Artillery – By Inheritance [1990]

23 de outubro, 2017 | por Fernando Bueno
Resenha de Álbum
10

Por Fernando Bueno

Na época que tínhamos as fitas cassete como opção para ouvir música, a troca de material nessa mídia era intensa. Quem não tinha dezenas de fitas com discos gravados? A grana sempre foi curta e a história de guardar o dinheiro do lanche e do ônibus para comprar disco se repete com cada um de nós. Porém em muitas vezes a dúvida era entre comprar um disco ou uma caixa de fitas virgens para gravar os discos dos amigos.

Em uma dessas sessões de gravação, dessa vez na minha casa, um amigo acabou esquecendo uma fita que ele tinha levado para a gente ouvir enquanto gravava algum dos meus discos para ele. A fita já era bem surrada e tinha o aspecto de ter passado por diversas gravações. Em um dos lados dela estava apenas escrito Anthrax. Muito anos depois fui descobrir que o disco que estava naquela fita era o Among the Living, clássico do thrash metal lançado em 1987. Como ele não deixou a caixinha não sei se essa informação estava nela.

Nessa mesma fita tinha uma música que iniciava com um dedilhado feito sobre uma escala oriental que culminava em uma música que mantinha um riff sobre essa mesma escala. E a música era boa demais. Muitas foram as vezes que eu ouvi mais de uma vez só essa música. A fita se perdeu com o tempo e as minhas mudanças de cidade e anos depois eu já estava familiarizado com o Anthrax mas nunca tinha encontrado aquele disco (lembrem-se que eu não sabia qual deles era). No dia que eu consegui o Among the Living eu o ouvi com prazer e com a expectativa de ouvir depois de tanto tempo aquela música que eu adorava. Porém o disco acabou sem que ela fosse tocada. Busquei a discografia toda da banda até então e nada. Acabei por deixar minha busca de lado.

Por volta de 2010 eu comprei um disco chamado When Death Comes (2009) da banda Artillery por indicação de alguém. Gostei bastante do álbum e fui pesquisar mais um pouco sobre eles. Descobri que o Artillery era uma banda dinamarquesa formada em 1982 por dois caras que estavam presentes em um ensaio do Mercyful Fate. Essa informação me soou fantástica, afinal sempre fui um grande fã do King Diamond e seus companheiros. Um desses caras é Jørgen Sandau, um guitarrista, que era também um roadie do Mercyful Fate. O outro foi Carsten Nielsen, um baterista. Outra informação era de que When Death Comes foi lançado depois de dez anos de hiato do grupo e que os discos gravados antes dessa parada eram muito bons. Consegui mais um disco, B.A.C.K. de 1999, que também tinha sido gravado bastante tempo após o seu anterior, nesse caso nove anos depois. E era justamente esse álbum anterior que era tratado como o grande disco da banda. Busquei o álbum em mp3 mesmo: By Inheritance de 1990. E para a minha enorme surpresa logo de cara começa aquela introdução meio oriental que leva à um dos melhores riffs do thrash metal que já ouvi. E foi então que consegui as informações de tudo aquilo que levei anos e anos para saber. A introdução “7:00 From Tashkent” abre alas para “Khomaniack”. Até hoje eu lembro da sensação que tive. Foi uma mistura de nostalgia, lembrança de bons momentos e satisfação, como se eu finalmente tivesse conseguido terminar um grande projeto complicado de engenharia.

Carsten Nielsen, Peter Thorslund, Flamming Rönsdorf, Morten Stützer e Michael Stützer

Voltando um pouco para a história, o Artillery é caracterizado por uma frequente mudança de formação e conta atualmente com apenas dois membros originais. O guitarrista Michael Stützer e seu irmão Morten Stützer que começou como baixista, gravou os dois primeiros álbuns e mudou para a guitarra a partir do terceiro disco, justamente o By Inheritance. Notem que os dois músicos citado lá em cima no texto, que foram responsáveis por montar a banda, já não estão mais no grupo. Morten Stützer substituiu Jørgen Sandau no posto de guitarrista depois de sua saída e o baixo de By Inheritance foi gravado por Peter Thorslund, que está na banda hoje em dia também. Mas o grande destaque do disco é sem dúvida o vocalista Flemming Rönsdorf.

Comento sobre o fantástico riff de “Khomaniac”, mas o trabalho de voz de Rönsdorf está fazendo jus ao trabalho de guitarras, elevando o nível total lá para cima. A letra da faixa era bastante atual na época do lançamento. Quem é um pouquinho mais velho certamente se lembra do nome do Aiatolá Khomeini. O nome da música é um trocadilho com o nome do aiatolá mais a palavra inglesa maniac. Assim, vocês já podem imaginar que trata-se de uma crítica pessoal e ao regime implantado no Irã no final da década de 70 que rende notícias quase que diariamente até hoje. A música foi lançada um ano antes em uma distribuição reduzidíssima apenas em cassete como uma espécie de single como o rosto do Aiatolá Khomeine na capa. A parte instrumental ali pela metade da música vai fazer qualquer fã de metal um fã imediato da banda.

