Dream Theater: Mike Mangini, Jordan Rudess, James LaBrie, John Myung e John Petrucci



Nesta primeira semana de janeiro, de segunda a sexta, diversos colaboradores da Consultoria do Rock estarão apresentando listas com suas preferências particulares envolvendo os novos álbuns de estúdio lançados em 2011. Cada redator tem a oportunidade de elaborar sua listagem conforme seus próprios critérios, escolhendo dez álbuns de destaque, além de uma surpresa e uma decepção (não necessariamente precisam ser discos). Conforme o desejo de cada um, existe também a possibilidade de incluir outros itens à seleção, como listas complementares, enriquecendo o processo e apresentando sugestões relacionadas ao ano que acabou de se encerrar. Como culminância do processo, no sábado, os dez álbuns mais citados serão compilados e receberão comentários de todos os colaboradores, não importando o teor das opiniões.


Por Thiago Reis

Álbuns do Ano

Dream Theater – A Dramatic Turn of Events
Com a entrada de Mike Mangini, o Dream Theater conseguiu encontrar o balanço perfeito entre peso e técnica, e a paz entre os membros da banda está de volta. Resultado: indicação ao prêmio Grammy pela melhor performance de Hard Rock/Metal com “On The Backs of Angels”.
Almah – Motion
O terceiro disco do Almah é o mais maduro e direto de toda a discografia da banda. Aqui encontramos ótimas letras com temas mais atuais e um peso ainda maior nas guitarras. Isso pode comprovado em faixas como “Trace of Trait”, “Bullets on the Altar”, “Living and Drifting” e “Zombies Ditactor”.
Sepultura – Kairos

O melhor disco da fase Derrick Green e a volta aos bons e velhos riffs de álbuns como Arise (1991) e Chaos A.D. (1993). Se você não gosta dessa fase da banda, dê uma chance a esse disco e terá a oportunidade de descobrir ótimas músicas. Esses grandes riffs são o destaque em faixas como “Kairos”, “Mask” e “Born Strong”.

Megadeth – Th1rt3en
Merece destaque o fato de Dave Mustaine e sua banda manterem a consistência disco após disco, e Th1rt3en não é diferente. Figura fácil entre os melhores de 2011. Músicas como “Sudden Death”, “Whose Life (Is It Anyways?)” e “Never Dead” entram fácil na cabeça e têm tudo para se tornarem clássicos do Megadeth.
Black Country Communion – 2
A colaboração entre Joe Bonamassa e Glenn Hughes tem rendido ótimos frutos e com o segundo disco do Black Country Communion não é diferente. Temos o balanço perfeito do Rock and Roll com Blues. Uma verdadeira aula de como se fazer música de qualidade.
Whitesnake – Forevermore
O Blues Rock do Whitesnake é sempre bem vindo, e em Forevermore ele veio com força. Além disso, com uma ótima produção. Coverdale e cia. ainda têm muito a fazer pelo Rock e esse disco é prova disso
Mr. Big – What If…
Quando a formação antiga do Mr. Big se junta, algo mágico acontece. É justamente o que acontece em What If…. Já no aguardo do próximo álbum e de uma nova visita às nossas terras.
Hibria – Blind Ride
Cada vez mais maduro, com uma melhor produção e mais habilidosos. O reconhecimento vem com o tempo e é justamente o que acontece com o Hibria. Blind Ride é um ótimo disco e vale o play.
Dr. Sin – Animal
O disco mais maduro e que melhor representa a essência do Dr. Sin. O peso e a virtuose em um balanço jamais visto na carreira do trio. Corra atrás deste disco e comprove esse fato. Destaque para as faixas “Animal”, “Lady Lust”, “The King” e “Those Days”.
Anthrax – Worship Music

A volta de um dos ícones do metal em grande estilo. Espero que não demorem mais tanto tempo para lançarem um disco de estúdio, já que podemos notar que a criatividade dos americanos está mais do que aguçada. Grandes destaques para “The Devil You Know”, “Judas Priest” e “Crawl”.

A surpresa

Iced Earth – Dystopia
O Iced Earth perdeu o grande vocalista Matthew Barlow e incrivelmente conseguiu um substituto à altura. Stu Block fez um grande trabalho em Dystopia, e o mais importante: a banda não perdeu suas características principais.

A decepção

A separação de Blaze Bayley de sua ótima banda, formação que gravou The Man Who Would Not Die e Promise and Terror, que havia dado consistência à carreira do cantor como em muitos anos não acontecia.

2 comentários

  1. diogobizotto

    Compartilhamos a mesma surpresa: o belo novo álbum do Iced Earth. Mal posso esperar por ver a banda em março e conferir ao vivo a performance de Stu Block, que veio pra suprir com muita qualidade a vaga deixada por Matthew Barlow. "Dystopia" conseguiu me empolgar novamente após vários anos, e me fez revisitar todo o catálogo antigo do Iced Earth.

    Responder
  2. Thiago

    É verdade Diogo!! Iced Earth tirou um coelho da cartola literalmente!
    espero que essa formação se solidifique…tem tudo para dar certo!

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.