David Bowie – At the Beeb: The Best of BBC Sessions 68 – 72 (Limited Edition) [2000]

10 de janeiro, 2012 | por Mairon
Diversos
7
Por Mairon Machado
Colecionadores, caçadores de relíquias e admiradores de David Bowie e do rock ‘n’ roll em geral, essa postagem é diretamente para vocês. Afinal, a versão limitada do CD At the Beeb, em formato triplo, é simplesmente a melhor forma para que você preencha um espaço na lacuna de sua prateleira em relação ao camaleão David Bowie interpretando suas canções ao vivo.
Essa pequena caixa é na verdade a versão original do que depois se tornou conhecido como o CD duplo At the Beeb, tendo como diferencial justamente o terceiro CD, gravado ao vivo em 2000. Vamos tratar primeiro dos CDs usuais (contidos tanto no lançamento original quanto no lançamento posterior).
Neles, estão inseridas as apresentações de Bowie na BBC desde o início de sua carreira (em 1967) até seu primeiro grande momento na história da música, vestindo o personagem de Ziggy Stardust e consagrando o álbum The Rise and Fall of Ziggy Stardust and The Spiders from Mars (1972).
Encarte de at the Beeb
O CD 1 narra exatamente o período de criação do personagem Ziggy Stardust, com canções da fase inicial da carreira de um Bowie ainda inseguro sobre a trajetória que seguiria. São cinco apresentações na BBC, começando pela apresentação no programa “John Peel in Top Gear”, ocorrida no dia 13 de maio de 1968, na qual Bowie apresentou algumas canções desconhecidas do público em geral, que não estiveram presentes em seu álbum de estreia, David Bowie, lançado um ano antes, com exceção da linda “Silly Boy Blue”, que encerra a primeira apresentação. Acompanhado da Tony Visconti Orchestra (que contava na época com nomes como Herbie Flowers no baixo, John McLaughlin na guitarra, Barry Morgan na bateria e Alan Hawkshaw), são apresentadas aos ouvintes as canções “In the Heat of the Morning”, “London Bye Ta Ta”, “Karma Man” e a já citada “Silly Boy Blue”. O som da orquestra acompanhando a voz de Bowie mostra um artista ainda confuso entre o mod e o pop rock que assolou a Inglaterra em meados dos anos 50, mas a arrepiante performance de “Silly Boy Blue” já demonstra o talento que Bowie tinha para conquistar e encantar o ouvinte.
Junior’s Eyes: John Lodge, John Cambridge, Mick Wayne, Tim Renwick e Graham Kelly
Na segunda apresentação, realizada no “Dave Lee Travis Show” do dia 20 de outubro de 1969, Bowie está acompanhado do grupo Junior’s Eyes, que contava com Mick Wayne e Tim Renwick (guitarras), John Lodge (baixo) e John Cambridge (bateria). Duas canções foram extraídas desse show: a inédita “Let Me Sleep Beside You” e “Janine” (de seu segundo disco, David Bowie – 1969), na qual as primeiras mutações do camaleão Bowie começaram a dar as caras, com as inclinações para o rock de “Janine” e a tendência para seguir o folk na linha de Bob Dylan em “Let Me Sleep Beside You”, sendo marcante a presença da guitarra de Wayne.
É na terceira apresentação na BBC que o bicho começa a pegar. Explorando um dos melhores discos de sua carreira, o citado David Bowie (também conhecido como Space Oddity, e, nos Estados Unidos, como Man of Words/Man of Music), o artista está ao lado do Tony Visconti Trio, formado por Tony (baixo), John Cambridge (bateria) e o primeiro grande guitarrista a acompanhar Bowie, Mick Ronson. Essa foi a primeira apresentação de Ronson ao lado do camaleão, e o registro é impecável. Bowie e o trio instrumental apresentam-se no “The Sunday Show Introduced by John Peel”, gravado no dia 5 de fevereiro de 1970. Naquele dia, o quarteto estava tão inspirado que tocou por mais de uma hora, superando o tempo previsto para apresentação. Dessa forma, algumas canções foram editadas na versão que foi ao ar três dias depois, e que acaba passando para o CD a sensação de “precisamos ouvir mais”.

Encarte de at the Beeb
Essa apresentação começou com Bowie sozinho no palco, acompanhado apenas de seu violão e rasgando as cordas vocais em interpretações emocionantes e totalmente dylanescas para “Amsterdam” (clássico do cantor belga Jacques Brel em parceria com Mort Shuman), após aquela voz marcante de John Peel apresentando Bowie, e “God Knows I’m Good”. É de chorar com o que Bowie transmite de emoção nessas duas pérolas que nunca foram lançadas em um disco oficial do cantor.
John Peel então convida o trio instrumental para subir ao palco, iniciando uma versão preliminar de uma das obras primas de Bowie, “The Width of a Circle”, presente no sensacional The Man Who Sold the World (1970). Essa é a primeira canção verdadeiramente rock feita por Bowie, com muito peso e andamentos variados, indicando o sucesso que a parceria com Ronson renderia. A canção não está na íntegra (a original tem quase nove minutos), mas mesmo assim, ouvi-la em uma versão um pouco diferente do que estamos acostumados, com a sua bela introdução ao violão e com as interessantes linhas de baixo de Visconti, é marcante, além de destacar o primeiro solo de Ronson, sem muitas firulas, mas arrepiando nesse primeiro contato com o fã de Bowie.
Hermione Farthingale, David Bowie, Tony Visconti e John Hutchinson 

Na sequência, retornam para Space Oddity, apresentando as imortais “Unwashed and Somewhat Slighly Dazed”, “Cygnet Committee” e “Memory of a Free Festival”. Se o rock pesado era a temática de “The Width of a Circle”, essas três canções são o melhor momento da fase folk do vocalista. “Unwashed and Somewaht Slightly Dazed” é um pouco amena, com apenas cinco minutos de duração, trazendo uma mistura dylanesca com temperos de The Who, na qual Bowie solta a voz. Mas é na impressionante “Cygnet Committee” que o CD 1 chega ao auge. Oito minutos e 16 segundos de uma estupenda canção, com Bowie declamando um longo poema-manifesto sobre a estabilização de novas e revolucionárias ordens em um determinado local, e diversas mudanças de andamento, ora apenas com Bowie ao violão, ora com o Tony Visconti Trio soltando o braço em um acompanhamento sombrio e tenso, chegando ao explosivo e emocionante tema final da canção, com frases arrepiantes como

I believe in the Power of Good
I Believe in the State of Love
I Will Fight For the Right to be Right
I Will Kill for the Good of the Fight for the Right to be Right


And I open my eyes to look around
And I see a child laid slain
on the ground
As a love machine lumbers through desolation rows

complementadas pela marcial sessão final, com Bowie estourando a voz através da frase “We Want to Live, I Want to Live, Live“, fazem dessa sem dúvida a melhor canção do CD 1, e uma das melhores apresentações de Bowie em sua história. Uma versão editada da hippie “Memory of a Free Festival” complementa essa parte da apresentação no “The Sunday Show”. Seus quatro minutos de duração são incapazes de causar o mesmo impacto de sua versão de estúdio (com mais de sete minutos), mesmo assim, temos que destacar a participação de Bowie tocando órgão.

A quarta participação de Bowie na BBC ocorre com “Wild Eyed Boy from Freecloud”, outra de Space Oddity, apresentada no programa “Sounds of the 70’s: Andy Ferris”, em 25 de março de 1970, também ao lado do trio de Tony Visconti, mantendo a linha folk rock de canções como “Cygnet Committee” e “Unwashed and Somewaht Slightly Dazed”.

Trevor Bolder, Mick Woodmansey, David Bowie e Mick Ronson

O CD 1 é complementado pela apresentação no programa “In Concert”, de John Peel, uma das primeiras apresentações da recém forma Spiders from Mars, tendo Mick Ronson (guitarras), Trevor Bolder (baixo) e Mick Woodmansey (bateria). Participa também Mark Carr-Pritchard (guitarra). Cinco canções fazem parte desse show: as inéditas “Bombers” e “Looking for a Friend”, a cover para “Almost Grown” (de Chuck Berry), além de “Kooks” (presente no álbum Hunky Dory, de 1971) e a cover para “It Ain’t Easy”, de Ron Davies (que sairia depois em The Rise and Fall of Ziggy Stardust and The Spiders from Mars). Essa última, conta com as vozes de George Underwood, Dana Gillespie e Geoffrey Alexander interpretando algumas estrofes. As cinco músicas já são amostra do poderoso nível e estardalhaço que Bowie atingiria em seu quinto álbum.

Bowie e Ronson

O segundo CD possui mais cinco apresentações ocorridas na BBC, começando com o programa “Sounds of the 70s: Bob Harris”, do dia 21 de setembro de 1971, através de “The Supermen” (do álbum The Man Who Sold the World) e “Eight Line Poem” (de Hunky Dory). O curioso é que, nessa apresentação, estão apenas Bowie (tocando piano e violão, além de cantar) e Ronson (tocando baixo, guitarra e vocais). Essa foi a única apresentação registrada em estéreo por Bowie na BBC.

Após essa primeira apresentação, os fãs se deliciarão com a entrada no mundo de Ziggy. O segundo show presente no CD 2 também ocorre no “Sounds of the 70s” de Bob Harris, no dia 18 de janeiro de 1972. Com The Rise and Fall of Ziggy Stardust and The Spiders from Mars sendo composto e gravado no período, foi através desse programa que o mundo teve o primeiro contato com o personagem de Ziggy. Acompanhado pelo Spiders from Mars, o camaleão nos introduz ao alienígena bissexual mais famoso da história da música, através dos clássicos “Hang on to Yourself”, “Ziggy Stardust”, “Queen Bitch”, “I’m Waiting for the Man” (cover do Velvet Underground) e “Five Years”.

Encarte de at the Beeb

A terceira apresentação, agora no “Sounds of the 70s” com John Peel, ocorreu no dia 16 de maio de 1972, e é uma sequência de clássicos da história de Ziggy, passando pela cover para “White Light/White Heat” (também do Velvet Underground), “Moonage Daydream”, “Hang on to Yourself”, “Suffragette City” e “Ziggy Stardust”, todas essenciais na coleção de qualquer amante do rock, com características que simbolizaram e gravaram o nome David Bowie para sempre entre os maiores nomes da história da música, e que estão completando 40 anos esse ano, mas ainda soando como inéditas para muitos jovens que estão tendo contato com o som do camaleão pela primeira vez. Nessa apresentação, o Spiders form Mars também contou com o pianista Nicky Graham. Como curiosidade, fica o fato de que a versão especial cometeu um erro, que acabou sendo corrigido na versão posterior. Trata-se de “Ziggy Stardust”. Afinal, na edição limitada, as versões dessa canção são idênticas, sendo a mesma referente à apresentação no “Sounds of the 70s” de John Peel. Uma pena, já que eu considero a versão do “Sounds of the 70s” com Bob Harris bem melhor, com Ronson participando em algumas intervenções mais pesadas, e pequenos temas intercalados entre voz e guitarra. Enfim, a solução é ter as duas versões, que é o meu caso.

Ziggy Stardust

A penúltima apresentação presente no CD 2 ocorreu no “Johnnie Walker Lunchtime Show”, no dia 22 de maio de 1972, com a mesma formação quinteto do Spiders from Mars, na qual “Starman” é a única relacionada à Ziggy Stardust. As demais canções são “Space Oddity” (do álbum homônimo), “Changes” e “Oh! You Pretty Things” (de Hunky Dory), revelando a consolidação de um imponente vocalista, passeando por suas principais canções até aquele momento e vivendo seu primeiro grande estrelato.

Encarte de at the Beeb

O CD At the Beeb encerra-se com a apresentação no “Sounds of the 70s” de Bob Harris, em 23 de maio de 1972, ao lado do formato quinteto do Spiders from Mars, com o grupo interpretando a fantástica “Andy Warhol” (de Hunky Dory), “Lady Stardust” e “Rock ‘n’ Roll Suicide” (ambas de The Rise and Fall of Ziggy Stardust and The Spiders from Mars). O álbum que revolucionou o rock em 1972, mostrando o glam ao mundo, não está completo em At the Beeb apenas pela ausência de “Soul Love” e “Star”, ou seja, nove das onze canções do LP estão inseridas no CD duplo, já valendo a aquisição da caixa tripla.

A capa de BBC Radio Theatre, London June 27 2000

Mas e o que ficou no terceiro CD? Bom, não é à toa que a versão tripla de At the Beeb é limitada: o terceiro disco é uma apresentação de Bowie no BBC Radio Theatre, em 27 de junho de 2000, batizado sutilmente de BBC Radio Theatre, London, June 27 2000. Até aí tudo bem, pois para alguns Bowie em 2000 já não era mais o mesmo. Porém, o repertório desse show (que também saiu em DVD) é de cair o queixo. Ao lado de Earl Slick (guitarra), Mark Plati (baixo, guitarras), Gail Ann Dorsey (baixo, vocais), Sterling Campbell (bateria), Mike Garson (piano, teclados), Holly Palmer (vocais, percussão) e Emm Gryner (vocais, teclados), Bowie surpreende uma plateia de apenas 250 pessoas, 130 delas escolhidas entre 10 mil candidatos que participaram de uma promoção no site oficial do artista, e que tiveram seus nomes devidamente registrados no encarte do CD. As demais, são celebridades como Boy George, Simon Le Bon, Nick Rhodes,  Russell Crowe, Bob Geldof, Meg Ryan, entre outros.

Encarte de BBC Radio Theatre, London June 27 2000  

Para essa plateia, foram tiradas do breu canções que acabaram não fazendo tanto sucesso quanto suas melodias merecem, recebendo uma nova oportunidade como verdadeiros achados da carreira do vocalista, ao lado de outras mais conhecidas. Tudo começa com a linda “Wild is the Wind“, presente em Station to Station (1976), na qual, utilizando-se da soul music e do ritmo vindo da Motown, Bowie assumiu o personagem The Thin White Duke. As passagens de piano de Mike Garson, junto com as distorções e efeitos de Earl Slick, ambos companheiros de Bowie na fase pós-Ziggy, rememoram o belíssimo ao vivo David Live (1974), e os gritos insanos da plateia logo no início da canção, complementados pelo público inteiro cantando  Don’t you know, you’re life itself!” mostram como uma canção que não é assim tão conhecida do público em geral, para um fã de Bowie é A CANÇÃO sempre!

Depois, um salto para 1980, com “Ashes to Ashes”, principal faixa de Scary Monsters (and Super Creeps), disco que marcou mais uma mudança do camaleão, largando as experimentações eletrônicas do período que viveu na Alemanha, gerando a chamada fase Berlim, proporcionando os também fundamentais Low (1977), Heroes (1977) e Lodger (1979), bem como o ao vivo Stage (1978). O destaque nessa canção vai para as vocalizações e para a ótima participação do baixo.

A balada “Seven” traz Bowie aos anos 2000, apesar do início com violão lembrar “Rock ‘n’ Roll Suicide”. Parceria com Reeves Gabrels,  responsável pelos principais lançamentos de Bowie nos anos 90, essa canção está presente no álbum Hours…, lançado no mesmo ano, em uma versão muito similar à original. 

Após isso, Bowie retorna aos anos 80, mostrando um pouco do que ele fez para trilhas sonoras cinematográficas, primeiramente com a dançante “This is Not America”, composta ao lado de Pat Metheny para o filme “The Falcon and the Snowman” (1985), em uma versão mais quadrada do que a original, com muitas vocalizações, e depois a bonita balada oitentista “Absolute Beginners“, presente na trilha do fracassado filme-homônimo, lançado em 1986. Apesar do péssimo desempenho nas bilheterias, a trilha deixou para a posteridade uma das melhores canções de Bowie pós-fase Berlim.

Para surpresa geral, a gema “Always Crashing in the Same Car“, de Low, surge toda reformatada, desmantelando a base eletrônica de sua versão original, virando uma canção mais anos 80, com a inclusão dos pianos de Garson, de vocalizações cantando o nome da canção, sem os belos efeitos na guitarra e nos sintetizadores da versão original, além de não conter a batida eletrônica que ficaria famosa no mesmo ano com a clássica “Heroes”.

Outra bela faixa apresentada é “Survive” (Hours…), mostrando um lado folk perdido entre as alavancadas de Slick, enquanto “Little Wonder”, outra parceria com Reeves Gabrels, apresenta um pouco do que realmente foi Bowie nos anos 90. Trata-se da principal canção de Earthling (1997), talvez a mais conhecida dessa fase, aqui ganhando mais peso através do baixo e da guitarra.

Para os novos fãs, e principalmente os admiradores de Nirvana, o camaleão apresenta sua versão para “The Man Who Sold the World“, do álbum homônimo, revelando para o mais fanático seguidor de Kurt Cobain e cia. por que ele é o dono e compositor dessa canção, que, com sua voz, é uma das mais perfeitas do rock.

Encarte de BBC Radio Theatre, London June 27 2000 



Voltamos então para a fase soul do vocalista, com “Fame” (Young Americans, 1975) e “Stay” (Station to Station), sendo uma amostra a mais para os fãs novos, seguida pela pérola “Hallo Spaceboy”, mais uma dos anos 90, e uma das poucas que se escapam no estranho e confuso álbum Outside (1995). 

Mais anos 70 no resgate de uma pérola do excelente Diamond Dogs (1974), o divisor da fase Ziggy para a fase soul, chamada “Cracked Actor”. O final do CD ocorre com a pesadíssima e moderna “I’m Afraid of Americans”, de Earthling, e depois com uma emocionante versão para “Let’s Dance“, de Let’s Dance (1983). A faixa surge com um arranjo totalmente diferente, levado por violões e um clima bastante simples, no qual Bowie derrama sua voz carismática com paixão, embriagando o ouvinte e convidando-o para dançar através do ritmo original da música, embalada pela guitarra competente e precisa de Earl Slick.

O terceiro CD faz um apanhado honesto e preciso do que ficou de fora dos dois primeiros CDs, mostrando um pouco da fase pós-Ziggy (“Cracked Actor”), soul (“Fame”, “Stay” e “Wild is the Wind”), Berlin (“Always Crashing in the Same Car” e “Ashes to Ashes”), anos 80 (“Let’s Dance”, “This Is not America”, “Absolute Begginers”), anos 90 (“I’m Afraid of Americans”, “Hallo Spaceboy” e “Little Wonder”) e um pouco dos anos 2000, através das canções de Hours…. Principalmente, sem se prender em canções manjadas como “China Girl”, “Heroes”, “Modern Love”, “Starman”, “Young Americans”, “Station to Station” ou “Space Oddity”, que, apesar de serem belíssimas, não causariam o impacto que essas “novidades” causam ao fã.

Infelizmente, Bowie abandonou os palcos e a música em 2005, em função de problemas de saúde. Seu último álbum, Reality, lançado em 2003, mostrava que o camaleão continuava incessantemente sua metamorfose, e que muito material bom ainda poderia ser produzido. David, que completou 65 anos no último domingo, não dá indícios de que voltará a cantar, restando para os fãs buscar material antigo, muitas vezes caça-níqueis de quinta categoria, o que não é o caso de At the Beeb, uma das melhores caixas com material da rádio inglesa lançados na história.

A contra-capa da caixa at the Beeb – The Best of the BBC Sessions 68 – 72
em sua versão limitada

Track list:

Disco 1:

1. In the Heat of the Morning
2. London Bye Ta Ta
3. Karma Man
4. Silly Boy Blue
5. Let Me Sleep Beside You
6. Janine
7. Amsterdam
8. God Knows I’m Good
9. The Width of a Circle
10. Unwashed and Somewhat Slightly Dazed
11. Cygnet Committee
12. Memory of a Free Festival
13. Wild Eyed Boy from Freecloud
14. Bombers
15. Looking for a Friend
16. Almost Grown
17. Kooks
18. It Ain’t Easy

Disco 2:

1. The Supermen
2. Eight Line Poem
3. Hang on to Yourself
4. Ziggy Stardust
5. Queen Bitch
6. I’m Waiting for the Man
7. Five Years
8. White Light/White Heat
9. Moonage Daydream
10. Hang on to Yourself
11. Suffragette City
12. Ziggy Stardust
13. Starman
14. Space Oddity
15. Changes
16. Oh! You Pretty Things
17. Andy Warhol
18. Lady Stardust
19. Rock ‘n’ Roll Suicide

Disco 3:

1. Wild Is the Wind
2. Ashes to Ashes
3. Seven
4. This Is Not America
5. Absolute Beginners
5. Always Crashing in the Same Car
6. Survive
7. Little Wonder
8. The Man Who Sold the World
9. Fame
10. Stay
11. Hallo Spaceboy
12. Cracked Actor
13. I’m Afraid of Americans
14. Let’s Dance



7 Comentarios

  1. Marco Gaspari disse:

    Li tudinho. Gostei de tudinho. Fui procurar algo pra colaborar, mas não achei nadinha. Muito bom, Mairon, como sempre.

  2. Brigadão Gaspa. Se vc curte Bowie, adquira esse CD urgentemente.

    Forte abraço

  3. diogobizotto disse:

    Pra quem é fã, realmente parece ser material obrigatório em se tratando de conferir Bowie no palco. O disco 3 então, Jesus… abrir um show com a magnífica "Wild Is the Wind" e seguir com tal set list, bah… coisa de louco.

  4. Acho que uma das minhas maiores lástimas é que nunca poderei ver esse homem ao vivo. Lhes digo, se ele voltar para fazer shows, vou ser um dos primeiros a comprar ingressos. Dificil dizer qual a melhor fase da carreira do camaleão

  5. Marco Gaspari disse:

    Eu tenho essa caixinha limitada, Mairon. E neste momento estou ouvindo Wild is the wind em homenagem ao Diogo.

  6. Carlos disse:

    Um artista único, original, ousado e genial
    Ziggy Stardust mudou meu modo de ver o rock, androgenia de respeito rsrs, não a pataquada que esse termo virou
    um dos melhores discos da historia da música de todos os tempos…
    embora tenha gera a flatulencia acometida em cima de Starman pelo Nenhum de Nós, é um disco que ouvi umas duzentas vezes e cada vez que ouço vejo detalhes novos, tal a complexidade do tema
    Viva Bowie!!!
    parabéns pelo texto

  7. Imagino que o Bowie interprete "Amsterdam" do Jacques Brel via Scott Walker, não? Eu normalmente ficaria babando por esse item, mas ultimamente meu fogo pelo Bowie anda meio apagado. hehe De qualquer modo, parabéns pelo texto, e a você e ao Gaspari pela aquisição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *