paul_mccartney-run_devil_run-frontal

 

Por Davi Pascale

Considero Paul McCartney um dos músicos mais talentosos que existem dentro do rock n roll. Compositor de mão cheia, criativo, profissional, excelente músico. Dono de uma discografia interessantíssima, como esse trabalho aqui.

Em 1998, Paul tomou uma das maiores porradas de sua vida. O músico viu sua amada esposa Linda McCartney, com quem esteve casado por quase 30 anos, perder uma batalha contra o câncer. O músico, que vinha em um excelente momento de sua carreira, tendo lançado à pouco, Flaming Pie, um de seus melhores álbuns e um dos melhores álbuns dos anos 90, resolveu se afastar um pouco do cenário por conta do baque. A retomada viria no ano seguinte com um o álbum Run Devil Run.

Disposto a recomeçar, resolveu retornar ao básico. Empunhou seu baixo hofner, se trancou no lendário Abbey Road Studios e resolveu reviver algumas músicas que marcaram sua juventude. Não era a primeira vez que fazia algo do tipo. Em 1988, Macca havia lançado Choba B CCCP. Álbum onde revivia clássicos de Eddie Cochran, Sam Cooke e afins. A ideia aqui era parecida.

A grande diferença é que, dessa vez, não focou em hits para criar o tracklist. Muitas dessas músicas são clássicos para quem conhece bem a cena. Para quem conhece mais de longe, apenas por escutar faixas nas rádios de classic rock, uma boa parte dessas canções era novidade.

Paul não queria modernizar as musicas. Queria manter a simplicidade e a magia das canções. Para acompanha-lo nas gravações, recrutou um verdadeiro dream team. A bateria ficou a cargo de Ian Paice (Deep Purple) e Dave Mattacks (Fairport Convention). Os teclados ficaram por conta de Pete Wingfield e Geraint Watkins. Enquanto as guitarras ficaram nas mãos de, nada mais, nada menos, do que David Gilmour (Pink Floyd) e Mick Green (Johnny Kidd & The Pirates). O baixo, obviamente, foi gravado pelo ex-beatle.

paul2

Álbum é repleto de convidados de peso

Run Devil Run demonstrava que o rapaz não estava para brincadeira. Mais uma vez, fez um dos grandes álbuns de sua carreira. Suas versões de “She Said Yeah”, “Lonesome Town”, “Brown Eyed Handsome Man”, “Honey Hush” e “Shake a Hand” são tão boas quanto as originais. Os momentos menos empolgantes são as faixas que ficaram famosas na voz do rei do rock, Elvis Presley. É muito difícil se igualar ao rapaz de Tupelo. Por mais brilhante que você seja. O garoto tinha um estilo único de cantar e é muito difícil se desligar desse fator durante a audição. Principalmente em faixas como “I Got Stung” e “All Shook Up”. É verdade que as versões estão longe de serem ruins, mas…

Por falar em originais, o baixista não se acomodou e entregou três novas canções, escritas no mesmo pique das homenageadas. “Run Devil Run” trata-se de um rock n´ roll divertidíssimo àla Chuck Berry, mas as melhores mesmo são o boogie-woogie “What It Is” e a bluesy “Try Not To Cry”. Faixas que colocaria facilmente entre os grandes destaques do disco. Isso não é uma tarefa fácil quando se está revivendo Little Richard, Chuck Berry e Carl Perkins, mas Paul McCartney é Paul McCartney.

Se Choba B CCCP sempre ficou dividido na opinião dos fãs, Run Devil Run, de outro, sempre foi muito aclamado. Álbum apresenta McCartney cantando como nunca, qualidade de gravação impecável e arranjos extremamente bem resolvidos. Audição obrigatória!

Faixas:

  • Blue Jean Bop
  • She Said Yeah
  • All Shook Up
  • Run Devil Run
  • No Other Baby
  • Lonesome Town
  • Try Not To Cry
  • Movie Magg
  • Brown Eyed Handsome Man
  • What It Is
  • Coquette
  • I Got Stung
  • Honey Hush
  • Shake a Hand
  • Party

14 comentários

  1. Francisco

    Sempre achei o Macca muito mais músico e mais interessante que o chato de galochas chamado João Leno, cuja genialidade acho um tanto superestimada. Sobre o disco em questão, não tinha como falhar. Deve ter sido muito divertido para esse bando de veteranos reviver clássicos do passado, sem o compromisso com o “novo”. Às vezes, a energia que vem da despretensão contagia a todos!

    Responder
    • Davi Pascale

      Sou fã dos dois. John Lennon, por sinal, também tem um álbum de covers maravilhoso que se chama Rock n Roll. Talvez escreva sobre ele mais pra frente…

      Responder
    • Davi Pascale

      Minha! Cortei minha assinatura sem querer na hora de colocar as fotos. Valeu pelo aviso. Nem tinha notado…

      Responder
  2. Tiago

    Esse disco é muito bom mesmo. Embora tenha poucas inéditas, deu sequência à boa fase que Paul vem tendo desde 1997…

    Responder
  3. FabioRT

    O legal da Consultoria e dos seus comentaristas é que muitos artistas são desmascarados por aqui rs r s rs

    Responder
  4. Eudes Baima

    Lá pelos anos 80 e 90, à época de Pipes of Peace, Tug of War, Press to Play e Off Ground (teve no meio um disco bom, Flowers in the dirt), considerei Paul um dinossauro à beira do Grande Poço de Pixe, às vésperas da extinção. O renascimento a partir de 97 foi surpreendente.

    Responder
    • Davi Pascale

      Eu gosto dessa fase dele. O Flowers in The Dirt realmente é muito bom, mas o Tug of War, o Off The Ground e o Pipes of Peace eu também curto bastante. Especialmente, o Tug of War. Um disco que acho fraco dele é o McCartney II. Acho que é o pior dele.

      Responder
  5. Anônimo de volta

    Esse disco tem uma sujeira e energia absurda e contagiante que não se encontra em nenhum outro disco do velho Macca. Inclusive as músicas possuem uma velocidade impressionante fazendo elas se aproximarem de um proto punk. Disco fantástico!!! O Macca de certa forma acabou extravasando toda a dor e a tristeza que ele estava passando naquele momento delicado pela morte da Linda.

    Responder

Deixar comentário

Seu email NÃO será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.