Dark Room #4

12 de setembro, 2011 | por micaelmachado
Diversos
3



Por Micael Machado
Mais uma edição do Dark Room para vocês! Dez músicas (cinco progressivas, cinco mais agressivas) e nenhuma pista do que você estará ouvindo!
Mais do que tentar adivinhar quem toca o quê, nos interessa a sua opinião sobre as músicas escolhidas. Então, clica aí e deixe seus comentários!
Let the games begin!



3 Comentarios

  1. Vamos má

    Faixa 1 – Malibran, uma das melhores bandas italianas da década de 80. Muito bom

    Faixa 2 – Parece Siru Giran, mas não é. Espiritu, 2112, é uma banda argentina.

    Faixa 3 – tem cara de progressivo brasileiro. Chuto no Tuatha de danann, mas não sei o que é. Poderia ser Violeta de Outono tb.

    Faixa 4 – Não tenho ideia. Vocal feminino, não gostei. Nightwish!!!

    Faixa 5 – Isso é Blackmore's Night, só pode ser!! Se bem q essa voz não me é estranha, mas na pressa, nõ consigo pensar.

    Faixa – 6 Morphine. Com saxofone pro micael ouvir, só pode ser morphine. Se bem q tem guitarra, mas ainda acho q é morphine.

    Faixa 7 – Não tenho ideia. Vocal feminino grave. Não gostei. A nova vocalista do Nightwish…

    Faixa 8 – Guitarra estilo Metallica, vocal feminino. Não gostei. Nightwish.

    Faixa 9 – PQP, q q é isso? Kreator? Carcass? Obituary????

    Faixa 10 – PQP, q q é isso? Kreator? Carcass? Obituary???? [2]

    Começou muito bem, mas terminou mal. Pelo menos não tem hard farofa, rsrsrsrs

  2. micaelmachado disse:

    Mairon, tu não trocou a 5 pela seis? A que tem sax é a cinco, ou deveria ser…

    Ah, reouvindo eu entendi… o que chamasses de 4 e 5 é a mesma música, tem nove minutos! A cinco é a do sax, a seis tem duas vocalistas femininas diferentes, a sete tem o vocal feminino grave, a 8 começa com peso e o vocal é mais na linha do Carcass mesmo, mas não é o Jeff Walker. Depois entra uma voz limpa. As duas últimas tem pouco mais de um minuto e meio cada uma, acho que pensasses que era uma só… A nove começa com a mulher falando "you'll have to leave" e o cara falando "ok, ok!", na última o vocal é mais grave que na nona, e o som tá mais baixo…

    Bem, acertasses uma só, e no chute garanto. Mas não reconheceres a última (e ainda confundires com a nona!) é imperdoável!

  3. Só agora pude ouvir as músicas dessa Dark Room. Bom saber que não vai ser uma hora inteira de farofa! RÇRÇRÇ Vou escrevendo sem ter lido os comentários anteriores:
    1-De início, já um progressivo (?) com muita influência de folk celta. A princípio, achei bem parecido com Mike Oldfield, mas algo idicava que não era ele. Com a entrada do rock a coisa ficou mais tosca. Parece banda atual de prog. Legalzinho o som.
    2-Prog italiano aboiolado estilo PFM. Dá pra ouvir, mas vou sempre preferir Banco del Mutuo Soccorso. RÇRÇRÇ Em alguns momentos, porém, até parece o Espíritu, que me gusta mucho. Opa! Demorei a conferir se era em italiano ou em espanhol.. Pelo jeito é realmente o Espíritu, mas não tem o impacto das músicas deles que eu gosto.
    3-Mais um prog. Desse eu não tô gostando muito, pq tá soando muito clichê. Synths, tensão com bateria quebrada, momento épico com mellotron, guitarras gilmour-latimerianas.. Deve ser algum neo-neo-prog.
    4-Agora um prog mais soft. Como é uma mulher cantando, o som desce, capaz até de eu gostar se ouvisse mais vezes, mas se fosse um homem cantando isso eu acharia inadmissível! RÇRÇRÇ Isso é Renaissance? Mas parece anos 90..
    5-Riff ligeiramente pesado com metais. Clima de deboche durante toda a introdução. Mas no fim das contas ainda soa algo acomodado. Mas às vezes não. Quando os sopros ganham liberdade, a coisa fica interessante. A guitarra e o baixo também. Uma boa música de jazz alternando com um bom RIO. Quando tenta ser algo além das duas coisas ou quando tenta uni-las, vira bodega, ou melhor, loja de conveniências. Acho que posso resumir assim. Bom baterista.
    6-Metal com influência de música católica. Sem muito saco pra progressivo clichê, quanto mais pra metal.
    7-Mais metal. Mas esses são pagãos. RÇRÇRÇ
    8-Mais metal. Satânico.
    9-Metal neo-satânico "quick one".
    10-Metal anarco-punk.
    Considerações finais: tô realmente muito sem saco pra heavy metal, qualquer que seja a variante, mas o "primeiro bloco" dessa Dark Room valeu um bocado a pena, apesar de eu ter curtido poucas músicas. Só por nos livrar de tanta farofa, voto no Micael pra continuar fazendo as Dark Rooms! Impeachment pro Daniel! RÇRÇRÇ

    P.S.: Lendo os comentários, vejo que pensei parecido com o Mairon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *