria injusto em malhar o disco, porque eu respeito esse tipo de sonoridade. Normalmente a percussão é o que mais se destaca e esse é o caso aqui. A banda também traz boas mensagens sociais nas letras e um cuidado muito grande em referenciar diversas influências brasileiras com o rock. O meu gosto europeizado demais me impede de ligar o som no talo e apreciar, porém, esse disco foi muito importante e influente na música brasileira e Chico Science faz falta em nosso atual mainstream brasileiro.

Bernardo: Chico reinventou a música brasileira, unindo todas as tribos debaixo do mesmo teto, deixando esse papo de “gênero” para lá e mostrando o poder do sincretismo na música: Da Lama ao Caos botou o Recife (PE) de volta no mapa musical dos anos 1990, misturando rock, rap, psicodelia, eletrônica e música regional e popular para falar sobre a realidade à sua volta, em clássicos dos anos 1990 como “Banditismo por Uma Questão de Classe”, “Samba Makossa”, “Computadores Fazem Arte” e a faixa-título.

Bruno: Não é todo mundo que tem paciência para a mistureba que Francisco de Assis França e sua trupe fizeram no meio dos anos 1990. Apesar de a razoável produção de Liminha não conseguir capturar toda a potência sonora da banda, a força das músicas compensa. Hoje pode não parecer, mas a união de guitarras pesadas, percussão, grooves funkeados, ragga, reggae e hip hop foi uma grande novidade, e deu uma vida para a cena musical de Recife.

Davi: Poucos nomes me chamaram atenção na cena brasileira mainstream dos anos 1990. Chico Science foi um deles. O garoto de Recife demonstrava uma enorme criatividade ao misturar elementos regionais com MPB e rock, sem soar caricato. Da Lama ao Caos foi um disco que os ouvintes de FM demoraram para captar, mas diversos artistas elogiaram logo de cara. Até mesmo dentro do heavy metal. Lembro de Max Cavalera comentando do disco, em especial a faixa-título. As letras de Chico, com as guitarras de Lucio Maia e o trabalho de percussão da Nação demonstravam que a música brasileira poderia ir muito além do rock engraçadinho que predominava nas rádios graças à explosão dos divertidos Raimundos e Mamonas Assassinas (dois dos poucos nomes daquela época que fizeram um trabalho irreverente sem ser bobo). Infelizmente, a morte prematura de Chico interrompeu a revolução e não demoraria muito para o movimento manguebeat ir ladeira abaixo. Faixas de destaque: “A Cidade”, “A Praieira”, “Da Lama ao Caos”, “Rios, Pontes e Overdrives” e “Samba Makossa”.

Diogo: Não chega a ser digno de todo aquele furor propagado pela imprensa especializada nem por aqueles que repetem seus mantras tal qual papagaios, sem o mínimo questionamento, mas é um bom disco em meio ao cenário noventista brasileiro, certamente marcante e feliz em seu amálgama de guitarras rock com ritmos locais. Podem ter certeza: mais feliz e criativo do que a união de rock com outros gêneros locais que já ouvi por aí, inclusive ao que alguns grupos gaúchos fazem por aqui em minhas bandas. Bateria e percussão poderiam oferecer um pouco mais de variedade, mas considerando que o maior propulsor de boas músicas como “Rios, Pontes & Overdrives”, “A Cidade”, “A Praieira” e a faixa-título são as linhas vocais de Chico Science, posso dizer que os responsáveis por esses instrumentos estão servindo à música. É uma pena, porém, que algo até interessante e bem engendrado como Da Lama ao Caos tenha sido essencial para dar origem a uma infinidade de grupos chulezentos que infestam festinhas universitárias.

Eudes: Claro que a onda manguebeat foi muito exagerada pela mídia da época, e, a rigor, quando olhamos de longe, nem se tratava de uma onda, mas de um momento de chegada aos meios de um certo número de artistas que se encontravam represados. Mas daí veio talvez o último sopro de criatividade maciça no rock brasileiro, cujos cumes foram a Nação Zumbi e o Mundo Livre S/A. Da Lama ao Caos, tido e havido como um manifesto de um movimento fechado (até Chico Science acreditava nisso) é mais simples: uma coleção de faixas inspiradas, no qual o rock não é mais do que um dos vários componentes da paisagem sonora em que esses meninos cresceram, compiladas de forma inventiva e por músicos extremamente competentes. É enérgico, é suingado, é frevo e maracatu e tem neurônios. Só o Ariano Suassuna não gostou, mas também não chegou a odiar. A banda, mesmo com a morte do líder, continua aí fazendo discaços. E ainda tem gente perdendo tempo com prog de terceira em plenos anos 1990.

Fernando: Nunca fui fã dessa onde manguebeat. Muito disso se deve pela aura pseudointelectualóide de DCE que amava esse tipo de som.

Flavio: Embora o uso de rótulos acabe trazendo um pouco de simplicidade à análise, em certos casos a associação traz mais benefícios do que o contrário. Neste caso, o disco tido como precursor do estilo/movimento manguebeat – o lançamento de estreia de Chico Science e Nação Zumbi, Da Lama ao Caos  – é cultuado pelos adeptos do estilo e está bem definido no seu conteúdo musical. Em um estilo em que há muita manutenção monolítica principalmente de ritmo, com a percussão mantendo por muito tempo a mesma batida, as letras são repetidas e há melodia em um tom característico, onde a ênfase também fica bem destacada. Com este panorama, o som criado pode trazer uma sensação de um frenesi-zumbi-monolítico, o que para alguns é de agradável combinação. Em compensação, para outros esse mantra parece quase interminável, e musicas que têm quatro minutos parecem ter 40. No meu caso, me enquadro entre aqueles que torcem para que o disco acabe rapidamente. Resta então destacar o caráter musical inovador e alguns trechos de guitarra – alguns solos lembraram a fase psicodélica norte-americana do fim dos anos 1960. Valeu pela pesquisa no estilo, que espero não reencontrar mais.

Leonardo: Original, marcante e inusitado. A mistura de rock, ritmos regionais e batidas eletrônicas era algo inimaginável na época, mas extremamente eficiente. Tanto que o disco explodiu, e fez de Chico Science no novo “queridinho” da critica musical brasileira na época. Não é o tipo de música que eu curto, mas foi, e continua sendo, extremamente influente no Brasil.

Mairon: Talvez a maior surpresa desta lista, o disco que inaugurou o manguebeat tornou-se um clássico logo de seu lançamento. A mistura de rock, maracatu, psicodelia e música africana trouxe uma novidade marcante para uma geração pós-BRock. Não gosto do disco, tenho ojeriza à clássica “A Praieira” (que música bem chata) e a nova audição não me fez gostar de nada. Reconheço sua importância, apesar de achar que talvez só em uma lista de melhores brazucas da década de 1990 ele poderia entrar. Chato pacas!

Ulisses: Já vi inúmeras menções a Chico Science & Nação Zumbi, mas nunca corri atrás. Uma tremenda bola fora! Da Lama ao Caos é um disco fantástico, unindo ritmos nordestinos como o maracatu a rock alternativo, jungle, punk e mais uma meia dúzia de estilos que eu não saberia definir. As letras sociopolíticas são carregadas por uma sonoridade pesada, dançante e contagiante do começo ao fim, com espaço para a apaixonada “Risoflora” e a experimental “Coco Dub (Afrociberdelia)”. E fica o meu agradecimento pela oportunidade de participar da série “Melhores de Todos os Tempos”, que vem expandindo bastante meu conhecimento musical, porque se dependesse da minha eterna letargia…


05 Stoner Witch

Melvins – Stoner Witch (43 pontos)

Alissön: Alguma coisa eu tinha que emplacar aqui, hahahaha. Os mais próximos a mim sabem que os Melvins estão entre minhas bandas favoritas de sempre, e Stoner Witch ainda é seu auge. Houdini (1993) foi um verdadeiro assombro: um dos melhores sons de bateria já registrados na história da música pesada, além da sonoridade arrastada e do clima pesado, um verdadeiro arquétipo do sludge. O que Stoner Witch fez foi soar mais ambicioso, colocando mais tempero setentista e intensificando a pegada dos riffs, saindo do campo das músicas arrastadas e indo em direção a maiores variações. O resultado: um verdadeiro disco de stoner rock, que soube ao mesmo tempo olhar para o que já havia sido feito e caminhar em direção a novas possibilidades. Vários aqui vão discordar (e é para isso que servem listas, então está tudo ok), mas é um dos álbuns mais importantes dos anos 1990, e o melhor que 1994 forneceu à música.

André: Tá aí uma banda com a cara dos anos 1990 que eu gosto bastante. Sabem usar a sujeira do sludge misturada a uma boa técnica do stoner e fazer uma sonoridade diferenciada. Algumas músicas mais secas e diretas, como “Skweetis” e “Sweet Willy Rollbar”, entre outras maiores e mais técnicas, como “Revolve” e “At the Stake”, são muito boas. É aquele tipo de andamento que nunca se sabe se vai mudar ou permanecer durante toda a canção. A única falha mesmo é “Lividity” que não havia necessidade. Mesmo alguns vocais com efeito por parte de Buzz Osborne não me incomodam, pois ele não exagera neles, e por não usá-los de muleta para esconder alguma falha de alcance vocal. Dêem uma chance aos caras que vale a pena.

Bernardo: O sludge do Melvins é um fenômeno bem noventista mesmo: pesado e sombrio como um heavy metal, rápido feito um hardcore, esquisito feito todo rock alternativo praticado à época. Nada me marcou especialmente aqui, mas a aura mais que singular da banda é algo que não dá para desprezar.

Bruno: Ainda mais polido e focado em “canções” do que o clássico Houdini. O trio pioneiro do sludge une seus riffs monolíticos e afinação dropada a melodias e refrãos cativantes.

Davi: Gosto do Melvins. Tenho alguns álbuns deles. Trabalho sombrio, pesado, bem alternativo. Bem tocado, produção crua, boas composições. Bom disco! O problema de Buzz Osborne não é tocando, é dando entrevistas. Só fala merda, mas musicalmente sempre foi competente.

Diogo: Acho que nunca havia ouvido uma música do Melvins, apesar de saber da existência do grupo há muitos anos. Felizmente, a realidade superou a expectativa, que não era das melhores, pois a sonoridade praticada pelo grupo, apesar de não ser exatamente tão do meu agrado, foge daquilo que tenho como sludge, stoner ou o que valha, não soando como uma cópia barata e genérica de formações do passado. O vocal agressivo e quase grunhido de Buzz Osbourne me agradou, assim como boa parte de seus riffs de guitarra, como o que abre a boa “Sweet Willy Rollbar”. Em meio a uma massa sonora grave e densa, o trio arruma espaço para inserir boas melodias, como em “Revolve” e “Queen”. A segunda metade do disco é mais atmosférica e, a princípio, menos interessante, mas não é ruim. Digno de top 10? Não, mas não chega a ser uma má adição.

Eudes: Não entrou na minha lista, mas foi ótima escolha dos colegas. Melvins está na origem do renascimento do rock ‘n’ roll depois da década perdida, embora tenha sido parido no meio da noite dos anos 1980. O disco perde um pouco da espontaneidade, mas mantém a fidelidade à ideia de que volume, peso, melodia e ritmo seguem sendo o segredo de polichinelo de como fazer rock ‘n’ roll.

Fernando: Eu juro que tento ouvir essas coisas aí, mas não dá.

Flavio: Esse disco do Melvins parece estar no limite entre trabalho sério ou não, às vezes parecendo ser feito de sobras de ensaios. O vocal é por muitas vezes quase gutural e monótono, aliás, como o instrumental, que beira o lado desarmônico. Nas participações especiais, temos um guia espiritual e um integrante responsável por coisas como sons de apontador de lápis. De pontos positivos pode se perceber um bom trabalho da bateria, em algumas vezes trazendo um pouco de criatividade para a falta de harmonia das músicas. O álbum é recheado de ruídos esquisitos e desconexos, enfim, um disco para esquecer.

Leonardo: Só conhecia a banda de nome até ver o álbum nesta lista, e me surpreendi positivamente com sua audição. A mistura de metal, punk e rock alternativo do conjunto é extremamente eficiente, e funciona muito bem no disco. O trabalho de bateria é o que mais se destaca, mas o álbum é todo muito bom.

Mairon: Não consegui gostar de nada deste álbum, que não conhecia, mas tinha alguma esperança. Aguentar “Lividity” foi mais chato do que assistir Faustão. Esse estilo musical sludge não consegue me atrair, e, infelizmente, apenas lamento que esteja ocupando o lugar de outros tantos belos álbuns de 1994.

Ulisses: Disco esquisitão, misturando doom, stoner e sludge à cena grunge, com pitadas de psicodelia. Tem um ou outro bom momento, mas dormi na maior parte do tempo.


06 Balls to Picasso

Bruce Dickinson – Balls to Picasso (39 pontos)

Alissön: Tem “Tears of the Dragon”, que é clássica. De resto, o disco varia muito, entre boas faixas (“Laughing in the Hiding Bush”) e outras que se estendem além da conta e não dizem absolutamente nada (“Cyclops”). Será justo quando Accident of Birth (1997) ou The Chemical Wedding (1998) aparecerem por aqui. Antes disso, é forçação de barra.

André: Gosto do disco, apesar de achar sua inclusão entre os melhores de 1994 um pouco exagerada. Com o vocalista se afastando da banda que o projetou – que todos sabem qual é –, temos um álbum de um sujeito conhecido buscando uma nova identidade e novos desafios em termos musicais. Ele se sai bem neste segundo trabalho, focando muito mais em um hard rock pesado e moderno do que naquele heavy metal clássico que sua banda anterior vinha fazendo. Embora “Sacred Cowboys” destoe do restante do tracklist, duas faixas se destacam: a abertura, com “Cyclops”, e o encerramento, com “Tears of the Dragon”, que viria a se tornar um clássico na carreira solo do Mr. Air Raid Siren. É sólido e competente, mas creio que ocupa o espaço de outros trabalhos mais interessantes.

Bernardo: Não é nenhum Accident of Birth ou The Chemical Wedding, mas é bom. Apesar da veia hard rock ainda ser acentuada, “Tears of the Dragon” já acena um retorno ao heavy metal.

Bruno: Interessante, mas não o suficiente pra figurar entre os melhores do ano.

Davi: Grande álbum da voz do Iron Maiden. Superior ao (bom) Tattooed Millionaire (1990). Bruce demonstrava que sua saída da Donzela daria dor de cabeça para seus ex-companheiros. E deu. Sua carreira solo deu um pau violento nos trabalhos que fizeram ao lado do líder do Wolfsbane. Balls to Picasso mantinha a pegada hard rock de seu primeiro trabalho solo, porém mais moderna. Bruce continuava arregaçando nos trabalhos vocais. O CD é bem consistente e repleto de faixas marcantes, como “Cyclops”, “Hell No”, “Laughing in the Hiding Bush” e “1.000 Points of Light”, além da belíssima (e manjadíssima) balada “Tears of the Dragon”. Belo disco!

Diogo: Balls to Picasso é um disco interessante, que mostra um vocalista que certamente andava insatisfeito com os rumos que o Iron Maiden estava tomando. Basta uma ouvida breve para perceber que bem pouco de seu ex-grupo dá as caras no tracklist. Por um lado isso é positivo, mas pelo outro acaba revelando um cantor ainda um pouco perdido, atirando em diversas direções, como revelam canções díspares como “Cyclops” (musicão que surpreendeu aquele guri que, até antes de ouvir o disco todo, só conhecia “Tears of a Dragon” e “Laughing in the Hiding Bush”), a tresloucada “Sacred Cowboys” e “Shoot All the Clowns”, com um refrão de pegada pop. Algumas faixas apresentam alguma proximidade com o que Bruce fez em Tattooed Millionaire, mais hard rock, como “Hell No”, “1000 Points of Light” e “Fire”, mas não chegam a fazer sombra para as boas músicas de seu primeiro disco solo. A anteriormente mencionada “Laughing in the Hiding Bush” é muito boa, assim como “Tears of the Dragon”, mas, no geral, nunca engoli tão bem essa fase da carreira de Dickinson – não vou nem comentar sobre o estranhíssimo Skunkworks (1996) –, que entraria nos eixos com os ótimos Accident of Birth e The Chemical Wedding.

Eudes: Disco de rock tradicionalíssimo, longe dos arranjos marciais repetitivos da banda de origem do vocalista e fiel ao espírito beberrão do rock ‘n’ roll.Portanto, se trata de um álbum em que as propensões metal se mesclam a bons e animados momentos hard rock. Nada de extraordinário, mas uma coleção de rockões pesados e sem perder o rebolado, naquela altura do campeonato, já estava de bom tamanho.

Fernando: Depois de sua saída do Iron Maiden, era natural esperar que ele fizesse algo bastante diferente do que vinha fazendo na antiga banda. O conteúdo de Balls to Picasso é uma progressão natural do material que ele apresentou em Tattooed Millionaire. Lembro que a revista Rock Brigade bateu na tecla de que ele havia saído da banda e lançado um disco antes do Iron Maiden para criar um clima de competição. Chateia um pouco este disco ser conhecido hoje por uma maioria apenas por conta de “Tears of the Dragon”, uma excelente música, mas não a única. Minha preferida, por exemplo, é “Cyclops”, com seu ótimo riff.

Flavio: Um dos indicados por mim, Balls to Picasso traz a dupla Dickinson/Roy Z, que se juntaria com Adrian Smith para os dois álbuns solos seguintes do vocalista. Balls to Picasso já traz alguns elementos dos discos que o sucederam, como o uso de afinação mais grave, trazendo um estilo mais pesado à bolacha. O guitarrista Roy Z está inspirado e, como tem um estilo mais moderno, acaba por vezes levando o disco se a se afastar do heavy metal tradicional da NWOBHM, sem perder a qualidade. O uso de elementos percussivos e até eletrônicos mostra que Dickinson não estava com receio de misturar pitadas mais modernas ao seu estilo consagrado. Posso destacar as duas primeiras músicas e a linda balada “Tears of The Dragon”, e relacionar como medianas a balada “Change of Heart”, assim como destaque negativo o semi-rap em “Shoot All the Clowns”. Em geral, porém, o disco é bem agradável de ouvir como um todo.

Leonardo: Totalmente diferente do que o vocalista apresentava no Iron Maiden, Balls to Picasso é mais melódico e atmosférico do que tudo que o vocalista havia feito antes, inclusive em seu álbum solo anterior. E o disco é excelente, com as ótimas “Shoot All the Clowns”, “Hell No” e o hit “Tears of the Dragon”.

Mairon: Este era previsível, ainda mais por saber que muitos aqui babam ovo para o vocalista. Acho o disco bem irregular. Os momentos eletrônicos de “Cyclops” me soam cansativos e sem inspiração. Por outro lado, é louvável que não tenhamos nada de Iron Maiden a não ser a voz de Dickinson, se bem que “Tears of the Dragon” é uma prima pobre de “Wasting Love”. O estilo meio rap no vocal da pesada “Sacred Cowboys” é a única relevância que posso destacar de um disco muito fraco.

Ulisses: Disco que todo mundo conhece devido ao hit “Tears of the Dragon”, também traz como destaques a abertura “Cyclops”, “Gods of War” e a ótima balada “Change of Heart”. Mas ainda o acho bem irregular. Não é muito do meu agrado.


07 Black Hand Inn

Running Wild – Black Hand Inn (35 pontos) *

Alissön: Death or Glory (1989) é bem bacana, tem “Highlander Glory (The Eternal Fight)”, que é uma baita música instrumental, mas fora isso eu nunca dei muita atenção para o Running Wild e as piras de Rolf Kasparek em histórias de pirata. Este ainda tem o agravante de ter uma gravação seca e muito chapada. Desculpa, mas não é minha praia.

André: Outra banda que eu não esperava ver por aqui são os piratas do Running Wild. E ótimo que tenha sido com este disco, um dos meus favoritos deles. Nessa época, tocavam ainda aquele power metal veloz (beneficiado pela entrada do famoso baterista Jörg Michael) com as temáticas náuticas pelas quais a banda se popularizou. Não gosto da fase black metal deles e por isso a mudança só os beneficiou. O disco não tem tanta melodia quanto há, por exemplo, em Blazon Stone (1991), que é meu favorito deles, mas para quem gosta de power metal e seus discos mais clichezentos, como eu, este é um prato cheio.

Bernardo: Mais do mesmo. Achei bem na média, o que me fez estranhar a presença dele nesta lista.

Bruno: Gosto do Running Wild, mas depois da fase clássica do final dos anos 1980, nada que eles fizeram me interessa.

Davi: Conheço alguma coisa do Running Wild, mas nunca me aprofundei na sua obra como deveria. Este disco mesmo ainda não havia escutado. Bacaninha. Bem tocado, bons riffs, bons solos, bateria destruidora. Não sei se colocaria em uma lista de dez mais, mas é um bom álbum. Procurarei ouvir mais alguma coisa deles.

Diogo: Mesmo gostando muito do Running Wild, foi uma surpresa ver a turma de Rolf Kasparek por aqui, ainda mais com um álbum que não julgava estar em tão alta conta entre alguns colegas. Por um lado, acho uma pena que isso não tenha ocorrido anteriormente, com o linda e toscamente raçudo Gates to Purgatory (1984) ou com o grandioso Death or Glory (1989), que julgo serem as obras máximas do grupo alemão. Pelo outro, a banda é sim merecedora de citação, pois, apesar de eu ter um certo probleminha com a produção e a mixagem do disco, que deixaram os bumbos secos e estouradíssimos, Black Hand Inn é recheado de riffs e, principalmente, melodias de qualidade, construindo refrãos marcantes como os de “Soulless”,  “Mr Deadhead” e da faixa-título. Além disso, ao ouvir músicas como “The Privateer”, “The Phantom of Black Hand Hill” e “Powder & Iron”, todas as minhas restrições àquele power metal com dois bumbos à velocidade da luz martelando incessantemente se dissipam em instantes, pois, acima de tudo, as canções são muito cativantes, um verdadeiro convite a cantar junto. Aliás, está aí um show que ainda gostaria muito de ver, mesmo sabendo que há tempos a banda resume-se a Rolf mais três músicos contratados.

Eudes: Bem tocado, bem gravado, bem chato. Tatibitate tocado com técnica. Curti não.

Fernando: O Running Wild quase nunca erra a mão, e Black Hand Inn é um dos álbuns em que eles mais acertaram. Depois da mudança de temática de suas letras, é impressionante o quanto eles conseguem se manter em um tema que, em teoria, é limitado. Ultimamente, tenho buscado seus discos com frequência e gostei muito deste grande álbum ter entrado nesta lista.

Flavio: Não conhecia a banda. Ao conferir seu oitavo álbum, o conceitual Black Hand Inn, identifico um heavy (power) metal bem característico, com uma levada bem acelerada, uso intensivo dos dois bumbos na bateria e de guitarras dobradas. O vocal de Rolf Kasparek, muito rouco, rasgado, não me agrada, e isso, juntamente com a manutenção monótona exagerada do estilo, acaba cansando depois de alguns minutos de audição. Talvez uma das músicas que fuja um pouco disso, “Fight the Fire of Hate”, em uma batida mais moderada, um pouco mais harmoniosa, mas que traz um coro meio enfadonho no refrão, acaba também não sendo grande destaque. Não o considero um álbum com atributos para estar na lista de dez melhores de 1994, sendo recomendado apenas para fãs extremados do estilo.

Leonardo: Se nos Estados Unidos o heavy metal clássico estava em baixa, na Europa algumas bandas surgidas nos anos 1980 estavam em suas melhores fases. Grupos como Rage, Grave Digger e Blind Guardian uniam a classe do heavy metal clássico com a energia do thrash metal, e cada uma com seu estilo próprio iam lançando os melhores álbuns de suas carreiras. E foi nesse contexto que Black Hand Inn foi lançado. Depois de uma sequência de discos muito bons, a banda chegou ao seu auge neste álbum, no qual sua fusão de speed metal e climas épicos com temática pirata atingiu um nível de excelência inacreditável. Todas as faixas funcionam extremamente bem, mas é impossível não citar a excepcional faixa título, as empolgantes “Soulless” e “The Privateer” e a longa e maravilhosa “Genesis (The Making and Fall of Man)”.

Mairon: Como já estamos acostumados à vastidão de discos metálicos nas listas, ouvi este sem pretensões, e foi mais um álbum que desconhecia. Bom instrumental, principalmente do guitarrista Thilo Hermann, que praticamente dá o som da banda. Se fosse destacar uma única canção, ficaria muito difícil, então chamo a atenção para a trinca inicial – “The Curse”, “Black Hand Inn” e “Mr. Deadhead” – sonzeiras que fizeram eu parar o meu trabalho para prestar atenção – além dos longos quinze minutos de “Genesis (The Making and the Fall of Man)”, disparado a melhor canção do disco. No mais, um hard rock tradicional, com muita qualidade instrumental. O vocal também me soou agradável. Não para os dez mais de 1994, mas, mesmo assim, um terceiro lugar nesta lista ridícula que foi parida pelos colegas.

Ulisses: Metal germânico de qualidade, com temática bucaneira, ótimos riffs e ritmo galopante. O registro é bem consistente (alguns dirão repetitivo), mas possui seus destaques: “Soulless”, “Freewind Rider”, “Dragonmen” e a épica “Genesis (The Making and the Fall of Man)” são muito boas; em suma, é um disco bom e honesto de puro speed metal – prova de que nem todo produto pirata é ruim.


08 Mother Head's Family Reunion

Richie Kotzen – Mother Head’s Family Reunion (35 pontos) *

Alissön: Disco simpático de hard rock com certa influência de funk nos vocais e nas linhas de baixo. Vibe de pub acompanhado de um chopp com os amigos em uma sexta-feira à noite, depois do esporro que tomou do chefe no serviço.

André: Kotzen nunca foi lá um guitarrista que me arrancasse muitos suspiros como a certos senhores que escrevem para nosso site, mas ele me traz bons momentos. Desses discos de guitarristas, sempre tive uma preferência maior por Joe Satriani. Ouvi dizer que este álbum é o melhor de Kotzen, que já teve seus momentos em bandas famosas como Poison e Mr. Big. O disco é bem hard rock, com uma pegada recheada de ritmos negros tais como blues, soul e funk. Kotzen manda muito bem nos vocais.  As canções também são cheias de backings femininos. Gostei muito de “Reach Out I’ll Be There”e os solos de guitarra cheios de feeling desse sujeito. Mesmo quando dá suas fritadas, não fica só punhetando técnica. Caralho, que disco surpreendente, gostei muito de ouvi-lo do início ao fim.

Bernardo: Não tive muita paciência nem vontade para persistir até o final, mas gostei do cover de “Reach Out, I’ll Be There”, de um dos grandes grupos vocais da Motown.

Bruno: Blues rock bacaninha, mas bem genérico. Não gosto do Richie Kotzen e acho que haviam coisas do gênero muito mais legais sendo feitas.

Davi: Excelente guitarrista, excelente compositor, excelente showman. Descobri o trabalho de Kotzen quando ele integrou o grupo Poison. Fez apenas um disco com os caras, o excelente Native Tongue (1993), mas lembro que foi depois que assisti o VHS Seven Days Live (1993) que reparei o quão talentoso ele era. Me questionava se estava na banda certa. Gosto do Poison, mas eles faziam um glam rock festeiro e a pegada de Kotzen trazia bastante influência de blues, era um músico que gostava de bastante improviso. Não achava que ali era o lugar ideal para isso. Mother Head’s foi o primeiro trabalho que fez após sua saída do grupo de Bret Michaels. Aqui, deixava nítida todas as suas influências: rock, blues, funk, fusion e soul. Todos esses gêneros cruzavam de certa forma dentro de suas composições. O repertório é forte, consistente e cheio de canções emblemáticas, como “Socialite”, “Mother Head’s Family Reunion” e “Testify”, além de uma belíssima versão de “Reach Out I’ll Be There”, dos Four Tops. Discaço!

Diogo: Não é segredo para ninguém meu apreço enorme pela música feita por Richie Kotzen em qualquer projeto no qual tenha participado, com especial ênfase para sua magnífica carreira solo, que demonstra o talento gigantesco de um guitarrista e vocalista que, ora fazendo todo o trabalho sozinho, ora focando mais nas seis cordas, passeia por quase todo o panteão da música norte-americana popularizada no século XX. Dito isso, creio que Mother Head’s Family Reunion seja justamente o melhor álbum para apresentar a um novato a capacidade de Richie em amalgamar a seu hard rock o melhor que a negritude de seu país produziu, tudo na mais perfeita harmonia. Blues, funk, jazz, gospel, soul… e digo mais! Subgêneros entre esses gêneros, pois tanto o soul da Motown quanto o da Filadélfia se fazem presentes em Mother Head’s Family Reunion. Quem prefere uma sonoridade mais “pegada” tem em “Socialite”, “Natural Thing”, “Testify”, “Cover Me” e na faixa-título pratos cheios e saborosos. Os fanáticos por baladas recheadas de paixão e interpretadas por uma voz que sabe dosar a intensidade das emoções têm em “Where Did Our Love Go”, “Soul to Soul” e “A Love Divine” amostras de uma arte que Richie já dominava como poucos, mas na qual ainda se aperfeiçoaria mais. Mais? Sim, pois Mother Head’s Family Reunion pode ser a porta de entrada ideal, mas suas melhores obras ainda estavam por vir, talvez mais pessoais e herméticas, mas cada vez mais geniais.

Eudes: Rock espontâneo, músicos claramente se divertindo, canções inventivas e enérgicas. Porra, como passei 20 anos sem conhecer isto! Um alívio para o rock marcial e militarizado do tipo thrash e death metal, e um bom motivo par fazer um churrasco e convidar os amigos. Ponto para os consultores!

Fernando: É difícil para muita gente acreditar que o trabalho de um cara que foi guitarrista do Poison é de alta qualidade. Ele também esteve com o Mr. Big em uma fase que muitos adoram, mesmo assim isso não impressiona quem apenas analisa esse curto currículo. Mas o cara é bom mesmo em sua carreira solo, que é impressionantemente bem mais prolífica do que a que ele teve nessas bandas. São cerca de 20 álbuns e nem mesmo aqueles ouvintes que romperam o preconceito descrito acima consegue conhecer tudo. Nunca havia me atentado a este álbum e gostei de cara. Vai ser um daqueles discos que vou ouvir com frequência pelos próximos dias. Em tempo… meu álbum preferido dele é What Is… (1998).

Flavio: Um disco que passou despercebido na minha lista. Ao ouvir Richie Kotzen neste álbum, percebe-se um excelente trabalho que mistura rock clássico, hard rock, soul e funk (não o carioca), A banda é excelente e o baterista está soberbo no disco todo. Posso destacar a música de abertura, a rápida “Testify”, as baladas “Where Did Our Love Go”, “Soul to Soul” e ótima regravação de “Reach Out I’ll Be There”. Um álbum merecedor de estar entre os dez mais e uma grata surpresa.

Leonardo: Belíssimo disco do guitarrista norte-americano. Após sair do Poison, Kotzen reuniu músicos do gabarito do baterista Atma Anur e do baixista  John Pierce e gravou ele mesmo as guitarras e diversos outros instrumentos em um disco que fundia hard rock, soul e até pitadas de funk e jazz. O resultado foi excepcional, com uma clima da Motown setentista irresistível.

Mairon: Este é o primeiro disco de Richie Kotzen depois de participar do Poison. Apesar de não curtir muito a voz do guitarrista, deu para se embalar no suíngue de “Socialite”, “Cover Me” e “Reach Out I’ll Be There”, coverzaço que ficou um pouco abaixo da versão original dos Four Tops por conta do excesso de virtuosismo no solo de Kotzen. Entretanto, não suportei as baladas whitesnakeanas “Soul to Soul” e “Where Did Our Love Go”. David Coverdale fazia material de mais qualidade sem soar tão choroso e “meigo”, para não dizer outra coisa. Aliás, em termos de balada, “A Woman & a Man” é tão açucarada que as caixas de som ficaram com diabetes… Não dá para negar a técnica do cara, só que, no geral, achei o disco mediano e sem nenhum valor adicional para estar entre os dez mais, a não ser o fato do autor do disco ser o queridinho do dono dessas listas de melhores. Assim é fácil entrar entre os dez…

Ulisses: Desconheço a carreira solo do Kotzen. Antes de ouvir Mother Head’s, meu único contato com ele até então havia sido através do excelente debut do The Winery Dogs (2013), no qual ele se mostra dono de uma ótima voz e de uma técnica de guitarra soberba, aguentando tranquilamente a peleja com um mestre do baixo (Billy Sheehan) e outro da bateria (Mike Portnoy). Em Mother Head’s Family Reunion, acompanhado de mais uma ótima cozinha, ele me impressionou mais uma vez: uma mistura enérgica de hard rock, blues e funk. O cara tem um gingado monstro, evidenciado em petardos como a abertura, “Socialite”, “A Love Divine” e o cover do Four Tops, “Reach Out I’ll Be There”. Discaço!


09 Grace

Jeff Buckley – Grace (33 pontos)

Alissön: Daqueles discos “deprê” que adoramos ouvir em dias nublados e em momentos melancólicos. Brincadeiras à parte, é um belíssimo registro. Sentimental, profundo, mas que não apela para baladas acústicas, violão solitário ou arranjos simples para encantar as audiências. Tem rock alternativo, blues, influências de folk e muito coração partido em um disco rico tanto sonoramente quanto poeticamente. E o cover de “Hallelujah”, do mestre Leonard Cohen, é apenas a cereja no bolo. Seria bacana poder ter visto a carreira desse sujeito alçando voos mais altos, mas…

André: Nunca havia ouvido nada de Jeff Buckey. Já tinha ouvido falar, conhecia sua morte trágica, mas nunca havia ouvido uma única canção dele. Ou se ouvi, não lembro. Porém, ao botar o álbum para tocar, fiquei com uma sensação de nada. Há algumas influências de ritmos negros, principalmente nos vocais, uma musicalidade honesta, mas que não me tocou, não me impressionou e não me transmitiu nenhum tipo de reação. Músicas vagarosas, vocais que variam do tristonho, com momentos românticos, com momentos em que solta uns agudos, mas… nada de nada. Para um cara que foi elogiado por tantos figurões grandes do rock, eu realmente esperava muito mais.

Bernardo: O único álbum de uma das figuras mais únicas dos anos 1990. O filho de Tim Buckley, uma das figuras mais singulares da música dos anos 1970, fez um dos discos mais marcantes de sua geração, se equilibrando entre rock e folk, peso e delicadeza, com o seu talento vocal e ecletismo provando ser uma combinação arrebatadora, seja em seu material autoral, em canções como “Last Goodbye” e “So Real”, seja em suas regravações – caso de “Lilac Wine”, famosa na voz de Nina Simone, e “Hallelujah”, de Leonard Cohen, tornando com seus falsetes a música do canadense ainda mais intensa. Uma obra-prima da geração X, uma pena que o autor não tenha vivido para colher os louros do reconhecimento.

Bruno: Até gosto, mas não acho tão absurdo como tantos pregam. Talvez a morte trágica e precoce tenha alavancado o legado do cara para um patamar maior do que merece. Mas polêmicas à parte, as canções são boas e a execução competente.

Davi: Não é somente no Brasil que neguinho tem costume de sair comprando disco logo após o artista morrer subitamente. Jeff Buckley é um desses exemplos. Quando foi lançado, o álbum passou meio batido, embora tenha recebido elogios da critica. Depois da sua morte, em 1997, o único disco feito pelo filho de Tim Buckley passou a ser cultuado. Embora ache o culto em torno do CD um pouco exagerado, o disco realmente é bom. Jeff conseguia transmitir uma enorme emoção tanto na guitarra quanto na parte vocal, mas as viagens dele me cansam um pouco. Faixas de destaque: “Mojo Pin”, “Last Goodbye” e a versão de “Hallellujah” (Leonard Cohen).

Diogo: Caso todas as canções de Grace fossem tão boas quanto sua faixa-título, este disco deveria ocupar a posição mais alta desta lista. A excelência dos arranjos, a sensibilidade da interpretação de Jeff, cada detalhe é embasbacante. Ok, o álbum todo não mantém o nível tão elevado, mas várias outras músicas são ótimas, justificando com sobras a presença de Grace por aqui. Os covers para “Lilac Wine” e “Hallelujah” são dois ótimos exemplos da falta que seu talento faz, ceifado por uma morte carregada de simbolismo, afogado em um canal do rio Mississipi, cujas margens, que serpenteiam grande parte do território norte-americano, foram berço de estilos musicais que Jeff tão bem soube aplicar na construção de sua sonoridade, carregada de folk, soul, blues e rock. Chegou a fazer parte de minha lista e não entrou por pouco, mas sua presença aqui é digníssima e me deixou bastante contente.

Eudes: Há pecados dos quais não se pode redimir. O melhor disco de rock dos últimos 25 anos não mereceu o pódio na opinião dos consultores! Vergonha! Ainda mais quando o primeirão é o chatérrimo Dream Theater. É de perder a fé na humanidade! Antes deste álbum solitário na discografia (o resto que foi editado são compilações de sobras e faixas ao vivo), Buckley já tinha gente como Jimmy Page a seus pés. E não é pra menos, o disco ecoa tudo que de significativo se tinha produzido no rock desde os anos 1960, sem ser nunca uma mera emulação dessas sonoridades clássicas. Ao colocar o álbum para rodar, é inevitável aquela sensação entre a familiaridade e um profundo estranhamento. E nem precisa ouvi-lo todo. Já em “Mojo Pin”, faixa de abertura, seu espírito será levado em menos de seis minutos por uma viagem por todas as paisagens da história do rock. “Lilic Wine” captura aquele espírito entre o hard e o soft, intensidade e silêncio que só gente como George Harrison era capaz, e o clima geral do LP obedece a máxima pageana de reafirmar a personalidade sem se repetir jamais. Nem a dispensável cover de “Hallelujah” reduz a genialidade da obra. Jeff morreu inusitadamente, tragado por uma onda enquanto tomava banho em um rio (onde já se viu?) e nos privou do que seria sua música caso estivesse entre nós, mas talvez tenha sido o preço a pagar por deixar o ainda indecifrável Grace.

Fernando: Como nunca havia ouvido nada de Jeff Buckley, pesquisei sobre ele e de cara vi que ele gravou apenas dois discos e morreu antes de completar o segundo. Ainda não consegui ouvir tudo, mas já deu pra perceber que o material é de alta qualidade.

Flavio: Normalmente tenho muita dificuldade para entender os discos tidos como rock alternativo e suas vertentes. Não consigo captar a genialidade envolvida em canções que entendo como normais, com uma pitada de instrumentos diferentes ou efeitos esquisitos. Grace é um cultuado álbum desse estilo que não me chama a atenção, senão por alguns detalhes que não me farão colocá-lo entre meus preferidos. Este disco ganhou um pouco mais de atenção porque é o único do artista, que morreu tragicamente três anos mais tarde, antes de lançar seu segundo álbum. Vamos então aos detalhes positivos: o disco é muito bem gravado e o vocal de Jeff é bem afinado, com um ótimo e agradável timbre. Além disso, percebe-se que Jeff canta de forma muito suave principalmente nas baladas, como “Lilac Wine” e “Lover, You Should’ve Come Over”, que foram as que gostei mais. Em compensação, o tom mais alternativo, como em “So Real” e “Dream Brother”, não me conquistam. Um disco mediano apenas, sem brilho suficiente para estar em uma lista de dez mais do ano.

Leonardo: Não conhecia o trabalho do guitarrista, e fiquei impressionado com este disco. Arranjos fortes, vocais emotivos e um ótimo trabalho de guitarra, com riffs e texturas agradabilíssimas.

Mairon: Agradável surpresa este disco. Canções amenas e gostosas de ouvir, com os vocais doces de Buckley e uma boa banda de acompanhamento, das quais gostei da faixa que abre o disco, “Mojo Pin”, a insanidade psicodélica de “So Real”, o romantismo de “Lover, You Should’ve Come Over”, além de destacar com alegria os arranjos de “Grace”. Ouvi um pouco de U2 em “Last Goodbye” e “Eternal Life” (ou seria um pouco de Jeff Buckley nas músicas do U2 pós-Pop?), e [email protected] [email protected], que coisa linda essa versão de “Hallelujah”. Uma pena que este tenha sido o único lançamento desse cantor norte-americano. Imagina o que ele não poderia fazer com mais experiência em sua carreira. Baita voz. Não conhecia e não incluiria ele na minha lista de melhores depois dessa audição, mas valeu a experiência. Tomara que esteja entre o top 3.

Ulisses: Que vozeirão, hein? O CD inteiro é banhado não só nessa voz incrível, mas também em ótimas composições; desde baladas suaves e melancólicas (“Corpus Christi Carol”) até alt rocks como “Eternal Life”. Na verdade, este é um álbum em que preferi as partes lentas ao invés das pesadas. A própria “Eternal Life” soa meio deslocada, sendo desnecessária sua presença ao lado, por exemplo, dos excelentes covers de “Hallelujah” e “Lilac Wine”. Os momentos intensos de “Dream Brother” soam bem melhores, também. Ótimo disco.


10 Master of the Rings

Helloween – Master of the Rings (30 pontos)

Alissön: Power metal, vocês já sabem o que acho do estilo. Este não foge a regra.

André: Surpresa ver este disco aqui, ainda por cima sabendo que entrou sem voto meu, que adoro a banda. Não imaginava que gostavam tanto dele. Agora minhas esperanças que The Time of the Oath (1996) e Better than Raw (1998), que são discos que considero até melhores do que este, entrem em seus respectivos anos (duvido mesmo que meu favorito, Keeper of the Seven Keys: the Legacy entre em 2005…). Estreia de Andi Deris, vocalista que gosto muito, o Helloween optou por fazer um disco mais volta às raízes após o fracasso comercial de Chameleon, de 1993 (meu favorito da fase Kiske). Gosto de “Why?” e seu hard rock contagiante, mais “The Game Is On” e seu metal com chiptunes e a balada “In The Middle of a Heartbeat”, sendo esta uma das melhores da banda. Talvez o disco que estreou a grande fase na qual o power metal entraria pelos próximos cinco anos.

Bernardo: Primeiro disco que escutei do Helloween. É um começo promissor para Deris, mas pouco empolgante, apesar dos grandes refrãos de “Perfect Gentleman” e “Why?” e da balada “In the Middle of a Heartbeat”. Quem diria que, apesar dos lamentos constantes dos fãs mais tradicionais, Deris iria se firmar tanto e ser o vocalista mais duradouro do Helloween.

Bruno: Não, obrigado.

Davi: Depois do polêmico Chameleon, os alemães do Helloween voltaram ao topo com Master of the Rings. Álbum extremamente sólido que marcava a estreia do (ótimo) Andi Deris nos vocais. A banda dava uma renovada em seu som. Canções como “Sole Survivor” e “Perfect Gentleman” traziam uma sonoridade heavy metal, porém menos power do que seus fãs estavam acostumados. O álbum também flertava com o hard rock em diversos momentos, como na ótima “Why”. Mudança de vocalista é algo sempre polêmico, mas aqui fez bem para o Helloween. Depois de dois álbuns não mais do que ok, o grupo renasceu e entregou um de seus melhores trabalhos.

Diogo: Master of the Rings representa sucesso em algo que muitas vezes não dá certo: a substituição de um vocalista marcante e muito talentoso por outro de menor gabarito. Andi Deris pode não ter a capacidade de Michael Kiske, mas encaixou-se perfeitamente na proposta do grupo desde o início. Aponto dois motivos principais: 1. A banda vinha de dois álbuns que deixaram seus fãs um tanto desorientados, enquanto Master of the Rings, apesar de flertes bem evidentes com o hard rock, retomava em boa parte a sonoridade desenvolvida pelo grupo na segunda metade dos anos 1980, algo evidenciado nas ótimas “Sole Survivor” e “Where the Rain Grows”, destaques maiores deste registro. 2. Andi Deris, mais que um vocalista apto para o posto, é carismático, logo assumindo posição de liderança, além de ser um bom compositor e não ter tentado emular Kiske em momento algum. Mais um detalhe importantíssimo: Ingo Schwichtenberg era um ótimo baterista, certamente um dos grandes em se tratando de power metal, mas seu substituto, Uli Kusch, fez um serviço ainda melhor, mais técnico e dinâmico, performance que seria superior em álbuns posteriores com o grupo.

Eudes: Bom disco metal de sonoridade padrão, mas que dá pra bater o pé e tomar umas geladas naquelas noites de sexta-feira em que a gente não tem pra onde ir. Não é pouco. “Mr. Ego”, em  sete minutos de clichês hard-metal e teclados cafonas, é uma coisa muito divertida e já vale os reais gastos no CD e, quem sabe, até a inclusão do disco nesta lista.

Fernando: Até hoje eu não consigo me lembrar por que não havia ouvido Master of the Rings até ter saído The Time of the Oath. Acho que, com a saída de Michael Kiske, acabei virando as costas para a banda. Quando fui ouvir, acabei achando que ele tinha uma ligação com a obra de J.R.R. Tolkien, o que não era verdade. “Sole Survivor” é uma das melhores músicas da banda.

Flavio: Após dois lançamentos – Pink Bubbles Go Ape (1991) e Chameleon – que haviam fugido do estilo tradicional da banda e afugentado os fãs, o Helloween, após dispensar o vocalista Michael Kiske (ou ele se demitir) voltou ao estilo consagrado em Master of the Rings. Dessa forma, o instrumental se aproxima dos clássicos Keeper of the Seven Keys I (1987) e II (1988), principalmente em “Where the Rain Grows”, “The Game Is On” e “Still We Go”. Para os fãs do estilo (assim como eu), era um passo para se comemorar, porém falta algo: falta Kiske. Apesar de Andi Deris se esforçar e cantar razoavelmente bem no estúdio (ao vivo há falhas notórias), a comparação é inevitável. Talvez eu seja um fã maior de Kiske do que o próprio Helloween, então a perda foi muito grande. O que aconteceu? Perdi o interesse pela banda desde então. Como classificar Master of the Rings? Um disco empalidecido pelo fantasma da fase clássica anterior, que agrada aos fãs da banda que não sentem tanto a falta de Kiske e que, de forma alguma, se justifica nesta lista de melhores de 1994.

Leonardo: O renascimento do Helloween. Depois de um disco decepcionante e da saída do vocalista Michael Kiske, parecia que só um milagre poderia salvar a carreira da banda. E ele veio. Com a entrada do vocalista e compositor Andi Deris e do baterista Uli Kusch, a banda praticamente ressurgiu das cinzas com um disco fortíssimo. O timbre e o estilo do novo cantor eram bem diferentes de seu antecessor, mas caíram como uma luva nas novas músicas do grupo, que fundiam o metal clássico da banda à malicia do hard rock. Muitos grupos seguiriam os passos do Helloween, mas pouquíssimos com a mesma classe.

Mairon: A estreia de Andi Deris foi aguardada pelos fãs do Helloween. Depois de dois discos fracos – Chameleon e Pink Bubbles go Ape –, a esperança era que os alemães se renovassem e fizessem algo do tamanho da grandiosidade dos ótimos Keeper of the Seven Keys (I e II). O álbum começa muito bem, com as velozes “Where the Rain Grows” e “Sole Survivor”, mas peca no hard farofa “Why?”. Daí o disco caí no desespero de quem esperava algo pelo menos parecido com “I’m Alive” ou “Eagle Fly Free”. “Perfect Gentleman” e “Mr. Ego (Take Me Down)” são vaidosas passagens pelas piores visões do metal melódico, com tecladinhos insuportáveis, andamento arrastado, letra ridícula e refrãos tinhosos. “Take Me Home”, com seu ritmo à la Van Halen, é uma luz nas sombras musicais perigosas que a cercam, assim como a boa “Still We Go”, que encerra o álbum com velocidade e bons solos de guitarra. “Secret Alibi” é simplesmente uma das coisas mais insuportáveis que já ouvi advinda de uma banda consagrada como o Helloween – daqui nasceram bombas como Nightwish, só pode. A balada “In the Middle of the Heartbeat” é totalmente desnecessária (Bon Jovi consegue ser melhor que isso). Pior ainda é o que acontece em “The Game Is On”, na qual os teclados oitentistas tomam conta. Terrível, simplesmente terrível. Um disco fraquinho, mas, como esses consultores aqui são todos acéfalos e metaleiros, entrou na lista. Só resta criticar, e lamentar que esse sujeito Andi Deris tenha sido o escolhido para substituir uma das maiores vozes do metal.

Ulisses: Após os controversos Pink Bubbles Go Ape e Chameleon, o Helloween ficou em uma situação complicada, fato que se agravou com a expulsão de Ingo Schwichtenberg e a saída de Michael Kiske. Mas eles conseguiram virar o jogo: com a chegada de Andi Deris no vocal e Uli Kusch na bateria, o Helloween lançou Master of the Rings, dando início a uma nova (e bem-sucedida) fase. Deris não traz as mesmas peripécias vocais de Kiske, mas seu estilo é perfeito para o som um pouco mais hard rock que o Helloween passou a adotar em sua chegada, como se ouve em “Why?”. Mas gosto mesmo é das faixas mais pesadas, caso da dobradinha “Sole Survivor” e “Where the Rain Grows” e da finaleira “Still We Go”.


* Black Hand Inn (Running Wild) ficou empatado com Mother Head’s Family Reunion (Richie Kotzen), ambos com 35 pontos. Como não foi possível aplicar nenhum critério de desempate, a decisão sobre qual ocuparia a sétima posição foi tomada através de uma enquete na qual participaram todos os colaboradores da série.


Listas individuais

Alissön Caetano Neves

  1. Melvins – Stoner Witch11 Far Beyond Driven
  2. Pantera – Far Beyond Driven
  3. Grief – Come to Grief
  4. The Obsessed – The Church Within
  5. Prodigy – Music From the Jilted Generation
  6. Korn – Korn
  7. Buzzov-en – Sore
  8. Corrosion of Conformity – Deliverance
  9. Mayhem – De Mysteriis Dom Satanas
  10. Today Is the Day – Willpower

André Kaminski

  1. Dream Theater – Awake12 No Need to Argue
  2. Melvins – Stoner Witch
  3. The Cranberries – No Need to Argue
  4. Memento Mori – Life, Death and Other Morbid Tales
  5. Running Wild – Black Hand Inn
  6. Dead Flowers – Altered State Circus
  7. The Enid – Tripping the Light Fantastic
  8. Headhunter – Rebirth
  9. Widowmaker – Stand By for the Pain
  10. Kyuss – Kyuss (Welcome to Sky Valley)

Bernardo Brum

  1. Nick Cave and the Bad Seeds – Let Love In13 Let Love In
  2. Nas – Illmatic
  3. Nine Inch Nails – The Downward Spiral
  4. Portishead – Dummy
  5. Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos
  6. Jeff Buckley – Grace
  7. Manic Street Preachers – The Holy Bible
  8. The Notorious B.I.G. – Ready to Die
  9. Pavement – Crooked Rain, Crooked Rain
  10. Oasis – Definitely Maybe

Bruno Marise

  1. Weezer – Weezer14 Weezer
  2. Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos
  3. The Notorious B.I.G. – Ready to Die
  4. Acid String – When the Kite String Pops
  5. John Frusciante – Niandra Lades and Usually Just a T-Shirt
  6. Machine Head – Burn My Eyes
  7. Frank Black – Teenager of the Year
  8. Corrosion of Conformity – Deliverance
  9. Nick Cave and the Bad Seeds – Let Love In
  10. Pantera – Far Beyond Driven

Davi Pascale

  1. Mötley Crüe – Mötley Crüe15 Vitalogy
  2. Pearl Jam – Vitalogy
  3. The Rolling Stones – Voodoo Lounge
  4. The Black Crowes – Amorica
  5. Richie Kotzen – Mother Head’s Family Reunion
  6. Bruce Dickinson – Balls to Picasso
  7. Dream Theater – Awake
  8. Madonna – Bedtime Stories
  9. Soundgarden – Superunknown
  10. Megadeth – Youthanasia

Diogo Bizotto

  1. Richie Kotzen – Mother Head’s Family Reunion16 From Now On
  2. Mötley Crüe – Mötley Crüe
  3. Glenn Hughes – From Now On…
  4. Green Day – Dookie
  5. Queensrÿche – Promised Land
  6. Mayhem – De Mysteriis Dom Satanas
  7. Testament – Low
  8. Cannibal Corpse – The Bleeding
  9. BBM – Around the Next Dream
  10. Emperor – In the Nightside Eclipse

Eudes Baima

  1. Jeff Buckley – Grace17 Damage
  2. Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos
  3. Sylvian/Fripp – Damage
  4. Soundgarden – Superunknown
  5. BBM – Around the Next Dream
  6. Mundo Livre S/A – Samba Esquema Noise
  7. Portishead – Dummy
  8. Ali Farka Touré with Ry Cooder – Talking Timbuktu
  9. Tom Petty – Wildflowers
  10. Tom Jobim – Antônio Brasileiro

Fernando Bueno

  1. Bruce Dickinson – Balls to Picasso18 Point Blank
  2. Dream Theater – Awake
  3. Megadeth – Youthanasia
  4. Helloween – Master of the Rings
  5. Nailbomb – Point Blank
  6. Pride & Glory – Pride & Glory
  7. Michael Sweet – Michael Sweet
  8. Mercyful Fate – Time
  9. Gotthard – Dial Hard
  10. Pantera – Far Beyond Driven

Flavio Pontes

  1. Dream Theater – Awake19 Cross Purposes
  2. Black Sabbath – Cross Purposes
  3. Queensrÿche – Promised Land
  4. Megadeth – Youthanasia
  5. Alice in Chains – Jar of Flies
  6. Soundgarden – Superunknown
  7. Bruce Dickinson – Balls to Picasso
  8. Marillion – Brave
  9. Yngwie Malmsteen – The Seventh Sign
  10. Pink Floyd – The Division Bell

Leonardo Castro

  1. Running Wild – Black Hand Inn20 Tales from the Thousand Lakes
  2. Helloween – Master of the Rings
  3. Mötley Crüe – Mötley Crüe
  4. Amorphis – Tales from the Thousand Lakes
  5. Skyclad – Price of the Poverty Line
  6. Savatage – Handful of Rain
  7. Talisman – Humanimal
  8. The 3rd and the Mortal – Tears Laid on Earth
  9. Testament – Low
  10. Megadeth – Youthanasia

Mairon Machado

  1. Quaterna Requiem – Quasímodo21 Quasimodo
  2. Slayer – Divine Intervention
  3. Glenn Hughes – From Now On…
  4. BBM – Around the Next Dream
  5. Pink Floyd – The Division Bell
  6. The Rolling Stones – Voodoo Lounge
  7. Madonna – Bedtime Stories
  8. R.E.M. – Monster
  9. Eric Clapton – From the Cradle
  10. Black Sabbath – Cross Purposes

Ulisses Macedo

  1. Megadeth – Youthanasia22 The Division Bell
  2. Dream Theater – Awake
  3. Pink Floyd – The Division Bell
  4. Riot – Nightbreaker
  5. Korn – Korn
  6. Soundgarden – Superunknown
  7. Pantera – Far Beyond Driven
  8. Black Sabbath – Cross Purposes
  9. Killing Joke – Pandemonium
  10. Kyuss – Kyuss (Welcome to Sky Valley)



117 Comentarios

  1. Depois dessa lista, acho que vou ter que começar a levar o teor dos meus comentários para o lado da zoeira, porque foi difícil falar algumas coisas de uns discos presentes aí kkkkk

  2. Antonio Marcos disse:

    Péssima lista,decepção total. Não pode ser levada a sério. Se fossem consideradas as citações de Bernardo Brum, Eudes Baima e Mairon Machado, a lista teria muita mais qualidade em relação aos álbuns lançados em 1994.

    • maironmachado disse:

      Obrigado Antonio. Lista forjada a ferro metálico, muito fraca e sem representação nenhuma.

    • Diogo Bizotto disse:

      As citações dessas três pessoas foram consideradas, Antonio Marcos, tanto quanto as dos outros nove. Todos os discos mencionados ganham pontos conforme o critério sempre apresentado na introdução de cada edição da série, mas apenas os que somam mais pontos entram no top 10.

      • Adriana disse:

        Poi zé, Antonio, são 3 ou 4 listas diversificadas e 7 ou 8 listas de redbenze, aí dá nessas marmota

  3. eudes baima disse:

    A lista pode ter muitos defeitos, desdenhar Grace é o principal, mas tem um mérito inegável: não incluiu Division Bell.

    • maironmachado disse:

      Desdenhar Grace é muito infantil. Ótimo disco!

    • Diogo Bizotto disse:

      Desdenhar “Grace”, Eudes? Grosso modo, contabilizei oito opiniões positivas em relação ao disco entre as 12, sendo que as outras quatro não chegam a ser verdadeiramente negativas.

  4. Diogo Maia de Carvalho disse:

    Os meus discos preferidos deste ano que considero o pior da década de 90 para a música não estão na lista, para a minha surpresa: Pantera, Pink Floyd e Black Sabbath, principalmente este último, que conta com o melhor baterista que já passou pela banda: Bobby Rondinelli.

  5. André Kaminski disse:

    O mais hilário da lista é que nunca sabemos quando o Mairon vai elogiar ou xingar um disco. Elogiou o Mötley Crüe e xingou o Kotzen, quando achei que faria o contrário.

    Além de xingar nós mesmos pelas nossas escolhas hahahahahahahahahahahahahahaha.

  6. Marco Gaspari disse:

    Chico Science é o ponto alto. O ponto baixo é aquele interminável cerzido com agulha enferrujada e nem preciso citar quem é. Já li lista de mortos em acidente aéreo muito mais interessante do que esta.

  7. Caio disse:

    Acho esse chico siense um porre, tem cara de humanas.

  8. Tiago disse:

    Melhor que a última lista, apesar de ainda ser focada demasiadamente no metal.
    Muito boa a inclusão de Chico Science.
    E obrigado por não colocarem o superestimado Division Bell na lista, embora eu espere, talvez, que alguém mencione Broken China em 1996, um disco bem mais trabalhado e honesto.

  9. maironmachado disse:

    “cujo riff de guitarra foi chupinhado por Bento Hinoto, no Mamonas Assassinas” – Estará o Mamonas na lista de 95?

  10. Matheus disse:

    1994 foi o melhor ano em quesito de lançamentos na década de 90. Vários discaços.

    Só acho bizarro Balls to Picasso, Master of the Rings e um disco do Running Wild entrarem ao invés de discos claramente superiores e mais importantes como Superunknown, Downard Spiral e os debuts do Oasis e do Korn.

    Mas tbm me surpreendi positivamente por emplacaram Grace, Stoner Witch e do Motley Crue com o Corabi nos vocais (baita disco subestimado).

  11. maironmachado disse:

    ” Chato, insípido, insosso, prepotente, cansativo, maçante, irritante, sonolento.” = PERFEITO!

  12. maironmachado disse:

    Pelo menos o Mötley ficou entre os três mais. Era o mínimo nessa lista terrível!

  13. eudes baima disse:

    Outro acerto gigante: ignorar os insípidos, inodoros e transparentes Oasis.

  14. José Leonardo G. Aronna disse:

    Minha lista:

    Neil Young & Crazy Horse – Sleep With Angels
    Nick Cave & The Bad Seeds – Let Love In
    BBM – Around the Next Dream
    Pink Floyd – The Division Bell
    The Rolling Stones – Voodoo Lounge
    Bruce Dickinson – Balls To Picasso
    David Bowie – The Buddha of Suburbia
    Yes – Talk
    The Cult – The Cult
    Alice Cooper – The Last Temptation

  15. eudes baima disse:

    From the Cradle, de Eric Clapton podia ser votado?

  16. maironmachado disse:

    Minha lista de discos do 11° ao 20°

    11. YES – TALK
    12. MOTLEY CRUE – MOTLEY CRUE
    13. BLACK CROWES – AMORICA
    14. ALLMAN BROTHERS – WHERE IT ALL BEGINS
    15. ALICE COOPER – THE LAST TEMPTATION
    16. MEGADETH – YOUTHANASIA
    17. NEY MATOGROSSO – ESTAVA ESCRITO
    18. ZZ TOP – ANTENNA
    19. SAGRADO CORAÇÃO DA TERRA – GRANDE ESPÍRITO
    20. VIPER – COMA RAGE

    • maironmachado disse:

      Outros bons discos desse ano

      RAIMUNDOS – RAIMUNDOS
      ENIGMA – THE CROSS OF CHANGES
      JEFF BUCKLEY – GRACE
      DAVE MATTHEWS BAND – UNDER THE TABLE AND DREAMING
      NAILMBOMB – POINT BLANK
      LYNYRD SKYNYRD – ENDANGERED SPECIES
      THE CULT – THE CULT
      UAKTI – I CHING
      PARALAMAS DO SUCESSO – SEVERINO
      PEARL JAM – VITALOGY

  17. maironmachado disse:

    Surpreso que SÓ EU votei no Divine Intervention. Dava como certo na lista final. E novamente, R. E. M. totalmente desprezado. Um baita disco que se quer deve ter passado na agulha dos toca-discos desses consultores do METÁU!!

    • Diogo Bizotto disse:

      “Divine Intervention” é um bom disco, que inclusive oscilou entre as posições de baixo da minha lista mas acabou caindo, assim como “Youthanasia”. Só que essa produção seca e sem punch do Toby Wright acaba baixando o nível do disco sensivelmente, apesar de ótimas músicas, como “213” e a faixa-título.

  18. maironmachado disse:

    Mais vezes na Primeira Posição:

    2 vezes na primeira posição: Deep Purple, Experience, Led Zeppelin, Pink Floyd e Metallica, Megadeth e Guns N’ Roses

    1 vez na primeira posição: Bob Dylan, Iron Maiden, Van Halen, Black Sabbath, The Beatles, Yes, Beach Boys, King Crimson, Rainbow, David Bowie, Rush, Charlie Mingus, Dio, Queensryche, Faith No More, Carcass, Dream Theater e RPM

  19. maironmachado disse:

    Bandas que apareceram mais entre os 10 primeiros (em ordem)

    Black Sabbath – 10 vezes

    Rolling Stones – 8 vezes

    Pink Floyd, Beatles, Rush, Iron Maiden e Led Zeppelin – 7 vezes

    Kiss, Bob Dylan, David Bowie, Judas Priest e Yes – 6 vezes

    Bruce Springsteen, Slayer, Metallica – 5 vezes

    Neil Young, King Crimson, Megadeth, Deep Purple – 4 vezes

    The Who, Yardbirds, Anthrax, Genesis, Experience, Rainbow, Ramones, Queensryche, Sepultura, Helloween, Guns N’ Roses – 3 vezes

    Dream Theater, Mötley Crüe, Bon Jovi, ELP, Cream, Gentle Giant, Zombies, Jethro Tull, Velvet Underground, John Coltrane, Beach Boys, Van der Graaf Generator, Jeff Beck, Kraftwerk, Queen, Accept, Manowar, Van Halen, AC/DC, Thin Lizzy, Ozzy Osbourne, Michael Jackson, Mercyful Fate, Faith No More, Alice in Chains, Tom Waits, Dio, Marillion, The Cult, Pixies, Viper, Skid Row, Nirvana, Pantera, Aerosmith, U2, ., Sonic Youth, Living Colour, Death e The Byrds – 2 vezes

    Melvins, Bruce Dickinson, Chico Science e Nação Zumbi, Jeff Buckley, Richie Kotzen, Runnig Wild, Mutantes, Secos & Molhados, Julian Bream, Funkadelic, Bad Company, Camel, Jorge Ben, Arnaldo Baptista, Wings, Captain Beyond, Tangerine Dream, Stevie Wonder, Joni Mitchell, Simon & Garfunkel, Derek & The Dominos, Free, George Harrison, Animals, Blind Faith, Hollies, Santana, Big Brother & The Holding Company, Moody Blues, Leonard Cohen, Small Faces, Crosby Stills Nash & Young, The Band, Buffalo Springfield, The Kinks, Donovan, John Mayall, The Ventures, Sam Cooke, Roy Orbison, Miles Davis, The Doors, Eduardo Rovira, Duke Ellington, Charles Mingus, Kansas, Lynyrd Skynyrd, Motörhead, Supertramp, Steve Howe, The Clash, Joy Division, Stooges, Black Flag, Tygers of Pan Tang, Journey, Cock Sparrer, Descendents, Dokken, Exodus, Minutemen, The Replacements, Scorpions, Waterboys, Prince, Candlemass, David Lee Roth, Smiths, Titãs, Celtic Frost, Dinosaur Jr., Def Leppard, King Diamond, Whitesnake, Overkill, Testament, Carcass, Madonna, Morbid Angel, W. A. S. P., Soundgarden, Teenage Fanclub, R. E. M., Type O Negative, The Smashing Pumpkins, Rage Against the Machine, Danzig, Depeche Mode, Angra e RPM – 1 vez

    • maironmachado disse:

      6 novatos em 1994

    • Flavio Remote disse:

      O ranking está bem interessante, provando a importância de uma banda tão rechaçada como o Black Sabbath. Temos 10 indicações em 17 lançamentos até 1994, sem duvidas uma ótima média. Pensando para frente teremos mais dois inéditos e pelo menos um tem grande chance de aparecer por aqui. Já a segunda banda tem 8 em 27, com mais duas possibilidades futuras. É uma média bem inferior. Quanto as melhores médias em discografias, o que acredito ser um critério bem interessante, já que mostraria a a carreira com um todo em sua coesão, temos os destaques Beatles e Led Zeppelin – as duas nunca poderiam passar o Sabbath ou dificilmente as 8 presenças da segunda banda, já que o Zep tem 7 presenças em 8 discos lançados (tirando o CODA, que é uma semi coletânea) e Beatles 7 em 12. Apesar de muita controvérsia a série mostra a força inquestionável dessas que são as maiores de todos os tempos.
      Ficariamos então (percentualmente aos discos existentes na discografia)
      LED – 87,5% ou 77,8 (se incluirmos o CODA)
      BS – 58,9% (até então)
      Beatles – 58,3%

      • Tiago disse:

        Sabbath já entrou em 2013. A série de melhores álbuns acaba antes desse ano.

      • Diogo Bizotto disse:

        Flavio, novamente, obrigado pela participação e pelo interesse na série. Interessante esse panorama que você apresentou. É claro que o Led Zeppelin apresenta grande coesão em sua carreira, mas será que eles conseguiriam manter isso caso a banda durasse mais dez ou 20 anos? É uma resposta que nunca teremos, mas é interessante fazer esse exercício.

        • Flavio Remote disse:

          Eu que agradeço a oportunidade. Estou sempre disponivel a colaborar no site. Quanto ao Zep, também concordo – nãos sabemos o que a banda faria com mais 10, 15 anos de carreira, mas é os Beatles? Também não se encaixam neste panorama?

          • Eudes Baima disse:

            Se o caminho era aquele de ITTOD, pelo menos isso a morte de Bonzo teve de bom, impedir o desastre.

          • Diogo Bizotto disse:

            Certamente se encaixam, e muito, mas muito provavelmente a produção cairia de nível. “Let It Be” já foi uma leve engasgada.

      • Adriana disse:

        Stones com 27 discos, só na Consultoria mermo viu galera rs
        Se tiver incluindo discos do Reino Unido e dos EUA, além de discos de arquivo. teria que fazer com todos, e assim os Beatles teriam pelo menos 21 discos, o Sabbath, 19, e o Led, 9.
        No mais, Sabbath pode ser tudo, menos “rechaçado”.
        E as listas de Melhores faz tempo que, como diria o Batima, não provam nada, provam apenas que metaleiro é metaleiro.

  20. maironmachado disse:

    Votos recebidos pelos primeiros colocados dessa série, em ordem. (sem contar 1990, 1991 e 1992, pois foram perdidos totalmente)

    Physical Graffitti – 173 (12 participantes) 1975
    Holy Diver – 162 (12 participantes) 1983
    Ride the Lightning – 155 (11 participantes) 1984
    Burn – 151 (12 participantes) 1974
    Close to the Edge – 147 (12 participantes) 1972
    Dark Side of the Moon – 142 (12 participantes) 1973
    Appetite for Destruction – 142 (11 participantes) 1987
    Led IV – 137 (10 participantes) 1971
    The Number of the Beast – 137 (11 participantes) 1982
    Moving Pictures – 136 (12 participantes)
    Heaven and Hell – 133 (10 participantes)
    Are You Experienced – 128 (9 participantes) 1967
    The Wall – 120 (10 participantes)
    Master of Puoppets – 120 (11 participantes) 1986
    THe Real Thing – 118 (12 participantes) 1989
    Pet Sounds – 116 (8 participantes) 1966
    In the Court of Crimson King – 111 (8 participantes) 1969
    Operation: Mindcrime – 110 pontos (13 participantes) 1988
    Rising – 109 (11 participantes)
    Countdown to Extinction – 92 (12 participantes) 1992
    Awake – 92 (12 participantes) 1994
    In Rock – 90 (9 participantes) 1970
    Highway 61 Revisited – 90 (7 participantes) 1965
    Electric Ladyland – 81 (8 participantes) 1968
    The Black Saint and the Sinner Lady – 80 (5 participantes) 1963
    Van Halen – 77 (12 participantes) 1978
    Heartwork – 72 (12 paticipantes) 1993
    A Hard Day’s Night – 70 (6 participantes) 1964
    Low – 67 (10 participantes) 1977
    Revoluções por Minuto – 62 (11 participantes) 1985

  21. FabioRT disse:

    Algumas listas pessoais ficaram bacanas. A lista final ficou horrorosa…mas gosto é gosto…Parabéns pelos textos ótimos e divertidíssimos.

  22. André Kaminski disse:

    Só digo que foi merecidíssimo a entrada de Richie Kotzen nessa lista.

  23. Igor Maxwel disse:

    Mais uma lista de melhores de todos os tempos, como sempre nesse época, não teve nenhum disco que me agrada. Dessa lista de 1994, a maior ausência é do Pink Floyd com “Division Bell” na minha opinião o melhor disco do grupo sem o “eterno ditador” Roger Waters no comando. Lembrando que quem comandou o PF depois que ele saiu foi o seu grande parceiro, o Sr. David Gilmour. E não é que ele deu conta do recado mesmo?

    Minhas citações pessoais de 1994 são os dois discos do pianista Richard Clayderman lançados em nesse ano, os segundos volumes dedicados á música brasileira e a música latina. O primeiro disco citado (MY Brazilian Collection Vol. 2) conta com versões instrumentais de mais hinos clássicos da MPB como “Outra Vez”, “Casa no Campo”, “Como uma Onda”, “Primavera”, “Carolina”, “Começar de Novo” e “Começaria Tudo outra Vez”. O segundo (America Latina, Mon Amour Vol. 2) destaca grandes êxitos latinos como “La Incondicional”, “Gracias a la Vida”, “El Choclo”, “Sus Ojos se Cerraron”, “El Rey”, “La Bikina”, “Maria Bonita” e “Acuarela del Brasil”

    Outra citação é o disco do rei Roberto Carlos de 1994, que inclui músicas como “O Taxista”, “Alô”, “Quando a Gente Ama” e a puramente sacana “Quero lhe Falar do meu Amor”. E por fim, não posso deixar a “Gravadora Cometa” escapar dessa lista, pois em 1994 o Bezerra da Silva lançou o disco “Contra o Verdadeiro Canalha”, cujo destaques são as músicas “Verdadeiro Canalha”, “Pobre Aposentado” e “Malandro Moderno”, ambas com letras que abordam a situação que o nosso Brasil está vivendo em todos os aspectos, desde sabe-se lá quanto tempo.

    • Eudes Baima disse:

      Puxa Igor, Richard Clayderman e Roberto no mesmo disco (Outra Vez) deve ser orgásmico.

      • Igor Maxwel disse:

        Eudes, o disco de Roberto Carlos que tem “Outra Vez” é o de 1977, que também tem “Amigo”, “Falando Sério”, “Solamente una Vez” e uma das que eu e meu pai mais gostamos do RC: “Cavalgada”.

    • maironmachado disse:

      Tem gente falando mal do Division Bell, mas essas duas músicas aqui são melhores que todo o DT, Melvins e Helloween lançados em 94 juntos

      https://www.youtube.com/watch?v=P7YMI39sObY

      https://www.youtube.com/watch?v=7jMlFXouPk8

      • Diogo Maia de Carvalho disse:

        O Division Bell é o meu disco preferido do Pink Floyd sem o Roger Waters. Na minha opinião é subestimadíssimo.

        • Diogo Bizotto disse:

          Mas “Division Bell” ser o disco preferido do Pink Floyd sem Roger Waters é facinho, né??? Basta uma ouvida breve nos outros…

      • Considero o Pink Floyd até o The Wall. A Momentary Lapse of Reason é bizarro e o Division Bell é sonolento demais.

        • Igor Maxwel disse:

          Tirando aquela porcaria do “Atom Heart Mother”, a obra do Pink Floyd é realmente excepcional. Não entendo por que muitos desprezam os 3 derradeiros discos deles (The Final Cut, AMLOR e Division Bell).

          • Tiago disse:

            Vou discordar um pouco… acho a discografia do Pink Floyd regular demais, embora eu goste de praticamente tudo.
            Já começou com o heterogêneo A Saucerful of Secrets, as trilhas sonoras (Obscured by Clouds, embora fraco, é um dos meus álbuns favoritos), Ummagumma e o Atom. Quando chegam no Meddle, a coisa fica sensacional e é assim até o Final Cut. Do Momentary pra frente, o disco segue muito abaixo do nível dos anteriores, não há como relevar. Embora, em um momento ou outro do Division Bell tenha algumas (poucas) músicas fortes.

          • José Leonardo G. Aronna disse:

            Atom >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Final Cut >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Momentary

          • Meddle > TDSOTM > Atom Heart Mother > Wish You Where Here > The Wall só digo isso

          • E isso porque não falei daquela choradeira infernal que é o The Final Cut. Ô disquinho chato!

          • Marco Gaspari disse:

            Com todo o respeito que o Igor Maxwel merece, o disco da vaca, polido com KAOL e lixa 30 e tocado em vitrolinha chinesa com a agulha gasta e o falante estourado, é infinitamente melhor que toda a discografia do Richard Clayderman tocada em equipamento da NASA.

          • Hahahhaha
            Marco Deu uma entrada no peito agora!!
            Sempe achei estranha essa neura do Igos contra o AHM. Eu adoro o disco e acho omais fraco o Ummagumma. Gosto do The Final Cut como mostro noa Discografia Comentada que fiz em parceria com o Mairon. Eu Até pensei em colocar o Division Bell nessa minha lista, mas fui eliminando e acabou saindo. Não entendo o motivo do povo acha o AMLOR tão ruim. Ao menos três músicas dali são ÓTEMAS!

          • Tiago disse:

            Simplesmente porque AMLOR tem “One Slip” e duas partes de “A New Machine”… mas como diria Roger, pelo menos a capa é bonita. É a minha capa favorita da banda.

          • Diogo Maia de Carvalho disse:

            O More e o Final Cut são os únicos discos do Floyd que eu não curto. O disco das medalhas é o pior, inclusive. Chato pra c******.

        • Eudes Baima disse:

          “Obscured by Clouds, embora fraco, é um dos meus álbuns favoritos”. Também é o meu favorito, mas justo por ser dos melhores da banda!

          Gosto de Atom Heart Mother, embora não o coloque entre as culminâncias, sobretudo pela pueril “If” e pela enrolada da faixa final.

          Ummagumma poderia ter sido um dos melhores discos ao vivo da história do rock, com a banda azeitada e um repertório crema de la crema do psicodelismo no disco 2 do álbum. Infelizmente, vem acompanhado pelo chatíssimo exercício de autocomplacência do disco 1 que puxa a média do duplo muito para baixo.

          The Wall é um disco razoável, mas poderia tranquilamente ser um disco simples.

          O que vem depois disso, a partir de 1980, na boa, é pura necrofilia!

      • Eudes Baima disse:

        O que mata o disco são as faixas de rock de arena.

        • Tiago disse:

          “Take It Back”… aquela simulação deprimente de U2.

        • José Leonardo G. Aronna disse:

          More é duca! E quem já viu o filme percebe qua algumas músicas são diferentes.

          • Igor Maxwel disse:

            Gaspari, por favor, mais respeito com o Clayderman, tá? E melhor que AHM só The Wall e Wish You Were Here juntos!

  24. Erick Cordeiro disse:

    Lista fraquinha,faltou um feijão aí..Foi uma crime o discaço Grace ocupar a posição que ocupou,no minimo era para estar em terceiro lugar.Espero que as próximas listas tenha algum disco da corrente Post-Rock,alguns que eu indico:Godspeed You!Black Emperor-F♯A♯∞,Mogwai-Young Team,Sigur Rós-Von e,claro,o antologicamente antológico TNT da banda demasiadamente maravilhosa Tortoise.

  25. Giovanni Cabral disse:

    Achei mais interessante as listas individuais. Parabéns pra quem lembrou de Kyuss, Nine Inch Nails e Mayhem – melhores que muito dos “metais farofentos” perdidos por aí. E parabéns especial ao Bernardo; sei que o foco dessa sessão e rock e afins, mas o “Illmatic” é simplesmente o álbum mais acachapante da história do hip-hop, daqueles clássicos impecáveis mesmo, que mesmo um leigo no gênero admiraria.

  26. Diogo Maia de Carvalho disse:

    Outro disco que eu achava que ia entrar era o Divine Intervention. Esse é um dos que estão empoeirados no meu armário. Tem um tempão que eu não o escuto.

  27. RICARDO MATOS MACHADO JORGE disse:

    Em 1994, os lançamentos que eu estava ouvindo eram esses e mais outros que se encontram na lista dos autores.

    1. Nevermore – Nevermore
    2. Pantera – Beyond Far Driven
    3. Queensrÿche – Promissed Land
    4. Slayer – Divine Intervention
    5. Jeff Buckley – Grace
    6. Nailbomb – Paint of Black
    7. Amorphis – Tales From The Thousend Lakes
    8. Bathory – Requiem
    9. Black Sabbath – Cross Purposes
    10. Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos
    11. Nailbomb – Point Blank

  28. Felipe Saulo disse:

    Megadeth – Youthanasia
    Pink Floyd – The Division Bell
    Black Sabbath – Cross Purposes
    Pantera – Far Beyond Driven
    Oasis – Definitely Maybe
    Soundgarden – Superunknown
    Korn – Korn
    Kyuss – Kyuss (Welcome to Sky Valley)
    In Flames – Lunar Strain
    Chico Science & Nação Zumbi – Da Lama ao Caos

  29. Luiz H. disse:

    Depois que o “Revolução por minuto” ficou em 1º lugar, nada mais me surpreende nas listas.

  30. Lifeson disse:

    Pena que Vitalogy, Superunknown e Division Bell tenham ficado de fora.

  31. Daniel disse:

    Parabéns pelo conteúdo do site, excelente!
    Minha lista:

    Pantera – Far Beyond Driven
    Soundgarden – Superunknown
    BBM – Around The Next Dream
    The Allman Brothers Band – Where It All Begins
    Pride & Glory – Pride & Glory
    Glenn Hughes – From Now On…
    Mötley Crüe – Mötley Crüe
    Bruce Dickinson – Balls To Picasso
    Talisman – Humanimal
    Savatage – Handful of Rain

    • Valeu Daniel. Eu também coloquei o Pride & Glory na minha lista. Inclusive fiz um texto sobre o álbum para o site. Mas acho que o texto é um dos que a UOLhost está nos devendo…

      • Daniel disse:

        Pride & Glory é um disco bem interessante mesmo. Em alguma matéria eu acabei vendo que vocês tiveram um problema com o UOL que perdeu conteúdo do site. Que lástima, torço para que recuperem o que foi perdido. Tenho muito interesse em conhecer as listas dos anos 70 e 80, pois é onde meu gosto musical se situa.

      • Diogo Bizotto disse:

        Ouvi o Pride & Glory e não consegui achar tudo isso que fazem parecer. O estilo tem tudo para que eu goste, os músicos são excelentes, mas no fim das contas revela aquele velho problema de Zakk Wylde: ser um compositor não mais que mediano, cujas melhores músicas que levam sua assinatura terem sido coescritas com Ozzy, Bob Daisley, Randy Castillo, Lemmy Kilmister, John Purdell e outros.

  32. Diogo Bizotto disse:

    no geral, achei o disco mediano e sem nenhum valor adicional para estar entre os dez mais, a não ser o fato do autor do disco ser o queridinho do dono dessas listas de melhores. Assim é fácil entrar entre os dez…

    Davi, revela aí pro Mairon de quanto foi a propina… Ou a cor da cueca do Kotzen que eu consegui contigo depois da última turnê dele no Brasil.

  33. Diogo Bizotto disse:

    Aliás, em relação ao Kotzen aconteceu o óbvio: tirando aqueles que já tinham birra com o cara desde antes, todos ficaram surpresos com quão bom o disco é e com o domínio dele tanto no instrumento quanto fazendo música.

  34. Diogo Bizotto disse:

    Minhas 20 menções honrosas:

    Alice in Chains – Jar of Flies
    Amorphis – Tales from the Thousand Lakes
    Black Sabbath – Cross Purposes
    Darkthrone – Transilvanian Hunger
    Dream Theater – Awake
    Gotthard – Dial Hard
    Helloween – Master of the Rings
    Jeff Buckley – Grace
    Machine Head – Burn My Eyes
    Madonna – Bedtime Stories
    Megadeth – Youthanasia (11º colocado)
    Pantera – Far Beyond Driven
    Running Wild – Black Hand Inn
    Samael – Ceremony of Opposites
    Satyricon – Dark Medieval Times
    Savatage – Handful of Rain
    Slayer – Divine Intervention
    Talisman – Humanimal
    Offspring – Smash
    Tyketto – Strength in Numbers

  35. Diogo Bizotto disse:

    Meu top 10 apenas com metal extremo:

    1. Mayhem – De Mysteriis Dom Satanas
    2. Cannibal Corpse – The Bleeding
    3. Emperor – In the Nighside Eclipse
    4. Darkthrone – Transilvanian Hunger
    5. Samael – Ceremony of Opposites
    6. Satyricon – Dark Medieval Times
    7. Amorphis – Tales from the Thousand Lakes
    8. In Flames – Lunar Strain
    9. Burzum – Hvis Lyset Tar Oss
    10. Hypocrisy – The Fourth Dimension

  36. Diogo Bizotto disse:

    E porra, NINGUÉM além de mim citou aquele que talvez seja o disco de mais sucesso lançado em 1994, “Dookie”, do Green Day. No mínimo cinco de suas músicas são fantásticas, e o restante não faz feio perante elas.

  37. Jorge Holanda disse:

    Se um dia for feita uma lista com as 10 piores listas da série de Melhores e Todos os Tempos, essa merece fortemente o primeiro lugar.

    • Adriana disse:

      Faltou dizer que a disputa seria acirradissima, Jorge.

      • Jorge Holanda disse:

        Poizé, Adriana. Antes eu achava divertido ler e comentar aqui, mas agora é enfadonho até terminar de ver quais os dez discos indicados. Parece que tem quem tenha orgulho de não querer expandir os ouvidos para além de suas tradições pessoais.

        • Adriana disse:

          “Parece que tem quem tenha orgulho de não querer expandir os ouvidos para além de suas tradições pessoais.”

          Eu diria que isso é uma verdade a respeito das pessoas no geral e com relação a vários aspectos da vida, não só a audição de música, e o Brasil parece ser um caso crônico: galera se orgulha de se limitar, orgulho de não pensar. E vale, em termos políticos e culturais, pra direita e esquerda. Claro que a direita tem exemplos mais explícitos, mas é geral.

  38. Roberto Schmidt disse:

    Eu recomendo Vcs a fazerem uma reciclagem. Oasis foi um fenômeno melódico e não uma banda modinha. Oasis Deveria ter ocupado o topo dessa lista indiscutivelmente. Mas ser apenas lembrado por um participante? Covardia.

    Aliás já tinha me decepcionado nos anos 70 com a não inclusão de Uriah Heep, Rory Gallagher e Grand Funk Railroad.

    • Gosto pessoal, meu jovem, ninguém é obrigado a engolir o som do Oasis. Tudo bem que não entrou na minha lista por questão de duas posições, mas mesmo assim…

    • André Kaminski disse:

      “Indiscutivelmente” é meio que uma imposição a algo que é meramente pessoal, não?

  39. Elardenberg disse:

    Mairon colocou Quasimodo em primeiro \o/

  40. Adriana disse:

    Aquele momento em que vc tá na casa do seu amigo curtindo um Yardbirds/Yes/Uriah Heep, bestando na internet, vai rir um pouco das listas da Consultoria do Metal, mas não resiste a ler os comentários ao Da Lama ao Caos e vê aquelas pérolas de gente que praticamente só ouve, pasmem, metal :v O golpe já foi dado mermo rs

    • Tiago disse:

      Quanto tempo, Adriana… Tem comentários piores em listas posteriores.

    • Diogo Bizotto disse:

      Larga mão de dramalhão. A maioria dos comentários sobre esse disco são positivos, inclusive contando os integrantes da “Consultoria do Metal”, esses seres inferiores que provocam risos de quem os observa do alto de sua sapiência.

    • Adriana disse:

      Comentários positivos não dizem nada. Esses comentários, como os demais positivos ou negativos que já pude ler – hoje eu me abstive de contemplar tanta pobreza, preferindo ver esses aqui de baixo, onde tem ao menos um Gaspari pra fazer humor com talento -, apenas comprovam a limitação da maior parte da população com relação a música – assim como com relação a tudo. A gente vive na época em que se pode ouvir vários discos recém-lançados com o esforço de um ou dois cliques, e é nessa época em que pessoas dedicam sua vida a ouvir UM ou DOIS estilos de música. Apenas a exemplificação de o quanto a gente tá nadando pra uma catástrofe. Mas podem ficar de boa, não liguem pra leitorxs ocasionais comentando (ou lamentando) com honestidade sobre a piada sem graça que isso aqui se tornou (faz tempo aliás).

      • André Kaminski disse:

        Eu ligo. Me fere profundamente a alma e me sinto extremamente infeliz cada vez que alguém chega nos estraçalhando com a verdade nua e crua, do quanto somos pobres intelectualmente e o quanto o nosso site é catastrófico e uma piada completamente sem graça.

        Estou sinceramente muito triste com essa situação de não conseguirmos agradá-la, querida Adriana. Sei que jamais chegaremos aos seus pés, mas juro, juro pra ti, vou agora mesmo pegar uns discos do Biquini Cavadão para ver se aprendo um pouco mais e que possa, ao menos futuramente, agradá-la com textos e comentários de qualidade.

        • Adriana disse:

          Biquini Cavadão, os brasileiros que pegaram uma sonoridade INXS, com otros elementos oitentistas e faziam letras tipo poesia infanto-juvenil à la Cecília Meireles e Adélia Prado. Um bom começo pra sair da metal-addiction, adicionar novas viagens hehe

          • Marco Gaspari disse:

            Não Adriana, Biquini Cavadão era aquela banda que fazia BROCK com cheiro de Fio Dental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *