Por Daniel Benedetti

Foreigner é o álbum de estreia da banda homônima ao álbum, ou seja, o Foreigner. Seu lançamento oficial aconteceu no dia 8 de março de 1977 através do selo Atlantic Records.

O guitarrista inglês Mick Jones já era um músico experiente quando fundou o Foreigner. Ele começou sua carreira musical no início dos anos 1960, como membro da banda Nero and The Gladiators, que fez um alguns singles com alguma repercussão na parada britânica em 1961.

Mick Jones

Após o fim da banda, Jones trabalhou como compositor e músico auxiliar para artistas como Sylvie Vartan e Johnny Hallyday, para quem ele compôs muitas canções, incluindo “Je suis né dans la rue” e “À tout casser” (que apresentava Jimmy Page na guitarra). Foi então que ele se juntou a Gary Wright, ex-Spooky Tooth, para formar o Wonderwheel. Em 1973, Jones e Wright reformaram o Spooky Tooth, e, mais tarde, Jones tornou-se membro da Leslie West Band. Ele também tocou guitarra nos álbuns Wind of Change (1972) do Peter Frampton, e Dark Horse (1974) de George Harrison.

O outro membro fundador do Foreigner foi outro inglês, o guitarrista Ian McDonald. Em 1969, ele estava na formação inicial do mítico grupo King Crimson e gravou seu primeiro álbum, o essencial In the Court of the Crimson King.

McDonald e o baterista Michael Giles deixaram o grupo e formaram uma banda que lançou apenas um álbum intitulado McDonald and Giles. Ele reapareceu no King Crimson em 1974, destinado a se reunir à banda como membro efetivo, mas não teve a oportunidade de fazê-lo devido à decisão de Robert Fripp para destituir o Crimson. Já em 1976, Mick Jones e Ian McDonald se reúnem e decidem formar uma nova banda. Para isto, eles convidam um norte-americano para ser o vocalista: Lou Gramm. Gramm era o vocalista da banda americana Black Sheep e com eles gravou 2 álbuns de estúdio, Black Sheep (1974) e Encouraging Words (1975).

Foi no início de 1976 que Gramm conheceu Mick Jones, quando este estava em Rochester (EUA) com o Spooky Tooth e Lou Gramm lhe entregou uma cópia do primeiro álbum do Black Sheep.

Com Mick Jones e Ian McDonald como guitarristas e Lou Gramm de vocalista, a banda começava a tomar forma. Os novos membros surgiriam logo em seguida. O baterista convidado foi Dennis Elliott, Al Greenwood como tecladista e Ed Gagliardi como baixista. Faltava um nome ao conjunto. E foi Mick Jones que surgiu com a ideia do nome Foreigner (estrangeiro em inglês). Segundo Jones, não importava em que país estivessem, 3 membros do grupo sempre seriam estrangeiros: ele (Jones), Elliott e McDonald eram ingleses e Gramm, Greenwood e Gagliardi eram norte-americanos.

Lou Gramm

Com nomes conhecidos da indústria musical em um mesmo ‘time’, não foi difícil para o Foreigner conseguir um acordo com a Atlantic Records. Ainda em 1976, a banda já se reunia no estúdio The Record Plant para começar a gravação do seu primeiro álbum, que seria homônimo ao grupo.

O disco apresenta 10 faixas com sua sonoridade se tratando de um Rock que flerta com o Hard, mas com foco em melodias bem suaves e mais acessíveis. Os refrões abusam de um ótimo trabalho de backing vocals, muitas vezes reforçando a convincente atuação do vocalista Lou Gramm. Enquanto a guitarra é o ponto de referência em “Feels Like the First Time”, os teclados dominam em “Cold as Ice”. O flerte com o Hard Rock é mais evidente em faixas como “The Damage Is Done” e “I Need You”, ao mesmo tempo em que as indefectíveis baladas se mostram em “Woman Oh Woman” e “Fool for You Anyway”.

A temática lírica é evidentemente dominada por temas românticos e de relacionamentos. Ao lado da estreia da banda Boston (de 1976), esta estreia do Foreigner também é tida como um dos pontapés iniciais daquilo que se convencionou chamar “AOR” e, portanto, é um trabalho que agrada ouvidos mais afeitos a este tipo de musicalidade.

Lançado em março de 1977, o álbum homônimo à banda Foreigner foi um estrondoso sucesso, especialmente se for levado em conta o fato de ser um disco de estreia.

Catapultado por três singles que atingiram o top 20 da parada norte-americana (“Feels Like the First Time”, “Cold as Ice” e “Long, Long Way from Home”), o álbum atingiu a excelente 4ª posição da principal parada norte-americana de álbuns. Mais que isso, permaneceu no Top 20 da supracitada parada de álbuns durante um ano. Foi também 9º lugar na parada canadense de álbuns e 1º na correspondente norueguesa. A turnê que se sucedeu ao lançamento do disco também foi bem-sucedida, tanto que o segundo disco de estúdio já foi lançado no ano seguinte (Double Vision, de 1978).

Estima-se que o álbum Foreigner já superou a casa de 5 milhões de cópias vendidas apenas nos Estados Unidos.

Formação:

Dennis Elliott – Bateria

Ed Gagliardi – Baixo

Lou Gramm – Vocal

Al Greenwood – Teclado

Mick Jones – Guitarra, Vocal em “Starrider”

Ian McDonald – Guitarra

Faixas:

  1. Feels Like the First Time
  2. Cold as Ice
  3. Starrider
  4. Headknocker
  5. The Damage Is Done
  6. Long, Long Way from Home
  7. Woman Oh Woman
  8. At War with the World
  9. Fool for You Anyway
  10. I Need You

4 comentários

  1. Marcello

    Ótimo disco, provavelmente meu favorito da banda (4 tem mais hits e tem produção melhor, mas o primeiro tem material mais forte). O Foreigner aliava excelentes músicos a composições atraentes, que “grudavam” na cabeça; era a musicalidade a serviço da música, não o contrário. Será que um dia voltaremos a ter essas duas características reunidas em bandas novas – e que consigam chegar aos primeiros lugares da parada?

    Responder
  2. André Kaminski

    Ah o Foreigner, uma das bandas que formataria o AOR na década seguinte. Assim como o Marcello logo acima, este primeiro disco também é o meu favorito deles.

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.