Por Pablo Ribeiro
O Sunn O))) (é… assim mesmo) é uma banda norte-americana, proveniente de Seattle, de música experimental, formada em 1998. O som dos caras é calcado principalmente no drone, estilo de heavy metal que guarda certas similaridades com o doom, embora seja mais lento, mais grave, e se distancie um pouco do metal em direção de algo menos tradicional e mais – bem mais – experimental, seguindo uma veia estética mais atonal.

O caráter experimental e nada acessível da banda se configura já em seu nome. Inspirado pela marca de amplificadores Sunn (famosos por equipar bandas como The Jimi Hendrix Experience, Cream, Mountain e outras). O próprio logotipo do grupo representa – através de símbolos tipográficos, a marca original dos amplificadores. O “O)))” de seu nome ainda tem uma explicação mais inusitada (e criativa) ainda. Segundo os guitarristas Stephen O’Malley e Greg Anderson – os dois integrandes fixos – trata-se de uma representação do sol, uma vez que o astro – rei gira em torno da Terra, e o “Earth”, (banda de Washington, formada em 1989 – não confundir com os primórdios do Black Sabbath) é uma das influências confessas dos caras. Deu pra sacar que a coisa é viajante desde o conceito.

Sunn O)))

O grupo já colocou no mercado vários lançamentos, em diversos formatos: depois da primeira demo, de 1999, soltou quatro EPs, sete álbuns completos, sete álbuns ao vivo (sendo um deles lançado apenas em LP e o outro em cassete), um box set e dois discos em colaboração com outros artistas.

Uma dessas colaborações é o “alvo” deste artigo. Trata-se de Altar, feito em conjunto com os japoneses da banda de doom/noise/experimental metal Boris. Em comparação com Sunn O))), o Boris ainda mantém uma certa acessibilidade estética/musical, embora (ou talvez por isso mesmo) o Sunn O))) seja bem mais interessante e inovador.

Capa da edição limitada

Lançado no dia 26 de outubro de 2006, Altar, o disco, é uma loucura drone do começo ao fim. Em sua edição normal, em disco simples, são sete faixas absurdamente arrastadas, viajantes e claustrofóbicas, mas extremamente poderosas no sentido de cativar o ouvinte. Nas versões exclusivas para o Japão, temos duas faixas exclusivas: “The Sinking Belle (Black Sheep)” saiu na versão CD para os nipônicos, já a edição em LP para o mesmo mercado tem “The Sinking Belle (White Sheep)”.

Mas em questão de faixas bônus, nenhuma bate a edição especial – dupla – internacional do disco. Essa traz um verdadeiro épico de mais de 28 minutos chamada “Her Lips Were Wet With Venom”. Na dúvida, vá atrás dessa!

Na primeira ouvida, apesar da estranheza o disco já “pega de cara”. Aí, se escuta o petardo outra vez, seja para tentar captar a aura da música, seja porque a banda conquistou quem a ouve, ou, em última instância, para saber se aquilo ali é musica real mesmo, feita por seres humanos. No meu caso, foi um misto dos três. Hoje, sou fã! Não se trata de música mainstream. Longe, muito longe disso! O que é ótimo…

Altar é um tratado de “anti-música”, maravilhoso, inovador e indispensável para quem se cansa – vez ou outra – do comum. Uma obra quase inacreditável de criatividade musical sem barreiras ou parâmetros pré-determinados.

Integrantes do Sunn O))) e do Boris

Track list:

Disco 1: “Altar: Prelude (SatanOscillateMyMetallicSonatas)”

1. Her Lips Were Wet With Venom

Disco 2: “Altar”

1. Etna
2. N.L.T.
3. The Sinking Belle (Blue Sheep)
4. Akuma No Kuma
5. The Sinking Belle (Black Sheep)
6. The Sinking Belle (White Sheep)
7. Blood Swamp

4 comentários

  1. diogobizotto

    Por ora escutei apenas a faixa "Etna", e gostei. Meu conhecimento a respeito de drone é muito reduzido, mas se o Sunn O))) consegue manter o mesmo nível de qualidade dessa música, certamente me agradará. Denso, climático, carregado… legal mesmo!

    Responder
  2. Pablo

    Esse é mais "fácil", pois a participação do Boris torna o disco mais acessível (não pop) que outros lançamentos do Sunn O))). Vale mais do que uma ouvida atenta!

    Responder
  3. Mairon Machado

    Caraca, tenho que ouvir isso!!! Nunca tinha ouvido falar da banda, e parece ser bom

    Agora, é impressionante como os japoneses tem um vasto material lançado somente para aquele mercado. Qualquer banda faz sucesso por lá. É incrivel isso!

    Responder
  4. Mairon Machado

    Caraca

    Ouvi Etna, It Took the Night to Believe e mais a apresentação deles no Volksbühne 2006. Muita doideira. Barulhho infernal. Não é para mim (ainda)

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.