Deus e o diabo na terra da coca

23 de fevereiro, 2011 | por Marco Gaspari
Artigos Especiais
18
Por Marco Gaspari
Já que a humanidade tem razões de sobra para afirmar que o inferno é aqui, em pleno planeta Terra, posso muito bem especular que o coisa ruim escolheu Medellín para passar uma boa temporada e até mesmo fixar residência durante os anos 80.
Segunda cidade mais populosa da Colômbia e um dos principais centros industriais do país, localizada ao norte, a 1.520 metros de altitude, foi fundada em 1675 por colonos espanhóis, ou seja: sua colonização foi predominantemente católica. Mas nos anos 80 o que imperava era o mal, travestido na figura de Pablo Escobar, o maior traficante da história, senhor supremo do famoso Cartel de Medellín.
Será que era o tráfico de cocaína, no entanto, a única preocupação na época da direita católica colombiana no que diz respeito à juventude e ao futuro do país? Com certeza não, pois Satã tem várias faces e o que mais agrada aos ouvidos de cada uma delas é, sem dúvida, o rock’n’roll.
Não que a Colômbia e, em particular, a Medellín de então fosse o grande celeiro ou a Meca das bandas de rock internacionais. Muito pelo contrário. Não havia uma cena roqueira consistente no país, pois não havia incentivos do governo ou dos meios de comunicação. Era muito difícil ensaiar, se apresentar, e os músicos lutavam com dificuldades para sobreviver profissionalmente. O que não impedia que, na visão da direita católica, “o rock, como um camaleão, mimetizasse para poder penetrar na alma dos povos latino americanos, filhos tão diletos da fé católica… Sendo nossa juventude menos deteriorada que a do norte (EUA) seria então necessário um estilo musical mais cálido e menos brutal: o rock latino, preparado meticulosamente para ser ingerido – pois não é digerível – por nossos jovens”.
Grupos que tocavam nas rádios do país, como o espanhol Toreros Muertos e suas letras com temáticas absurdas, além de um senso de humor beirando o subversivo, deviam incomodar e muito qualquer cidadão pio de Medellín. Uma de suas canções, “Mi Aguita Amarilla”, por exemplo, celebrava a urina. Sua letra afirmava que “lo que más me alegra es que mi aguita amarilla sea um líquido inmundo”. A banda venezuelana Arkangel, de forma mais velada, mas ainda assim chocante aos ouvidos cristãos, cantava “que feliz estoy: no tengo plata ni religión, pero tengo el rock’n’roll”. Mais radical em sua pregação, outra banda espanhola, o Angeles Del Infierno, não contente em apenas ilustrar as capas de seus discos com imagens eróticas e satânicas, propagava abertamente em suas canções o desrespeito às leis e aos mandamentos. Um dos títulos dessas canções: “Maldito Sea Tu Nombre”.
O rock’n’roll sempre incomodou as alas radicais cristãs. E não estou mais falando apenas de Medellín. Padres católicos e pastores evangélicos não se cansam de pregar contra esse ritmo de origem pagã. Quem já assistiu no YouTube algum dos sermões do pastor fundamentalista cristão Gary Greenwald sabe muito bem qual é o tom dessa cruzada. Greenwald se apresenta como um antigo artista de rock (não sei dizer o nome do grupo do qual participou ou se era artista solo), e entre todas as teorias conspiratórias satânicas do seu leque de denúncias, a que costumava ter mais repercussão entre os fiéis é o backmasking, processo que permite colocar mensagens em discos populares que só são reveladas quando os discos são tocados em reverso. Muitos pastores fizeram sua carreira no púlpito denunciando as mensagens subliminares em músicas como “Revolution #9”, dos Beatles, “Stairway to Heaven”, do Led Zeppelin, “Darling Nikki”, do Prince, e tantas outras. Um sacerdote canadense, o padre Regimbal, chegou a escrever em 1983 um livro denúncia sobre o rock’n’roll, fundamentado em duas dezenas de casos de suicídio de jovens canadenses cujo fator comum era a audição dessa música diabólica.
Enfim, são numerosos os ativistas que se alinharam para desmascarar as forças do mal que usam o rock e sua influência na juventude para arrastá-la ao pecado. Desde os que preferem permanecer anônimos, como uma famosa ex-cantora norte-americana que afirmava ter sua fisionomia transformada antes de entrar no palco, ganhando uma nova energia e entrando numa espécie de transe, até os mais arroz de festa, como o bom mocinho Pat Boone, que nunca cansou de alertar sobre a influência negativa do rock – “esse flautista encantador que conduz toda uma geração para a sua própria destruição”.
Nos Estados Unidos, mais particularmente no Ministério da Justiça, houve até uma comissão sobre a pornografia que realizou várias sessões especiais a respeito do assunto. No que diz respeito ao rock especificamente, um importante grupo de senhoras notáveis, denominado “Centro de Informação Musical dos Pais de Família”, chegou a causar impacto na opinião pública norte-americana pela repercussão de suas iniciativas na mídia. Tal grupo de mulheres, “As Senhoras de Washington”, formado em 1985, tinha em suas fileiras a esposa de um ex-ministro das finanças e a de um atuante senador, e bateu de frente com os interesses da indústria do rock. Em uma entrevista da época ao Washington Times, justificavam suas ações com as seguintes palavras: “A imoralidade e a violência sempre foram marcas características do rock, mas elas chegaram a tal grau de explicitação e mordacidade que não se pode mais permitir indiferença ante o problema. Os pais de família têm que intervir em defesa da integridade moral de seus filhos”. Até mesmo a intervenção do governo foi pedida na época por um senador da Carolina do Sul que, depois de se dirigir ao Senado classificando o rock como uma escandalosa imundície, solicitou àquela alta câmara que encontrasse um meio constitucional para que a sociedade americana se visse livre dele.
Talvez a maior vitória dessas tais “Senhoras de Washington” foi obrigar as companhias de discos a estamparem aqueles selos de advertência aos pais nas capas dos discos, chamando a atenção para o que elas classificavam de conteúdo vulgar e explícito nas letras das canções. Isso existe até hoje.
Quanto ao rock satânico propriamente dito, é interessante conhecer o que os ativistas de direita têm a dizer a respeito:
“Os Beatles inauguraram a etapa de evolução do rock que atravessou o temível umbral que vai do misticismo oriental ao ocultismo e do ocultismo ao culto satânico. Eles estão no coração dessa revolução e expuseram sua ideologia em dois discos: ‘Sgt. Pepper’s Lonely Heart Club Band’ e ‘Devil’s (sic) White Album’.
Os Beatles verdadeiramente exploraram todos os aspectos da revolta juvenil, política, religiosa, erótica, esotérica e satânica. Consideravam-se mais populares que Jesus Cristo e estavam convencidos de que seu pensamento modificaria radicalmente a música e a moralidade do mundo ocidental.
No começo de 1968 lançam o ‘Devil’s (sic) White Album’ e neste as duas canções: ‘Revolution #1’ e ‘Revolution #9’. Pela primeira vez na indústria do disco se introduziram mensagens subliminares para transmitir o ‘Evangelho de Satanás’. A fórmula obteve êxito e desde então o rock tomou o caminho da perversão diabólica.
Entre os ‘mestres’ do gênero, são dignos de serem mencionados os Rolling Stones – cujo arqui sacerdote satânico é Mick Jagger -, The Who, Black Sabbath, Led Zeppelin e Styx. Não há equívoco possível: tudo foi inspirado, orientado e ordenado para a glorificação dos poderes ocultos e a adoração de sua majestade Satanás.”
E, para finalizar, mencionarei as três fontes principais (mencionadas por eles) do desvio decisivo que tomou a evolução do rock rumo ao satanismo:
1. As diversas técnicas das mensagens subliminares.

2. A consagração dos próprios artistas à pessoa de Satanás.

3. Aqueles que estão nos bastidores e são provedores de fundos cujos planos estão encaminhados à dominação mundial: Os Iluminados, a agência de feiticeiros WICCA e a Welsh Witches Society.
Vale lembrar que, segundo eles, os WICCA: Witches International Crafts & Conjuration Arts chegaram a possuir três companhias de discos (não citam quais) cuja finalidade era contribuir para a desmoralização interna dos jovens. São praticantes do satanismo e se consagram a Satanás. Também promoveram muitos artistas, entre eles Alice Cooper, cujos discos descrevem precisamente os estados de alma propícios aos discípulos de Satanás e convidam as pessoas a celebrar sua glória.
VALHA-ME DEUS!!!!
Este pequeno texto é a minha contribuição aos artigos sobre Rock e Satanismo. A maioria das informações contidas nele foi tirada de uma pequena brochura em espanhol – El Rock – Fascinación Inexplicable? – elaborada pela TFP (Tradição, Família e Propriedade) de Medellín e distribuída nas várias sedes da instituição durante parte dos anos 80 e 90. Curioso é que essa brochura contém uma interessante retrospectiva das várias fases da história do rock desde sua origem tribal até o começo do heavy metal. Gostaria de agradecer ao Micael pela inspiração.



18 Comentarios

  1. micaelmachado disse:

    É interessante como grupos governamentais e entidades religiosas sempre se postaram contra o rock… mas, aqui no Brasil, por exemplo, nunca vi os mesmos reclamando do funk carioca ou das músicas de duplo sentido comuns no norte e nordeste do país… apenas o rock é "obsceno" e "satânico"… por que será?

    Lembro d eum "jornal" da Igreja Universal que li um tempo atrás, e que classifica os discos de rock mais "satânicos" lançados… até o Caress Of Steel do Rush entrava na roda, por fazer apologia à carícia do aço, que para eles não era a espada, mas o pênis de Satanás… quanta criatividade…

    Mais um excelente texto, Gaspari! E não há necessidades de agradecimentos a mim, afinal, somos todos aprendizes aqui, e o objetivo é chegar ao conhecimento maior através da troca de nossos parcos conhecimentos específicos sobre certos assuntos. Portanto, se eu o inpirei a compartilhar o seu conhecimento, apenas atingi o objetivo primário do blog, não fiz nada demais…

  2. O demônio anda em alta aqui na Consultoria, hein? xD
    Mas, Gaspari, seguinte:

    "foi fundada em 1675 por colonos espanhóis, ou seja: sua colonização foi predominantemente católica. Mas nos anos 80 o que imperava era o mal"

    Por que vc usou o "mas"? A colonização católica não JÁ foi um mal? xP
    Achei interessante o texto. O rock, não como motor mas como reflexo da cultura atual, realmente corrompe a moralidade cristã. Mas, como sempre que querem arranjar um bode expiatório, os cristãos fundamentalistas sentem necessidade de distorcer alguma coisa, como esse "Devil's White Album"! xD

    Micael, eu acompanhava o movimento carismático aqui na minha cidade e não lembro de terem se pronunciado contra o rock em nenhum momento. Inclusive há bandas de rock. Mas falavam bem mal de suingueira, que era o que predominava por aqui.

  3. Por sinal, as bandas de rock evangélicas do Brasil costumam ser muito boas. Destaque pro Resgate – o álbum On the Rock é um cláááássico! -, pro Katsbarnea e pro Oficina G3 no começo da carreira. No metal, tem o Stauros, cujo disco Seaqueake eu ouvi muito quando adolescente, muito bom..

  4. diogobizotto disse:

    "Entre os 'mestres' do gênero, são dignos de serem mencionados os Rolling Stones – cujo arqui sacerdote satânico é Mick Jagger -, The Who, Black Sabbath, Led Zeppelin e STYX."

    Cara, tive que rir… STYX??? STYX??? STYX??? HAHAHAHAHAHA… é cada coisa que se passa na cabeça desse pessoal, que vou te contar…

  5. Mister disse:

    Vamos por partes:
    Micael: eu agradeci porque sou de família católica. Sou bonzinho, hehe… E se não fossem as suas postagens, não me ocorreria folhear novamente o tal livrinho.
    Groucho: Jura que você não entendeu o "mas"? E se fossem "porém" ou "todavia"? Como bom filósofo, discípulo de Thomas de Aquino, sabe que oficialmente a Igreja (fora as satânicas) é encarada como o bem (há controvérsias, claro).
    Diogo: Você conhece o STYX? Cuidado que é meio caminho para o inferno, hehe…

    Pessoalmente considero tudo isso uma bobagem sem tamanho. Minha formação universitária e profissional (fui publicitário) só me faz acreditar em marketing.

  6. fernandobueno disse:

    nós sempre escutamos coisas que aconteceram nos EUA, na Inglaterra e aqui no Brasil pq é o que a gente mais conhece e o que mais aparece. SAber que tudo isso aconteceu em outros países só demonstra que estupidez não escolhe nacionalidade…

  7. Belo texto. O fato do Styx ser associado ao satanismo é principalmente pelas capas dos discos da banda e por canções como "Father OSA", "The Serpent Is Rising", "Krakatoa" (que alguns imbecis diziam ser o lugar de férias do demônio) e "Evil Eyes".

    Outra que sofreu foi o Uriah Heep, mas em doses bem mais homeopáticas, e principalmente nos Estados Unidos

    Agora, quanto a essa frase: "feliz estoy: no tengo plata ni religión, pero tengo el rock’n’roll", será que copiaram de uma conhecida canção brazuca dos Mutantes?

  8. Diogo: Também me diverti com o Styx, mas nem comentei porque, se a Xuxa e o Roberto Carlos são do demo, tá tudo dominado.
    Gaspari: Como bom filósofo, discípulo de ninguém, eu lido especialmente com as controvérsias!
    Mairon: A dos Mutantes é um pouco pior, não acha? Religião até que vai, mas mulher e mãe?

  9. Mister disse:

    Como Krakatoa foi aquela ilha do arquipélado de Java destruída por um vulcão e fizeram o filme "Krakatoa, o inferno de Java", e sendo a palavra inferno copyright do tinhoso, o povo viaja mesmo.

  10. diogobizotto disse:

    Na verdade a associação mais óbvia que fiz foi com o mitológico rio Styx, que separaria o mundo dos vivos do mundo dos mortos. Mas não consigo deixar de achar absurda essa associação à banda que produziu hits tão inocentes como "Lady", "Come Sail Away" e "Babe", heheheh… pronto! Agora fiquei com vontade de ouvir a banda por uma semana seguida!

  11. luiz mayro disse:

    "O inferno é aqui na Terra"….realmente é a sala de entrada.
    Existe diversos temas que poderiam levar anos para se ter um denominador comum….o Rock é um deles.Como levar a sério um comentário sobre determinado fato que pode ferir ou influenciar os jovens sendo que determinado comentário parte de quem deve satisfação a sociedade desde os primórdios da colonização.
    A tempos as Religiões eram motivo de segurança familiar….e a "atrocidade" tomou conta deste aconchego.Jovens são influenciados pelo ambiente onde vive que define seu caracter.
    Exaltar o "Demônio" através da música na verdade foi um ato comercial com base em folclore e rituais de povos antigos.
    "Mas é fato que jovens vazios são exatamente como um PC …… se baixar um programa sem passar um Anti-Vírus….pode causar estrago !!!"

    Abs. NAZA

  12. Mister disse:

    Realmente, Naza. Antes de existir o cristianismo, existia o paganismo. Antes do Deus único, existia a crença em vários deuses. E isso está arraigado na cultura (no folclore) dos povos milenares, que hoje são católicos, protestantes, seja o que for.
    E cada um tem que defender o seu, é ou não é?
    Muito legal tê-lo aqui no blog, meu amigo.

  13. Diogo, em tua homenagem e aquels que não conhecem, vou preparar um discografia comentada do Styx, mas acho q vai ter q ser em tres partes, pq é muito disco …

    Baita banda nos anos 70. O Uriah Heep americano!

  14. luiz mayro disse:

    Obrigado Mister….o prazer é meu de estar trocando idéia com pessoas do nível dos que postaram…..

    NAZA

  15. diogobizotto disse:

    Bah, Styx merece, e é bom pra atiçar os ânimos de alguns, hehehe… eu acho que rola em duas partes… uma do primeiro até o "Pieces of Eight" e outra do "Cornerstone" até o "Big Bang Theory", que tal? Acho que funciona… os caras têm uma sequência absurda de discos ótimos de "Equinox" até "Paradise Theater"!

  16. Diogo, eu pensei do primeiro ao cornerstone e do paradise até o big bang, dai fecha por decadas.

    Não fica melhor assim?

  17. diogobizotto disse:

    Maravilha então. Não vejo a hora de rolar e eu poder comentar em cima. Tenho certeza que, pelo visto, termos algumas opiniões bem distintas a respeito de alguns discos.

  18. E a Xuxa, não vai ter Discografia Comentada? xP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *