Por Diogo Bizotto
Não gosto de avaliar um álbum logo após seu lançamento. Acredito que sejam necessárias diversas audições para absorver melhor a sonoridade, compreender a intenção dos artistas e, se possível, prestar atenção nas letras. Quando se trata de uma banda com a qual tenho uma ligação bastante íntima, como é o caso do Journey, é ainda mais imprescindível que as músicas tenham tempo de amadurecer, a fim de que a euforia causada pela novidade não contamine as impressões. É por isso que, somente após algumas semanas de audição, estou expressando minha opinião acerca do mais recente lançamento do grupo, o ótimo Eclipse.
Sim, ótimo. Se o leitor conhece o Journey e quiser parar por aqui, já terá minha impressão a respeito do disco. Mas recomendo que, caso não conheça o quinteto ou não aprecie sua música, e mesmo se for um fã, continue a leitura.
Em 2007, após um breve período em que a banda contou com Jeff Scott Soto nos vocais, substituindo Steve Augeri, que havia gravado Arrival (2001) e Generations (2005), a banda passou a contar com o vocalista filipino Arnel Pineda, que havia se notabilizado em seu país de origem por executar, junto à banda The Zoo, extenso material cover de clássicos da música pop e do rock, incluindo diversas canções do Journey, fato que atraiu a atenção do guitarrista Neal Schon, que assistiu suas performances através do site YouTube.
A reputação como um cantor de covers, somada ao fato de que muitos enxergaram Arnel como uma mera cópia do clássico vocalista do Journey, o inigualável Steve Perry, bastaram para que muitos fãs ficassem com o pé atrás em relação ao novato. Contudo, o primeiro álbum contando com sua voz, Revelation (2008), mostrou-se o mais bem sucedido desde a despedida de Perry 12 anos antes, com Trial By Fire (1996), auxiliado por uma boa estratégia de vendas, alcançando a quinta posição na Billboard e destacando o single para “After All These Years”. Outro provável fator para a boa recepção de Revelation é o fato do grupo ter jogado em um terreno extremamente seguro. Não houve nenhum novo limite sendo explorado, e a ousadia praticamente inexistiu. Certamente existem boas composições no disco, caso de “Change For the Better”, “Never Walk Away” e “What I Needed”, e Arnel conseguiu reverter a opinião de muitos fanáticos que o rejeitavam. Mas faltava algo para firmar de vez o novo Journey não apenas como dono de um sucesso renovado, mas como relevante musicalmente.
Journey em 2011: Jonathan Cain, Ross Valory, Neal Schon, Arnel Pineda e Deen Castronovo

É aí que entra Eclipse. Finalizado já havia alguns meses, apenas em 24 de maio último o lançamento viu a luz do dia. O período de espera foi alimentado por diversas declarações dos músicos da banda e de alguns profissionais da imprensa musical que ouviram o disco com antecedência, afirmando se tratar de um álbum de grande qualidade e diferente de tudo que o Journey já havia feito, enfatizando a guitarra de Neal Schon e deixando os teclados um pouco de lado, além de ressaltar a construção de climas supostamente mais soturnos. Em turnê mundial desde fevereiro, incluindo uma passagem pelo Brasil em março, o quinteto já estava apresentando cinco músicas novas, aguçando a curiosidade das plateias. As canções, a saber, “Edge of the Moment”, “Resonate”, “City of Hope”, “Chain of Love” e “Human Feel”, serviram para endossar as declarações que se espalhavam, mostrando um Journey de músicas mais longas e trabalhadas, com a mão de Neal Schon pesando forte, destacando a excelente “Resonate”.

Após finalmente ter sido lançado, evitei ler muitas resenhas e opiniões a respeito de Eclipse. Mesmo tendo lido poucas, observei que, enquanto algumas elevavam o álbum à categoria de melhor disco do Journey em décadas, outras reclamavam da falta de melodias memoráveis e das linhas de teclado características de Jonathan Cain. Posso dizer que, apesar da distinção, ambas estão corretas. O que mais pesa nessa avaliação é quão aberta está a mente do ouvinte e quão grande era sua expectativa.

De uma coisa ninguém pode ter dúvida: Neal Schon é o maestro que conduz as composições do álbum, com sua mão técnica, melódica e segura. Apesar de Jonathan Cain também ser autor de todas as faixas, além de encarregado das letras, o tecladista soube se postar de maneira a trabalhar a favor das músicas, deixando para brilhar sozinho apenas nos momentos apropriados, isto é, geralmente nas baladas. O baixista Ross Valory executa seu trabalho como sempre o fez: discreto, mas atendendo a todas as exigências com sobras. Deen Castronovo mostra mais uma vez porque é um dos melhores bateristas do rock na ativa, provendo o grupo com linhas ora sólidas, ora virtuosas, dependendo da necessidade. E Arnel Pineda, bom…  se alguém ainda não se convenceu de que seu estilo é esse, seu timbre é esse, e que as comparações com Steve Perry cada vez mais se tornam irritantes, por favor, pegue sua cópia de Escape (1981) e coloque-a no repeat até o fim dos tempos. Perry não voltará para o Journey, e sua carreira musical está praticamente estagnada há 15 anos. Com Arnel, a banda vive uma realidade de sucesso e plena atividade, mesmo que sem a relevância de épocas anteriores.

O disco abre com “City of Hope“, uma das que já haviam sido apresentadas ao vivo, demonstrando que toda a energia exposta no palco conseguiu ser traduzida com propriedade dentro de um estúdio. Como esperado, as linhas de guitarra estão à frente na mixagem, com poucos overdubs e roncando forte, em especial no último minuto, onde Neal Schon oferece um show à parte. Arnel Pineda executa suas linhas com segurança, enquanto o resto da banda provém a espinha dorsal necessária para o desenvolvimento da faixa. Se Neal já brilha na anterior, é na segunda, “Edge of the Moment“, que parece ouvir-se faíscas saindo de seus dedos, em especial após 25 segundos de música, quando ela engrena e mostra-se com toda sua exuberância. Forte candidata a melhor do disco, a canção oferece, provavelmente, a mais agressiva performance de Schon desde “Edge of the Blade”, presente no clássico Frontiers (1983). Amigo… se você, além de fã de Journey, é fã de heavy metal e sabe apreciar uma guitarra bem tocada, “Edge of the Moment” é garantia de sorriso no rosto!

Journey ao vivo em 2009: Jonathan Cain, Ross Valory, Deen Castronovo e Neal Schon

Eclipse segue em alta com “Chain of Love” que, apesar de introduzida por piano e sintetizadores, acompanhados pela voz de Arnel cantando controladamente, logo cede espaço para um hipnótico e distorcido riff de Neal. A faixa se desenrola em um esquema trivial de estrofe/ponte/refrão, que tem elementos para agradar diferentes tipos de fã. Como se trata de um disco do Journey, é óbvio que não podem faltar baladas, uma das marcas registradas do grupo. Mas mesmo elas não são tão habituais em Eclipse. Apesar do início leve, unindo o piano de Jonathan Cain com a voz suave de Pineda, remetendo a sucessos anteriores, “Tantra” tem seu andamento alterado a 1:45, com a entrada de todos os instrumentos, enfatizando a construção de melodias pela guitarra, que estabelece o clima e une-se à boa performance vocal. Por outro lado, é compreensível a rejeição de alguns quando justamente uma música que normalmente traria uma agradável simplicidade apresenta facetas distintas em mais de seis minutos de duração.

Retornando a um terreno mais confortável, “Anything Is Possible” remete ao Journey de Trial By Fire (1996), em um AOR mais típico, com Jonathan Cain comandando a faixa através de seu piano. A construção de solos de guitarra mais para o final da faixa, primeiro sob os vocais de Pineda e depois sobressaindo-se, adicionam um tempero extra, finalizando a canção em alta.

Se existe uma música para colocar em dúvida a reputação de “Edge of the Moment” como melhor do disco, essa é “Resonate“. Mais uma onde Neal Schon esmerilha, essa obra desenvolve-se com fluidez sobre uma fundação construída com seus licks e solos, revelando ganchos que somente o ouvinte mais resistente pode ignorar. Sobressai-se também a bem encaixada letra; aliás, a maioria delas demonstra maturidade acima da média. Para mim, “Resonate” nasceu clássica. “She’s a Mistery”, segunda balada do disco, contrasta com o início mais lúgubre do álbum, iluminando-o com seu andamento acústico, quebrado aos 4:50, quando um riff agressivo penetra o sistema auricular do ouvinte, dando uma cara completamente diferente (e melhor) à canção.

Quem quer incomodar seus vizinhos tem em “Human Feel” uma boa alternativa. Seu andamento baterístico quase tribal, pontuado pela guitarra e pelo órgão hammond, mostra-se com força nos alto-falantes, enfatizando a boa mixagem, obra de David Kalmusky (a produção é de Kevin Shirley). Mais uma vez, quem prefere o Journey clássico pode vir a estranhar, mas quem sente saudade da época onde a ênfase na instrumentação era tão grande quanto na construção de melodias memoráveis (se não maior), tem um prato cheio. A veloz “Ritual” inicia em alta  e desenvolve-se com guitarras raçudas e teclados ocupando todos os espaços vagos, mas sem se sobrepor à voz em momento algum. Apesar de não soar datada, poderia ter sido extraída de um álbum como Frontiers (1983).

Neal Schon, o maestro condutor de Eclipse

To Whom It May Concern” é a melhor balada presente em Eclipse. Dotada de características que lhe aproximam das power ballads mais tradicionais, como o grandioso refrão e os teclados emulando arranjos para orquestra, é a alternativa para quem possa ter ficado insatisfeito com as longas e multifacetadas “Tantra” e “She’s a Mistery”. Para finalizar a audição de maneira confortável, o Journey oferece uma festa AOR em “Someone”, que soa como as melhores faixas de Revelation, mas com uma performance superior de Neal Schon. A instrumental “Venus” retoma de onde “To Whom It May Concern” parou, tirando qualquer possível dúvida de que o guitarrista é quem manda no Journey nesse álbum. Apesar disso, Deen Castronovo brilha tanto quanto Neal, descendo mãos e pés sem dó, executando andamentos complexos, encerrando o disco em alta.

A impressão passada ao término de Eclipse, especialmente após ouvir “Venus”, é a de que Neal Schon foi acometido de uma forte onda de saudosismo, e quis revisitar, guardadas as devidas proporções, o Journey dos anos 70, pré-Steve Perry, onde a instrumentação complexa muitas vezes sobrepunha-se à criação de melodias memoráveis, mas sem esquecer de todo o passado do grupo e o que o levou ao sucesso, equilibrando os dois aspectos. Se foi bem sucedido nisso, é questão para debate. Embora particularmente tenha gostado do resultado, a ponto de considerar o novo disco o melhor desde Frontiers, sei que existem opiniões contrárias. Alguns fãs nunca deixarão de sonhar com a volta de Perry, e a minha recomendação para esses é que agarrem-se às suas cópias de Raised on Radio (1986) e sua overdose de teclados e músicas datadas, e as levem para o caixão. É digno salientar que parece que a banda resolveu “ligar o foda-se” e não se preocupar em criar singles prontos para a massiva divulgação, fazendo tão somente o que quis. É claro que isso acabou refletindo-se nas vendas. Se Revelation vendeu 105 mil cópias na primeira semana após o lançamento, Eclipse mal superou 21 mil. Mas quer saber? Foda-se!

Track list:

1. City of Hope
2. Edge of the Moment
3. Chain of Love
4. Tantra
5. Anything Is Possible
6. Resonate
7. She’s a Mistery
8. Human Feel
9. Ritual
10. To Whom It May Concern
11. Someone
12. Venus

6 comentários

  1. Mairon Machado

    Ouvindo as faixas disponibilizadas, cheguei a algumas conclusões:

    To Whom it May Concern – baladinha xaropona

    Resonate – inicio legal, andamento legal, bem diferente do que poderia esperar de uma canção do Journey. Interessante é muito boa, principalmente o refrão.

    Edge of the Moment – paulada muito pesada. Nao parece Journey. O inicio é muito legal. Tem umas cordas ali no meio? Depois que engrena então, fica muito massa. Escalas orientais, bem trabalhada, baita canção.

    City of Hope – mesma linha de Edge of the moment, mas nao tao pesada, e com uma levada bem AOR. Nao gostei tanto quanto gostei de Edge of the Moment, mas para ruim nao serve.

    Venus – bem interessante ouvir a instrumental. Bonito solo de guitarra e boa faixa.

    Enfim, um bom álbum. Se não dissesse que era Journey eu jamais iria reconhecer.

    Para completar, o Neal ta tocando muito!!

    Responder
  2. diogobizotto

    Mairon, não existem créditos para cordas no encarte do disco, então imagino que todo esse trabalho foi feito por Jonathan Cain e seus teclados, emulando os efeitos que as faixas pediam. Mas há de se admitir que não ficou nada plástico, artificial. Aliás, eu recomendo a quem quiser ouvir o disco, o faça com fones de ouvido, e perceba todos os nuances que compõem "Eclipse". A mixagem está mesmo MUITO boa. E a guitarra do Schon então, MEODEOS… o que ele faz em "Edge of the Moment" é absurdo…

    Responder
  3. herbie53

    Minha opinião: quase tão fraco quanto "Revelation". E a única coisa que faz este trabalho ser ligeiramente melhor que o citado acima é que eles não voltaram a cometer o erro de botar todos os integrantes pra cantar (as vozes de Vallory e Schon são dois fiascos). Essas novas sonoridades não combinam com a voz típica de AOR do filipino, tanto que ele brilha mais justamente nas canções "Someone" e "Anything Is Possible". Confesso que gostaria de ver como Jeff Scott Soto se sairia cantando estas faixas mais pesadas (tenho certeza que ele arrasaria em "Edge of the Moment"). E aproveito para finalizar criticando o último parágrafo. Cara, você foi de uma má educação cortante. Como você mesmo disse, cada um tem sua opinião, e se por acaso eu preferir ouvir o fraquinho mas agradável "Raised on Radio" em lugar deste ou do "Revelation", bom, é questão pessoal, mas não vou mandar os outros se foderem porque tem gosto diferente. Ah, e tenho todos os CDs originais da banda, incluindo os da fase Gregg Rolie (que infelizmente não saíram remasterizados ainda). Então não venha me dizer que não conheço o trabalho da banda ou que prefiro a fase comercial, afinal curto Hard e Prog com preferência pelos sons dos anos 70. E este novo disco não me convenceu.

    Responder
  4. diogobizotto

    Olá Herbie, obrigado pelo comentário. Acredito que tenhas cometido uma confusão entre "Revelation" e "Generations", pois é o segundo citado que conta com vocais de todos os membros do grupo, incluindo Schon e Valory.

    Concordo com o fato da voz de Pineda se adaptar com mais facilidade às faixas tipicamente AOR, mas gosto justamente de vê-lo sendo mais exigido e saindo de uma posição mais confortável. Quanto a Soto, sem dúvida seria interessantíssimo ouvir como sua voz soaria sobre essas canções, mas Schon e Cain quiseram diferente. Só nos resta imaginar.

    Quanto ao "foda-se", ele sem dúvida não foi direcionado aos fãs, mas sim reforçando a atitude que o Journey teve de se lixar para o mercado ao fazer o disco que bem entendeu, não entregando algo pronto para o rápido consumo. Não me compreenda mal, meus álbuns favoritos são "Infinity" e "Escape". Mas há de convir que grande parcela dos fãs da banda são preguiçosos e preferem mais do mesmo.

    Responder
  5. Jeff Prata

    Não sei o porquê da crítica que o autor sempre faz ao teclado. Maior erro desse álbum foi ter abrerto mão das linhas e riffs clássicos de piano e sintetizador que Jonathan Cain fazia. Sempre foi o grande diferencial do Journey, e foi o que fez com que banda entrasse para a história.

    Já é hora de pararem com essa atitude estúpida e ignorante de menosprezar os intrumentos de teclas no rock.

    Responder
  6. diogobizotto

    Olha Jeff, reli meu artigo procurando críticas ao uso de teclados e só encontrei realmente uma, quando citei a "overdose de teclados" presente em "Raised on Radio", algo do qual não me arrependo nem um pouco.

    Mas é interessante que você tenha citado que as linhas executadas por Cain são o diferencial do grupo, pois muitas vezes o que mais aparece é um crédito exagerado a Steve Perry como única força motriz a levar o Journey ao estrelato. Podem dizer que fico em cima do muro, mas penso ser uma combinação de fatores, incluindo com muita força a presença de Neal Schon e sua mão melódica e certeira, não deixando o grupo descambar para algo explicitamente pop. E os bateristas que essa banda teve? Aynsley Dunbar, Steve Smith, Deen Castronovo… só monstro! Sequer consigo escolher um favorito.

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.