No geral a parte lírica do Artillery é bastante similar ao de várias bandas thrash: religião, política, guerra, assassinato, mente humana, etc. Já na questão musical, apesar de ser caracterizado como uma banda essencialmente thrash, temos melodias e andamentos que poderiam ser identificados como uma banda de metal tradicional. Porém os riffs principais é que definem sua classificação definitiva.

É normal lermos por aí que a primeira metade, ou para os mais antigos, o Lado A, é muito superior ao restante do disco, mas eu já vejo como o resultado da escolha da ordem das músicas. Realmente pegaram as melhores e colocaram logo no começo, mas não tem faixa ruim no álbum. A versão para o clássico no Nazareth “Razamanaz” também pode parecer estranho em um primeiro momento, mas eles souberam adicionar a assinatura da banda para a música. Pena que logo depois do lançamento de By Inheritance a banda tenha se dissolvido com cada um indo participar de projetos musicais distintos e permaneceram assim até a volta em 1999 com o já citado B.A.C.K..

Quem ainda não estiver convencido de que se trata de um disco que vale a pena ir atrás pode mudar de ideia quando souber que o produtor do álbum Flemming Rasmussen também trabalhou no clássico eterno Master of Puppets. Mas não esperem os mesmos timbres do disco do Metallica. O som dos americanos é mais encorpado que o dos dinamarqueses. Também não podia deixar de comentar a capa, que em um primeiro momento parece até bem tosca, mas tem um conceito bastante interessante que casa com o nome do álbum. Trata-se de um homem em uma espécie de sala de espelhos em que cada um desses espelhos reflete uma imagem dessa pessoa representando desde as origens da raça humana até uma ideia de como ficaremos daqui alguns séculos no futuro.

Se fosse preciso classificar, consideraria o By Inheritance facilmente entre os 15 ou 20 melhores discos de thrash, levando em conta todas as épocas e nacionalidades. Encontrá-lo em verão física hoje em dia é possível, mas quem tiver o interesse deve ficar atento às versões bootlegs que existem por aí. Eu mesmo caí no erro uma vez. O preço da versão original pode parecer até salgado, mas vale a pena. Quem também se interessar pelo resto da discografia da banda pode começar pelo box Through the Years de 2007 que contém os quatro primeiros discos mais faixas bônus relacionadas com cada um dos lançamentos.

Para os que nunca ouviram e forem atrás eu desejo que a sensação da primeira audição seja tão prazerosa quanto foi para mim, quando ainda nem sabia do que se tratava. Quem já conhece sugiro que ouça novamente. Boa audição!

Track List:

01 – 7:00 from Tashkent
02 – Khomaniac
03 – Beneath the Clay (R.I.P.)
05 – By Inheritance
06 – Bombfood
07 – Don’t Believe
08 – Life in Bondage
09 – Equal at First
10 – Razamanaz (Nazareth cover)
11 – Back in the Trash

 



10 Comentarios

  1. Marcel disse:

    Me lembrou uma época “das priscas eras” que alguém me emprestou uma fita que tinha o Kill’em All todo gravado e a ultima música era a “Fight Fire With Fire”. Eu sabia que era Metallica e sabia que não era do Kill’em All, mas demorou um tempão pra eu saber que era do Ride… ahahah!

    • Fernando Bueno disse:

      Desde aquela época eu me preocupava com as informações e gostava de copiar na fita o máximo de informações que eu podia.

  2. Mauro Reis disse:

    Que porrada! Sonzaço.

    “Khomaniak – your holy war is a tragedy”! Cabia para o Trumpniac e o Zé Coréianiac.

  3. André Kaminski disse:

    Conheço muitos que destratam o Artillery como banda de “thrashinho”. Eu discordo e acho muito boa, inclusive melhor do que muitas outras europeias.

    E esse By Inheritance é o disco que mais ouvi deles. E concordo que é muito bom.

  4. Regis disse:

    Um grande álbum, lembro que ouvia desde bem moleque. Top ten do Thrash Metal pra mim.

  5. Adriano Martins disse:

    Creio que essa música com escala oriental do Anthrax não seria Stand or Fall do disco Spreading the Disease?

  6. Adriano Martins disse:

    Eu é que não li o resto kkk
    E já me lembrei dessa do Anthrax que tem um começo com essas características também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *